ESTUDO DAS RELAÇÕES ECOLÓGICAS EM UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA MEDIADA PELAS TIC

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v9i1.10970

Palavras-chave:

Ensino e aprendizagem. Sequência Didática (SD). Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC).

Resumo

Este artigo tem como objetivo descrever e analisar uma experiência de ensino e aprendizagem, mediada pelo uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), na qual desenvolveu-se uma Sequência Didática (SD) acerca da temática das relações ecológicas. Tal experiência foi motivada pelo atual contexto mundial, em que a pandemia da Covid-19 tem contribuído para que professores e estudantes desenvolvam metodologias com a inserção do ensino à distância. Trata-se de uma pesquisa com abordagem qualitativa e de caráter exploratório. Os instrumentos para a produção e coleta de dados foram questionários com questões abertas e produção textual. Os dados demonstraram que as TIC podem se configurar como ferramentas eficazes para a construção de conhecimentos, já que este processo ocorreu por meio das aulas de vídeo chamadas na plataforma Jitsi Meet e através da interação no WhatsApp. Este estudo contribui, também, para uma reflexão sobre as práticas pedagógicas presentes no contexto escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Tarcísio Renan Pereira Sousa Resende, Universidade Federal de Mato Grosso

Mestrando em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT. Possui especialização em Educação de Jovens e Adultos pela Faculdades Integradas de Várzea Grande - FIAVEC. Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Mato Grosso-UNEMAT. Atualmente é professor da Educação Básica do estado de Mato Grosso. Possui experiência na área de Educação, com ênfase em Política Pública Educacional, Tecnologia Educacional, Ensino de Ciências e Educação Ambiental.

Patricia Rosinke, Universidade Federal de Mato Grosso

Possui graduação em Licenciatura Plena Em Ciências Hab Química pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2004), mestrado em Educação Nas Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2007) e doutorado em Educação em Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Mato Grosso (2019). Atualmente é professora da Universidade Federal de Mato Grosso, campus de Sinop, atuando principalmente nos seguintes temas: interdisciplinaridade, formação de professores de Ciências, Ensino de Ciências/Química e Educação nas ciências. Atua no Ensino, na Pesquisa e na Extensão.

 

Carmen Wobeto, Universidade Federal de Mato Grosso

Possui graduação em Química pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2000), mestrado em Agroquímica e Agrobioquímica pela Universidade Federal de Lavras (2003) e doutorado em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal de Viçosa (2007). Atualmente é professor Associado da Universidade Federal de Mato Grosso. Atua como docente colaborador no Programas de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências da Natureza e Matemática (UFMT - Campus de Sinop). Tem experiência na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, com ênfase em Química e Bioquímica dos Alimentos e das Mat-Primas Alimentares, atuando principalmente nos seguintes temas: análise físico-química de alimentos e bioprospecção de produtos apícolas e meliponícolas. Atua na área de Ensino de Ciências, em Educação CTSA, envolvendo temas de abelhas nativas como instrumento de educação ambiental. 

Referências

BEZERRA, C. P.; GOMES, W. P. B.; MEIRELES, K. D.; SOUZA, C. C.; SEIBERT, C.S. Fungos: um modelo didático para o ensino de ciências. Interface, n. 14, p. 79-89, 2017. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/interface/article/view/4773. Acesso em: 5 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio (PCNEM). Brasília, 2000. Disponível em: https://tinyurl.com/ya78q4aq. Acesso em: 6 jun. 2020.

BONFIM. C. S.; AMARAL-FILHO, J. J. Explorando atividades lúdicas, experimentos e modelagem: solução para o ensino e aprendizagem de soluções? Ludus Scientiae, V.2, N.2, p.57-70, 2018. Disponível em: https://ojs.unila.edu.br/relus/article/view/1500/1539. DOI: https://doi.org/10.30691/relus.v2i2.1500. Acesso em: 5 jun. 2020.

BELLONI, M. L. O que é mídia educação 2 ed. Campinas: Autores Associados, 2005.

CASTELLS. M. Sociedade em Rede. Tradução: Roneide Venâncio Majer, 6° Ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

CASTRO, T. O.; CAVALCANTE, K. L. Importância do uso das tecnologias de comunicação e informação no ensino da Biologia. Revista Semiárido de Visu, v.7, n.1, p. 88-12, 2019. Disponível em: https://periodicos.ifsertaope.edu.br/ojs2/index.php/semiaridodevisu/article/view/484. DOI: https://dx.doi.org./:00.0000/0000-0000.2018x0y0z0. Acesso em: 7 jun. 2020.

COSTA, E.M; LORENZETTI, l. A promoção da alfabetização científica nos anos finais do ensino fundamental por meio de uma sequência didática sobre crustáceos. RBECM, v. 3, n. 1, p. 11- 47, 2020. Disponível em: http://seer.upf.br/index.php/rbecm/article/view/10006/114115258. DOI: https://doi.org/10.5335. Acesso em: 5 jun. 2020.

COSTA, J.D.; SANTOS, W. L.; SILVA, J. S.; ALVES, M. M. Tecnolgias e educação: o uso das TIC como ferramentas essenciais para o processo de ensino e aprendizagem. Braz. J. of Develop, v. 5, n. 11, p. 25034-25042, 2019. Disponível em: http://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/4627/4578. DOI:10.34117/bjdv5n11-177. Acesso em: 8 jun. 2020.

CRUZ, A. A. C.; RIBEIRO, V. G. P.; LONGHINOTTI, E.; MAZZETTO, S. E. A Ciência Forense no Ensino de Química por Meio da Experimentação Investigativa e Lúdica. Química nova escola, v. 38, n. 2, p. 167- 172, 2014. Disponível em: http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc38_2/11-RSA-53-14.pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0104-8899.20160022. Acesso em: 8 jun. 2020.

FARIA, R. C. B.; Experimentação remota como suporte no ensino e aprendizagem de ciências e biologia. 2019. 178f. Tese (Doutorado da Universidade Estadual de Campinas) – Instituto de Física Gleb Wataghin) – Campinas, São Paulo.

LIMA, J. S. B.; VICENTE, K. B. AS Vantagens do uso das tics como apoio complementar da metodologia do docente no ambiente acadêmico. Revista Multidebates, v.3, n.1.2019.

MALECK, M. et al. Educação Antidengue: Um Relato de Experiência. Extensio: R. Eletr. de Extensão, Florianópolis, v. 14, n. 26, p. 74-83, 2017.

MÉHEUT, M.; PSILLOS, D. Teaching-learning sequences: aims and tools for science education research. International Journal of Science Education, v. 26, n. 5, p. 515-535, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1080/09500690310001614762. Acesso em: 8 out. 2018.

MENDES, E. R. Importância das TIC no processo de ensino-aprendizagem. Benguela, 2015.

MORAN, J. M. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas. In: MORAN, J. M.l; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 12. ed. Campinas, SP: Papirus. 2006. p.11-66.

MORENO, E. L.; H. S. P. Recursos instrucionais inovadores para o ensino de química. Química Nova na Escola, v. 39, n. 1, p. 12-18, 2017. Disponível em: http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc39_1/04-EQM-17-16.pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.21577/0104-8899.20160055. Acesso em: 5 mai. 2020.

NASCIMENTO, A.M.R.; GASQUE, K.C.G.D. Novas tecnologias, a busca e o uso de informação no ensino médio. Inform. Soc. Estudos, v.27, n.3, p.205-218, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/32992. Doi: https://doi.org/10.22478/ufpb.1809-4783.2017v27n3.32992. Acesso em: 15 mai. 2020.

PEREIRA, A.S., SHITSUKA, D.M., PEREIRA, F.J. & SHITSUKA, R. (2018). Metodologia da pesquisa cientifica. [e-book] Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_MetodologiaPesquisaCientifica.pdf?sequence=1. Acesso em: 03 jun. 2020.

PRADO, M. E. B. B. Articulações entre áreas de conhecimento e tecnologia. Articulando saberes e transformando a prática. In: Boletim do Salto para o Futuro. Brasília: Ministério da Educação /Secretaria de Educação a Distância – Seed, 2001. (Série Tecnologia e Currículo, TV Escola).

POZO, J. I. Aprendizes e mestres: a nova cultura da aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2008. 296p.

RIBEIRO, G. A. M.; SANTANA, R. C. M.; NOBRE, I. A. M.; SODERMANN, D. V. C.; VIEIRA, L. da S. L. O uso de tecnologias móveis no ensino de ciências: uma experiência sobre o estudo dos ecossistemas costeiros da mata atlântica sul capixaba. RIAEE – Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 11, n. 4, p. 2234-2244, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.21723/riaee.v11.n4.9122. Acesso em: 5 jun. 2020.

SANTOS, W. L. SANTOS, E. F. A docência no Ensino Superior e sua relação tecnológica na EAD. Revista Rios, p.47-58. 2017.

SILVA, C. B. Tecnologias educacionais: inovação e formação de docentes. Temas em Educação e Saúde, v. 15, n. 1, 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/12772. DOI: https://doi.org/10.26673/tes.v15i1.12772. Acesso em: 22 jun. 2020.

SOUZA, C. H. M.; CALABAIDE, C; ERNESTO, T. S. Reflexões sobre metodologias ativas x prática docente. Interdisciplinary Scientific Journal, v. 5, n. 4, p. 212-222, 2018. Disponível em: http://revista.srvroot.com/linkscienceplace/index.php/linkscienceplace/article/view/58. DOI: 10. 17115. Acesso em: 10 jun. 2020.

TEIXEIRA, D. M., MACHADO, F. B., SILVA, J. S. O lúdico e o ensino de geociências no Brasil: principais tendências das publicações na área de Ciências da Natureza. Terra e Didática, v. 13, n. 3, p. 286-294, 2017. Disponível em: http://www.ppegeo.igc.usp.br/index.php/TED/article/view/13194/12785. DOI: http://dx.doi.org/10.20396/td.v13i3.8651223. Acesso em: 18 jun. 2020.

VAREJÃO, J. B. M.; SANTOS, C. B. DOS; REZENDE, H. R.; BEVILACQUA, L. C. e FALQUETO, A. Criadouros de Aedes (Stegomyia) aegypti (Linnaeus, 1762) em bromélias nativas na Cidade de Vitória, ES. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. v. 38, n. 3, p. 238-240, 2005.

VIECHENESKI, J. P.; CARLETTO, M. R. Iniciação à alfabetização científica nos anos iniciais: contribuições de uma sequência didática. Investigações em Ensino de Ciências, v. 18, n.3, p. 525-543, 2013. Disponível: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/112/76. Acesso em: 7 jun. 2020.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso, 2016.

Downloads

Publicado

2021-03-15

Como Citar

RESENDE, T. R. P. S. .; ROSINKE, P. .; WOBETO, C. ESTUDO DAS RELAÇÕES ECOLÓGICAS EM UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA MEDIADA PELAS TIC. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 1, p. e21023, 2021. DOI: 10.26571/reamec.v9i1.10970. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/10970. Acesso em: 21 abr. 2021.

Edição

Seção

Educação em Ciências