POSSIBILIDADES DE ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA NO BOSQUE DA CIÊNCIA, MANAUS, AM, BRASIL

Autores

DOI:

10.26571/REAMEC.a2018.v6.n2.p342-356.i7042

Palavras-chave:

Alfabetização Científica, Ensino de Ciências, Espaço Não Formal.

Resumo

A educação como processo de ensino-aprendizagem é adquirida ao longo da vida dos cidadãos em diferentes espaços e momentos. Nesse processo, a alfabetização científica tem total relevância, uma vez que influencia na formação de sujeitos críticos e reflexivos. Neste relato de experiência, analisamos as possibilidades de trabalhar a alfabetização científica num espaço educativo administrado por uma instituição de Pesquisa. O trabalho fundamentou-se em autores como: Rocha e Fachín-Terán (2010), Gonzaga e Fachín-Terán (2011), Cascais (2012), dentre outros. As observações e registros foram realizados durante atividades práticas de ensino de uma turma de mestrado, no Bosque da Ciência do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. Os ambientes utilizados neste local abrem a possibilidade para a realização de um trabalho interdisciplinar, pois os educadores têm a oportunidade de aproveitar a biodiversidade, os diferentes ecossistemas, além da infraestrutura presente no local, para a construção do conhecimento cientifico. A valorização e uso dos espaços não formais permitem ao estudante contato com o objeto de estudo para que a aquisição do conhecimento ocorra de forma natural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Francinete Bandeira Carvalho, Universidade do Estado do Amazonas

Mestra em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia PPGEEC/UEA (bolsista FAPEAM); Licenciada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Amazonas - UEA (2016); Especialista em Gestão e Controle Social de Políticas Públicas pela Universidade Nilton Lins (2009); Graduada em Serviço Social pela Universidade Nilton Lins (2008). Possui experiência na Ofs - Oficina de Formação em Serviço, como voluntária. Foi bolsista de dois projetos de pesquisa da FAPEAM, PAIC - Programa de Apoio a Iniciação Científica, pesquisando acerca da Alfabetização Científica de Professores em Formação (2013-2014); Formação continuada de professores (2014-2015). Participou como voluntária do projeto de extensão Peri e os peixes da Amazônia (2015-2016). Pesquisadora no Grupo de Pesquisa Divulgação e Difusão Científica para a Educação e Ensino de Ciências no Amazonas. Professora dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação - SEMED/Manaus.

Glenda Gabriele Bezerra Beltrão, Universidade do Estado do Amazonas

Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Amazonas- UEA no Centro de Estudos Superiores de Parintins- CESP. Pós- Graduada em Psicopedagogia Institucional pelo Instituto de Apoio Superior do Norte- Educanorte, tendo como orgão certificador a Faculdade de Ciências de Wenceslau Braz- FACIBRA/PR. Mestre em Educação em Ciências na Amazônia- PPGEECC, na Universidade do Estado do Amazonas-UEA/ ENS. 

Joisiane da Silva Feio, Universidade do Estado do Amazonas

Mestra em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia pelo Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia da Universidade do Estado do Amazonas -UEA (2020). Possui Pós-graduação em Psicopedagogia Institucional pelo Instituto de Apoio Superior do Norte - EDUCANORT (2017). Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM (2017). Professora da educação básica na Secretaria de Estado de Educação e Desporto - SEDUC. Fez parte do Projeto de Extensão "A Interdisciplinaridade e os Saberes a Ensinar: Contribuições Metodológicas em Espaços Educacionais", PIBEX/ICSEZ/UFAM, atuando com grupos de estudos, pesquisas e intervenção em processos de ensino interdisciplinar. Trabalhou como monitora de alunos com deficiência em Parintins-AM - Secretaria Municipal de Educação (2014, 2015 e 2017). Atuando principalmente nos seguintes temas: ensino e aprendizagem, didática histórico-crítica e currículo.

Augusto Fachín Terán, Universidade do Estado do Amazonas

É bacharel em Ciências Biológicas, formado pelo Programa Acadêmico de Biologia da Universidade Nacional da Amazônia Peruana (UNAP) (1979), tem mestrado (1989) e doutorado (2000) em Biologia (Ecologia) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA). Tem experiência na área de Ecologia de quelônios Amazônicos e Ensino de Ciências. Atualmente é Professor da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), atuando junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia onde ministra as disciplinas de Fundamentos da Educação em Ciências, e Educação em Ciências em Espaços não formais. É professor da graduação na Escola Normal Superior da UEA desde 2001, onde trabalha na Licenciatura de Pedagogia nas disciplinas de Educação e Saúde, e Educação Ambiental. É líder do "Grupo de Estudo e Pesquisa Educação em Ciências em Espaços não Formais" - GEPECENF. Atua nos seguintes temas: Ensino de Ciências em Espaços não Formais, Alfabetização Ecológica, Alfabetização Cientifica e Educação Ambiental.

Referências

ALMEIDA, E. R. S.; FACHÍN-TERÁN, A. A alfabetização científica na educação infantil: possibilidades de integração. Lat. Am. J. Sci. Educ. 2, 12032, 2015.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. 2 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

CASTELO BRANCO, A K. A; SOUZA, D; FACHÍN-TERÁN, A. O bosque da ciência: ambiente de aprendizagem para o ensino de ciências. IN: FACHÍN-TERAN, A; SANTOS, S. C. S. (Orgs.). Ensino de ciências em espaços não formais Amazônicos. Curitiba, PR: CRV, 2014.

CACHAPUZ, A.; GIL-PEREZ, D.; CARVALHO, A. M. P. Necessária renovação do ensino das ciências. São Paulo: Cortez, 2005.

CASCAIS, M. G. A. Espaços educativos para a alfabetização científica: uma experiência com estudantes dos anos finais do ensino fundamental. Dissertação (Mestrado em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia) Universidade do Estado do Amazonas, 2012. Disponível em: <http://ensinodeciencia.webnode.com.br/> Acesso em: 6 fev. 2018.

CERVO, A. L.; BREVIAN, P. A. Metodologia científica. 4 ed. São Paulo: Makron Books, 2002.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Rev. Bras. Educ. [online] n.22, pp.89-100, 2003. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782003000100009>. Acesso em: 17 jul. 2018.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOMES, E. C.; GONZAGA, L. T.; SOUSA, E. R. V.; FACHÍN-TERÁN, A. Espaços não-formais contribuições para aprendizagem significativa: uma articulação necessária ao processo de ensino-aprendizagem. In: Encontro internacional de aprendizagem significativa, 6º Encontro nacional de aprendizagem significativa, 3., São Paulo, 2010. Anais. São Paulo: Fio Cruz, 2010. Disponível em: <http://ensinodeciencia.webnode.com.br/products/artigos-cientificos/>. Acesso em: 17 ago. 2017.

GONZAGA, L. T.; FACHÍN-TERÁN, A. Espaços não-formais: contribuição para educação científica em educação infantil. IN: BARBOSA, et al. (Orgs.). Avanços e desafios em processos de educação em Ciências na Amazônia. Manaus: UEA/Escola Normal Superior/PPGEEC, 2011.

GONZAGA, L. T.; FACHÍN-TERAN, A. Espaços não formais: contribuições para educação científica em educação infantil. In: FACHÍN-TERÁN, Augusto; SANTOS, Saulo Cézar Seiffert (Orgs.). Novas perspectivas de ensino de ciências em espaços não formais amazônicos. Manaus, AM: UEA Edições, 2013.

KRASILCHIK, M.; MARANDINO, M. Ensino de Ciências e Cidadania. 2 ed. São Paulo: Moderna, 2007.

LEDERMAN, N. G.; LEDERMAN, J. S.; ANTINK, A. Nature of science and scientific inquiry as contexts for the learning of science and achievement of scientific literacy. Internacional Journal of Education in Mathematics, Science and Technology, 138-147, 2013. Disponível em: <https://files.eric.ed.gov>. Acesso em: 13 fev. 2018.

LORENZENTTI, L.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científica no contexto das séries iniciais. ENSAIO – Pesquisa em Educação em Ciências, v.3, n.1 – Jun. 2001.

MACIEL, H. M.; FACHÍN-TERÁN, A. O Potencial Pedagógico dos Espaços Não Formais da Cidade de Manaus. Curitiba, PR: CRV, 2014. 128p.

MOTA, M. M; JESUS, R. L; FACHÍN-TERÁN, A. Possibilidades de ensino de matemática e química no espaço não formal: bosque da ciência. IN: FACHÍN-TERAN, A; SANTOS, S. C. S. (Orgs.). Ensino de ciências em espaços não formais Amazônicos. Curitiba, PR: CRV, 2014.

OLIVEIRA, L. H. S; OLIVEIRA, R. E. S.; FACHIN-TERÁN, A. O bosque da ciência mediando o diálogo na prática educativa ambiental. IN: FACHÍN-TERÁN, A; SANTOS, S. C. S. (Orgs.). Novas perspectivas de ensino de ciências em espaços não formais amazônicos. Manaus, AM: UEA Edições, 2013.

PEREIRA, J. C.; TEIXEIRA, M. D. R. F. Alfabetização científica, letramento científico e o impacto das políticas públicas no ensino de ciências nos anos iniciais: uma abordagem a partir do PNAIC. X ENPEC. Águas de Lindóia, SP, 2015. Disponível em: <http://www.abrapecnet.org.br>. Acesso em: 08 fev. 2018.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1999.

ROCHA, J. M. Programa de manejo de quelônios amazônicos pé-de-pincha: articulando a alfabetização científica em comunidades rurais do Baixo Amazonas. Dissertação (Mestrado em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia) Universidade do Estado do Amazonas, 2012. Disponível em: <http://ensinodeciencia.webnode.com.br/>. Acesso em: 06 fev. 2018.

ROCHA, S. C. B.; FACHÍN-TERÁN, A. O uso de espaços não-formais como estratégia para o ensino de ciências. Manaus: UEA/Escola Normal Superior/PPGEEC, 2010.

SANTOS, R. A.; FREITAS, A. C. S.; SANTOS, C. R. Ensino de ciências e alfabetização científica: perspectivas e desafios para os professores da educação infantil. Museu Pedagógico, 2017.

SHIMADA, M. S.; FACHÍN-TERÁN, A. A relevância dos espaços não formais para o ensino de ciências. Anais do 4º Encontro Internacional de Ensino e Pesquisa em Ciências na Amazônia. Caballo Cocha – Peru, 06 de dezembro de 2014. Tabatinga – Amazonas – Brasil, 08 a 12 de dezembro de 2014, CESTB/UEA.

WORTH, K. Science in Early Childhood Classrooms: Content and Process. Center for Science Education Education Development Center, Inc. Newton, Massachusetts. Seed Parpes: published fall, 2010.

Publicado

2018-12-21

Como Citar

CARVALHO, F. B.; BELTRÃO, G. G. B.; FEIO, J. da S.; TERÁN, A. F. POSSIBILIDADES DE ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA NO BOSQUE DA CIÊNCIA, MANAUS, AM, BRASIL. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 6, n. 2, p. 342–356, 2018. DOI: 10.26571/REAMEC.a2018.v6.n2.p342-356.i7042. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/7042. Acesso em: 24 jun. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>