ESTADO DO CONHECIMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS SÉRIOS NO ENSINO DE CIÊNCIAS

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v12.16692

Palavras-chave:

Levantamento bibliográfico, Jogos sérios, Ensino de Ciências

Resumo

A sala de aula tem passado por notáveis transformações nos dias de hoje e evidencia especialmente a adoção de metodologias ativas e a integração de ferramentas inovadoras, como os jogos sérios. Essas abordagens não apenas aprimoram os processos de ensino e aprendizagem, mas também promovem uma participação ativa dos estudantes no ambiente escolar e, desse modo, proporcionam uma experiência educacional mais dinâmica e envolvente. Nesse contexto, o objetivo desta pesquisa é apresentar, por meio de um levantamento bibliográfico dos últimos 16 anos, a utilização e a importância de jogos sérios no ensino de Ciências no nível secundário, publicados em periódicos nos bancos de dados da Web of Science e Scopus. O presente estudo, classificado como revisão bibliográfica, foi realizado no primeiro semestre de 2022 e identificou um total de 11 periódicos que foram analisados utilizando seis categorias pré-estabelecidas pelo método Análise de Conteúdo: principais referências, conceitos científicos, linguagens empregadas/tecnologias envolvidas, tipo de jogo e público envolvido. Em suma, os resultados destacam a importância dos jogos sérios com diferentes gêneros de jogos, bem como abordam as dificuldades e os desafios enfrentados por professores e estudantes. Além disso, foram identificadas possibilidades de abordagem, com o auxílio de diferentes materiais tanto dentro quanto fora do jogo, fato que contribui para uma melhor aquisição dos conteúdos científicos nos componentes curriculares de Biologia, Física e Química.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Markondes Lacerda Araujo, Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT) e Universidade de Cuiabá (UNIC), Cuiabá, Mato Grosso, Brasil

Atualmente é mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ensino pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato grosso, Campus Octayde, Cuiabá-MT. Orientado do professor Dr. Marcelo Franco Leão. É bolsista CAPES. Possui graduação em Licenciatura em Biologia pelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Mato Grosso, Campus Confresa (2018). Apresentação do trabalho de conclusão de curso em Evolução. Especialização em Ensino de Biologia (2020). Participou do projeto Residência Pedagógica (2018-2019) financiado pela CAPES. Atua principalmente nos seguintes temas: Metodologias de Ensino, Educação Ambiental, Evolução, Ensino de Ciências e Ensino de Biologia. Participou do Projeto de Pesquisa Recuperação florestal na região Araguaia-Xingu: compreendendo os impactos de diferentes tipos de degradação sobre a flora e diversidade de samambaias e licófitas.

Marcelo Franco Leão, Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), Confresa, Mato Grosso, Brasil.

Possui graduação em Química Licenciatura Plena pela Universidade de Santa Cruz do Sul (2006) e em Física Licenciatura pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2015). Tem Especialização em Orientação Educacional pela Faculdade Dom Alberto (2009) e em Especialização em Relações Raciais na Educação e na Sociedade Brasileira pela Universidade Federal de Mato Grosso (2012). É Mestre em Ensino pela Universidade do Vale do Taquari (2014) e Doutor em Educação e Ensino de Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2018). Tem experiência docente na área de Ensino de Química. Ministrou aulas de Metodologias para o Ensino de Química, Química Geral, CTS, e Química Analítica no Ensino Superior. Desde 2003 atua como professor na Educação Básica das disciplinas de Ciências, Química e Física. Atualmente é professor EBTT efetivo do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), Campus de Confresa/MT. Participa do Grupo de Pesquisa Ensino de Ciências e Matemática no Baixo Araguaia (GPEnCiMa), registrado no CNPq, e atua como editor da Revista Prática Docente. É coordenador de área do Programa de Iniciação à Docência (PID) Núcleo Confresa. Atua como Docente Permanente no Programa de Pós-Graduação em Ensino (PPGEn - IFMT). Tem capacidade de comunicação, de articular e contextualizar informações, de constante atualização, habilidade para compreender questões lógicas, para pensar e solucionar conflitos, familiaridade com computadores e novas tecnologias, gosto pela pesquisa, responsabilidade, ética e integridade, flexibilidade e adaptabilidade, disciplina, capacidade de negociação.

Referências

ANDERSON, J. L.; BARNETT, M. Learning physics with digital game simulations in middle school science. Journal of science education and technology, v. 22, n. 6, p.914-926, 2013. http://doi.org/10.1007/s10956-013-9438-8.

ANNETTA, L. A.; MINOGUE, J.; HOLMES, S. Y.; CHENG, M. T. Investigating the impact of video games on high school students’ engagement and learning about genetics. Computers & Education, v. 53, n. 1, p. 74-85, 2009. http://doi.org/10.1016/j.compedu.2008.12.020.

BARAB, S.; DEDE, C. Games and immersive participatory simulations for science education: An emerging type of curriculum. Journal of Science Education and technology, v. 16, n. 1, p. 1-3, 2007. http://doi.org/10.1007/s10956-007-9043-9.

BARBAT, M. M.; DUTRA, N. C.; ADAMATTI, D. F.; WERHLI, A. V. Teaching industrial plant using serious games. In: Bulletin of the IEEE Technical Committee on Learning Technology, v. 17, n. 4, p. 10-12, 2015.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BUSARELLO, R. I. Gamification: princípios e estratégias. São Paulo: Pimenta Cultural, 2016.

CARR, D. Visual Computer Game Features for Teaching Relativity. In: Seventh International Conference on Computer Graphics, Imaging and Visualization, 35-40, 2010.

CLARK, D. B.; SENGUPTA, P.; BRADY, C. E. MARTINEZ-GARZA, M. M.; KILLINGSWORTH, S. S. Disciplinary integration of digital games for science learning. International Journal of STEM Education, v. 2, n. 1, p. 1-21, 2015. http://doi.org/10.1186/s40594-014-0014-4.

CORRÊA, M. L. B.; BOLL, C. I.; NOBILE, M. F. Cultura digital, mídias móveis e metodologias ativas: potencialidades pedagógicas. Revista Diálogo Educacional, v. 22, n. 72, 2022. https://doi.org/10.7213/1981-416x.22.072.ao07.

DOMINGUES, D. O sentido da gamificação. In: LUCIA, S. NESTERIUK, S; FAVA, F. Gamificação em Debate. São Paulo: Blucher, 2018.

EICHLER, M. L.; PERRY, G. T.; FRITSCH, G. Xenubi: The development of a chemistry educational game for mobile phones. In: Proceedings of the IADIS International Conference Game and Entertainment Technologies. 2011. p. 151-153.

FITRIYANA, N.; WIYARSI, A.; IKHSAN, J.; SUGIYARTO, KH. Android-based-game and blended learning in chemistry: effect on students’ self-efficacy and achievement. Jurnal Cakrawala Pendidikan, v. 39, n. 3, p. 507-521, 2020. http://doi.org/10.21831/cp.v39i3.28335.

GAIO, O. Gamificação. Curitiba: Contentus, 2021.

GIANNAKOS, M. N. Enjoy and learn with educational games: Examining factors affecting learning performance. Computers & Education, v. 68, p. 429-439, 2013. http://doi.org/10.1016/j.compedu.2013.06.005.

HALADJIAN, J.; ISMAILOVIY, D.; KOHLER B.; BRUGGE, B. A quick prototyping framework for adaptive serious games with 2D physics on mobile touch devices. In: IADIS International Conference Mobile Learning. 2012. p. 197-204.

HERPICH, F.; JARDIM, R. R.; RICARDO, F. da S.; NUNES, F. B.; VOSS, G. B.; MEDINA, R. D. Jogo Sério na Educação: Uma Abordagem para Ensino-Aprendizagem de Redes de Computadores (Fase II). In: Anais do XXII Workshop sobre Educação em Computação. SBC, 2014. p. 391-400.

HODGES, G. W.; OLIVER, J. S.; JANG, Y.; COHEN, A.; DUCREST, D; ROBERTSON, T. Pedagogy, partnership, and collaboration: a longitudinal, empirical study of serious educational gameplay in secondary biology classrooms. Journal of Science Education and Technology, v. 30, n. 3, p. 331-346, 2021. https://doi.org/10.1007/s10956-020-09868-y.

JÚNIOR, G. P. dos S.; ESCUDEIRO, P.; MOURA, A.; LUCENA, S. A Gamificação e os Dispositivos Digitais no Ensino Secundário em Braga, Portugal. Práxis Educacional, v. 16, n. 41, p. 278-298, 2020. http://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i41.7264.

KAO, G. YM.; CHIANG, C. H.; SUN, C. T. Customizing scaffolds for game-based learning in physics: Impacts on knowledge acquisition and game design creativity. Computers & Education, v. 113, p. 294-312, 2017. http://doi.org/10.1016/j.compedu.2017.05.022.

KOOPS, M. C.; VERHEUL, I. TIESMA, R.; BOER, C. de; KOEWEIDEN, R. T. Learning differences between 3D vs. 2D entertainment and educational games. Simulation & Gaming, v. 47, n. 2, p. 159-178, 2016. https://doi.org/10.1177/1046878116632871.

KOPFLER, E.; OSTERWEIL, S.; SALEN, K. Movinglearning games forward, 2008.

LLANOS, J. M.; FERNÁNDEZ-MARCHANTE, C. M.; GARCIA-VARGAS, J. M.; LACASA, E.; DE LA OSA, A. R.; SANCHEZ-SILVA, M. L.; LUCAS-CONSUEGRA, A. de; GARCIA, M. T.; BORREGUERO, A. M. Game-Based Learning and Just-in-Time Teaching to Address Misconceptions and Improve Safety and Learning in Laboratory Activities. Journal of Chemical Education, v. 98, n. 10, p. 3118-3130, 2021. https://doi.org/10.1021/acs.jchemed.0c00878.

LUTFI, A., HIDAYAH, R., SUKARMIN, S.; DWININGSIH, K. Chemical bonding successful learning using the “Chebo collect game”: A case study. JOTSE: Journal of Technology and Science Education, v. 11, n. 2, p. 474-485, 2021. http://dx.doi.org/10.3926/jotse.1265.

MARINO, M. T., HAYES, M. T. Promoting inclusive education, civic scientific literacy, and global citizenship with videogames. Cult Stud of Sci Educ, v. 7, p. 945–954, 2012. https://doi.org/10.1007/s11422-012-9429-8.

MASSÁRIO, M. S.; BARRETO, C. H. da C.; KNOLL, G. F.; GHISLENI, T. S. Gamificação como prática de ensino. Research, Society and Development, v. 8, n. 7, 2019. https://doi.org/10.33448/rsd-v8i7.1109.

MATTAR, J. Games em educação: como os nativos digitais aprendem. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

MAYFIELD, K.; CLINE, S.; LEWIS, A.; BROOKOVER, J.; DAY, E.; KELLEY, W.; SPARKS, S. Designing a serious teaching of Molecular Biology Match. In: ACM Southeast Conference (ACMSE 2019), 2019, p. 210-213.

MELO, V. M. L. S.; MELO, B. R. S.; SILVANO, A. M. C. O ensino de ciências exatas e naturais na educação básica: contribuições dos objetos de aprendizagem. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, v. 9, n. 1, p. e21022, 2021. https://doi.org/10.26571/reamec.v9i1.11585.

MOURA, A. O professor criador de experiências educacionais mediadas por tecnologias digitais na cibercultura. Revista Docência e Cibercultura, v. 5, n. 4, p. 51-73, 2021.

MOROSINI, M. C.; FERNANDES, C. M. B.. Estado do Conhecimento: conceitos, finalidades e interlocuções. Educação por escrito, v. 5, n. 2, p. 154-164, 2014.

MUTCH-JONES, K., BOULDEN, D. C.; GASCA, S. LORD, T.; WIEBE, E.; REICHSMAN, F. Co-teaching with an immersive digital game: supporting teacher-game instructional partnerships. Educational Technology Research and Development, v. 69, n. 3, p. 1453-1475, 2021. http://doi.org/10.1007/s11423-021-10000-z.

OLIVEIRA, E.; ENS, R. T.; ANDRADE, D. B. F.; DE MUSSIS, C. R. Análise de conteúdo e pesquisa na área da educação. Revista Diálogo Educacional, v. 4, n. 9, p. 1-17, 2003.

PIZZANI, L.; DA SILVA, R. C.; BELLO, S. F.; HAYASHI, M. C. P. I. A arte da pesquisa bibliográfica na busca do conhecimento. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 10, n. 2, p. 53-66, 2012.

RAHMAHANI, D.; SUYOTO, S. PRANOWO, P. The Effect of Gamified Student Response System on Students’ Perception and Achievement. International Journal of Engineering Pedagogy, v. 10, n. 2, 2020. https://doi.org/10.3991/ijep.v10i2.11698.

SALES, A. B.; CLÍMACO, G. S.; SALES, M. B. Jogos sérios em interação humano-computador: Uma revisão sistemática de literatura. RENOTE, v. 14, n. 1, 2016. https://doi.org/10.22456/1679-1916.67384.

SANTAELLA, L.; NESTERIUK, S; FAVA, F. Gamificação em Debate. São Paulo: Blucher, 2018.

SCHNELLER, W. CAMPBELL, P. J.; BASSHAM, D.; WURTELE, E. V. Meta!Blast computer game: a pipeline from science to 3D art to education. In: The Engineering Reality of Virtual Reality 2012. SPIE, 2012. p. 36-47. https://doi.org/10.1117/12.911289.

SHUTE, V. J.; SMITH, G.; KUBA, R.; DAI, C. P.; RAHIMI, S.; LIU, Z.; ALMOND, R. The design, development, and testing of learning supports for the Physics Playground game. International Journal of Artificial Intelligence in Education, v. 31, n. 3, p. 357-379, 2020. https://doi.org/10.1007/s40593-020-00196-1.

SILVA, W. A.; KALHIL, J. B. Um estudo sobre as habilidades necessárias para utilização das tecnologias digitais como recurso metodológico. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 5, n. 1, p. 62–77, 2017. https://doi.org/10.26571/2318-6674.a2017.v5.n1.p62-77.i5343.

STEGE, L.; LANKVELD, G. V.; SPRONCK, P. Teaching high school physics with a serious game. International Journal of Computer Science in Sports, v. 11, n. 1, p. 1-12, 2011.

TRAVER, V. J.; LEIVA, L. A.; MARTÍ-CENTELLES, V.; RUBIO-MAGNIETO, J. Educational Videogame to Learn the Periodic Table: Design Rationale and Lessons Learned. Journal of Chemical Education, v. 98, n. 7, p. 2298-2306, 2021. https://doi.org/10.1021/acs.jchemed.1c00109.

Downloads

Publicado

2024-02-06

Como Citar

ARAUJO, M. L. .; LEÃO, M. F. . ESTADO DO CONHECIMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS SÉRIOS NO ENSINO DE CIÊNCIAS . REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 12, p. e24015, 2024. DOI: 10.26571/reamec.v12.16692. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/16692. Acesso em: 17 abr. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)