CRENÇAS DE AUTOEFICÁCIA E ATITUDES DE ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSÍVEIS INDICATIVOS DE DESMOTIVAÇÕES PARA A RESOLUÇÃO DE QUESTÕES “MATEMATIZADAS” DE CIÊNCIAS NATURAIS

Autores

DOI:

10.26571/REAMEC.a2019.v7.n2.p05-27.i8346

Palavras-chave:

Teoria Social Cognitiva, Autoconceito, Motivação.

Resumo

A presente pesquisa teve como objetivo caracterizar evidências de relações entre a crença de autoeficácia, as atitudes de alunos em relação à resolução de questões “matematizadas” de Ciências Naturais e a motivação para executá-las. A coleta de dados ocorreu com doze turmas de 9º ano do Ensino Fundamental de três escolas estaduais de Cuiabá-MT por meio de entrevistas e testes (similares a avaliações em larga escala). Os testes foram aplicados para duzentos e trinta e nove alunos e as entrevistas para três alunos. Os resultados nos evidenciaram que existem estreitas relações entre o autoconceito em Matemática, a crença de autoeficácia na resolução de questões “matematizadas” de Ciências Naturais e o esforço desprendido para tais resoluções.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Endrigo Antunes Martins, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Graduado em Ciências Biológicas, Mestre em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT/Cuiabá e Doutor em Ensino de Ciências pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP/Bauru. Atualmente é professor de educação básica pela Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso. Possui experiência com formação de professores com ênfase em currículos organizados por Objetivos de Aprendizagem / Habilidades e Competências. 

Marta Maria Pontin Darsie, Universidade Federal de Mato Grosso

Possui graduação em Pedagogia, com habilitação em Docência e Supervisão Escolar (1982) e habilitação em Admisnistração Escolar (1983) pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Palmas. Especialização em Formação e Atuação do Educador na Realidade Educacional, pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Palmas (1984); especialização em Metodologia do Ensino de Matemática de 1ª à 4ª série pela Universidade Federal de Mato Grosso (1986). Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (1992) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (1998). É professora da Universidade Federal de Mato Grosso desde 1986, e professora pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso desde 1999. Líder do grupo de estudos e pesquisas em Educação Matemática - GRUEPEM. Atualmente é Coordenadora Geral do Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências e Matemática- PPGECEM, doutorado da Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática-REAMEC; coordenadora do Projeto Observatório da Educação com foco em Matemática e iniciação às Ciências do Polo UFMT-Cuiabá. É pesquisadora na área de Educação, com ênfase em Ensino de Ciências e Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: educação matemática, formação de professores, avaliação da aprendizagem, avaliação em larga Escala - ALE, metacognição e matemática, Dificuldades de aprendizagem Matemática-DAM, Educação de Jovens e Adultos.

Jair Lopes Junior, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

possui graduação em Psicologia pela Universidade de Brasília (1988), mestrado em Psicologia (Psicologia Experimental) pela Universidade de São Paulo (1992) e doutorado em Psicologia (Psicologia Experimental) pela Universidade de São Paulo (1996). Atualmente é professor assistente doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). É docente credenciado junto ao Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem, área de concentração Desenvolvimento e Aprendizagem e junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, área de concentração em Ensino de Ciências, ambos localizados na UNESP/Faculdade de Ciências - Campus Bauru. Desenvolve atividades didáticas, de pesquisa e de orientação acadêmica relacionadas com o ensino e a aprendizagem de conteúdos curriculares da Educação Básica e sobre repertórios e conhecimentos profissionais da docência, bem como sobre processos comportamentais e formativos constituintes de competências e de habilidades designadas em matrizes de referência de sistemas de avaliação educacional em larga escala.

Nelson Antonio Pirola, Universidade Estadual Paulista

Possui graduação em Matemática pela Universidade Estadual de Campinas (1991), mestrado em Educação (área de Concentração em Psicologia Educacional) pela Universidade Estadual de Campinas (1995) e doutorado em Educação (área de Concentração em Educação Matemática), pela Universidade Estadual de Campinas (2000). Possui livre-docência em Educação Matemática pela UNESP. Atualmente é professor associado do Departamento de Educação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Formação de Conceitos e Solução de Problemas, atuando principalmente nos seguintes temas: educação matemática, formação de professores, solução de problemas, educação continuada e ensino e avaliação em matemática. Foi diretor da Sociedade Brasileira de Educação Matemática - Regional São Paulo - Triênio 2008-2010 e 2011-2013. Foi coordenador do curso de Pedagogia PARFOR (UNESP/CAPES) de 2011-2014. Docente credenciado no Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência e no Programa de Mestrado Profissional em Docência para a Educação Básica da UNESP - Bauru. Realizou estágios de Pós-Doutorado de curta duração na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal, Portugal e na Université Claude Bernard Lyon 1. École Supérieure du Professorat et de l Éducation de lAcadémie de Lyon. É líder do Grupo de Pesquisa em Psicologia da Educação Matemática e coordenador do Centro de Educação Continuada em Educação Matemática, Científica e Ambiental da UNESP de Bauru - CECEMCA. Atualmente, é vice-coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência da UNESP/Bauru. Professor colaborador no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática - REAMEC. Orientador do Programa Residência Pedagógica de Matemática da CAPES/UNESP/Bauru

Referências

AIKEN, L. R. Attitudes Toward Mathematics. Review of Educational Research, v. 40, n. 4, pp. 551-596, 1970.

BANDURA, A. Self-efficacy: Toward a Unifying Theory of Behavioral Change. Psychological Review, v. 84, n. 2, pp. 191-215, 1977.

______. Perceived Self-Efficacy in Cognitive Development and Functioning. Educational Psychologist, 28 (2), 117-148, 1993.

______. Self-efficacy. In V. S. Ramachaudran (Ed.), Encyclopedia of human behavior. V. 4, p. 71-81. New York: Academic Press, 1994.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Trad. de Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo de Mourinho Baptista. Porto: Porto Editora, 1994.

BONG, M. E.; SKAALVIK, E. M. Academic self-concept and self-efficacy: How different are they really? In: Educational Psychology Review, 15 (1), pp. 1-40, 2003.

BORUCHOVITCH, E.; BZUNECK, J. A. A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

BRITO, M. R. F. Atitudes em Relação à Matemática em Estudantes de 1º e 2º Graus. 1996. Tese (Livre Docência em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.

BRITO, M. R. F.; SOUZA, L. F. N. I. Autoeficácia na Solução de Problemas Matemáticos e Variáveis Relacionadas. Temas em Psicologia. Ribeirão Preto, v.23, n.1, 2015. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v23n1/v23n1a04.pdf> Acesso em: 01 jul. 2019.

DOBARRO, V. R. Solução de Problemas e Tipos de Mente Matemática: Relações com as Atitudes e Crenças de Autoeficácia. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

DOBARRO, V. R.; BRITO, M. R. F. Atitude e Crença de Autoeficácia: Relações com o Desempenho em Matemática. Educação Matemática Pesquisa. v.12, n.2, 2010. Disponível em: <http://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/2180> Acesso em: 01 jul. 2019.

KLAUSMEIER, H. J.; GOODWIN, W. Manual de Psicologia Educacional. Tradução de Maria Célia T. de Abreu, São Paulo: Harper & Row do Brasil, 1977.

MARTINS, E. A. A influência da “matematização” na aprendizagem de Ciências Naturais: um estudo sobre a aprendizagem da cinemática no 9º ano do ensino fundamental. Dissertação (Mestrado em Educação). Instituto de Educação, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2014.

NEVES, S. P; FARIA, L. Autoconceito e autoeficácia: semelhanças, diferenças, inter-relação e influência no rendimento escolar. Revista da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais. Porto: Edições Universidade Fernando Pessoa. ISSN 1646-0502.6, p.206-218, 2009. Disponível em: <http://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/1330/2/206-218_%20FCHS06-5.pdf> Acesso em: 26 jun. 2019.

PAULA, K. C. M. A família, o desenvolvimento das atitudes em relação a matemática e a crença de auto-eficácia. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

Publicado

2019-08-01

Como Citar

MARTINS, E. A.; DARSIE, M. M. P.; JUNIOR, J. L.; PIROLA, N. A. CRENÇAS DE AUTOEFICÁCIA E ATITUDES DE ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSÍVEIS INDICATIVOS DE DESMOTIVAÇÕES PARA A RESOLUÇÃO DE QUESTÕES “MATEMATIZADAS” DE CIÊNCIAS NATURAIS. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 7, n. 2, p. 05–27, 2019. DOI: 10.26571/REAMEC.a2019.v7.n2.p05-27.i8346. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/8346. Acesso em: 17 abr. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)