APRENDIZADO DE MATEMÁTICA USANDO JOGOS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v8i3.10149

Palavras-chave:

Jogos educativos. Matemática. Espaços educativos. Educação especial.

Resumo

Os jogos são importantes para estudantes de Educação Especial porque quando adaptados ao processo de ensino-aprendizagem permitem a assimilação de conteúdo cultural e conhecimento científico em uma interação promotora de ludicidade, entretenimento, desafios e superação. Este estudo tem por objetivo relacionar o uso dos jogos como suporte pedagógico a fim de despertar o interesse do aluno no conteúdo curricular de Matemática na educação especial. A pesquisa sucedeu em dois momentos: com atividades realizadas numa escola municipal da cidade de Manaus e em visitas a pontos turísticos da capital amazonense, tendo como sujeitos 14 alunos com necessidades especiais, sendo estas: autismo, paralisia cerebral e deficiência intelectual. Os indivíduos da pesquisa estão matriculados na 3ª fase de Educação Especial de jovens e adultos. Trata-se de um estudo com abordagem qualitativa e descritiva no qual verificamos a efetividade do uso de jogos de Matemática selecionados, adaptados e reformulados dentro da realidade e das necessidades dos alunos, com o apoio complementar das técnicas de roda de conversa, sequência didática e visita guiada. Pudemos auferir o êxito da proposta pedagógica com a demonstração da ampliação dos conhecimentos, do estímulo ao raciocínio lógico matemático por meio da realização de cálculos simples e ainda um amplo desenvolvimento de habilidades afetivas cognitivas, motoras e sociais, evidenciando contribuição para o processo de ensino-aprendizagem. Percebemos o potencial educacional do uso de jogos interrelacionados ao convívio com ambientes educativos fora do contexto

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Eliane Veiga Cabral da Costa, Universidade do Estado do Amazonas

Pedagogia pela Escola Superior Batista do Amazonas (ESBAM). Professora da Secretaria Municipal de Educação (SEMED) e Mestranda em Educação em Ensino de Ciências na Amazônia, pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

Augusto Fachín Terán, Universidade do Estado do Amazonas

Bacharel em Ciências Biológicas, formado pelo Programa Acadêmico de Biologia da Universidade Nacional da Amazônia Peruana (UNAP) (1979), tem mestrado (1989) e doutorado (2000) em Biologia (Ecologia) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA). Tem experiência na área de Ecologia de quelônios Amazônicos e Ensino de Ciências. Atualmente é Professor da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), atuando junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia. É líder do "Grupo de Estudo e Pesquisa Educação em Ciências em Espaços não Formais" - GEPECENF. Atua nos seguintes temas: Ensino de Ciências em Espaços não Formais, Alfabetização Ecológica, Alfabetização Cientifica e Educação Ambiental.

Ercilene do Nascimento Silva de Oliveira, Universidade do Estado do Amazonas

Programa de Pós-Graduação em Educação em Ensino de Ciências na Amazônia (PPGEEC)

Referências

ARAÚJO, A. V. Introdução à Sociologia da Amazônia. 2 ed. Revista – Manaus: Editora Valer / Governo do Estado do Amazonas / Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2003.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei nº 9.394, de 20 dezembro de 1996. [Recurso eletrônico]. 14. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2017. Disponível em: https://bd.camara.leg.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/19339/ldb_14ed.pdf?sequence=55. Acesso em: 22. Jun. 2020.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/Seesp, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 20. Jun. 2020.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: Ministério da Educação, 1997.

CARVALHO, R. E. Escola inclusiva: reorganização do trabalho pedagógico. Porto Alegre: Mediação, 2010.

CASCAIS, M. G.; FACHÍN-TERÁN, A. Os espaços educativos e a alfabetização científica no ensino fundamental. Manaus: Editora e Gráfica Moderna, 2015.

D’AMBROSIO, U. Educação matemática: da teoria à prática. 23 ed. Campinas: Papirus, 2012.

DAOU, A.M. A Belle Époque Amazônica. 3 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2004. Edição Kindle.

FAZENDA, I. C. A (Org). O que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008.

FERREIRA, J. M.; DECHICHI, C.; SILVA, L. C. da. (Org.). Curso básico: educação especial e atendimento educacional especializado. Uberlândia: EDUFU, 2012. Disponível em: http://www.edufu.ufu.br/sites/edufu.ufu.br/files/e-book_curso_basico_educacao_especial_v1_0.pdf. Acesso em: 23. Mai. 2020.

GOMES, A. L. L. V. (Org.) A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: o atendimento educacional especializado para alunos com deficiência intelectual. (Coleção A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar). Universidade Federal do Ceará. v. 2. 2010. Disponível em:

https://iparadigma.org.br/wp-content/uploads/Ed-incluisva-86.pdf. Acesso em: 20. Mai. 2020.

GRANDO, R. C. O jogo e suas possibilidades metodológicas no processo ensino-aprendizagem da matemática. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 175 f. 1995. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/253786. Acesso em: 28. Mai.2020.

JACOBUCCI, D. F. C. Contribuições dos espaços não-formais de educação para a formação da cultura científica. Revista Em Extensão. v. 7. n. 1. 5 nov. 2008. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/20390/10860. Acesso em: 2. Jan. 2019.

JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1976.

LENOIR, Y. Didática e interdisciplinaridade: uma complementaridade necessária e incontrolável. In: FAZENDA, I. C. A (Org). Didática e interdisciplinaridade. 13 ed. Campinas, SP: Papirus, 1998.

LOPES, K. D.; CABRAL, H. M. M.; SILVA, C. C. Centro Cultural dos Povos da Amazônia: uma experiência pedagógica voltada para o ensino de ciências. Revista Prática Docente. v. 4. n. 1. p. 302-316. Jan-Jun, 2019.

LÜCK, H. Pedagogia interdisciplinar: fundamentos teóricos-metodológicos. 18 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

KISHIMOTO, T. M. (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MACIEL, H. M.; CASCAIS, M. das G. A.; FACHÍN-TERÁN, A. Ponte sobre o rio Negro: um novo espaço educativo não-formal em Manaus, Am, Brasil, Rev. ARETÉ (Manaus). v. 5. n. 8. p. 108-116. Jan-Jul, 2012.

MARTINO, L. M. S. Métodos em Comunicação: projetos, ideias, práticas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018.

MURCIA, J. A. M. Aprendizagem através do jogo. Porto Alegre: Artmed, 2005.

NETO, A. C. O olhar dos professores sobre a adaptação curricular para alunos com deficiência intelectual: uma ação de formação continuada na escola. Tese (Doutorado em Educação Escolar) Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Faculdade de Ciências e Letras. São Paulo: Araraquara, 167 f. 2019. Disponível em: http://wwws.fclar.unesp.br/agenda-pos/educacao_escolar/5046.pdf. Acesso em: 14. Jun. 2020.

PADILHA, A. M. L. Desenvolvimento psíquico e elaboração conceitual por alunos com deficiência intelectual na educação escolar. Revista Brasileira de Educação Especial. v. 23. n. 1. p. 9-20. Jan-Mar, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-65382017000100009&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 20. Jun. 2020.

PAPIM; A. A. P; ARAÚJO, M. A. de (Org.). A estrutura das práticas pedagógicas na Educação Especial: o que indicam as pesquisas. Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2019. Disponível em: http://ead.bauru.sp.gov.br/efront/www/content/lessons/91/A%20ESTRUTURA%20DAS%20PR%C3%81TICAS%20PEDAG%C3%93GICAS%20MA%20EDUCA%C3%87%C3%83O%20ESPECIAL.pdf. Acesso em: 14. Mai. 2020.

ROCHA, S. C. B. da; FACHÍN-TERÁN, A. O uso de espaços não-formais com estratégia para o ensino de ciências. Manaus: UEA/Escola Normal Superior/PPGEECA, 2010.

SANDÍN-ESTERBAN, M. P. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Tradução Miguel Cabrera, Porto Alegre: AMGH, 2010.

SILVA, M. S. Jogos Educativos. Campinas: Papirus, 2004.

SOARES, E. S. Ensinar Matemática: desafios e possibilidades. Belo Horizonte: Dimensão, 2009.

VIEIRA, V.; BIANCONI, M. L.; DIAS, M. Espaços não-formais de ensino e o currículo de ciências. Ciências e Cultura. v. 57. n. 4. p. 21-23. 2005. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252005000400014. Acesso em: 16. Jun. 2020.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Tradução: Ernani F. Da Rosa. Porto Alegre: Artmed, 1998.

Downloads

Publicado

2020-09-07

Como Citar

COSTA, E. V. C. da; TERÁN, A. F.; OLIVEIRA, E. do N. S. de. APRENDIZADO DE MATEMÁTICA USANDO JOGOS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 77-97, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i3.10149. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/10149. Acesso em: 13 maio. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>