PRESERVAÇÃO DOS SABERES TRADICIONAIS NO EXEMPLO DO PROJETO ERVA MEDICINAL – FARMÁCIA VIVA: ESCOLA FLORESTAN FERNANDES, EM CLÁUDIA (MT)

Autores

  • Patricia Rosinke Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
  • Maria Luiza Troian SECITEC/MT
  • Edna Lopes Hardoin UFMT - Universidade Federal de Mato Grosso
  • Germano Guarim Neto UFMT - Universidade Federal de Mato Grosso

DOI:

10.26571/REAMEC.a2019.v7.n1.p268-287.i8093

Palavras-chave:

saberes populares, plantas medicinais, movimento dos trabalhadores sem terra (MST).

Resumo

Este artigo apresenta uma pesquisa que visou conhecer e identificar a importância que tem, na comunidade local, o Projeto Ervas Medicinais: Farmácia Viva, desenvolvido na Escola do Campo do Assentamento de Reforma Agrária da região Norte do Mato Grosso. O Assentamento 12 de Outubro foi organizado pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em 2010. A pesquisa foi de abordagem qualitativa e teve como sujeitos dois professores e duas turmas de alunos da escola, envolvidos diretamente no projeto. O objetivo estava em conhecera dinâmica de desenvolvimento assim como compreender a importância desse projeto na preservação de saberes populares sobre plantas e na saúde da comunidade local. Para a produção de dados deste trabalho, utilizaram-se entrevistas semiestruturadas com os professores e roda de conversa com os alunos. Mesmo diante dos desafios para melhorias, por meio desta pesquisa, verificamos que o projeto mostrou-se com grande potencial para o desenvolvimento de habilidades que permitem conscientização em prol da preservação dos saberes populares que as famílias do assentamento têm.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Rosinke, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Professora Mestre em Educação Nas Ciências (UNIJUÍ-2007), doutoranda em Educação Nas Ciências e Matemática.

Maria Luiza Troian, SECITEC/MT

Pedagoga da Escola Técnica Estadual de Sinop

Edna Lopes Hardoin, UFMT - Universidade Federal de Mato Grosso

Professora Titular da Universidade Federal de Mato Grosso. É docente nos cursos de: graduação (Lic. em Ciências Biológicas) mestrado profissional (Ensino de Ciências Naturais e PROFBio) e doutorado em Rede (Educação em Ciências e Matemática/REAMEC). 

Germano Guarim Neto, UFMT - Universidade Federal de Mato Grosso

Professor Doutor da UFMT, REAMEC.

Referências

CALDART, Roseli Salete. Pedagogia do movimento sem terra. 3. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

GERHARDT E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Organização de Tatiana Engel Gerhardt e Denise Tolfo. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

MINAYO, M. C. S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. 2012, p. 621-626.

MOREIRA, H.; CALEFFE, L. G. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.

MST MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Quem somos. Disponível em: http://www.mst.org.br/quem-somos/. Último acesso em: 9 maio 2019.

Downloads

Publicado

2019-05-18

Como Citar

ROSINKE, P.; TROIAN, M. L.; HARDOIN, E. L.; NETO, G. G. PRESERVAÇÃO DOS SABERES TRADICIONAIS NO EXEMPLO DO PROJETO ERVA MEDICINAL – FARMÁCIA VIVA: ESCOLA FLORESTAN FERNANDES, EM CLÁUDIA (MT). REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 268-287, 2019. DOI: 10.26571/REAMEC.a2019.v7.n1.p268-287.i8093. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/8093. Acesso em: 15 ago. 2020.