A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EJA UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO GELEN

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v9i2.12857

Palavras-chave:

Pensamento numérico, Prática docente, Contextualização

Resumo

No presente texto buscamos compreender como pensar o ensino de matemática na Educação de Jovens e Adultos (EJA) na formação inicial visando a aprendizagem relacionada às práticas contextualizadas com o apoio de recursos tecnológicos. Numa abordagem qualitativa na perspectiva da pesquisa-formação. Os sujeitos da pesquisa foram os estudantes do curso de Pedagogia que participam do grupo de estudos de letramento e numeramento (GELEN). As reflexões apresentadas se originaram das aprendizagens observadas nos momentos de estudo/formação no GELEN a intenção foi de compreender como as atividades pedagógicas da EJA nas aulas de matemática com o uso de tecnologias digitais podem explorar situações que instiguem o pensar e fazer matemático nos momentos de estudos formativos sobre o ensino de matemática. A partir de momentos de discussão sobre recursos pedagógicos digitais para a sistematização de conteúdos matemáticos na sala de aula, sendo possível (re)significar a organização pedagógica e dar sentido às atividades propostas com a interação sobre os conteúdos matemáticos. Com as reflexões foi possível perceber as estudantes da formação inicial se apropriaram de conhecimentos significativos em relação a prática docente com o uso das tecnologias dando importância e sentido às práticas cotidianas e suas correlações com o conteúdo ensinado nas especificidades da EJA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rosimeire Aparecida Rodrigues, Universidade Federal do Tocantins, Arraias, Tocantins, Brasil

Doutoranda em Educação Ciências e Matemática/REAMEC - Universidade Federal do Mato Grosso. Graduação em Ciências-Licenciatura em Matemática/UNIPAR - Universidade Paranaense; Licenciatura em Pedagogia - UCB - Universidade Católica de Brasília; Especialização em Matemática na Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Paranavaí e Mestrado em Mídia e Conhecimento - Universidade Federal de Santa Catarina. Professora Assistente da Fundação Universidade Federal do Tocantins. Na área de Educação Matemática, com ênfase na Formação de Professores, atuando nos seguintes temas: O Ensino da Matemárica, Educação e tecnologias, Alfabetização, Letramento e Numeramento. O uso dos Multimeios no processo de ensino e aprendizagem, interação metodológica/teórico/prática no ensino de matemática nos anos iniciais, numeramento, letramento e alfabetização na formação do pensamento matemático.

Referências

BRASIL. Referencial Curricular do Ensino Fundamental das escolas públicas do Estado do Tocantins: Ensino Fundamental do 1º ao 9º ano. 2. ed. Secretaria de Estado da Educação e Cultura. Palmas -TO, 2018.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 10 de out. de 2019.

COURA, Flávia Cristina Figueiredo. Matemática e Língua Materna: propostas para uma interação positiva. Ouro Preto, MG, 2005. Monografia (especialização) – Universidade Federal de Ouro Preto, Instituto de Ciências Exatas e Biológicas.

COURA, Cristina Figueiredo. PASSOS, Cármen Lúcia Brancaglion. Estado do conhecimento sobre o formador de professores de Matemática no Brasil. Zetetiké (on-line), v. 25, p. 7, 2017.

D’ ANTONIO, Sandra. Linguagem e educação matemática: uma reação conflituosa no processo de ensino? 188 f. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência e o Ensino da Matemática) – Universidade Estadual de Maringá, 2006. KENSKI, Vani Moreira. Tecnologias e Ensino presencial e a distância. 7º ed. Campinas, São Paulo: Papirus, 2009.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Educação Matemática: da teoria à prática. Campinas: Papirus, 1996.

FIORENTINI, Dario; NACARATO, Adair Mendes. (Orgs.) Cultura, formação e desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática. Investigando e teorizando a partir da prática. São Paulo: Musa Editora; Campinas/SP, 2005.

FIORENTINI, D.; MIORIM, M. A.; MIGUEL, A. A contribuição para repensar... a educação algébrica elementar. Pró-posições, v. 4, n. 1, p. 78-91, 1993.

BRASIL. Referenciais para formação de Professores. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília. DF, 2000.

FONSECA, Maria da Conceição Ferreira Reis. Conceito(s) de numeramento e relações com o letramento. In: LOPES, Celi Espasadin; NACARATO, Adair Mendes. (Orgs.). Educação Matemática, leitura e escrita: armadilhas, utopias e realidade. Campinas: Mercado de Letras, 2009. p. 47-60.

FONSECA, Maria da Conceição Ferreira Reis. Práticas de Numeramento na EJA. In: CATELLI JR, Roberto (Org.). Formação e Práticas na Educação de Jovens e Adultos. São Paulo: Ação Educativa, 2017, v.1, p. 105-115.

FONSECA, Maria da Conceição Ferreira Reis. Sobre a adoção do conceito de numeramento no desenvolvimento de pesquisas e práticas pedagógicas na Educação Matemática de jovens e adultos. Anais do IX ENEM, 2007. Belo Horizonte: UNI-BH, 2007. Disponível em: http://sbem.iuri0094.hospedagemdesites.ws/anais/ix_enem/Palestra/PalestraNumeramentoTexto.doc. Acesso em: 16 de jul. de 2020.

JOSSO, Marie-Christine. Caminhar para si. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

LORENZATO, Sérgio. Para aprender matemática. Campinas, SP: Autores associados, 2006.

MENDES, Jackeline Rodrigues. Matemática e Práticas Sociais: uma discussão na Perspectiva do Numeramento. In: MENDES, Jackeline Rodrigues; GRANDO, Regina Celia (org). Matemática e Produção de Conhecimento: Múltiplos Olhares. São Paulo: Musa, 2007.

NACARATO, Adair Mendes; MENGALI, Brenda Leme da Silva; PASSOS, Cármen Lúcia Brancaglion. A formação matemática das professoras polivalentes: algumas perspectivas para práticas e investigações. In: NACARATO, Adair Mendes. A matemática nos anos iniciais do ensino fundamental: tecendo fios do ensinar e do aprender. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

NÓVOA, António. O passado e o presente dos professores. In: NÓVOA, António. Profissão Professor. 2. ed. Porto: Porto Editora, 1995. pp. 13-33.

PASSOS, Carmem Lúcia Brancaglion; NACARATO, Adair. Trajetória e perspectivas para o ensino de Matemática nos anos iniciais. Estudos Avançados, v. 32, n. 94, p. 119-135, 13 dez. 2018. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/152683. Acesso em: 25 abr. de 2020.

PEREIRA, Antonio. Currículo e formação de educadores sociais na pedagogia social: relato de uma pesquisa-formação. Revista Profissão Docente. Uberaba, MG, v. 13, n. 29, p. 9-35, jul./dez., 2013. Disponível em: http://www.revistas.uniube.br/index.php/rpd/article/view/545/731. Acesso em: 25 de fev. 2019.

PIMENTA, Selma Garrido. O estágio na formação de professores: Unidade teoria e prática? 11. ed. São Paulo, SP: Cortez, 2012.

PONS, Juan de Pablos. Visões e conceitos sobre a tecnologia educacional. In: SANCHO, Juana María (org.). Para uma tecnologia educacional. Porto alegre: Artmed, 2001.

SANCHO, Juana María. A tecnologia: um modo de transformar o mundo carregado de ambivalência In: SANCHO, Juana María (org.). Para uma tecnologia educacional. Porto alegre: Artmed, 2001.

Downloads

Publicado

2021-08-28

Como Citar

RODRIGUES, R. A. A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EJA UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO GELEN. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 2, p. e21064, 2021. DOI: 10.26571/reamec.v9i2.12857. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/12857. Acesso em: 23 set. 2021.

Edição

Seção

Educação Matemática na EJA