SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA ABORDAR A POLUIÇÃO AMBIENTAL EM ESPAÇO NÃO FORMAL COM ESTUDANTES DO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM BOA VISTA - RORAIMA

Aluizio Andrade de Castro Junior, Monica Feitosa da Costa Sousa, Sandra Kariny Saldanha de Oliveira, Ivanise Maria Rizzatti, Wellington Leocádio da Silva

Resumo


A presente pesquisa teve como objetivo, abordar a poluição ambiental em espaço não formal por meio da sequência didática com estudantes do 1º ano do ensino fundamental I da escola Municipal Jóquei Clube em Boa Vista – Roraima. A metodologia de estudo é a pesquisa de campo de abordagem qualitativa. Dessa forma, esta pesquisa envolveu a participação de 14 estudantes da referida escola, desenvolveu-se uma sequência didática com cinco atividades, tanto em espaço formal como não formal no turno matutino no mês de setembro de 2018. Conclui-se que a maioria dos alunos apresentaram conhecimento prévio sobre a temática em estudo e ao final das atividades mostraram estar sensibilizados sobre a importância de se manter o ambiente limpo e preservado em torno da instituição para as futuras gerações. 


Palavras-chave


Meio ambiente, preservação, ensino-aprendizagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR. et al. Sequência didática para o ensino de classificação e evolução biológica. V Encontro de Iniciação á Docência da UEPBD. 2010.

ALIBERAS, J. et al. Desenho de uma sequência didática sobre hidrostática, baseada teoricamente: o papel da modelagem e da emoção. IX Congresso Internacional de Pesquisa em Didática da Ciência, número extra, p. 84-90, Girona, 2013.

AUSUBEL, D. P. A Aprendizagem Significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo, Moraes, 1982.

AMARAL, Ivan Amorosino do. Conhecimento formal, experimental e estudo ambiental. Ciência e Ensino, Campinas, n°.3, dez. 1997.

ARAÚJO, Joeliza Nunes. O ensino de botânica e a educação básica no contexto amazônico: Construção de recurso multimídia. Manaus: UEA, 2009. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências), Escola Normal Superior, Universidade do Estado do Amazonas, 2009.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC / SEF, 1998.

ELIAS, D. C. N.; AMARAL, L. H.; ARAÚJO, M. S. T. Criação de um espaço de aprendizagem significativa no planetário do parque Ibirapuera. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 7, n. 1, 2007.

FAGUNDES, Suzana Margarete Kurzmann; PICCINI, Ingrid Pereira; LAMARQUE, Tatiele; TERRAZZAN, Eduardo Adolfo. Produções em educação em ciências sob a perspectiva cts/ctsa. VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação de Ciências Florianópolis, 08 de Novembro de 2009. ISSN: 21766940

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

GREGÓRIO, M. A. Aprendizagem de física básica através de projetos: AFBAP. In: Abib, M. L. S.; Borges, A. S., Sousa, G. G.; Oliveira, M. P. (Orgs.). Atas do VII Encontro de Pesquisa em Ensino de Física. Santa Catarina: SBF, 2010.

JACOBUCCI, D. F. C.; Contribuições dos espaços não formais de educação para a formação da cultura científica. Em Extensão: Uberlândia, v. 7, p. 55-66, 2008.

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. São Paulo: Edusp, 2008.

KLAUSEN, L. S. Aprendizagem significativa: um desafio. Educere XIII Congresso Nacional de Educação. PUCR. 2015.

LEIRIA, T. F.; MATARUCO, S. M. C. O papel das atividades experimentais processo ensino-aprendizagem de física. Educere XII Congresso Nacional de Educação. PUCPR. 2015.

MIRANDA, A. J; FERREIRA, J. P; ROCHA, J, M; CUNHA, Z. B; SIQUEIRA, Z. Poluição ambiental. 2018. Disponível em: www.emdialogo.uff.br. Acesso: 29. 08. 2018.

PINTO, Leandro Trindade; FIGUEIREDO, Viviane Arena. O ensino de Ciências e os espaços não formais de ensino. Um estudo sobre o ensino de Ciências no município de Duque de Caxias/RJ. II Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia. 2010.

RIBEIRO, Thiago. O lixo. Disponível em: Acessado em: 29/08/2018.

ROSITO, B. A. O Ensino de Ciências e a Experimentação. In: MORAES, R. (org.). Construtivismo e Ensino de Ciências: Reflexões Epistemológicas e Metodológicas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

ROGERS, Carl R. Tornar-se pessoa. 5. Ed São Paulo: Martins, 2001.

SENICIATO, T. & CAVASSAN, O. Aulas de campo em ambientes naturais e aprendizagem em ciências: um estudo com alunos do ensino fundamental. Revista Ciência e Educação, Bauru, v.10, n. 1, p.133-147, 2004.

SILVA, E. L., BEJARANO, N. R. R. As tendências das sequências didáticas de ensino desenvolvidas por professores em formação nas disciplinas de estágio supervisionado das Universidades Federal de Sergipe e Federal da Bahia. IX Congresso Internacional sobre Investigação em Didática de Ciências, nº extra, p. 1942-1948, Girona, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.