A UTILIZAÇÃO DOS MAPAS CONCEITUAIS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS

Virginia Roters da Silva, Leonir Lorenzetti

Resumo


O presente trabalho analisou as características e contribuições dos Mapas Conceituais para a Educação em Ciências, apresentados nas Atas do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – ENPEC, no período de 1997 a 2015. A metodologia utilizada foi a pesquisa documental, que localizou quarenta e três trabalhos no total, sendo vinte e dois envolvendo a Educação Básica. A análise de cada artigo considerou o problema, os objetivos, o tipo de Mapa, a metodologia, as propostas de promoção e as contribuições para a Educação em Ciências. Os resultados indicam que o uso dos Mapas Conceituais na Educação Básica, principalmente no Ensino Fundamental, é uma atividade ainda pouco explorada, porém, os trabalhos que tratam do tema trazem contribuições e mostram o potencial do seu uso como proposta de trabalho para uma aprendizagem mais significativa.


Palavras-chave


Educação em ciências, mapa conceitual, educação básica.

Texto completo:

PDF

Referências


AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Piscología educativa: un punto de vista cognoscitivo. Trillas: Mexico, 1980.

FARIA, W. de. Mapas conceituais: aplicações ao ensino, currículo e avaliação. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária Ltda., 1995.

HERNANDEZ, F.; SANCHO, J. M.; CARBONELL, A. T.; SANCHEZ, M.S. Aprendendo com as inovações nas escolas. Porto Alegre: Artmed, 2000.

LORENZETTI, L.; SILVA, T. F.; BUENO, T. N. N. A pesquisa em Ensino de Química nos ENPECS (1997 a 2013): mapeando tendências. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, X, 2015, Águas de Lindóia. Anais... Águas de Lindóia: ABRAPEC, 2015.

MOREIRA, M. A. A Teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: UNB, 2006.

MOREIRA, M. A. e BUCHWEITZ, B. Mapas Conceituais: Instrumentos didáticos de avaliação e análise de currículo. São Paulo: Moraes, 1987.

MOREIRA, M. A. Organizadores prévios e aprendizagem significativa. Revista Chilena de Educación Científica, RS, v. 7, n. 2, p. 1 - 11, 2008. Revisado em 2012. Disponível em: . Acesso em: 5 mai de 2016.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa em mapas conceituais. Porto Alegre: UFRGS, Instituto de Física, 2013.

MOREIRA, M. A.; MASINI, E. A. S. Aprendizagem significativa: a teoria de aprendizagem de David Ausubel. 2 ed. São Paulo: Editora Centauro, 2006.

NOVAK, J. D.; GOWIN, D. B. Aprendiendo a aprender. Barcelona: Martínez Roca, 1988.

NOVAK, J. D.; GOWIN, D. B. Aprender a aprender. Lisboa: Plátano Edições Técnicas. Tradução ao português, de Carla Valadares, do original Learning how to learn, 1996.

POZO, J. I.; CRESPO, G. M. A. Aprender y enseñar ciencia: del conocimiento cotidiano al conocimiento científico. Madrid: Morata, 1998.

TAVARES, R. Construindo mapas conceituais. Revista Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v. 12, p. 72-85, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.26571/REAMEC.a2018.v6.n1.p43-64.i5922

Apontamentos

  • Não há apontamentos.