INTERDISCIPLINARIDADE: CARACTERÍSTICAS E POSSIBILIDADES PARA O ENSINO DE FÍSICA E QUÍMICA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v9i1.11243

Palavras-chave:

Interdisciplinar. Ensino de Ciências. Ensino Básico. Ciências da Natureza.

Resumo

Este trabalho busca elencar o quantitativo de artigos publicados em alguns periódicos nacionais que tratem a Física e a Química de maneira interdisciplinar. Para delimitar o espaço amostral, limitamo-nos a fazer apontamentos considerando somente os trabalhos com o enfoque no Ensino Básico. A busca foi realizada a partir da palavra interdisciplinar em periódicos da área de Ensino de Ciências com Qualis/CAPES A1, A2, B1 e B2, entre os anos de 2009 e 2019. O foco foram os artigos que abordavam a Física e Química de maneira interdisciplinar. A discussão tem como fundamento os documentos oficiais de educação a respeito da interdisciplinaridade, como também as contribuições provenientes da leitura dos textos selecionados. Como resultado, pudemos verificar que a maioria dos trabalhos que tratam da Física e Química de maneira interdisciplinar está concentrada no Ensino Superior, sendo que no segundo quinquênio foi possível verificar um aumento substancial na quantidade de trabalhos publicados nos periódicos analisados. Também foi possível verificar que os periódicos que contribuem com cerca de 80% de toda publicação coletada nesta pesquisa são: Revista Brasileira de Ensino de Ciências e Tecnologia, Revista Areté/Revista Amazônica de Ensino de Ciências e Revista Brasileira de Ensino de Física, sendo esta última, responsável por agrupar metade dos artigos selecionados para esta análise.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Severina Coelho da Silva Cantanhede, Universidade Federal do Maranhão

Doutoranda em Educação em Ciências e Matemática da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) - REAMEC, Polo UFPA e Mestra em Química pelo Programa de Pós-Graduação em Química da Universidade Federal de São Carlos (PPGQ-UFSCar). Docente na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Codó, Maranhão, Brasil. 

André Flávio Gonçalves Silva, Universidade Federal do Maranhão

Doutorando do REAMEC-Polo UFPA, na linha de pesquisa: Fundamentos e Metodologias para a Educação em Ciências e Matemática. Graduado em Física e Eletromecânica. Mestre em Física da Matéria Condensada com ênfase em Física Teórica e Computacional. Pesquisador no Núcleo de Pesquisa em Ensino de Física-NPEF-URCA. Professor na Licenciatura em Educação do Campo-UFMA. Sócio Regular da Sociedade Brasileira de Física.

 

Francisco Hermes Santos da Silva, Universidade Federal do Pará

Doutor em Educação na área de Educação Matemática pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Mestre em Educação na área de Psicologia Educacional pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). docente sem vínculo empregatício da Universidade Estadual do Pará (UEPA) no Programa de Pós-Graduação em Mestrado profissional em Ensino de Matemática, possui vínculo como docente no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) - REAMEC, Polo UFPA, Belém, Pará, Brasil.

Maria de Fátima Vilhena da Silva, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Doutora em Tecnologia de Alimentos pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Mestra em Ciências com ênfase em Alimentos pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), Docente do Instituto de Educação Matemática e Científica da Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, Pará, Brasil.

Referências

AUGUSTO, T. G. D. S.; CALDEIRA, A. M. D. A. Dificuldades para a implantação de práticas interdisciplinares em escolas estaduais, apontadas por professores da área de ciências da natureza. Investigações em Ensino de Ciências, 12, n. 1, 2016. 139-154.

BRASIL. L. D. B. Lei 9394/96–Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. MEC. Brasília. 1996.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. MEC/SEF. Brasília. 1997.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. MEC/SEF. Brasília, p. 174. 1998.

BRASIL. RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998. MEC/CEB. Brasília, p. 21. 1998. (D.O.U. de 5/8/98 - Seção I).

BRASIL. PCN+ Ensino Médio. MEC. Brasília. 2002.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Ministério da Educação. Brasília. 2013.

BRASIL, Ministério da Educação (MEC/SEED). Base Nacional Comum Curricular. Versão Final. Brasília, 2018.

CACHAPUZ, A. et al. Do estado da arte da pesquisa em educação em ciências: linhas de pesquisa e o caso “Ciência-Tecnologia-Sociedade”. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, Florianópolis, 1, n. 1, mar. 2008. 27-49.

CAVALCANTE, João et al. FÍSICA E MÚSICA: UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR. Revista Areté | Revista Amazônica de Ensino de Ciências, [S.l.], v. 5, n. 9, abr. 2012. ISSN 1984-7505.

FAZENDA, I. C. A. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 18ª. ed. Campinas: Papirus, 2013.

LENOIR, Y. E. A. Didática e interdisciplinaridade: uma complementaridade necessária e incontornável. Didática e interdisciplinaridade, Campinas, 11, 1998.

MELLO, Geison Jader et al. A EDUCAÇÃO DO CAMPO NA AMAZONIA LEGAL, CAMINHOS QUE SE CRUZAM ENTRE AGROTÓXICOS, AGROECOLOGIA E ENSINO DE CIÊNCIAS. Experiências em Ensino de Ciências, Cuiabá, v.10, n. 2, p. 89-101, 2015.

MOZENA, E. R.; OSTERMANN, F. UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE A INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DAS CIÊNCIAS DA NATUREZA. Revista Ensaio, Belo Horizonte, 16, n. 2, maio-ago 2014. 185-206.

SEVERINO, A. J. O conhecimento pedagógico e a interdisciplinaridade: o saber como intencionalização da prática. Didática e interdisciplinaridade, Campinas, n. Papirus, 2006.

SILVA, F. H. S. D. Interdisciplinaridade: uma concepção epistemológica? In: SILVA, F. H. S. D. Formação de professores. Mitos do processo. Belém: Editora Universitária da UFPA, 2009. p. 164.

SUMBANE, F. S.; KALHIL, J. B. UM RECORTE DO ESTADO DA ARTE SOBRE ANÁLISE DE ERROS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DO CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 483-497, 2020.

THIESEN, J. D. S. A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista brasileira de educação, 13, n. 39, set./dez. 2008.

Downloads

Publicado

2021-01-29

Como Citar

CANTANHEDE, S. C. da S. .; SILVA, A. F. G.; SILVA, F. H. S. da .; SILVA, M. de F. V. da . INTERDISCIPLINARIDADE: CARACTERÍSTICAS E POSSIBILIDADES PARA O ENSINO DE FÍSICA E QUÍMICA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 1, p. e21019, 2021. DOI: 10.26571/reamec.v9i1.11243. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/11243. Acesso em: 28 fev. 2021.

Edição

Seção

Educação em Ciências