AS PESQUISAS EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NA INTERFACE COM A EDUCAÇÃO INDÍGENA: a abordagem qualitativa na evidência dos dados

Lúcia Helena Soares de Oliveira, Licurgo Peixoto de Brito, Josefina Barrera Kalhil

Resumo


Este artigo apresenta resultados das pesquisas de doutoramento desenvolvidas nos programas de pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática sobre as abordagens metodológicas que tem sustentado os estudos sobre os saberes tradicionais indígenas e o ensino de ciências naturais no processo de ensino e aprendizagem. Buscou-se analisar que tratamento metodológico poderia ser competente para enfrentar a problemática do universo de significados que envolvem uma pesquisa cultural. Visto que, é importante saber, que a opção por um tipo de enfoque depende da área de estudos à qual vai se aplicar. Assim como, determinar o tratamento metodológico que se mostre competente para enfrentar a intrincada problemática respeitando os requisitos básicos de avaliação epistêmica são fatores que devem ser priorizados pelo pesquisador. Diante dos achados, fortalece-se a certeza de que o enfoque que mais se adéqua para os estudos culturais tem ancoragem na abordagem qualitativa. Nas pesquisas analisadas verificou-se a interpretação de aspectos em profundidade numa descrição da complexidade humana detalhada. Portanto, a abordagem qualitativa permite a compreensão detalhada dos significados e das características situacionais dos sujeitos envolvidos, assim como, preocupa-se com uma realidade que não pode ser quantificado e nem reduzido à operacionalização de variáveis. Visto, a finalidade da pesquisa cientifica não está centrada tão somente na exposição de um relatório ou descrição dos dados, mas em relatar o desenvolvimento interpretativo dos dados obtidos.


Palavras-chave


Educação Indígena; Ensino de Ciências; Paradigmas metodológicos.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Fabiano. O trabalho docente em ciências como tradição pedagógica. Tese, Londrina: Programa de pós-graduação em Educação em Ciência e Educação Matemática, 2011.

BACHELARD, Gaston. A formação do Espirito Cientifico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto,1996.

BERNAL, Roberto Jaramillo. Índios Urbanos: Processo de reconformação das Identidades Étnicas Indígenas em Manaus. Manaus: EdUFAM, 2009.

BRASIL, Constituição de 1988. Brasília: Senado Federal, 1988.

CHARTIER, Roger. A História cultural: entre práticas e representações. 2.ed. Portugal: Difel, 2002.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa qualitativa em Ciências humanas e sociais. Petrópolis: Vozes, 2006.

CRESWELL. J. W. Projeto de Pesquisa: Métodos Qualitativo, Quantitativo e Misto. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DESLAURIERS, J.P e KÉRISIT, M. O delineamento de pesquisa quantitativa. In: POUPART, J., DESLAURIERS, J. P.; GROULX, L-H.; LAPERRIÈRE, A.; MAYER, R. e PIRES, A. P. A Pesquisa Qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008.

FERREIRA, Gecilane. O ciclo didático e as etnociências como proposta de contextualização do ensino de ciências na educação básica. Tese, Cuiabá: Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática, 2014.

FLORES, JOSÉ FRANCISCO. Integração entre cultura científica e cultura artística no ensino de ciências. Tese (doutorado), RGS: Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2016.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

FOUREZ, Gérard. A construção das ciências: Introdução a Filosofia e à Ética das Ciências. São Paulo: Unesp, 1995.

________________Crise no ensino de ciências? Revista Investigação em Ensino de ciências. V. 8, p.102-123, 2003. www.capes.org.br, acesso em: 08.02.2011, as 12 h.

GEETZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogana, 1989.

GHEDIN, Evandro; MARTINS, Lizandra Vieira. O ensino de Ciências e suas Epistemologias. Boa Vista: EDUFRR, 2017- VICO, Giambattista. A ciência Nova (1744). Tradução inédita de Marco Lucchesi. Rio de Janeiro: Record, 1999.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. Ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LUCIANO, Gersen dos Santos. O Índio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade/LACED/Museu Nacional, 2006.

MAHER, Machado Terezinha. A formação de professores indígenas: uma discussão introdutória. In:(org.) GRUPIONI, Luís Donisete. Formação de Professores Indígenas: Repensando Trajetórias. MEC/UNESCO Brasília, 2006.

MAIA, Dayse Peixoto. Necessidades formativas da pós-modernidade e a formação contínua de professores de ciências. Tese (Doutorado) Manaus/AM: Programa de pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática, 2015.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia Científica. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2011.

MELIÀ, Bartomeu. Educação indígena na escola. Cadernos Cedes, ano XIX, nº 49, Dezembro/99.

MOREIRA, Marco Antonio. A teoria dos campos conceituais de Vergnaud, o ensino de ciências e a pesquisa nesta área. Revista Investigação em ensino de ciências. V.7, p.7-29, 2002. www.capes.org.br, acesso em: 03.02.2011, as 14 h.

OLIVA, Alberto. À espera da ciência: um mundo de fatos pré-interpretados. Episteme, Porto Alegre, nº 13, p. 17-43, jul-dez, 2001.

____________. Teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2011. ( Coleção Passo a passo).

OLIVEIRA, Elisângela Silva de. ENSINO DE CIÊNCIAS NOS ANOS ESCOLARES INICIAIS: o que professoras dizem de si e de sua docência. Tese, Belém/PA: Programa de PósGraduação em Educação em Ciências e Matemática, 2016.

PEDROSA, Eliane Maria Pinto. O ensino de ciências da natureza e de matemática em curso técnico integrado ao médio para jovens e adultos: concepções e ações da formação. Tese, Belém/PA: Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática – REAMEC, 2015.

PEREIRA, Carlos Luis. O ensino de ciências naturais em uma escola indígena pataxó da Bahia. Tese (doutorado) – São Paulo: Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Universidade Cruzeiro do Sul, 2014.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

RIBEIRO, Kátia Dias Ferreira. FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS NATURAIS EM UMA PERSPECTIVA INTERDISCIPLINAR E CRÍTICA: Reflexões sobre a contribuição da vivência com questões sociocientíficas na mobilização e aprendizagem de conhecimentos para a docência. Tese, Cuiabá:Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECEM), 2016.

SAMPIERI, Roberto Hernández; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO, Pilar Baptista. Metodología de La investigacion. 4 ed. Mexico: MCGRAW-HILL Interamericana, 2006.

SANTOS, CREUSA BARBOSA DOS. Formação de Professores: Saberes Pedagógicos e Tradicionais da Etnociência para os Anos Iniciais em Escolas Quilombolas. Tese (doutorado) Belém/PÁ: Programa de pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática, 2016

SILVA, R. H. D. A autonomia como valor e articulação de possibilidades: O movimento dos professores indígenas do Amazonas, de Roraima e do Acre e a construção de uma política de educação escolar indígena.Caderno Cedes, ano XIX, nº 49, Dezembro/99.

SILVA, Marilene Correa da. O Paiz do Amazonas. Manaus: Valer, 2004.

TREVISAN, Inês. A aula de campo: espaço de formação inicial de professores de ciências/biologia. Tese, Belém/PA: Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, 2015.

VIEIRA, EDUARDO PAIVA DE PONTES. Ser vivo, ser espécie, ser classificado: epistemes, dispositivos e subjetivações no ensino de ciências e biologia. Tese (doutorado) Belém/PÁ: Programa de pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.26571/2318-6674.a2017.v5.n2.p282-303.i5730

Apontamentos

  • Não há apontamentos.