GERAÇÃO ESPONTANEA E EVOLUÇÃO QUÍMICA GRADUAL EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v8i3.11083

Palavras-chave:

Origem da Vida, Livro Didático, Ensino de Ciências, História e Filosofia da Ciências

Resumo

Origem da Vida, enquanto conteúdo curricular, constitui uma temática de natureza controversa. Conhecimentos de várias áreas sustentam diversas hipóteses e cenários plausíveis para explicar como a vida se originou na Terra, abrindo espaço para os conflitos que existem nesse âmbito, além de expressar características da natureza do conhecimento científico. É nessa perspectiva que essa abordagem pode ser vinculada com a História e Filosofia da Ciência (HFC), para que não sejam reforçadas visões de Ciência que remetam à linearidade da construção do conhecimento e à ausência de conflitos. A Análise do Discurso, proposta nos trabalhos de Michel Foucault, pode ser utilizada como dispositivo analítico para pensar a abordagem de História e Filosofia da Ciência preconizada em livros didáticos. Sendo assim, este trabalho tem como objetivo circunscrever qual(is) discurso(s) circula(m) sobre as teorias movimentadas no conteúdo escolar “Origem da Vida”, estritamente em relação às teorias da geração espontânea e da evolução química gradual, em livros didáticos de Ciências do 7º ano do Ensino Fundamental. A análise indica que as Teorias da Evolução Química Gradual e da Geração Espontânea são recorrentes nos livros didáticos, com uma vertente historiográfica positivista, compondo enunciados que estabelecem as possibilidades de circulação e de legitimação do conhecimento científico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ana Laura Pureza Pantoja, Universidade Federal do Pará

Mestra em Educação em Ciências e Matemática pelo Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências e Matemática-PPGECM do Instituto de Educação Matemática e Científica da Universidade Federal do Pará-UFPA. Graduada em Ciências Biológicas - Licenciatura (2017) pela Universidade da Amazônia. Foi monitora da disciplina Histologia e Embriologia para alunos do Ensino Superior (2015-2016), bolsista do projeto de extensão SUSTENTABILIDADE: UNIVERSIDADE NAS ILHAS, foi professora-estagiária do Clube de Ciências da Universidade Federal do Pará (CCIUFPA) orientando trabalhos de Iniciação Científica Infanto-juvenil (2016-2017). Membro participante do Grupo de Filosofia e História da Ciência e da Educação na Amazônia (GFHCE) do Instituto de Educação Matemática e Científica - IEMCI / UFPA.

Eduardo Paiva de Ponte Vieira, Universidade Federal do Pará

Graduado em Ciências Biológicas, Mestre e Doutor em Educação em Ciências e Matemáticas pela Universidade Federal do Pará. Professor do Instituto de Educação Matemática e Científica (IEMCI) da UFPA e Integrante do Grupo de Estudos em Filosofia e História das Ciências e da Educação. Atua no Curso de Graduação em Licenciatura Integrada em Ciências, Matemática e Linguagem e nos Programas de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas (PPGECM) e de Mestrado Profissional em Docência em Educação em Ciências e Matemáticas da UFPA (PPGDOC). Atua na pesquisa em Filosofia da Ciência e Epistemologia da Biologia vinculada com a Área de Ensino, na Constituição de Currículos e na Proposição e Avaliação de Materiais Didáticos para o Ensino de Ciências e Biologia. É Membro da Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências (ABRAPEC) e da Associação Brasileira de Ensino de Biologia (SBEnBio). Atuou na Educação Básica pública e privada e na consultoria e gestão socioambiental de empresas, possui experiencia administrativa em diferentes setores e no Serviço Público Federal exercendo a Vice Direção da Faculdade de Educação Matemática e Cientifica ; Coordenação do Curso do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica no IEMCI e Direção Adjunta e Coordenação Acadêmica do Instituto de Educação Matemática e Científica da UFPA onde atualmente é Diretor Geral.

Referências

ALVIM, M. H; ZANOTELLO, M. História das ciências e educação científica em uma perspectiva discursiva: contribuições para a formação cidadã e reflexiva. Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 349-359, 2014.

AZEVEDO, S. D. R. Formação discursiva e discurso em Michel Foucault. Filogênese Revista Eletônica, Marília, v. 6, n. 2, 2013.

BADA, J. L.; LAZCANO, A. Prebiotic soup--revisiting the miller experiment. Science, 300(5620), 745-746, 2003.

BADA, J. L.; LAZCANO, A. Stanley L. Miller. National Academy of Sciences, 2012.

BARCELOS, E. D. A sopa quente: breve histórico das teorias sobre a origem da vida e a vida extraterrestre (1920-1959). Revista Múltipla, Brasília, 4(6): 9 – 20, julho – 1999.

BARNES, D. From communication to curriculum. Penguin Books, 202p. 202. 1976.

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular. Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em:<http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica (SEB). Guia de Livros Didáticos PNLD 2017 – Ciências: ensino fundamental anos finais. Brasília, DF: SEB, 2016.

CANGUILHEM, G. O Conhecimento da Vida. Rio de Janeiro: Forence, 2012.

CARVALHO, E. C.; PRESTES, M. E. B. Lazzaro Spallanzani e a geração espontânea: os experimentos e a controvérsia. Revista da Biologia, v. 9, n. 2, p. 1-6, 2012.

CASSIANO, C. C. F. O Mercado do Livro Didático no Brasil: da criação do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) à entrada do capital internacional espanhol (1985-2007). 2007. 252 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação: História, Política, Sociedade, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007.

CASTAÑEDA, L. A. História natural e as ideias de geração e herança no século XVIII: Buffon e Bonnet. História, Ciências, Saúde–Manguinhos, v. 2, n. 2, p. 33-50, 1995.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970/Michel Foucault; tradução de Graciano Barbachan. 2 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves, -7ed. - Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, M. Ditos e Escritos: Estética – literatura e pintura, música e cinema (vol. III). Rio de Janeiro: Forense Universitária, p. 264-298. 2009.

FRISON, M. D.; VIANNA, J.; CHAVES, J. M.; BERNARDI F. N. Livro didático como instrumento de apoio para construção de propostas de ensino de ciênciasc naturais. Encontro Nacional de pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, p. 1-13, 2009.

GRIMES, C.; SCHROEDER, E. A origem da vida, sob a ótica de licenciandos de um curso de Ciências Biológicas. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias. V. 12, n. 1, 2013, p. 126-143.

HIDALGO, M. R., JUNIOR, Á. L. Reflexões sobre a inserção da História e Filosofia da Ciência no Ensino de Ciências. História da Ciência e Ensino: construindo interfaces, 14, 19-38. 2016.

KLEIN, O. J. A gênese do conceito de dispositivo e sua utilização nos estudos midiáticos. Estudos em comunicação, 1, 215-231. 2007.

MACHADO, J. R. C. EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E REDENÇÃO ECONÔMICA EM UMA CAPITAL AS PERIFERIA DA MODERNIDADE: A Escola de Chimica Industrial na Belém dos anos 1920. 2016. 181 f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências) - do Instituto de Educação Matemática e Científica, Universidade Federal do Pará, Pará. 2016.

MARTINS, L. A. C. P. Pasteur e a geração espontânea: uma história equivocada. Filosofia e História da Biologia, 4(1), 65-100, 2009.

MARTINS, L. A. C. P.; MARTINS, R. de A. Geração espontânea: dois pontos de vista. Perspicillum, v. 3, n. 1, p. 5-32, 1989.

MILLER, S. L. A production of organic compounds under possible primitive earth conditions (Doctoral dissertation, University of Chicago). 1955.

MINAYO, M. C. DE S. (Org). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 33. ed. Petrópolis, RJ: Vozes. 2013.

NEGRETTI, C. As relações entre a concepção de natureza de F. Engels e a hipótese A. I. Oparin sobre o problema da origem da vida na terra. 2006. 114 f. Dissertação (Mestrado em História da Ciência) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.

OUVERNEY, R da R.; LAGE, D. de A. A origem da vida na educação básica: uma abordagem a partir do método científico. Revista Práticas em Educação Básica, 1. 2016.

SOUZA, S. S. O livro didático e as influências ideológicas das imagens: por uma educação que contemple a diversidade social e cultural. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Feira de Santana. 2014.

VEIGA-NETO, A. Foucault & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

VIEIRA, E. P. de P. Ser vivo, ser espécie, ser classificado: epistemes, dispositivos e subjetivações no ensino de Ciências e Biologia. 2013. 126 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Educação Matemática e Científica, Belém, 2013. Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas.

ZAIA, D.A.M. Da Geração Espontânea à Química Prebiótica. Química Nova 26(2), 260–264, 2003.

Publicado

2020-11-30

Como Citar

PANTOJA, A. L. P.; VIEIRA, E. P. de P. GERAÇÃO ESPONTANEA E EVOLUÇÃO QUÍMICA GRADUAL EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL . REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 670-691, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i3.11083. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/11083. Acesso em: 26 set. 2021.