O JARDIM ZOOLÓGICO DO CIGS: UM ESPAÇO ESTRATÉGICO PARA DESPERTAR A SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL

Autores

DOI:

10.26571/REAMEC.a2019.v7.n2.p280-292.i8724

Palavras-chave:

Sensibilização Ambiental, Espaços Não-Formais, Fauna Amazônica, Espécies ameaçadas de extinção.

Resumo

Este estudo é fruto de uma experiência prática, vivenciada durante a disciplina de Educação em Ciências em Espaços Não-Formais, do Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia. Nosso objetivo é destacar a importância do Jardim Zoológico do CIGS na realização de práticas voltadas para a sensibilização ambiental em relação à fauna amazônica. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva. Os sujeitos participantes foram oito estudantes de uma turma especial de Mestrado. Na coleta de dados usamos a observação participante e o registro das atividades realizadas pelo professor. Na prática realizada neste espaço, o professor mediador utilizou diferentes recursos presentes no zoológico para trabalhar a sensibilização ambiental com os alunos. Neste sentido, destacamos que o local pesquisado configura-se como um espaço estratégico que visa despertar a sensibilização ambiental, tendo em vista que abriga diversas espécies da fauna amazônica ameaçadas de extinção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Fabrícia Souza da Silva, Universidade do Estado do Amazonas

Sou Fabrícia Silva, Pedagoga, Mestra em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia - PPGEEC/UEA, Pesquisadora membro do Grupo de Estudo e Pesquisa Educação em Ciências em Espaços Não Formais - GEPECENF/UEA e professora efetiva na Secretaria Municipal de Educação - SEMED. Ao longo da minha jornada acadêmica participei de projetos voltados para iniciação a docência, como o PIBID, que tem como objetivo principal o aperfeiçoamento da formação de professores para a educação básica e a melhoria de qualidade da educação pública brasileira. Também tive a oportunidade de participar como estagiária na Associação Junior Achievemente Amazonas, onde atuava como formadora em programas de Educação ambiental e empreendedorismo, ministrados para alunos da rede municipal e estadual de ensino. Além disso, participei como bolsista da FAPEAM no Programa Ciência na Escola - PCE, no qual realizávamos atividades voltadas para a área da educação científica e prestando auxilio pedagógico na elaboração e execução dos projetos. No mestrado fui coordenadora do GEPECENF, onde realizei diversas pesquisas voltadas para práticas de Educação Ambiental em Espaços Não Formais (ENF), Ensino de Ciências, Metodologia do trabalho científico e dentre outras.

Contato: (92) 98130-0306

Sammya Danielle Florêncio dos Santos, Universidade do Estado do Amazonas

Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal do Amazonas. (2009-2014). Especialista em Docência do Ensino Superior. (2014-2015). Professora de Educação Infantil e Pedagoga pela Secretaria Municipal de Educação em Manaus/Am. Mestranda do Programa de Pós-graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia, da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), na Escola Normal Superior (ENS), atuando na linha de pesquisa Epistemologias, Divulgação Científica e Espaços Não-Formais. Integrante do Grupo de Pesquisa Educação em Ciências em Espaços Não Formais (GEPECENF). 

Augusto Fachín Terán, Universidade do Estado do Amazonas

É bacharel em Ciências Biológicas, formado pelo Programa Acadêmico de Biologia da Universidade Nacional da Amazônia Peruana (UNAP) (1979), tem mestrado (1989) e doutorado (2000) em Biologia (Ecologia) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA). Tem experiência na área de Ecologia de quelônios Amazônicos e Ensino de Ciências. Atualmente é Professor da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), atuando junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia onde ministra as disciplinas de Fundamentos da Educação em Ciências, e Educação em Ciências em Espaços não formais. É professor da graduação na Escola Normal Superior da UEA desde 2001, onde trabalha na Licenciatura de Pedagogia nas disciplinas de Educação e Saúde, e Educação Ambiental. É líder do "Grupo de Estudo e Pesquisa Educação em Ciências em Espaços não Formais" - GEPECENF. Atua nos seguintes temas: Ensino de Ciências em Espaços não Formais, Alfabetização Ecológica, Alfabetização Cientifica e Educação Ambiental.

Referências

AURÉLIO, B. H. Dicionário da Língua Portuguesa. 5 ed. Curitiba: Positivo, 2010.

ARAÚJO, J. N.; SILVA, C. C.; DIAS, O.; FACHÍN-TERÁN. A.; GIL. A. X. Zoológico do CIGS: um espaço não-formal para a promoção do ensino de zoologia no contexto da Amazônia. Simpósio Internacional de Educação em Ciências na Amazônia – I SECAM. Universidade do Estado do Amazonas, Manaus, 2011.

BARROS, M. I. A. Desemparedamento da Infância: a escola como lugar de encontro com a natureza. Rio de Janeiro: Alana Editora, 2018.

BRASIL. Ministério do Turismo. Programa de Regionalização do Turismo – Roteiros do Brasil: Módulo operacional I: Sensibilização. Secretaria Nacional de Políticas do Turismo. Brasília, 2007. 75p.

CASCAIS, M. G. A.; FACHÍN-TERÁN, A. Os espaços educativos e a alfabetização científica no ensino fundamental. Manaus: Editora e Gráfica Moderna, 2015.

CERATI, T. M. Educação para conservação da biodiversidade: a experiência dos jardins botânicos brasileiros. In: Anais da VIII Jornadas Latinoamericanas de estudios sociales de la ciencias y la tecnología, Buenos Aires, 2010.

DIAS, J. L. C. Zoológicos e a pesquisa científica. São Paulo: Biológico, 2003.

DOHME, V. Ensinando a criança a amar a natureza. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

FACHIN-TERÁN, A; SEIFFERT-SANTOS, S. Novas perspectivas de ensino de ciências em espaços não-formais amazônicos. Manaus: UEA Edições, 2013.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GREIF, S. Um pouco de história sobre animais em zoológicos. Disponível em: http://www.projetogap.org.br/noticia/um-pouco-de-historia-sobre-animais-em-zoologicos/. Acesso em: 01. Out. 2018.

MACIEL, H. M.; FACHÍN-TERÁN, A. O potencial pedagógico dos espaços não-formais da cidade de Manaus. Curitiba: CRV, 2014.

MOURA, A. C. O. S. Sensibilização: diferentes olhares na busca de significados. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental, Mestrado em Educação Ambiental. Universidade Federal do Rio Grande (FURG): Rio Grande, 2004.

MORHY, P. E. D. O sentimento de pertença nas crianças da educação infantil em relação à água em espaços educativos. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação em Ciências na Amazônia) - Universidade do Estado do Amazonas, 2018.

PATRIOTA, M. R. S. Conservação de fauna Ex Situ em zoológicos paranaenses: uma revisão bibliográfica. Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso de pós-graduação em Gestão Ambiental. Universidade Federal do Paraná, Londrina, 2018.

Publicado

2019-08-01

Como Citar

SILVA, F. S. da; SANTOS, S. D. F. dos; TERÁN, A. F. O JARDIM ZOOLÓGICO DO CIGS: UM ESPAÇO ESTRATÉGICO PARA DESPERTAR A SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 7, n. 2, p. 280–292, 2019. DOI: 10.26571/REAMEC.a2019.v7.n2.p280-292.i8724. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/8724. Acesso em: 14 abr. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>