DENGUE E SEU VETOR: SEQUÊNCIA DE ENSINO INVESTIGATIVO EM UMA PERSPECTIVA INOVADORA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v10i3.14164

Palavras-chave:

Métodos ativos de aprendizagens (MAA), Site, Aedes aegypti

Resumo

Este artigo é um recorte do trabalho de conclusão do Curso de Mestrado Profissional em Biologia-PROFBIO-UFMT, executado de forma remota em razão da pandemia de Covid-19. Na intenção de persuadir os desafios educacionais, destaca-se, ainda, que, nesse período, havia um alto índice de Dengue no país. Desse modo, este estudo buscou, por meio do Ensino Remoto, empregar novas estratégias no processo de Ensino-Aprendizagem de Biologia, tendo como base a Sequência de Ensino Investigativo (SEI) associada a métodos de aprendizagem ativa sobre a temática da Dengue e seu vetor. Assim, a intenção foi produzir material pedagógico a fim de traçar caminhos para a Alfabetização Científica, valendo-se, também, das ferramentas digitais. Optou-se por utilizar métodos qualitativos com o emprego de questionários e entrevistas destinados a professores de Biologia. A análise de dados e a apresentação dos resultados estão pautadas na análise de conteúdo de Bardin, já que é um método muito aplicado neste tipo de pesquisa. Como material pedagógico educacional, tem-se a produção da SEI, sobre a Dengue e seu vetor, e o site Denguelogia 4.0. Ambos validados pelos participantes, a SEI como uma proposta inovadora condizente com a Alfabetização Científica, e o site como guia didático virtual aos professores interessados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Thamiris Silva Nélio, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Possui graduação em Ciências Biológicas pelo Centro Universitário de Várzea Grande (2007). Atualmente é professora da Escola Estadual Elmaz Gattas Monteiro. Tem experiência na área de Biologia Geral, com ênfase em Biologia Geral, atuando principalmente nos seguintes temas: conflitos, adolescência e aprendizagem e psicopedagogia.

Rosina Djunko Miyazaki, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Possui graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1977), Mestrado em Ciências Biológicas (Entomologia) pela Universidade Federal do Paraná (1982) e Doutorado em Ciências Biológicas (Entomologia) pela Universidade Federal do Paraná (1994). Professora Aposentada Titular da Universidade Federal de Mato Grosso. Tem experiência na área de EaD, PIBID, PROFBIO, Inclusão, Educação em Saúde, Saúde Coletiva: Aedes aegypti ,Aedes albopictus Leishmanioses, Malária no estado de Mato Grosso, Monitoramento de endemias.

Edna Lopes Hardoim, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Possui graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Gama Filho (1982) e doutorado em Ecologia e Recursos Naturais pela Universidade Federal de São Carlos (1997). Professora Titular, progressão por defesa de memorial, em 2014, da Universidade Federal de Mato Grosso, onde foi docente na graduação (Lic. em Ciências Biológicas) de 1988 a 2019. É docente nos cursos de mestrado profissional (Ensino de Ciências Naturais/UFMT e Ensino de Biologia em Rede PROFBio) e doutorado em Rede (Educação em Ciências e Matemática/REAMEC). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de Ciências Naturais e Matemática, atuando principalmente na linha de pesquisa Fundamentos Metodológicos e Epistemológicos, nos seguintes temas: Educação Inclusiva; Produção de Material Didático; Ensino de Microbiologia, material didático para EaD. Na área de gestão, foi diretora do Instituto de Biociências/UFMT de mar-2009 a fev-2013. Foi Coordenadora de Formação Docente/Pro-reitoria de Ensino de Graduação de 01.12.2012 a 14.10.2016. Foi Coordenadora Geral do Comitê Gestor Institucional da UFMT/RENAFORM, de abril/2013 a set/2016. Trabalhou na Secretaria de Relações Internacionais da UFMT, como Assessora para Acordos e Parcerias Internacionais de outubro/2016 a abril/2017. Coordenou, de abril/2017 a janeiro 2019, o curso de especialização (EaD) em Diversidade e Educação Inclusiva no contexto das Ciências Naturais, em 9 Pólos UAB/UFMT, voltado à formação de professores da Educação Básica. Coordenou o projeto de Extensão Universitária "Laboratório Sensorial: Formação Continuada e práxis do(a) educador(a) frente aos novos desafios da Educação Inclusiva (FORPREEI)", que contempla o tripé Ensino, Pesquisa e Extensão (2014-2019). Professora aposentada desde julho de 2019, atualmente é Pesquisadora Associada no Instituto de Biociências da UFMT, campus Cuiabá, onde é credenciada nos Programas de Pós Graduação Ensino de Biologia/ProfBio/IB-UFMT, Ensino de Ciências Naturais, ao nível de mestrado e no curso de doutorado do PPG Educação em Ciências e Matemática/REAMEC, onde ministra disciplinas, orienta pesquisas principalmente nas áreas de Educação Inclusiva, Ensino de Ciência e Biologia com produção de material didático. Tem proferido palestras sobre Educação inclusiva, métodos de aprendizagem ativa, Educação STEAM e Ensino por Investigação. Possui curso preparatório para as equipes formadoras do Ciência é 10 (EaD- CAPES) oferecido pela Secretaria Geral de Educação a Distância da Universidade Federal de São Carlos, no período de 04 a 21 de fevereiro de 2020, num total de 20 horas.

Referências

ANDERSON, L. W. et. al. A taxonomy for learning, teaching and assessing: a revison of Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives. Nova York: Addison Wesley Longman, 2001. 336 p.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70. 2011.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação - Brasília: MEC/SEB, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 23 abr. 2020.

______. Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde – Brasília, v.51, n.10, Abril, 2020. Disponível em: https://www.saude.gov.br/boletins- epidemiológicos). Acesso em: 09 mar.2020.

______. Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde. Ministério da Saúde. Brasília, v.52, n. 08, Março, 2021. Disponível em: https://www.saude.gov.br/boletins- epidemiológicos). Acesso em: 18 mar.2021.

______. Ministério da Saúde. Caderno de Atenção Básica n. 21. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

BRITO SILVA, J. M.; MIRANDA CERQUEIRA, L. L. Plataforma youtube® como ferramenta para o ensino de Biologia. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 8, n. 2, p. 774-792, 2020. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/10191. Acesso em: 23 jan. 2022

CARVALHO, A. A. A. Indicadores de Qualidade de Sites Educativos. Cadernos SACAUSEF – Sistema de Avaliação, Certificação e Apoio à Utilização de Software para a Educação e a Formação, Ministério da Educação, n. 2, p. 55 - 78, 2006. Disponível em: https://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/5922. Acesso em: 18 jan. 2022.

CASTELLAR, S. M. V. Metodologias Ativas: Ensino por Investigação. São Paulo: FTD. 2016.

CHASSOT, A. Alfabetização Científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista brasileira de educação, n. 22, p. 89-100, 2003.Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/gZX6NW4YCy6fCWFQdWJ3KJh/?format=pdf. Acesso em: 20 out. 2020.

COELHO, G.E. Dengue: desafios atuais. Epidemiol Serv Saúde. 2008 jul-set;17(3):231-3. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/pdf/ess/v17n3/v17n3a08.pdf. Acesso em: 20 jun. 2020.

COSTA, L. M. C. Jogos e a aprendizagem híbrida: desafios e possibilidades didáticas colaborativas no ensino de genética. Cuiabá, 2021. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais, Universidade Federal de Mato Grosso. 2021.

FERRAZ, A.P.C.M. BELHOT, R. V. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gest. Prod., São Carlos, v. 17, n. 2, p. 421-431, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/gp/v17n2/a15v17n2.pdf. Acesso em: 20 out. 2021.

FERREIRA, A. V. A educação geográfica e a estruturação de processos cognitivos na BNCC do ensino fundamental: a cidade como objeto de conhecimento. Humanidades & Inovação, v. 7, n. 18, p. 365-384, 2020. Disponível em: https://repositorio.ufersa.edu.br/handle/prefix/5300. Acesso em: 13 jan. 2022.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GUERREIRO, C. J. A construção de um site educacional por alunos de um curso do ensino médio profissionalizante: contribuições para o ensino de biologia. 2015. 72 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) - Centro de Ciências

MINAYO, M. C.de S. (org.). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. RJ: Vozes, ed. 21, 2002.

MIYAZAKI, R. D. et al. Monitoramento do mosquito Aedes aegypti (Linnaeus, 1762) (Diptera: Culicidae), por meio de ovitrampas no Campus da Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, Estado de Mato Grosso. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 42. n. 4, p. 392-397, jul-ago. 2009.

MORÁN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. V. 2, PROEX/UEPG, 2015. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wpcontent/uploads/2013/12/mudando_moran.pdf. Acesso em: 13 abr. 2020.

MORÁN, J. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: BACICH, Lilian; MORAN, José (Orgs.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

MOREIRA, J. A.; SCHLEMMER, E. Por um novo conceito e paradigma de educação digital onlife. Revista UFG, v. 20, 2020. Disponível em: https://repositorioaberto.uab.pt/handle/10400.2/10642. Acesso em:17 jan.2022.

NÉLIO, T. S. A Dengue e seu vetor: uma Sequência de Ensino Investigativo em uma perspectiva inovadora. Cuiabá, MT: Dissertação (mestrado profissional) – Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Biociências, Programa de Pós-Graduação Profissional em Ensino de Biologia, 2022.

PESSOA, G. P.; COSTA, F, J. A Flipped Classroom no ensino de Ciências e Biologia: uma articulação com o Ensino de Ciências por Investigação. Tecnia, v. 4, n. 2, p. 208-225. 2019.

POZO, J. I.; CRESPO, M. A. G. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

SANTOS, P.A. Aprendizagem Investigativa sobre a Dengue empregando a Educação STEAM e Métodos Ativos no Ensino Médio. Dissertação. Mestrado em Ensino de Biologia (PROFBIO-UFMT). Cuiabá-MT. 2020.

SASSERON, L.H.; CARVALHO, A. M. P. de. Alfabetização Científica: uma revisão bibliográfica. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 59-77, 2011. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/246/172. Acesso em: 20 out. 2021.

SILVA, L. D. Q da. et. al.. Metodologias Ativas: A Google For Education como ferramenta disruptiva para o ensino e aprendizagem. Revista Paidéi@-Revista Científica de Educação a Distância, v. 10, n. 18, 2018. Disponível em: https://periodicos.unimesvirtual.com.br/index.php/paideia/article/view/880?msclkid=b20afdaecfad11ec83fd20018b39cd7e. Acesso em: 20 dez 2021.

VALENTE, G.C. et al. Ensino remoto diante das demandas do contexto pandêmico: Reflexões sobre a prática docente. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, [S. l.], v. 9, n. 9, p. e843998153, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i9.8153. Disponível em: https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/8153. Acesso em: 20 jan. 2022.

ZARA, A. L. S. A. et al. Estratégias de controle do Aedes aegypti: uma revisão. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 25, p. 391-404, 2016.Disponível em: https://www.scielo.br/j/ress/a/dxD9DzpTvhQxZDYtnfbF8xz/?lang=pt. Acesso em: 20 out. 2021.

Publicado

2022-09-28

Como Citar

NÉLIO, T. S.; MIYAZAKI, R. D.; HARDOIM, E. L. DENGUE E SEU VETOR: SEQUÊNCIA DE ENSINO INVESTIGATIVO EM UMA PERSPECTIVA INOVADORA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 10, n. 3, p. e22059, 2022. DOI: 10.26571/reamec.v10i3.14164. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/14164. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Educação em Ciências

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)