COMPREENSÕES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DE CHARGES DO FACEBOOK

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v8i2.9768

Palavras-chave:

Desenvolvimento Sustentável. Ensino de Ciências. Mídia Social.

Resumo

O presente texto discute sobre algumas contribuições que charges publicadas no Facebook podem oferecer para potencializar o desenvolvimento da Educação Ambiental (EA) no ensino de Ciências. A investigação é caracterizada como uma pesquisa qualitativa de análise de conteúdo. Para a construção de dados foram pesquisadas no Facebook charges com representações gráficas de EA, divulgadas na mídia social de modo público. O material selecionado foi classificado em três categorias: Charge de Educação Ambiental com Realidade Alterada, Charge de Educação Ambiental com Ficção Contextualizada e Charge de Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável. A discussão dos resultados constituiu-se a partir do referencial teórico que trata da EA com base em autores que discorrem sobre o ensino escolar. Os resultados construídos mostram que charges que circulam no Facebook têm potencial para instigar discussões sobre EA e que, portanto, se constituem como um recurso didático favorável ao desenvolvimento da EA nos contextos escolares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Tamini Wyzykowski, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

Mestre (2017) e Doutoranda em Educação nas Ciências, pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ). Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Graduada em Ciências Biológicas - Licenciatura (2014), pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS).

Endereço para correspondência: Rua Minas Gerais, 98, casa, bairro Santa Fé, Giruá, RS, Brasil, CEP: 98800-000.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/6234529280328460

Marli Dallagnol Frison, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

Professora pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Educação nas Ciências e do Departamento de Ciências da Vida da Unijuí. PhD pela UNESP/Araraquara. Doutora em Educação pela UFRGS. Mestre em Educação pela UNIJUÍ.

Endereço para correspondência: Rua Emílio Glitz, 793, casa, Bairro Industrial, Ijuí, RS, Brasil, CEP: 98700-000.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/1456763984547504

Vidica Bianchi, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

Doutora em Ecologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Educação nas Ciências e do Departamento de Ciências da Vida da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí), Ijuí, RS, Brasil. Endereço para correspondência: Rua Tupis, 237, casa, Bairro Pindorama, Ijuí, RS, Brasil, CEP: 987000-000.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/3979701002447139

Referências

ALACÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

ALVES, T. L. B.; PEREIRA, S. S.; CABRAL, L. N. A utilização de charges e tiras humorísticas como recurso didático-pedagógico mobilizador no processo de ensino-aprendizagem da Geografia. Educação, v. 38, n. 2, p. 417-432, maio/ago. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/7915. Acesso em: 28 nov. 2018.

BASTOS, S. N. D.; CHAVES, S. N. O que é ser-biólogo? Com a palavra o Facebook. Alexandria – Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 8, n. 2, p. 89-106, jun. 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/viewFile/1982-5153.2015v8n2p89/29497. Acesso em: 29 jan. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: meio ambiente, saúde. Brasília: SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC; Semtec, 2002.

BRASIL. Lei nº 9.795 de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental. Brasília, 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9795.htm. Acesso em: 28 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação; Secretaria de Educação Básica; Conselho Nacional de Educação; Câmara de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018.

CAVALCANTI, M. C. C. Charge: intertextualidade e humor. Revista Virtual de Letras, v. 4, n. 2, p. 73-88, ago./dez. 2012. Disponível em: http://www.revlet.com.br/artigos/155.pdf. Acesso em: 29 jan. 2020.

COSTA, F. B. Gênero charge e ensino: humor e criticidade. 2013. Monografia (Conclusão de Curso – Graduação em Letras – Português e Inglês e respectivas Literaturas) – Universidade Estadual de Goiás, Jussara, GO, UFG, 2013. Disponível em: http://cdn.ueg.edu.br/arquivos/jussara/conteudoN/1208/monografia-flavia_borges.pdf. Acesso em: 28 nov. 2018.

COSTA, C. A.; LOUREIRO, C. F. B. Perspectivas interdisciplinares à luz de Paulo Freire: contribuições político-pedagógicas para a Educação Ambiental Crítica. In: BATTESTIN, C.; DICKMANN, I. (Orgs.). Educação ambiental na América Latina. Chapecó: Plataforma Acadêmica, 2018. p. 77-103.

FACEBOOK. Disponível em: www.facebook.com.

FRISON, M. D.; DEL PINO, J. C. Educação ambiental como articuladora para a produção de conhecimento químico escolar: implicações no ensino e na formação para o ensino. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 28, p. 163-177, 2012. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/3112/1783. Acesso em: 24 jan. 2020.

GÜNZEL, R. E.; FRÖHLICH, A. B.; LEITE, F. A. A utilização de charges na constituição de educadores ambientais. RELACult: Revisa Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, v. 4, p. 1-14, 2018. Disponível em: http://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/949/522. Acesso em: 17 jul. 2019.

JACOBI, P. Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, n. 118, p. 189-205, mar. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/n118/16834.pdf. Acesso em: 28 nov. 2018.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 9. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1998.

LOPES, C. V. A.; ALBUQUERQUE, G. S. C. Agrotóxicos e seus impactos na saúde humana e ambiental: uma revisão sistemática. Saúde Debate, v. 42, n. 117, p. 518-534, abr./jun. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sdeb/v42n117/0103-1104-sdeb-42-117-0518.pdf . Acesso em: 29 abr. 2020.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 2011.

MALDANER, O. A. et al. Currículo contextualizado na área de ciências da natureza e suas tecnologias: a situação de estudo. In: ZANON, L. B.; MALDANER, O. A. (org.). Fundamentos e propostas de ensino de química para educação básica no Brasil. Ijuí: Ed. Unijuí, 2007, p. 110-138.

MARQUES T. S.; OLIVEIRA, E. M.; ROCHA, W. M. A formação de sujeitos ecológicos: um estudo do coletivo jovem de meio ambiente. Revista Reamec, Cuiabá, MT, n. 2, v. 7, p. 91-108, jul./dez. 2019. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/8439/pdf. Acesso em: 8 jan. 2020.

MEDEIROS, A. B. de et al. A importância da educação ambiental na escola nas séries iniciais. Revista Faculdade Montes Belos, n. 1, v. 4, p. 1-17, set. 2011. Disponível em: http://www.terrabrasilis.org.br/ecotecadigital/pdf/a-importancia-da-educacao-ambiental-na-escola-nas-series-iniciais.pdf. Acesso em: 8 jan. 2020.

MORIM, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed. São Paulo: Cortez; Brasília: Unesco, 2011.

MUCELIN, C. A.; BELLINI, M. Lixo e impactos ambientais perceptíveis no ecossistema urbano. Sociedade & Natureza, n. 20, v. 1, p. 111-124, jun. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sn/v20n1/a08v20n1. Acesso em: 27 dez. 2018.

PATRÍCIO, R.; GONÇALVES, V. Facebook: rede social educativa. Encontro Internacional TIC e Educação, 1. Lisboa, 2010. Disponível em: https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/3584/1/118.pdf. Acesso em: 28 nov. 2018.

PODEWILS, T. L.; PEDRUZZI, A. das N.; MINASI, L. F. Uma leitura imanente de produções que versam sobre Educação Ambiental e Epistemologia. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Ed. Especial EDEA, n. 1, p. 20-34, 2018. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/8560. Acesso em: 29 abr. 2020.

REIS, P. R. Os temas controversos na educação ambiental. Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 2, n. 1, p. 125-140, 2007. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/pea/article/view/30021/31908. Acesso em: 28 nov. 2018.

RODRIGUES, A. P. S.; KINDEL, E. A. I. Separação de resíduos e horta como ferramentas de transformação do espaço escolar. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 36, n. 1, p. 221-241, jan./abr. 2019. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/8733. Acesso em: 29 abr. 2020.

SATO, M.; CARVALHO, I. Educação ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005.

SAUVÉ, L. Educação ambiental: possibilidades e limitações. Educação e Pesquisa, v. 31. n. 2, p. 317-322, 2005. Disponível em: http://www.foar.unesp.br/Home/projetoviverbem/sauve-ea-possibilidades-limitacoes-meio-ambiente---tipos.pdf. Acesso em: 20 dez. 2018.

SILVA, F. S.; SERAFIM, M. L. Redes sociais no processo de ensino e aprendizagem: com a palavra o adolescente. In: SOUSA, R. P. et al. (Org.). Teorias e práticas em tecnologias educacionais [on-line]. Campina Grande: EDUEPB, 2016. p. 67-98.

UHMANN, R. I. M.; FOLLMANN, L. A perspectiva do professor na Educação Ambiental. Contexto & Educação, v. 34, n. 109, p. 9-24, set./dez. 2019. Disponível em: https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/contextoeducacao/article/view/7762. Acesso em: 29 abr. 2020.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

Downloads

Publicado

2020-05-12

Como Citar

WYZYKOWSKI, T.; FRISON, M. D.; BIANCHI, V. COMPREENSÕES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DE CHARGES DO FACEBOOK. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 290-307, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i2.9768. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/9768. Acesso em: 25 set. 2020.