ESPIRAL RePARe: UM MODELO METODOLÓGICO DE FORMAÇÃO DE PROFESSOR CENTRADO NA SALA DE AULA

Autores

  • Sandra Maria Pinto Magina Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC/BA http://orcid.org/0000-0003-0383-9744
  • Eurivalda Ribeiro dos Santos Santana Universidade Estadual de Santa Cruz
  • Aparecido dos Santos Universidade Nove de Julho - UNINOVE
  • Vera Lúcia Merlini Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC/BR

DOI:

10.26571/REAMEC.a2018.v6.n2.p238-258.i6812

Palavras-chave:

Formação de Professor, Modelo Metodológico, Ensino Fundamental.

Resumo

Este artigo objetiva apresentar um modelo metodológico de estratégia formativa, construído a partir de várias experiências com formação de professores entre os anos de 2001 e de 2007. O modelo, chamado espiral RePARe (Reflexão, planejamento, ação, Reflexão), toma por base as ideias teóricas de Schön (1983, 2000). O modelo foi validado em quatro projetos de pesquisa, que foram realizados em tempos (2008 a 2010 e 2013 a 2017) e espaços distintos (São Paulo, Bahia, Pernambuco e Ceará). Esses projetos focaram as estruturas aditivas ou multiplicativas e tiveram como público alvo o professor que atuava no Ensino Fundamental. Os bons resultados nos incentivaram a apresentar tal modelo para a comunidade científica. Ele segue um formato de espiral, que começa por uma ação diagnóstica, perpassando pela reflexão, depois o planejamento e, por fim, retoma-se a ação, perfazendo uma volta completa. A cada volta, o conhecimento é tratado de forma mais ampla e profunda. O número de voltas que da espiral, ao longo da formação, dependerá do acerto entre formador e formandos. O artigo conclui que a espiral RePARe como modelo metodológico eficiente de estratégia formativa, tendo em vista especificamente a formação em serviço de professor, seja ele especialista ou polivalente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Sandra Maria Pinto Magina, Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC/BA

PhD em Educação Matemática pela Universidade de Londres,

Pós-doutora pela universidade de Lisboa,

Membro dos Mestrados em Educação Matemática (PPGEM) e em Educação (PPGE) da Universidade de Santa Cruz - UESC/BA

Eurivalda Ribeiro dos Santos Santana, Universidade Estadual de Santa Cruz

Doutora em Educação Matemática pela PUC/SP

Pós-doutora pela Universidade de Lisboa

Membro dos Mestrados em Educação Matemática (PPGEM) da Universidade de Santa Cruz - UESC/BA

Aparecido dos Santos, Universidade Nove de Julho - UNINOVE

Mestre e Doutor em Educação Matemática pela PUC/SP

Professor da Licenciatura em Matemática e da Especialização em Estatística Aplicada à Educação Matemática

 

Vera Lúcia Merlini, Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC/BR

Mestre e Doutora em Educação Matemática pela PUC/SP

Membro dos Mestrados em Educação Matemática (PPGEM) da Universidade de Santa Cruz - UESC/BA

Referências

CASTLE, J. Rethinking mutual goals in school-university collaboration. In H. Christiansen, L. Goulet, C. Krentz, & M. Macers (Orgs.), Recreating relationships: Collaboration and educational reform (pp. 59-67). New York: State University of New York Press. 1997

FIORENTINI, Dario; LORENZATO, Sergio. Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados, 2006.

IMBERNÓN, F. (2011). Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez. 2011.

LIMA, Débora. A Formação continuada de Professores que ensinam Matemática nos Anos iniciais e as Estruturas Multiplicativas. Dissertação de Mestrado. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Ilhéus: Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC/BA), 2016. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B-vmPHQB15bdU1ZLYnl4OEhwQVk/view.

MAGINA, Sandra. (Re)significação das Estruturas Multiplicativas. Projeto de Pesquisa. CNPq: Edital Universal, 2008.

MAGINA, Sandra. As estruturas multiplicativas e a formação de professores que ensinam Matemática na Bahia. Projeto de Pesquisa. FAPESB: Edital Inovação em Práticas Educacionais nas Escolas Públicas da Bahia, 2013.

MAGINA, Sandra; MERLINI; SANTOS, Aparecido. Estrutura multiplicativa sob a ótica da teoria dos campos conceituais: uma visão do ponto de vista da aprendizagem. 3o Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (3o SIPEMAT). Fortaleza, 2012. Disponível em: http://proativa.virtual.ufc.br/sipemat2012/mesas/3/3.pdf.

MERLINI, Vera. As potencialidades de um processo formativo para a reflexão na e sobre a prática de uma professora das séries iniciais: um estudo de caso. Tese de Doutorado em Educação Matemática. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2012. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/10912.

NACARATO, Adair; GRANDO, Regina. Análise compartilhada de aula: processo formativo na, da e sobre a docência. Disponível em: IV Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (IV SIPEM), Brasília, 2009.

PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. Professor reflexivo no Brasil. Gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2010.

PONTE, João Pedro. Palestra proferida na PUC/SP, campus Marquês de Paranaguá, em 10/03/2009.

POPPER, Karl. A Lógica da Pesquisa Científica. São Paulo: Cultrix. 2a ed. 2013.

SANTANA, Eurivalda. Um estudo sobre o domínio das estruturas multiplicativas no ensino fundamental. Projeto de Pesquisa. CAPES: Observatório da Educação, 2013.

SANTANA, Eurivalda; ALVES, Alex; NUNES, Célia. Teoria dos Campos Conceituais num Processo de Formação Continuada de Professores. Bolema. 29 (53), 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/bolema/v29n53/1980-4415-bolema-29-53-1162.pdf.

SANTOS, Aparecido dos (a). Processos de Formação Colaborativa em foco no campo Conceitual Multiplicativo: um caminho possível com professoras polivalentes. Tese de Doutorado em Educação Matemática. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2012. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/10904.

SANTOS, Jaqueline (b). Estruturas Multiplicativas: Um Processo Formativo Reflexivo Com Dimensões Colaborativas. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Ilhéus: Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC/BA), 2017a. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B-vmPHQB15bdemQ4bE8zVllZVFE/view.

SANTOS, Mariana (c). Formação Continuada de Professores dos Anos Iniciais: A Comparação Multiplicativa. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Ilhéus: Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC/BA) 2017b. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B-vmPHQB15bdcTAyN2liazVBVVU/view.

SCHÖN, Donald. The reflective practitioner: how professionals think in action. London: Cambridge Circus, 1983.

SCHÖN, Donald. Educando o Profissional Reflexivo: um novo design para o ensino e aprendizagem. Trad. Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

SOUZA, Emília. Estruturas Multiplicativas: Concepção De Professor Do Ensino Fundamental. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Ilhéus: Universidade Estadual de Santa Cruz, (UESC/BA), 2015. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B-vmPHQB15bdSlpSQzlENGt4dkU/view.

ZEICHNER, K. Uma análise crítica sobre a “Reflexão” como conceito estruturante na formação docente. Educação & Sociedade, 29(103), 535-554, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302008000200012

Downloads

Publicado

2018-07-20

Como Citar

MAGINA, S. M. P.; SANTANA, E. R. dos S.; SANTOS, A. dos; MERLINI, V. L. ESPIRAL RePARe: UM MODELO METODOLÓGICO DE FORMAÇÃO DE PROFESSOR CENTRADO NA SALA DE AULA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 238-258, 2018. DOI: 10.26571/REAMEC.a2018.v6.n2.p238-258.i6812. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/6812. Acesso em: 24 nov. 2020.