COMPREENSÕES SOBRE CIÊNCIA DE CRIANÇAS RIBEIRINHAS AMAZÔNICAS

Autores

  • Ana Paula Melo Fonseca Universidade do Estado do Amazonas, UEA/ENS
  • Augusto Fachín Terán Professor do Curso de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia - Universidade do Estado do Amazonas (UEA). http://orcid.org/0000-0001-9568-7578
  • Marlece Melo Fonseca Instituto Federal do Amazonas- IFAM

DOI:

10.26571/REAMEC.a2019.v7.n1.p312-323.i7834

Palavras-chave:

Ciência na Educação Infantil, Escola ribeirinha, Espaços Não Formais, Amazônia.

Resumo

As crianças são sujeitos dotados de capacidades cognitivas, e não devem ser vistas apenas como seres com pouca idade e receptoras das ações dos adultos. Elas aprendem por meio de interações em diferentes contextos sociais e pensam segundo lógica própria. Neste estudo, objetivou-se compreender qual o entendimento sobre ciência de crianças da Educação Infantil de uma escola ribeirinha do município de Parintins-AM. O estudo é de natureza qualitativa. Os sujeitos foram 15 crianças do II período da Educação Infantil. Os dados foram coletados durante um semestre letivo, usando as técnicas de observação participante; roda de conversa, relatos livres e atividade de desenhos. O compartilhamento de informações durante as atividades realizadas despertou nas crianças um olhar para a presença da ciência em seu cotidiano. A visão de ciência das crianças está ligada à transformação da natureza pela ação humana. As crianças ribeirinhas aprendem sobre a ciência através de suas vivências na comunidade e na escola. Desenvolver com elas atividades que despertem a oportunidade de expressar seu pensar sobre o mundo e sobre a ciência é uma forma de valorização, visto que a mesma é um ser que constrói seu próprio conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Melo Fonseca, Universidade do Estado do Amazonas, UEA/ENS

Mestranda em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia.

Augusto Fachín Terán, Professor do Curso de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia - Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

Doutor em Ecologia. Líder do GEPECENF.

Marlece Melo Fonseca, Instituto Federal do Amazonas- IFAM

Mestranda em Educação Profissional tecnológica

Referências

ARAUJO, J. N.; SILVA, C. C.; FACHÍN-TERÁN, A. A floresta amazônica: um espaço não formal em potencial para o ensino de ciências. Trabalho apresentado no VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – VIII ENPEC. Campinas, 05 a 09 de dezembro de 2011.

CABRAL, C.; FACHÍN-TERÁN, A. A aprendizagem significativa como fundamento epistemológico para o ensino de ciências em espaços não formais na Amazônia. Anais do I Simpósio de Ensino de Ciências na Amazônia. Universidade do Estado do Amazonas. Manaus – AM, 20 a 23 de setembro de 2011.

CASCAIS, M. G. A.; FACHÍN-TERÁN, A. Os espaços educativos e a alfabetização científica no Ensino Fundamental. Manaus: Editora e Gráfica MODERNA, 2015. 115p.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. 5 ed., rev.- Ijuí: Ed. Unijuí, 2011. (Coleção educação em química).

FREIRE, P. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 14 ed. rev. atual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

FONSECA, A. P. M.; OLIVEIRA, L. S. J.; FACHÍN-TERÁN, A.; NOBRE, G. L. A ludicidade no ensino de ciências utilizando o tema dos quelônios em uma escola ribeirinha, Parintins-AM, Brasil. Revista REAMEC, v.6, n.1, jan/jun 2018.

GOLDBERG, L. G.; YUNES, M. A. M.; FREITAS, J. V. O desenho infantil na ótica da ecologia do desenvolvimento humano. Revista psicologia em estudo, Maringá, v.10, n.1, p. 97-106, jan/abr, 2005.

JESUS MONTEIRO, M. L.; LEITE, R. C. M. Nem só de escola vive o ensino de ciências: formação científica cidadã no contexto dos museus de ciência. V Enebio e II enebio Regional I. Revista da SBEnbio, n.7, Outubro de 2014.

KRAMER, S. Autoria e autorização: questões éticas nas pesquisas com crianças. Cadernos de Pesquisa, n.116, p. 41-59, julho, 2002.

LORENZETTI, L.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científica no contexto das séries iniciais. Rev. Ensaio. Belo Horizonte, v.3, n.1, p.45-61, jan-jun. 2001.

MARCHI, R. C. O “ofício de aluno” e o “ofício de criança”:articulações entre a sociologia da educação e a sociologia da infância. Revista portuguesa de educação, v.23, n.1, p. 183-202, 2010.

MOURA, A. F.; LIMA, M. G. A reinvenção da roda: roda de conversa: um instrumento metodológico possível. Revista temas em educação, João Pessoa, v.23, n.1, p. 98-106, jan.-jun. 2014.

TRIVÍNOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2008.

ROCHA, S. C. B.; FACHÍN-TERÁN, A. O uso de espaços não-formais como estratégia para o ensino de Ciências. Manaus: UEA/ ENS/PPGEECA, 2010.

SARMENTO, M. J. Imaginário e culturas da infância. Cadernos de educação. FaE/UFPel, Pelotas, v.21, p. 51-69, jul/dez., 2003.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. A alfabetização científica desde as primeiras séries do ensino fundamental: em busca de indicadores para a viabilidade da proposta. XVII SNEF-Simpósio Nacional de Ensino de Física, 2007. Disponível em: <http://www.cienciamao.usp.br/tudo/exibir.php?midia=snef&cod=_aalfabetizacaocientifica_1>. Acesso em: 25 jun. 2014.

SILVA, D. X; FACHÍN-TERÁN, A. Educação científica utilizando o tema dos quelônios amazônicos. Jundiaí, Paco Editorial, 2015, 160p.

Downloads

Publicado

2019-06-23

Como Citar

FONSECA, A. P. M.; TERÁN, A. F.; FONSECA, M. M. COMPREENSÕES SOBRE CIÊNCIA DE CRIANÇAS RIBEIRINHAS AMAZÔNICAS. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 312-323, 2019. DOI: 10.26571/REAMEC.a2019.v7.n1.p312-323.i7834. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/7834. Acesso em: 15 ago. 2020.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)