PRÁTICAS DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Autores

  • Fabrícia Souza Da Silva Programa de Pós-Graduação em Educação em Ensino de Ciências na Amazônia da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).
  • Lindalva Sâmela Jacaúna De Oliveira Programa de Pós-Graduação em Educação em Ensino de Ciências na Amazônia da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).
  • Augusto Fachín Terán Professor do Curso de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia - Universidade do Estado do Amazonas (UEA). http://orcid.org/0000-0001-9568-7578 http://lattes.cnpq.br/6646400621099687
  • Aílton Cavalcante Machado Programa de Pós-Graduação em Educação em Ensino de Ciências na Amazônia da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

DOI:

10.26571/reamec.v8i2.10006

Palavras-chave:

Educação Ambiental. Sensibilização Ambiental. Formação do Pedagogo.

Resumo

Esta pesquisa aborda uma experiência durante o curso de Educação Ambiental, disciplina oferecida pelo curso de graduação em Pedagogia, da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Os objetivos foram analisar em que medida as práticas de sensibilização ambiental propostas contribuíram para a formação profissional dos acadêmicos em relação às problemáticas socioambientais na sociedade contemporânea e identificar se o contato dos discentes com o meio natural despertou a formação de um sujeito mais sensível ambientalmente. O estudo foi realizado por meio de uma abordagem qualitativa, tendo como participantes 60 alunos do 5º período e o professor da disciplina. As técnicas utilizadas na coleta de dados foram a observação participante e a entrevista estruturada. O embasamento teórico está fundamentado em Brasil (1988, 1999, 2002, 2012), Alencar e Barbosa (2018), Tristão (2008), Maturana (1998), entre outros. De acordo com os resultados alcançados, as práticas de sensibilização ambiental realizadas, mostram um efeito positivo na formação do pedagogo, os quais adquiriram conhecimentos acerca das práticas e valores ambientais, tais como: responsabilidade individual, cooperação e cuidados com o meio natural. Portanto, por meio das ações e práticas de educação ambiental é possível incentivar esses indivíduos a pensar coletivamente e não apenas como indivíduos, entendendo as questões presentes no cotidiano de maneira contextualizada e crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Fabrícia Souza Da Silva, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ensino de Ciências na Amazônia da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ensino de Ciências na Amazônia da Universidade do Estado do Amazonas.

Lindalva Sâmela Jacaúna De Oliveira, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ensino de Ciências na Amazônia da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ensino de Ciências na Amazônia da Universidade do Estado do Amazonas.

Augusto Fachín Terán, Professor do Curso de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia - Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

Bacharel em Ciências Biológicas, formado pelo Programa Acadêmico de Biologia da Universidade Nacional da Amazônia Peruana (UNAP) (1979), tem mestrado (1989) e doutorado (2000) em Biologia (Ecologia) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA). Tem experiência na área de Ecologia de quelônios Amazônicos e Ensino de Ciências. Atualmente é Professor da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), atuando junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia. É líder do "Grupo de Estudo e Pesquisa Educação em Ciências em Espaços não Formais" - GEPECENF. Atua nos seguintes temas: Ensino de Ciências em Espaços não Formais, Alfabetização Ecológica, Alfabetização Cientifica e Educação Ambiental.

Aílton Cavalcante Machado, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ensino de Ciências na Amazônia da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ensino de Ciências na Amazônia da Universidade do Estado do Amazonas.

Referências

ALENCAR, L. D.; BARBOSA M. F. N. Educação Ambiental no Ensino Superior: ditames da Política Nacional de Educação Ambiental. Revista Direito Ambiental e sociedade. v.8. n.2. p. 229-255,2018.

ALVES, D. Sensopercepção em ações de educação ambiental. Brasília. Ministério da Educação e do Desporto - MEC. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Série documental: Antecipações, n.7. out. 1995.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BAUER, M. W.; AARTS, B. A construção do corpus: um princípio para a coleta de dados qualitativos. In: BAUER, M. W; GEORGE, G. (orgs.). Pesquisa Qualitativa com texto, imagem e som:um manual prático. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 2015.

BRASIL. Constituição Federal. Artigo 225. Inciso VI. Brasília: 1988.

BRASIL. Lei nº 9795, de 27 de abril de 1999. Política Nacional de Educação Ambiental.

BRASIL. Decreto nº 4.281, de 25 de junho de 2002, que instituiu a Política Nacional de Educação Ambiental.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=18695&Itemid=866. Acesso em: 22 set. 2019.

COSTA, C. A.; COSTA, F. G.A Educação como instrumento na construção da consciência ambiental. Nucleus, v.8, n.2, out.2011.

FREITAS, D.; OLIVEIRA, H. T.; ZUIN, V. G. Metodologia de projetos na formação inicial de professoras/es: contributos para a aprendizagem de conhecimentos e habilidades requeridas na atuação de educadoras/es comprometidas/os com as questões ambientais. In:V Congresso Internacional de Educação Superior. Universidade Havana, 2006. Disponível em: www.ufscar.br/~ciecultura/denise/evento_1.pdf. Acesso em: 14 out. 2018.

MANZANO, M. A. A temática ambiental nas séries iniciais do Ensino Fundamental: concepções reveladas no discurso de professoras sobre sua prática. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) – Faculdade de Ciências – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 2003. Disponível em: https://www2.fc.unesp.br/BibliotecaVirtual/DetalhaDocumentoAction.do?idDocumento=43. Acesso em: 01 ago. 2018.

MATURANA, H. Educação e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte, UFMG, 1998.

MINAYO, M. C. S (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 22 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

PERES, M. C. L.; BENATI, K. R.; SILVA, P. M. S.; AMORIM, V. E.P.; DIAS. M. A. Sensibilização de alunos do ensino fundamental a partir de práticas ambientais no Parque Metropolitano de Pituaçu. In: Revista monografias ambientais – REMOA. Santa Maria, v.17, e11, p. 1-8, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/remoa/article/view/34625/pdf. Acesso: 06 dez. 2019.

SILVA, F. S.; SANTOS, S. D. F.; FACHÍN-TERÁN, A. O Jardim zoológico do CIGS: um espaço estratégico para despertar a sensibilização ambiental. Revista REAMEC, Cuiabá - MT, v. 7, n. 2, jul/dez 2019.

THOMAZ, C. E. Educação ambiental na formação inicial de professores. Dissertação (Mestrado em educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação - Pontífica Universidade Católica de Campinas. Campinas, 2006.

TRISTÃO, M. A educação ambiental na formação de professores: redes de saberes. 2 ed. São Paulo: Annablume; Vitória: Facitec, 2008.

Downloads

Publicado

2020-06-05

Como Citar

SILVA, F. S. D.; OLIVEIRA, L. S. J. D.; TERÁN, A. F.; MACHADO, A. C. PRÁTICAS DE SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 438-454, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i2.10006. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/10006. Acesso em: 25 set. 2020.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)