ANÁLISE PRAXEOLÓGICA DE DIRETRIZES CURRICULARES REFERENTE AO ESTUDO DE NÚMEROS BINÁRIOS

Herman do Lago Mendes

Resumo


Objetiva investigar a abordagem de números binários, a nível escolar, em diretrizes curriculares de Matemática e de Computação. Para tal, recorre à Teoria Antropológico do Didático como elemento teórico e, mais especificamente, a praxeologia como ferramenta de pesquisa. Não identifica abordagem de números binários em diretrizes curriculares internacionais de Matemática: Ontario (2005, 2007). No entanto, identifica abordagem de números binários em diretrizes curriculares internacionais de Computação: Ontario (2008, 2009) e Computer Science Teachers Association (2011). Os números binários configuram-se como tema ou setor de estudo necessário para a compreensão de outros saberes, próprio, da Computação. Identificamos dezesseis tipos de tarefas, duas técnicas e princípios de tecnologia nessas diretrizes curriculares internacionais de Computação.


Palavras-chave


Números Binários, Praxeologia, Diretrizes Curriculares, Ensino de Matemática, Ensino de Computação.

Texto completo:

PDF

Referências


Bell, Tim. Computer Science Unplugged: ensinando Computação sem o uso do computador. (L. P. Barreto, Trad.) csunplugged.org, 2011.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

______. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática – terceiro e quarto ciclo do ensino fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

______.Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC, 2000.

CEI– Commission Electrotechnique Internationale. Norme Internacionale - 60027-2: 2005, 3ª edição, 2005.

Chevallard, Y. Analyse des pratiques enseignates et didactique des mathematiques: lápproche antropologique, 1998. Acesso em 11 de abril de 2014, disponível em http://yves.chevallard.free.fr.

Chevallard, Y. Steps towards a new epistemology in Mathematics Education In: 4º Congrés de la European Society for research in mathematics education (CERME France), 2005. Acesso em 5 de novembro de 2014, disponível em http://yves.chevallard.free.fr

Chevallard, Y. Anthropolical approaches in mathematics education. Encyclopedia of Matematics Education, p. Article: 313188, 2013.

CSTA. Computer Science Teachers Association. CSTA k-12 Computer ScienceStandards. New Yor, 2011.

GLASER, A. History of Binary and other nondecimal numeration. [S.l.]: Tomash Publishers, 1981.

Mendes, H. L. Os números binários nas instituições transpositivas: o caso das diretrizes curriculares. XVIII EBRAPEM, 2014

Mendes, H. L. Análise praxeológica de livro didático de Matemática referente ao estudo de números binários. REVEMAT, 10(1), 2015. pp. 199-219.

Mendes, H. L. Análise praxeológica de livro didático de Computação referente ao estudo de números binários. Revista Brasileira de Ensino de Ciências e Tecnologia, 9(3), 2016a. pp. 311-333.

MENDES, H. D. L. Transposição didática: o caso das unidades de memória da informática. REVEMAT, 11, n. 2, 2016b. 156-172.

Mendes, H. L. Números binários em livros didáticos de matemática e de computação: uma comparação. Revista Brasileira de Ensino de Ciências e Tecnologia, Prelo, 2017a.

Mendes, H. L. Como medir informação? Revista da Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática. 5, n.2, 2017b.

MERTENSEN, Marianne. Praxeology as a tool for the analysis of a science museum exhibit. pp. 217-224. In Bosch, M. et al (Eds.) Um panorama de la TAD. Centre de Recerca Matemática, Campus de Bella-Terra Barcelona, 2011. ISSN: 2014-2323. Eletrônica: 2014-2331. III Congreso Internacional sobre la TAD (Sant Hilari Sacalm, 25-29 enero 2010).

Ontario. Mathematics Curriculum (grades 9 and 10), 2005. Acesso em 14 de abril de 2013, disponível em http://www.edu.gov.on.ca/eng/curriculum/secondary/math.html

______. Mathematics Curriculum (grade 11 and 12), 2007. Acesso em 14 de abril de 2013, disponível em http://www.edu.gov.on.ca/eng/curriculum/secondary/math.html

______. The Otario Curriculum (grades 10 to 12): Cumputer Studier. 2008. Acesso em 14 de abril de 2013, disponível em http://www.edu.gov.on.ca/eng/curriculum/secondary/computer10to12_2008.pdf

______. The Ontario Curriculum (grades 11 and 12): Technological Education , 2009. Acesso em 14 de abril de 2013, disponível em http://www.edu.gov.on.ca/eng/curriculum/secondary/teched910curr09.pdf

______. Kindergaten to grade 12: policy and program requeriments, 2011. Acesso em 14 de abril de 2013, disponível em http://www.edu.gov.on.ca/eng/document/policy/os/index.html

Pernambuco. Parâmetros curriculares de Matemática para o enisno fundamental e médio: Recife, 2012.

SBC. Sociedade Brasileira de Computação: Currículo de referências da SBC para cursos de graduação em Computação e informática, 1999.

SI: Sistema Internacional de Unidades. Traduzido de: Le Système international d’Unités: Duque de Caxias, RJ: INMETRO/CICMA/SEPIN, 2012.

TRIGUEIROS, María; GASCÓN, Josep; BOSCH, Marianna. Tres modalidades de diálogo entre APÓS y TAD In Bosch, M et al. Un panorama de la TAD (pp. 77-116) III Congreso Internacional sobre la TAD (Sant Hilari Sacalm, 25-29 enero 2010) Conferencias

UNESCO. Informática para a educação básica: um currículo para as escolas/por um grupo de trabalho da IFIP coordenado por Tom and Weert. (L. Aristides, Trad.) Brasília: MEC/UNB, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.26571/REAMEC.a2019.v7.n1.p37-58.i7226

Apontamentos

  • Não há apontamentos.