O PROTAGONISMO DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO PARA UMA EDUCAÇÃO SEXUAL EFICIENTE E APRAZÍVEL

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v9i1.11376

Palavras-chave:

Métodos ativos. Aprendizagem Baseada em Projeto. Biologia. Educação sexual.

Resumo

A Educação Sexual, quando oferecida em nossas escolas, responde às necessidades de aprendizagem dos estudantes do século XXI? Esta questão motriz originou se de momentos de discussão com estudantes da rede pública de ensino. O objetivo geral desta pesquisa propõe o desenvolvimento de uma Educação Sexual inovadora, ancorada em elementos dos métodos da aprendizagem ativa, tendo o aluno no papel de protagonista do seu processo educacional. Este estudo foi organizado em seis momentos e desenvolveu-se em uma escola pública na cidade de Várzea Grande – MT, com estudantes do 2º ano do Ensino Médio. A pesquisa caracterizou-se como qualitativa com abordagem investigativa, fundamentada na ABProj - Aprendizagem Baseada em Projetos, alicerçada na aprendizagem colaborativa e no uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação. Iniciamos com a problematização, empregando a roda de conversa seguida da construção das hipóteses pelos estudantes com a aplicação da técnica de tempestade de ideias (brainstorming), para as chamadas “reuniões de foco investigativo”, com o propósito de investigar possíveis resoluções às questões levantadas pelos estudantes e futuro compartilhamento com outros jovens. A coleta de dados se deu por meio da aplicação de questionários e observações in loco. Com o presente trabalho, observamos que a abordagem investigativa associada aos métodos ativos despertou o interesse, a criatividade e o compartilhamento de saberes com outros colegas, bem como potencializou o uso de suas habilidades, o que nesta pesquisa resultou na produção autoral de páginas no Instagram e na criação do aplicativo educacional Educasex. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Iana Marassi dos Santos, Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso (SEDUC - MT)

Mestra em Ensino de Biologia (Profbio), especialista em Gênero e sexualidade (2018), graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT (2002). Docente efetiva do quadro da rede pública estadual de Mato Grosso, ministrando aulas de ciências e biologia e eventualmente realizando oficinas pedagógicas a alunos do Ensino fundamental e médio, com a temática Educação sexual e afetividade, educação sexual e formação de professores,

Edna Lopes Hardoim, Universidade Federal de Mato Grosso

Possui graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Gama Filho (1982) e doutorado em Ecologia e Recursos Naturais pela Universidade Federal de São Carlos (1997). Professora Titular, progressão por defesa de memorial, em 2014, da Universidade Federal de Mato Grosso, onde foi docente na graduação (Lic. em Ciências Biológicas) de 1988 a 2019. É docente nos cursos de mestrado profissional (Ensino de Ciências Naturais e PROFBio) e doutorado em Rede (Educação em Ciências e Matemática/REAMEC). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de Ciências Naturais e Matemática, atuando principalmente na linha de pesquisa Fundamentos Metodológicos e Epistemológicos, nos seguintes temas: Educação Inclusiva; Produção de Material Didático; Ensino de Microbiologia, material didático para EaD. Na área de gestão, foi diretora do Instituto de Biociências/UFMT de mar-2009 a fev-2013. Foi Coordenadora de Formação Docente/Pro-reitoria de Ensino de Graduação de 01.12.2012 a 14.10.2016. Foi Coordenadora Geral do Comitê Gestor Institucional da UFMT/RENAFORM, de abril/2013 a set/2016. Trabalhou na Secretaria de Relações Internacionais da UFMT, como Assessora para Acordos e Parcerias Internacionais de outubro/2016 a abril/2017. Coordenou, de abril/2017 a março 2019, o curso de especialização (EaD) em Diversidade e Educação Inclusiva no contexto das Ciências Naturais, em 9 Pólos UAB/UFMT, voltado à formação de professores da Educação Básica. Coordena o projeto de Extensão Universitária "Laboratório Sensorial: Formação Continuada e práxis do(a) educador(a) frente aos novos desafios da Educação Inclusiva (FORPREEI)", que contempla o tripé Ensino, Pesquisa e Extensão. Professora aposentada desde julho de 2019, atualmente é Pesquisadora Associada no Instituto de Biociências da UFMT, campus Cuiabá, onde é credenciada nos Programas de Pós Graduação Ensino de Biologia/ProfBio/IB-UFMT, Ensino de Ciências Naturais, ao nível de mestrado e no curso de doutorado do PPG Educação em Ciências e Matemática/REAMEC, onde ministra disciplinas, orienta pesquisas principalmente nas áreas de Educação Inclusiva, Ensino de Ciência e Biologia com produção de material didático. Tem proferido palestras sobre formação docente, metodologias ativas, STEAM e ensino por investigação. Possui curso preparatório para as equipes formadoras do Ciência é 10 (EaD- CAPES) oferecido pela Secretaria Geral de Educação a Distância da Universidade Federal de São Carlos, no período de 04 a 21 de fevereiro de 2020, num total de 20 horas.

Katiane Mara Ferreira, Universidade Federal de Mato Grosso

Possui graduação (1998) em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP, Mestrado (2002) e Doutorado (2007) em Biologia Comparada pela Universidade de São Paulo - USP, Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto. Pós-Doutorado pelo Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo. Atualmente é Professora Adjunta IV do Departamento de Biologia e Zoologia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT-Cuiabá). Tem experiência na área de Zoologia, atuando principalmente com sistemática de peixes neotropicais

Referências

ALCÂNTARA, Paulo Roberto; SIQUEIRA, Lilia Maria Marques; VALASKI, Suzana. Vivenciando a aprendizagem colaborativa em sala de aula: experiências no ensino superior. Revista Diálogo Educacional. Curitiba, v.4, n.12, 2004.

ALVARENGA (2018). Teste T de Student. Disponível em: http://rstudio-pubs-static.s3.amazonaws.com/408638_6679293d4c7a415eaebe00faa3aea0cb.html. Acesso em: 21 de novembro de 2020.

BACICH, LILIAN; MORAN, JOSÉ. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórica- prática. Porto Alegre: Penso 2018.

BIZZO, N. Ciências: fácil ou difícil? São Paulo: Biruta, 2009.

BONFIM, CLÁUDIA. Educação sexual e formação de professores: da educação sexual que temos à educação sexual que queremos. João Pessoa: Editora Universidade da UFPB, 2010. 272 páginas.

BONFIM, CLÁUDIA. Desnudando a Educação sexual. Campinas, SP. Papirus, 2012.

BONFIM, JULIANO; MESQUITA, MARCOS RIBEIRO. Nunca falaram disso na escola: um debate com jovens sobre gênero e diversidade. Psicol. Soc., Belo Horizonte, v. 32, e192744, 2020.

BORGES, Zulmira Newlandset al. Percepção de professoras de ensino médio e fundamental sobre a homofobia na escola em Santa Maria (Rio Grande do Sul/Brasil). Educ. rev., Curitiba, n. 39, p. 21-38, Apr. 2011BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 126p. 1997.

BUTLER, JUDITH. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 15ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

CARVALHO, A. M., RODRIGUES, C. S., & MEDRADO, K. S. (2005). Oficinas em sexualidade humana com adolescentes. Estudos de Psicologia, 10(3), 377-384DEWEY, J.Theinfuence of Darwin on Philosophy. The Middle Works of John Dewey Vol. 4 Edited by Jo Ann Boydston. (Carbondale & Edwardsville: Southern Illinois University Press, 1976/1909).

DRAKE.K; LONG, D.Rebecca’s in the dark: a comparative study of problem-basead learning and direct instruction/ experiental learning in two 4th grade classrooms. Journal of Elementary Science Education, Amsterdan, v.21, n.1, p. 1-16, 2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

HERNANDEZ, F.; VENTURA, M. A organização do currículo por projetos de trabalho: o conhecimento é um caleidoscópio. Porto Alegre: Artmed, 1998.

LOURO, G. L. (2003). Gênero, sexualidade e Educação: uma perspectiva pós estruturalista. Petrópolis/RJ: Vozes.

MANTOVANI, G. D, TRES, B., SILVA, R. M. M., & MOURA, C. B. (2014). Comparação de dúvidas sobre sexualidade entre crianças e adolescentes. Contexto & Educação, 29 (92), 72-90.

MASSON, T. J; MIRANDA, L.F; CASTANHEIRA, A.P. Metodologia de ensino: aprendizagem baseada em projetos (PBL). Cobenge, Belém – PA, 2012.

MEYER, Dagmar E. Estermann; KLEIN, Carin; ANDRADE, Sandra dos Santos. Sexualidade, prazeres e vulnerabilidade: implicações educativas. Educ. rev., Belo Horizonte, n. 46, p. 219-239, Dec. 2007.

MORAN, J. M. Mudando a educação com metodologias ativas. In: Convergências midiáticas, educação e cidadania: aproximação jovens, 2015.

MUNFORD, Danusa; LIMA, Maria Emília Caixeta de Castro e. Ensinar ciências por investigação: em quê estamos de acordo? Ens. Pesqui. Educ. Ciênc. (Belo Horizonte), Belo Horizonte, v. 9, n. 1, p. 89-111, June 2007.

OMS (Organização mundial da saúde, 2019). Por que a educação sexual é tão importante para crianças e adolescentes? Disponível em: https://revistagalileu.globo.com/Sociedade/noticia/2020/04/. Acesso em: 30 de abril de 2020.

SEGURA, E.; KALHIL, J. B. A METODOLOGIA ATIVA COMO PROPOSTA PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 87-98, 2015. UNICEF (2019). Por que a educação sexual é tão importante para crianças e adolescentes? Disponível em: https://revistagalileu.globo.com/Sociedade/noticia/2020/04/. Acesso em: 30 de abril de 2020.

VYGOTSKY LS. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6a ed. São Paulo: Martins Fontes; 1998.

UNICEF (2019). Por que a educação sexual é tão importante para crianças e adolescentes?

Disponível em: https://revistagalileu.globo.com/Sociedade/noticia/2020/04/. Acesso em: 30 de abril de 2020.

Downloads

Publicado

2021-01-22

Como Citar

SANTOS, I. M. dos .; HARDOIM, E. L. .; FERREIRA, K. M. . O PROTAGONISMO DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO PARA UMA EDUCAÇÃO SEXUAL EFICIENTE E APRAZÍVEL. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 1, p. e21009, 2021. DOI: 10.26571/reamec.v9i1.11376. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/11376. Acesso em: 16 maio. 2021.

Edição

Seção

Educação em Ciências