PLATAFORMA YOUTUBE® COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE BIOLOGIA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v8i2.10191

Palavras-chave:

Ensino de Biologia, Plataforma YouTube, Abordagem Investigativa

Resumo

Dos vários desafios encontrados atualmente por professores, destacam-se a dificuldade e a complexidade em encontrar soluções para melhoria da qualidade do ensino nas escolas públicas do país. Não basta, contudo, o esforço dos professores em buscar propostas de ensino, como também não basta, apenas, a reestruturação nas normas que regulamentam o ensino brasileiro, quando se deseja empregar práticas de ensino diferenciadas no ensino de Biologia ou de qualquer outra disciplina; esse é um processo que depende do esforço conjunto de toda comunidade escolar. Esta pesquisa teve como objetivo geral avaliar os limites, perspectivas e oportunidades do uso da plataforma Youtube como ferramenta de apoio educacional para o ensino de Biologia. De modo específico, propôs-se avaliar se a utilização da plataforma Youtube como ferramenta de apoio à proposta investigativa em sala de aula, contribuiu para fomentar o protagonismo dos alunos e o interesse efetivo pelos estudos de Biologia. Para o emprego dessa ferramenta e realização da pesquisa foram planejadas atividades em uma sequência didática. Por meio de sua aplicação, os alunos que participaram das aulas, além de outras atividades, responderam a dois questionários, que forneceram dados para se chegar às conclusões, o que possibilitou verificar que os alunos aprovam o uso da plataforma Youtube como ferramenta de busca de conhecimento. A observação do comportamento dos jovens no ambiente escolar permitiu perceber que, nessa geração, o uso de Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDICs), cada vez mais, vem se tornando elemento pertencente ao cotidiano de cada um.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jane Margareth Brito Silva, Universidade Federal do Mato Grosso

Mestre em Ensino de Biologia - Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional – PROFBIO, Instituto de Biociências, da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT). Docente na Escola Estadual José Domingos Fraga, Sorriso, Mato Grosso, Brasil.

Lenicy Lucas de Miranda Cerqueira, Universidade Federal do Mato Grosso

Doutora em Ciências pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/USP, Coord. de Tutoria dos cursos de Graduação EaD/UAB/UFMT, Profa. Associado II- Inst. Biociências/UFMT.

Referências

BIO DENGUE - Quem é mais suscetível a contrair o vírus da dengue?. [S. l.: s. n.], 2019. 1vídeo (2 min). Publicado pelo canal Bio Dengue. Disponível em: https://youtu.be/H7FCa054dM4 Acesso em: 8 ago. 2019.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 23.fev. 2020.

BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico: monitoramento dos casos de dengue, Febre de chikungunya e doença aguda pelo vírus zika até a semana epidemiológica 43 de 2018. V. 49, n. 49. Brasil, 2018. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/novembro/13/boletim-epidemiologico.pdf. Acesso em: 23. fev.2020.

CAMPOS, V.T.N. Acabar com a dengue é uma “guerra de todos”? A presença do discurso mobilizador nas campanhas publicitárias de prevenção à dengue da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Comunicação em Comunicação Social) - UFMG, 2016.

CHIARO, S.D.; AQUINO, K.A.S. Argumentação na sala de aula e seu potencial metacognitivo como caminho para um enfoque CTS no ensino de química: uma proposta analítica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 2, p. 411-426, 2017.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 15. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HEINSFELD, B.D.; SILVA, M.P.R.N. As versões da base nacional comum curricular (BNCC) e o papel das tecnologias digitais: conhecimento da técnica versus compreensão dos sentidos. Revista Currículo sem Fronteiras, v. 18, n. 2, p. 668-690, 2018. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol18iss2articles/heinsfeld-silva.pdf. Acesso em: 23.fev.2020.

KENSKI, V. M. Educação e Tecnologias: o novo ritmo da informação. 8. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

LIBÂNEO, J.C. Didática. São Paulo: Cortez. 2006.

LIMA, M.S.S., NASCIMENTO, K.A.S., BRITO, M.A.F., CASTRO FILHO. J.A., LIMA NETO, C. S. Aprendizagem colaborativa com suporte computacional: o uso de aplicativo colaborativo no Ensino Fundamental/Collaborative learning with computer support: the design of application use in Elementary Education. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 15, n. 40, p. 43-63, 2018.

MATO GROSSO. Documento de referência curricular para Mato Grosso: concepções para a Educação Básica. Secretaria de Educação de Estado de Mato Grosso. Cuiabá: SEDUC/MT, 2018.

MONTAÑO, S. A Construção do usuário na cultura audiovisual do YouTube. Revista FAMECOS: mídia, cultura e tecnologia, v. 24, n. 2, 2017. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4955/495553931012.pdf. Acesso em: 23. fev. 2020.

MORÁN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens, v. 2, p. 15-33, 2015.

MORAN, J.M. Ensino e aprendizagem inovadores com apoio de tecnologias. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M.T.; BEHRENS M.A. (org.). Novas tecnologias e mediação pedagógica. 21 ed. Campinas, SP: Papirus, 2013, cap. 1, p. 11-72.

MUNFORD, D.; LIMA, M.E.C.C. Ensinar ciências por investigação: em que estamos de acordo? Rev. Ensaio, Belo Horizonte, v. 09, n º 01, p 89-111, 2007.

PEREIRA, A.S.; SHITSUKE, D.M.; PARREIRA, F.J.; SHITSUKE, R. Metodologia da pesquisa científica. Brasil, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1. Acesso em: 23. fev. 2020.

SASSERON, Lúcia Helena. Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), v. 17, n. spe, p. 49-67, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/epec/v17nspe/1983-2117-epec-17-0s-00049.pdf. Acesso em: 23. fev. 2020.

SEGURA, E.; KALHIL, J.B. A metodologia ativa como proposta para o ensino de ciências. Revista da Rede Amazônica da Educação em Ciências e Matemática (REAMEC), v.3, n.1, p.87-98, 2015.

SILVA, M.J. da; PEREIRA, M.V.; ARROIO, P. O Papel do YouTube no ensino de ciências para estudantes do ensino médio. Revista de Educação, Ciências e Matemática, v.7, n. 2, p. 35-55, maio/ago. 2017. Disponível em: http://publicacoes.unigranrio.com.br/index.php/recm/article/view/4560. Acesso em: 23.fev. 2020.

SILVA, N. B. O YouTube como plataforma para o empreendedorismo: um estudo de caso sobre o canal RaoTv. Temática, v. 15, n. 2, 2019.

SILVA, M.PlataformaYoutube® como ferramenta para o ensino de Biologia. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de B em Rede Nacional – PROFBIO)– Universidade Federal de Mato Grosso, 2019.

TRIVELATO, S.L.F.; TONIDANDEL, S.M. R. Ensino por Investigação: Eixos Organizadores para Sequências de Ensino de Biologia. Ens. Pesqui. Educ. Ciênc. Belo Horizonte, v. 17, n. espe, p. 97-114, nov. 2015. Disponível em

http://www.scielo.br/pdf/epec/v17nspe/1983-2117-epec-17-0s-00097.pdf. Acesso em: 29.fev. 2020.

VIANNA, D.M.; ARAÚJO R.S. Buscando elementos na internet para uma nova proposta pedagógica. In: CARVALHO, Anna Maria Pessoa. (Org.). Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a pratica. São Paulo:Cengage Learnin, 2016. Cap.8, p.135-154.

Downloads

Publicado

2020-08-30

Como Citar

BRITO SILVA, J. M.; DE MIRANDA CERQUEIRA, L. L. PLATAFORMA YOUTUBE® COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DE BIOLOGIA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 8, n. 2, p. 774–792, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i2.10191. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/10191. Acesso em: 28 maio. 2024.