DA SALA DE AULA PARA O INSTAGRAM: OS STUDYGRAMMERS E O ENSINO-APRENDIZAGEM EM CIÊNCIAS E BIOLOGIA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v10i2.13357

Palavras-chave:

Ensino de Ciências, Redes Sociais, Studygrams, Educação Online, Internet

Resumo

Na pós-modernidade, informações e conhecimentos são produzidos e divulgados por meio das tecnologias, especialmente pela internet e mídias digitais. Alunos e professores têm em suas mãos recursos que permitem acesso aberto ao saber, o que inspira mudanças e constantes invenções no campo da educação. Nas redes sociais da Internet, perfis estão sendo criados para explicitar materiais e/ou rotinas de estudo, com intuito de compartilhar vivências, inspirar outras pessoas, bem como divulgar e discutir temáticas relevantes, sendo conhecidos como Studygrams. Nesse sentido, objetivou-se, com a realização deste estudo, identificar tendências e contribuições dos Studygrams para o ensino-aprendizagem de Ciências e Biologia, na visão de um painel de Studygrammers que produzem e publicam conteúdos relacionados às Ciências Biológicas no Brasil. O trabalho foi desenvolvido a partir de uma abordagem qualitativa, com elementos de pesquisa netnográfica, como a observação participante e o trabalho de campo online. Os resultados evidenciaram que os Studygrams têm potencial para explorar e desenvolver competências e habilidades, tanto naqueles que postam, quanto nos que acessam os conteúdos. Entende-se que esta nova prática de ensinar e aprender em espaços informais tem despertado atitudes de empreendedorismo, autonomia, organização, interação e criatividade, que permitem a fixação dos conteúdos, a interdisciplinaridade, a contextualização e a formação para a cidadania.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

José Maria Martins Costa, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, Pará, Brasil.

Graduando do curso de Licenciatura Integrada em Ciências, Matemática e Linguagens pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Atuou como bolsista no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Cientifica (PIBIC/UFPA). Desenvolveu trabalhos como bolsista do Programa Residência Pedagógica (CAPES/UFPA). Foi estagiário na Escola Municipal de Ensino Fundamental Benvinda de França Messias (SEMEC). Atualmente é bolsista no Núcleo de Teoria e Pesquisa do Comportamento (NTPC/PROAD).

Yuri Cavaleiro de Macêdo Coelho, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, Pará, Brasil.

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas, PPGECM/UFPA. Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais, PPGCA/UEPA. Pós-graduado lato sensu em Docência do Ensino Superior, UNINASSAU; e em Fisiologia Humana Aplicada às Ciências da Saúde, ESTÁCIO DE SÁ. Pós-graduando lato sensu em Estética e Comestologia, Faculdade Dalmass. Graduando em Biomedicina, Estacio de Sá. Licenciado em Ciências Naturais com Habilitação em Biologia, UEPA. Há dois anos é professor da Faculdade Estácio de Belém nos cursos das áreas da saúde, ministrando as disciplinas: Biologia Celular e Genética; Histologia e Embriologia; Anatomia dos Sistemas Orgânicos; e Parasitologia. Participa das ações dos Grupos de Pesquisa "Ciência, Tecnologia, Meio Ambiente e Educação Não-Formal - CTENF" e "Estudos Interdisciplinares em Botânica", ambos vinculados à UEPA, e no "Grupo de Estudos Ciência, Tecnologia, Sociedade e Ambiente - GECTSA". Coordenou o Projeto de Extensão Social intitulado "Educação Alimentar e Nutricional: a construção de materiais didáticos para orientar hábitos alimentares de escolares e universitários", na Faculdade Estácio de Belém. Áreas de interesse: Ensino de Biologia; Educação Ambiental; Educação em Saúde; TDIC; Espaços Não-Formais de Educação; Formação de Professores; e Etnociências.

Ana Cristina Pimentel Carneiro de Almeida, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, Pará, Brasil.

Doutora em Ciências: Desenvolvimento Socioambiental pela Universidade Federal do Pará (2005). Atualmente, é Professora Efetiva do Instituto de Educação Matemática e Científica (IEMCI) da Universidade Federal do Pará. Atua na Faculdade de Educação Matemática e Científica (FEMCI), no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas (PPGECM) e no Mestrado Profissional em Docência (PPGDOC). Coordenadora do Grupo de Estudos em Ciência, Tecnologia, Sociedade e Ambiente (GECTSA). Coordena na graduação o Laboratório de Ensino de Atividades Lúdicas (LABLUD) e o Grupo de Estudos de Ludicidade (GELUD). Área de atuação na Educação Física: educação física escolar, didática e metodologia da educação física, bases teóricas e metodológicas do jogo, lazer e meio ambiente, educação ambiental, esportes de aventura. Área de atuação na Educação em Ciências e Temas/disciplinas: Meio Ambiente e Formação Docente, Estudo de Caso, Relações entre Ciência, Sociedade e Cidadania, Prática antecipada à docência em espaços não formais de ensino de ciências, matemática e linguagens, Tendências de pesquisa.

Referências

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora, 1994.

CORRÊA, M. V.; ROZADOS, H. B. F. A netnografia como método de pesquisa em Ciência da Informação. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 22, n.4 9, p. 1-18, 2017. Disponível em: https://brapci.inf.br/index.php/res/v/35371. Acesso em 16 de jul. de 2022.

D'ÁVILA, C.; SANTOS, E.; MACEDO, T. R. Game of thrones, interações em rede e experiências formativas em história. Teias (Rio De Janeiro. Impresso), v. 21, p. 37-47, 2020. Disponível em: https://www.e-licacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/48624. Acesso em 17 de jul. de 2022.

GOULART, E. E. O docente nas mídias sociais. GOULART, E. E. (Org.). Mídias sociais: uma contribuição de análise. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014. p. 107-1026.

INCT-CPCT – INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM COMUNICAÇÃO PÚBLICA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA. O que os jovens brasileiros pensam da ciência e da tecnologia. Rio de Janeiro: Fiocruz/COC; INCT-CPCT, 2021. Disponível em: https://www.inctcpct.ufpa.br/wpcontent/uploads/2021/02/LIVRO_final_web_2pag.pdf. Acesso em 17 de jul. de 2022.

KOZINETS, R. V. Netnografia: Realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso, 2014. p. 203.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

LUCENA, S. Culturas digitais e tecnologias móveis na educação. Educar em Revista, n. 59, p. 277-290, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/Mh9xtFsGCs6HRpCWWM5XhvL/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 17 de jul. de 2022.

LUCENA, S.; OLIVEIRA, A. A. D.; SANTOS JÚNIOR, G. P. A web 2.0 e os softwares sociais: outros espaçostempos multirreferenciais de formação na iniciação à docência. In: PORTO, C.; OLIVEIRA, K. E.; CHAGAS, A. Whatsapp e educação: entre mensagens, imagens e sons [online]. Salvador: Ilhéus: EDUFBA; EDITUS, 2017. pp. 257-274.

LUCENA, S.; OLIVEIRA, J. M. A. Culturas digitais na educação do Século XXI. Revista Tempos e Espaços em Educação, n.14, v. 7, p. 35-44, 2014. https://doi.org/10.20952/revtee.v0i0.3449

MORAES, R. GALIAZZI, M. C. Análise Textual Discursiva. 2. Ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2011.

MORIN, E. A. Via para o futuro da humanidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

NOVAES, A. Construindo uma rede social especializada. In: AYRES, M.; CERQUEIRA, R.; DOURADO, D.; SILVA, T. (Org.) Mídias Sociais: perspectivas, tendências e reflexões. Salvador: PaperCliQ, 2010. p. 150.

PEREIRA, S.; FILOL, J. MOURA, P. El aprendizaje de los jóvenes con médios digitales fuera de la escuela: De lo informal a lo formal. Revista Científica de Educomunicación, v. 27, n. 58, p. 41-50, 2019. Disponível em: https://www.revistacomunicar.com/verpdf.php?numero=58&articulo=58-2019-04. Acesso em 17 de jul. de 2022.

RECUERO, R. Redes Sociais na internet. Porto Alegre: Sulinas, 2009.

ROJO, R. Pedagogia dos multiletramentos: diversidade cultural e de linguagens na escola. In: ROJO, R.; MOURA, E. (Org.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Párabola, 2012.

SANTAELLA, L. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. São Paulo: Paulus, 2013.

SEMECHECHEM, J. A.; JUNG, N. M. “Letra bonita é coisa de menina”: a construção do gênero social em um evento de letramento escolar. Revista Veredas, v. 17, n. 2, p. 232-251, 2013.

SILVA, F. S., SERAFIM, M. L. Redes sociais no processo de ensino e aprendizagem: com a palavra o adolescente. In: SOUSA, R. P. et al. (Org.). Teorias e práticas em tecnologias educacionais. Campina Grande: EDUEPB, 2016. p. 67-98.

Publicado

2022-07-24

Como Citar

MARTINS COSTA, J. M. .; COELHO, Y. C. de M.; ALMEIDA, A. C. P. C. de. DA SALA DE AULA PARA O INSTAGRAM: OS STUDYGRAMMERS E O ENSINO-APRENDIZAGEM EM CIÊNCIAS E BIOLOGIA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 10, n. 2, p. e22038, 2022. DOI: 10.26571/reamec.v10i2.13357. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/13357. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

Educação em Ciências