DIÁLOGOS SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO DE UM GRUPO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA EM FORMAÇÃO INICIAL

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v9i2.12002

Palavras-chave:

Conhecimento matemático, Coletividade, Formação inicial, Professores de matemática

Resumo

O presente artigo tem como objetivo discutir aspectos da coletividade como unidade pedagógica na formação inicial do professor de matemática, em um processo de significação do conhecimento, pelos pressupostos da Teoria Histórico-Cultural. Compreendendo que a atividade coletiva está relacionada tanto aos processos de construção do conhecimento científico sistematizado e organizado pela escola, quanto nos processos de apropriação da cultura. Com isso, apresentamos, neste texto, reflexões acerca da coletividade na formação inicial de professores de matemática e uma síntese acerca da investigação realizada, por meio de ações formativas que desenvolvidas durante um ano letivo com um grupo de estudantes da Licenciatura em Matemática. A análise foi realizada por meio do método Materialista Histórico-Dialético, o que nos direcionou para a compreensão das unidades de análise: do movimento da história do conhecimento matemático; da busca pelo compartilhamento de significados; dos conflitos que mobilizam e transformam os sentidos por meio das experiências vivenciadas com o outro e a humanização do conhecimento científico, no cerne da atividade coletiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mayline Regina Silva , Universidde Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goi´ás, Brasil

Doutoranda e Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática, da Universidade Federal de Goiás (UFG). Licenciada em Matemática pela mesma universidade. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Educação Matemática, com linha de pesquisa sobre formação de professores. Foi estagiária do Instituto de Matemática e Estatística da UFG e professora da Educação Básica (Ensino Médio, Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos) pela Rede Estadual de Educação do estado de Goiás. Atualmente é docente das instituições de ensino superior UniAraguaia e UFG (como professora substituta). Também é professora da Escola Municipal Bernardo Élis. É membro do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre a Atividade Matemática GEMat/UFG e do Projeto Clube de Matemática, cadastrado pela UFG. 

Wellington Lima Cedro, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás

Wellington Lima Cedro é Doutor em Educação (área de Ensino de Ciências e Matemática) pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP), tem mestrado em Educação pela FEUSP. Atualmente é professor do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade Federal de Goiás (IME/UFG). Atua no curso de licenciatura em Matemática e no Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECM/UFG), mestrado e doutorado, da UFG. É Coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisa sobre a Atividade Matemática (GeMAT) do IME/UFG. Membro do GEPAPe (Grupo de Estudos e Pesquisas sobre a Atividade Pedagógica) da FEUSP. Atual Tutor do PETMAT/UFG (2015 -??). Atual coordenador do curso de Licenciatura em Matemática da UFG. Atual vice-diretor da Regional Goiás da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (gestÃO 2019-2022). Coordendor do projeto de Clube de Matemática do IME/UFG. Membro do GT 19 da ANPED. Foi professor de matemática da rede estadual de ensino do estado de Goiás e da rede municipal de ensino da cidade de Goiânia. Foi Coordenador do Grupo de Trabalho 07 (GT-07 - FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA) da SBEM BRASIL (gestão 2015-2018). Foi coordenador do PPGECM/UFG, mestrado e doutorado (Gestão 2015-2016) e vice-coordenador (gestões 2011-2012 e 2013-2014). Foi Diretor da Regional Goiás da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (gestões 2010-2013 e 2013-2016) e Primeiro secretário (gestão 2007-2010). Foi coordenador do Núcleo da UFG do projeto "Educação matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental: Princípios e práticas da organização do ensino"- OBEDUC/CAPES. Foi Coordenador de Área do subprojeto Matemática do PIBID/UFG Goiânia. No IME/UFG, foi coordenador do laboratório de Educação Matemática (LEMAT/IME/UFG) no periódo de 2009-2012, foi coordenador de estágio do curso de licenciatura em matemática (2006-2007, 2009, 2012-2014), e, foi coordenador do curso de especialização em educação matemática (2010-2013). Na Educação Matemática, os seus trabalhos e pesquisas enfatizam a formação de professores que ensinam matemática, as atividades de ensino e a aprendizagem de docentes e estudantes, tendo como base teórica a Teoria histórico-cultural.

Referências

CARAÇA, B. Conceitos fundamentais da Matemática. Lisboa: Gradiva, 1951.

CEDRO W. L. O motivo e a atividade de aprendizagem do professor de matemática: uma perspectiva histórico-cultural. Tese (doutorado) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-17122009-080649/pt-br.php. Acesso em: 31 mai. 2021.

CEDRO, W. L; MOURA, M. O. O Clube de Matemática: um espaço para a formação inicial de professores que ensinam matemática. Perspectivas da Educação Matemática - Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da UFMS, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/pedmat/article/view/2769. Acesso em: 31 mai. 2021.

CORBO, O. Um estudo sobre os conhecimentos necessários ao professor de Matemática para a exploração de noções concernentes aos números irracionais na Educação Básica. Tese (doutorado) – Uniban, São Paulo, 2012.

CRESCENTI, E. P. Os professores de Matemática e a Geometria: opiniões sobre a área e seu ensino. Tese (doutorado) – UFSCar, São Carlos, 2005. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/2380?show=full. Acesso em: 31 mai. 2021.

DAMICO, A. Uma investigação sobre a formação inicial de professores de Matemática para o ensino de números racionais no Ensino Fundamental. Tese (doutorado) – Uniban, São Paulo, 2007. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/11245. Acesso em: 31 mai. 2021.

DAVÍDOV, V. V. La enseñanza escolar y el desarrollo psíquico: investigación teórica y experimental. Moscú: Progreso, 1988.

DIAS, M. S; MORETTI, V. D. Números e Operações: elementos lógico-históricos para atividade de ensino. Curitiba: IBPEX, 2011. 188p.

FIGUEIREDO, A. C. Saberes e concepções de educação algébrica em um curso de Licenciatura em Matemática. Tese (doutorado) – PUC/SP, São Paulo, 2007. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/11255. Acesso em: 31 mai. 2021

LANNER DE MOURA, A. R. et al. Educar com a Matemática – Fundamentos. São Paulo: Cortez, 2016.

LEONTIEV, A. N. O desenvolvimento do psiquismo. São Paulo: Centauro, 2004.

LEONTIEV, A. N. Selected psychological works. Soviet Education, Moscow, USSR, v. 43, n. 1, p. 52-87, 1983.

LEONTIEV, A. N. Actividad, conciencia y personalidad. Buenos Aires: Ediciones Ciencias del Hombre, 1978.

LONGAREZI, A. M.; FRANCO, P. L. J. Educação escolar enquanto unidade significado social/sentido pessoal. Nuances: estudos sobre educação, Presidente Prudente, v. 24, n. 1, p. 92-109, 2013. http://dx.doi.org/10.14572/nuances.v24i1.2157.

LOPES, A. R. L. V. Clube de Matemática: a formação inicial de professores e o estágio compartilhado. In: Anais do VIII ENEM-Encontro Nacional de Educação matemática, Recife, 2011. p. 01-17.

LOPES, A. R. L. V. Aprendizagem da docência em matemática: o Clube de Matemática como espaço de formação inicial de professores. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, 2009.

MELO, G. F. A. Saberes e concepções de educação algébrica em um curso de Licenciatura em Matemática. Tese (doutorado) – Unicamp, Campinas, 2003.

MOREIRA, P. C. O conhecimento matemático do professor: formação na Licenciatura e prática docente na escola básica. Tese (doutorado) – UFMG, Belo Horizonte, 2004. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/EABA-6ABMUH. Acesso em: 31 mai. 2021.

MORETTI, V. D.; MOURA, M. O. A Formação Docente na Perspectiva Histórico-Cultural: em busca da superação da competência individual. Psicologia política, v. 10. n. 20. p. 345- 361, jul–dez., 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2010000200012. Acesso em 31 mai. 2021.

MORETTI, V. D; CEDRO, W. L. Editorial: Mathematics Education and Cultural-Historical Theory. Revista Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (RIPEM), v. 6, p. 2-4, 2016. Disponível em: http://sbem.iuri0094.hospedagemdesites.ws/revista/index.php/ripem/article/view/1208. Acesso em: 31 mai. 2021.

MOURA, M. O. Matemática na Infância. In: MIGUEIS, M. R.; AZEVEDO, M. G. (Org.). Educação Matemática na Infância. Abordagens e desafios. Vila Nova de Gaia: Gailivro, 2007. p. 39-64.

MOURA, M. O. de. Pesquisa colaborativa: um foco na ação formadora. In: BARBOSA, R. L. L. (Org.). Trajetórias e perspectivas da formação de educadores. São Paulo: UNESP, 2004. p. 257-284.

MOURA, M. O. A formação matemática dos professores de Educação Infantil. In: Anais I Congresso Brasileiro de Etnomatemática, São Paulo, 2000.

MOURA, M. O.; SFORNI, M. S. F.; ARAÚJO, E. S. Objetivação e apropriação de conhecimentos da atividade orientadora de ensino. Revista Teoria e Prática da Educação, v. 14, n. 1, p. 39-50, 2011. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/TeorPratEduc/article/view/15674. Acesso em: 31 mai. 2021.

MOURA, M. R. L. Reformas educacionais, Protagonismo Juvenil e Grêmio Estudantil: a produção do indivíduo resiliente. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v. 3, n. 1, p. 159, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/9505. Acesso em: 31 mai. 2021.

NÓVOA, A. Tendências atuais na formação de professores: o modelo universitário e outras possibilidades de formação. In: Anais do Congresso Estadual Paulista sobre formação de educadores, Águas de Lindoia, 11, 2011.

PARO, V. H. Escritos sobre educação. São Paulo: Xamã, 2010.

PEREIRA, E. F. O jogo no ensino e aprendizagem de matemática. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, 2011.

PÉREZ GÓMEZ, A. A cultura escolar na sociedade neoliberal. Porto Alegre: Editora ArtMed, 2001.

POLIVANOVA, N. Particularidades da solução de um problema combinatório por estudantes em atuação de cooperação. In: GARNIER, C.; BEDNARZ, N.; ULANOVSKAYA, I. Após Vygotsky e Piaget: perspectivas social e construtivista. escolas russa e ocidental. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. p. 151-159.

PRADO, E. P. A. Os textos impressos para o ensino dos números inteiros na visão de licenciandos em Matemática. Tese (doutorado) – Unicamp, Campinas, 2008.

RUBTSOV, V. A atividade de aprendizado e os problemas referentes à formação do pensamento teórico dos escolares. In: GARNIER, C.; BEDNARZ, N.; ULANOVSKAYA, I. Após Vygotsky e Piaget: perspectivas social e construtivista. escolas russa e ocidental. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

SERRAZINA, L. A formação para o ensino da Matemática: Perspectivas futuras. In: SERRAZINA, L. (Org.). Cadernos de Formação de Professores – A formação para o ensino da matemática na educação pré-escolar e no 1º ciclo do ensino básico. Porto: Porto Editora; INAFOP, 2002. v. 3.

SILVA, M. R. Conhecimento matemático e suas significações: professores de matemática em formação inicial no Clube de Matemática. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática). Universidade Federal de Goiás, Goiás, 2019.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Downloads

Publicado

2021-06-02

Como Citar

SILVA , M. R. .; CEDRO, W. L. DIÁLOGOS SOBRE O CONHECIMENTO MATEMÁTICO DE UM GRUPO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA EM FORMAÇÃO INICIAL . REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 2, p. e21040, 2021. DOI: 10.26571/reamec.v9i2.12002. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/12002. Acesso em: 15 jun. 2021.