O JARDIM ZOOLÓGICO DO CIGS: UM ESPAÇO ESTRATÉGICO PARA DESPERTAR A SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL

Fabrícia Souza da Silva, Sammya Danielle Florêncio dos Santos, Augusto Fachín Terán

Resumo


Este estudo é fruto de uma experiência prática, vivenciada durante a disciplina de Educação em Ciências em Espaços Não-Formais, do Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia. Nosso objetivo é destacar a importância do Jardim Zoológico do CIGS na realização de práticas voltadas para a sensibilização ambiental em relação à fauna amazônica. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva. Os sujeitos participantes foram oito estudantes de uma turma especial de Mestrado. Na coleta de dados usamos a observação participante e o registro das atividades realizadas pelo professor. Na prática realizada neste espaço, o professor mediador utilizou diferentes recursos presentes no zoológico para trabalhar a sensibilização ambiental com os alunos. Neste sentido, destacamos que o local pesquisado configura-se como um espaço estratégico que visa despertar a sensibilização ambiental, tendo em vista que abriga diversas espécies da fauna amazônica ameaçadas de extinção.


Palavras-chave


Sensibilização Ambiental; Espaços Não-Formais; Fauna Amazônica; Espécies ameaçadas de extinção.

Texto completo:

PDF

Referências


AURÉLIO, B. H. Dicionário da Língua Portuguesa. 5 ed. Curitiba: Positivo, 2010.

ARAÚJO, J. N.; SILVA, C. C.; DIAS, O.; FACHÍN-TERÁN. A.; GIL. A. X. Zoológico do CIGS: um espaço não-formal para a promoção do ensino de zoologia no contexto da Amazônia. Simpósio Internacional de Educação em Ciências na Amazônia – I SECAM. Universidade do Estado do Amazonas, Manaus, 2011.

BARROS, M. I. A. Desemparedamento da Infância: a escola como lugar de encontro com a natureza. Rio de Janeiro: Alana Editora, 2018.

BRASIL. Ministério do Turismo. Programa de Regionalização do Turismo – Roteiros do Brasil: Módulo operacional I: Sensibilização. Secretaria Nacional de Políticas do Turismo. Brasília, 2007. 75p.

CASCAIS, M. G. A.; FACHÍN-TERÁN, A. Os espaços educativos e a alfabetização científica no ensino fundamental. Manaus: Editora e Gráfica Moderna, 2015.

CERATI, T. M. Educação para conservação da biodiversidade: a experiência dos jardins botânicos brasileiros. In: Anais da VIII Jornadas Latinoamericanas de estudios sociales de la ciencias y la tecnología, Buenos Aires, 2010.

DIAS, J. L. C. Zoológicos e a pesquisa científica. São Paulo: Biológico, 2003.

DOHME, V. Ensinando a criança a amar a natureza. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

FACHIN-TERÁN, A; SEIFFERT-SANTOS, S. Novas perspectivas de ensino de ciências em espaços não-formais amazônicos. Manaus: UEA Edições, 2013.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GREIF, S. Um pouco de história sobre animais em zoológicos. Disponível em: http://www.projetogap.org.br/noticia/um-pouco-de-historia-sobre-animais-em-zoologicos/. Acesso em: 01. Out. 2018.

MACIEL, H. M.; FACHÍN-TERÁN, A. O potencial pedagógico dos espaços não-formais da cidade de Manaus. Curitiba: CRV, 2014.

MOURA, A. C. O. S. Sensibilização: diferentes olhares na busca de significados. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental, Mestrado em Educação Ambiental. Universidade Federal do Rio Grande (FURG): Rio Grande, 2004.

MORHY, P. E. D. O sentimento de pertença nas crianças da educação infantil em relação à água em espaços educativos. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação em Ciências na Amazônia) - Universidade do Estado do Amazonas, 2018.

PATRIOTA, M. R. S. Conservação de fauna Ex Situ em zoológicos paranaenses: uma revisão bibliográfica. Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso de pós-graduação em Gestão Ambiental. Universidade Federal do Paraná, Londrina, 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.26571/REAMEC.a2019.v7.n2.p280-292.i8724

Apontamentos

  • Não há apontamentos.