APRENDIZADO DE MATEMÁTICA USANDO JOGOS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v8i3.10149

Palavras-chave:

Jogos educativos. Matemática. Espaços educativos. Educação especial.

Resumo

Os jogos são importantes para estudantes de Educação Especial porque quando adaptados ao processo de ensino-aprendizagem permitem a assimilação de conteúdo cultural e conhecimento científico em uma interação promotora de ludicidade, entretenimento, desafios e superação. Este estudo tem por objetivo relacionar o uso dos jogos como suporte pedagógico a fim de despertar o interesse do aluno no conteúdo curricular de Matemática na educação especial. A pesquisa sucedeu em dois momentos: com atividades realizadas numa escola municipal da cidade de Manaus e em visitas a pontos turísticos da capital amazonense, tendo como sujeitos 14 alunos com necessidades especiais, sendo estas: autismo, paralisia cerebral e deficiência intelectual. Os indivíduos da pesquisa estão matriculados na 3ª fase de Educação Especial de jovens e adultos. Trata-se de um estudo com abordagem qualitativa e descritiva no qual verificamos a efetividade do uso de jogos de Matemática selecionados, adaptados e reformulados dentro da realidade e das necessidades dos alunos, com o apoio complementar das técnicas de roda de conversa, sequência didática e visita guiada. Pudemos auferir o êxito da proposta pedagógica com a demonstração da ampliação dos conhecimentos, do estímulo ao raciocínio lógico matemático por meio da realização de cálculos simples e ainda um amplo desenvolvimento de habilidades afetivas cognitivas, motoras e sociais, evidenciando contribuição para o processo de ensino-aprendizagem. Percebemos o potencial educacional do uso de jogos interrelacionados ao convívio com ambientes educativos fora do contexto

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Eliane Veiga Cabral da Costa, Professora da Secretaria Municipal de Educação (SEMED) .

Pedagogia pela Escola Superior Batista do Amazonas (ESBAM). Professora da Secretaria Municipal de Educação (SEMED) e Mestranda em Educação em Ensino de Ciências na Amazônia, pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

Augusto Fachín Terán, Professor do Curso de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia - Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

Bacharel em Ciências Biológicas, formado pelo Programa Acadêmico de Biologia da Universidade Nacional da Amazônia Peruana (UNAP) (1979), tem mestrado (1989) e doutorado (2000) em Biologia (Ecologia) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA). Tem experiência na área de Ecologia de quelônios Amazônicos e Ensino de Ciências. Atualmente é Professor da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), atuando junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia. É líder do "Grupo de Estudo e Pesquisa Educação em Ciências em Espaços não Formais" - GEPECENF. Atua nos seguintes temas: Ensino de Ciências em Espaços não Formais, Alfabetização Ecológica, Alfabetização Cientifica e Educação Ambiental.

Ercilene do Nascimento Silva de Oliveira, Universidade do Estado do Amazonas

Programa de Pós-Graduação em Educação em Ensino de Ciências na Amazônia (PPGEEC)

Referências

ARAÚJO, A. V. Introdução à Sociologia da Amazônia. 2 ed. Revista – Manaus: Editora Valer / Governo do Estado do Amazonas / Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2003.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei nº 9.394, de 20 dezembro de 1996. [Recurso eletrônico]. 14. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2017. Disponível em: https://bd.camara.leg.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/19339/ldb_14ed.pdf?sequence=55. Acesso em: 22. Jun. 2020.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/Seesp, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 20. Jun. 2020.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: Ministério da Educação, 1997.

CARVALHO, R. E. Escola inclusiva: reorganização do trabalho pedagógico. Porto Alegre: Mediação, 2010.

CASCAIS, M. G.; FACHÍN-TERÁN, A. Os espaços educativos e a alfabetização científica no ensino fundamental. Manaus: Editora e Gráfica Moderna, 2015.

D’AMBROSIO, U. Educação matemática: da teoria à prática. 23 ed. Campinas: Papirus, 2012.

DAOU, A.M. A Belle Époque Amazônica. 3 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2004. Edição Kindle.

FAZENDA, I. C. A (Org). O que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008.

FERREIRA, J. M.; DECHICHI, C.; SILVA, L. C. da. (Org.). Curso básico: educação especial e atendimento educacional especializado. Uberlândia: EDUFU, 2012. Disponível em: http://www.edufu.ufu.br/sites/edufu.ufu.br/files/e-book_curso_basico_educacao_especial_v1_0.pdf. Acesso em: 23. Mai. 2020.

GOMES, A. L. L. V. (Org.) A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: o atendimento educacional especializado para alunos com deficiência intelectual. (Coleção A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar). Universidade Federal do Ceará. v. 2. 2010. Disponível em:

https://iparadigma.org.br/wp-content/uploads/Ed-incluisva-86.pdf. Acesso em: 20. Mai. 2020.

GRANDO, R. C. O jogo e suas possibilidades metodológicas no processo ensino-aprendizagem da matemática. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 175 f. 1995. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/253786. Acesso em: 28. Mai.2020.

JACOBUCCI, D. F. C. Contribuições dos espaços não-formais de educação para a formação da cultura científica. Revista Em Extensão. v. 7. n. 1. 5 nov. 2008. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/20390/10860. Acesso em: 2. Jan. 2019.

JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1976.

LENOIR, Y. Didática e interdisciplinaridade: uma complementaridade necessária e incontrolável. In: FAZENDA, I. C. A (Org). Didática e interdisciplinaridade. 13 ed. Campinas, SP: Papirus, 1998.

LOPES, K. D.; CABRAL, H. M. M.; SILVA, C. C. Centro Cultural dos Povos da Amazônia: uma experiência pedagógica voltada para o ensino de ciências. Revista Prática Docente. v. 4. n. 1. p. 302-316. Jan-Jun, 2019.

LÜCK, H. Pedagogia interdisciplinar: fundamentos teóricos-metodológicos. 18 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

KISHIMOTO, T. M. (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MACIEL, H. M.; CASCAIS, M. das G. A.; FACHÍN-TERÁN, A. Ponte sobre o rio Negro: um novo espaço educativo não-formal em Manaus, Am, Brasil, Rev. ARETÉ (Manaus). v. 5. n. 8. p. 108-116. Jan-Jul, 2012.

MARTINO, L. M. S. Métodos em Comunicação: projetos, ideias, práticas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018.

MURCIA, J. A. M. Aprendizagem através do jogo. Porto Alegre: Artmed, 2005.

NETO, A. C. O olhar dos professores sobre a adaptação curricular para alunos com deficiência intelectual: uma ação de formação continuada na escola. Tese (Doutorado em Educação Escolar) Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Faculdade de Ciências e Letras. São Paulo: Araraquara, 167 f. 2019. Disponível em: http://wwws.fclar.unesp.br/agenda-pos/educacao_escolar/5046.pdf. Acesso em: 14. Jun. 2020.

PADILHA, A. M. L. Desenvolvimento psíquico e elaboração conceitual por alunos com deficiência intelectual na educação escolar. Revista Brasileira de Educação Especial. v. 23. n. 1. p. 9-20. Jan-Mar, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-65382017000100009&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 20. Jun. 2020.

PAPIM; A. A. P; ARAÚJO, M. A. de (Org.). A estrutura das práticas pedagógicas na Educação Especial: o que indicam as pesquisas. Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2019. Disponível em: http://ead.bauru.sp.gov.br/efront/www/content/lessons/91/A%20ESTRUTURA%20DAS%20PR%C3%81TICAS%20PEDAG%C3%93GICAS%20MA%20EDUCA%C3%87%C3%83O%20ESPECIAL.pdf. Acesso em: 14. Mai. 2020.

ROCHA, S. C. B. da; FACHÍN-TERÁN, A. O uso de espaços não-formais com estratégia para o ensino de ciências. Manaus: UEA/Escola Normal Superior/PPGEECA, 2010.

SANDÍN-ESTERBAN, M. P. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Tradução Miguel Cabrera, Porto Alegre: AMGH, 2010.

SILVA, M. S. Jogos Educativos. Campinas: Papirus, 2004.

SOARES, E. S. Ensinar Matemática: desafios e possibilidades. Belo Horizonte: Dimensão, 2009.

VIEIRA, V.; BIANCONI, M. L.; DIAS, M. Espaços não-formais de ensino e o currículo de ciências. Ciências e Cultura. v. 57. n. 4. p. 21-23. 2005. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252005000400014. Acesso em: 16. Jun. 2020.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Tradução: Ernani F. Da Rosa. Porto Alegre: Artmed, 1998.

Downloads

Publicado

2020-09-07

Como Citar

COSTA, E. V. C. da; TERÁN, A. F.; OLIVEIRA, E. do N. S. de. APRENDIZADO DE MATEMÁTICA USANDO JOGOS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 77-97, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i3.10149. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/10149. Acesso em: 1 out. 2020.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)