ENSINO DE CONGRUÊNCIA DE TRIÂNGULOS: RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MEDIADA PELO SOFTWARE GEOGEBRA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v9i2.12162

Palavras-chave:

Resolução de Problemas, Resolução de Problemas. Software Geogebra. Função Exponencial., Ensino de Ciências., Conceitos Geométricos

Resumo

Aborda-se, neste artigo, a metodologia da Resolução de Problemas, desenvolvida na prática educativa da matemática como metodologia de ensino de Matemática que propicia aos estudantes caminho para que se tornem cidadãos capazes de intervir de maneira crítica e criativa em várias situações dentro de diferentes contextos. Para a presente elaboração, foi necessária uma construção teórica amparada nas produções sobre a metodologia de Resolução de Problemas, de Dante (2003), Onuchic (2013), Onuchic e Alevatto (2004), Polya (1995), Pozo e Echeverría (1998) e as tecnologias, de Borba e Penteado (2003). Essa revisão seguiu uma abordagem amparada por eixos categorizados sobre a metodologia Resolução de Problemas, para interpretar as informações dos autores que dialogam sobre a temática, com o objetivo de construir uma proposta de atividade para ensino de congruência de triângulos (unidade temática Geometria), utilizando ferramentas tecnológicas (software GeoGebra). Assim, buscaremos respostas sobre como construir uma proposta de atividade que engloba esse contexto. As leituras realizadas nos mostraram que não se pode mecanizar o ensino da metodologia Resolução de Problemas e que a condução dos estudantes, por intermédio de perguntas, pode torná-los independentes para a resolução de problemas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Vilmar Costa Silva, Universidade Federal do Tocantins (UFT), Arraias, Tocantins, Brasil

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal de Mato Grosso (2018), especialização em Gestão Escolar pela Universidade Católica Dom Bosco (2019), especialização em Ensino da Matemática pela Universidade Federal do Tocantins (UFT - 2020) e mestrado Profissional em Matemática pela UFT (2020).

Ivo Pereira da Silva , Universidade Federal do Tocantins (UFT), Arraias, Tocantins, Brasil

Licenciado em Matemática pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2002), mestre em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (2009) e doutor em Educação em Ciencias e Matemática-PPGECEM-REAMEC-UFMT (2015). É professor responsável pelo Laboratório de Educação Matemática (LEMAT-Arraias) e Laboratório de Ensino de Matemática (LEM-Arraias). Atuou como Coordenador de Área do Subprojeto do PIBID - Licenciatura em Matemática (UFT-Arraias-2019). É Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática na Formação de Professores (GEPEMFOR/UFT-Arraias). Tem experiência na área de Educação Matemática com ênfase em Fundamentos e Metodologias de Ensino da Matemática. 

Referências

BORBA, M.; PENTEADO, M. G. Informática e Educação Matemática. 3. ed. Belo Horizonte: Autênticos, 2003. 100p.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular: Educação é a Base. Versão final, Brasília, DF, 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/abril-2018-pdf/85121-bncc-ensino-medio/file. Acesso em: 25 mai. 2020.

DANTE, L. R. Didática da Resolução de Problemas de matemática. São Paulo: Ática, 1991. 176p.

DEMO, P. Educação e qualidade. Campinas: Papirus, 1996. 160p.

FIORENTINI, D. Rumos da Pesquisa Brasileira em Educação Matemática: o caso da produção científica em cursos de Pós-Graduação. 1994. 414 f. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1994. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/253750. Acesso em: 31 mai. 2021.

FIRER, M. Experimento: estradas para estação. Portal do Professor. Conteúdos Multimídias. Recursos Educacionais. Brasília: FNDE/MEC, 2011. Disponível em: <http://m3.ime.unicamp.br/recursos/1015>. Acesso em: 26/05/2019.

GRANDO, R. C. O Conhecimento Matemático e o uso de Jogos na Sala de Aula. 2000. 224 f. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP, 2000. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/CAMP_0ba83e98555430eeef8f0eb936a8b1f3. Acesso em: 31 mai. 2021.

GIL, A. C. Como Elaborar Projeto de Pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. 175p.

GIRALDO, V. et al. Recursos Computacionais no Ensino de Matemática. Coleção PROFMAT. Rio de Janeiro: SBM, 2012. 423p.

NÉRICE, I. G. Didática geral dinâmica. 10. ed. São Paulo: Atlas, 1987. 404p.

ONUCHIC, L. de la R. A Resolução de Problemas na educação matemática: Onde estamos e para onde iremos? v. 20, n. 1, Passo Fundo, p. 88-104, jan./jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 26 mai. 2020.

ONUCHIC, L. de la R.; ALLEVATO, N. S. Gomes. Novas reflexões sobre o ensino-aprendizagem de matemática através da resolução de problemas. In: BICUDO, M. A. V.; BORBA, M. C. (Org.) Educação Matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, 2004. p. 212- 231.

POLYA, G. A arte de resolver problemas: um novo aspecto do método matemático. Tradução e adaptação: Heitor Lisboa de Araújo. 2. ed. Rio de Janeiro: Interciência, 1995. 196p. Tradução de: How to solve it.

POZO, J. I.; ECHEVERRÍA, M. D. P. Aprender a resolver problemas e resolver problemas para aprender. In: POZO, J. I. (org.). A solução de problemas: aprender a resolver, resolver para aprender. Porto Alegre: ArtMed, 1998, p. 13-42.

Downloads

Publicado

2021-06-02

Como Citar

SILVA, V. C. .; SILVA , I. P. da . ENSINO DE CONGRUÊNCIA DE TRIÂNGULOS: RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MEDIADA PELO SOFTWARE GEOGEBRA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 2, p. e21041, 2021. DOI: 10.26571/reamec.v9i2.12162. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/12162. Acesso em: 28 set. 2021.

Edição

Seção

Educação Matemática