PERCEPÇÃO DOS ESTUDANTES EM AULAS DE QUÍMICA DO ENSINO SUPERIOR EM MODO REMOTO EMERGENCIAL

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v10i2.13582

Palavras-chave:

Ensino remoto, Ensino de Química, Ensino superior, Covid-19

Resumo

A Química é uma das disciplinas que faz parte de muitos cursos superiores e por ser uma área da ciência, que possui um caráter teórico-experimental, existe a necessidade da realização de aulas práticas. A etapa de experimentação é importante no ensino, pois pode promover a autonomia dos estudantes e o desenvolvimento de habilidades cognitivas. No entanto, as medidas restritivas, em função da pandemia da Covid-19, implicaram em aulas de Química em modo remoto emergencial, sem aulas experimentais e oportunidade de manusear modelos atômicos para graduandos dos cursos de Licenciatura em Ciências da Natureza e Bacharelado em Biotecnologia da Universidade de São Paulo. Assim, a fim de relatar e analisar a percepção dos estudantes ao não oferecimento de aulas experimentais e ausência de modelos atômicos em duas disciplinas de Química, foram aplicados dois questionários para cada turma. O primeiro questionário foi aplicado no início do semestre e o segundo ao final deste. De acordo com a análise dos resultados, os alunos se sentiram prejudicados sem aulas experimentais, exigindo um maior empenho por parte deles, requerendo a necessidade do uso de materiais alternativos para complementar as aulas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Camila Pinto Dourado, Universidade Federal de São Paulo (USP), São Paulo, São Paulo, Brasil.

Licenciada em Ciências da Natureza, Universidade de São Paulo (USP). Mestranda em Sustentabilidade, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Miriam Sannomiya, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, São Paulo, Brasil.

Bacharel em Química pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1994), mestrado em Química Orgânica pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1997) e doutorado em Química pela Universidade Estadual de Campinas (2001). Pós-doutorado (2003-2007) pelo Instituto de Química- Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Atualmente é professora doutora nível 2 da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Química orgânica, com ênfase em Química de Produtos Naturais, atuando principalmente nos seguintes temas: Bioprospecção de produtos naturais (Fabaceae, Malpighiaceae, Byrsonima, Lonchocarpus, Platymiscium, Machaerium, flavonoides e derivados do ácido galoil quínico) e Efeitos do meio ambiente na produção de metabólito secundários. 

Referências

ALMEIDA, W. S. B.; et al.; Oferta de Cursos de Licenciatura em Química no Brasil e Breve Histórico desses Cursos em Mato Grosso. EaD em Foco, v. 7, n. 3, 28 dez. 2017. Disponível em: https://eademfoco.cecierj.edu.br/index.php/Revista/article/view/631. Acesso em: 19 jun. 2020. Doi: https://doi.org/10.18264/eadf.v7i3.631.

ANDRADE, R. da S.; VIANA, K. da S. L. Atividades experimentais no ensino da Química: distanciamentos e aproximações da avaliação de quarta geração. Ciência & Educação. v. 23, n. 2, p. 507-522, 2017. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1516-73132017000200507&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 19 jun. 2020. Doi: https://doi.org/10.1590/1516-731320170020014.

BEBBER, C. A. Educação a distância: uma reflexão sobre o processo de ensino e de aprendizagem. 2009. 40f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Matemática) - Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – Campus de Erechim, Erechim, 2009. Disponível em: https://www.uricer.edu.br/cursos/arq_trabalhos_usuario/1029.pdf. Acesso em: 02 mai. 2022.

BEREZUK, P. A.; INADA, P.; Avaliação dos laboratórios de ciências e biologia das escolas públicas e particulares de Maringá, Estado do Paraná. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, v. 32, n. 2, p. 207-215, 27 ago. 2010. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHumanSocSci/article/view/6895/6895. Acesso em: 19 jun. 2020. Doi: https://doi.org/10.4025/actascihumansoc.v32i2.6895.

BUCHMANN, J. Aplicação de diferentes metodologias e análise do processo de ensino/aprendizagem em Química em escolas públicas do interior do estado do Rio Grande do Sul. 2016. 100 f. Dissertação (Mestrado Profissional) - Universidade Luterana do Brasil, Canoas, 2016. Disponível em: http://www.ppgecim.ulbra.br/teses/index.php/ppgecim/article/view/287. Acesso em: 25 abr. 2022.

CANDEIAS, C. N. B; CARVALHO, L. H . P de. O uso de videoaulas como ferramenta no processo de ensino e aprendizagem em Química. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃO, 2016. Aracaju. Anais. Aracaju-SE, 2016. Disponível em: https://eventos.set.edu.br/simeduc/article/view/3306/1234. Acesso em: 02 mai. 2022.

CARDOSO, D. C.; TAKAHASHI, E. K. Experimentação remota em atividades de ensino formal: um estudo a partir dos periódicos Qualis A. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 11, n. 3, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4214/2779. Acesso em: 02 mai. 2022.

CARVALHO, A. M. P. de; et al. Ciências no ensino fundamental: o conhecimento físico. São Paulo: Editora Spicione 2005.

CARVALHO, T. K. P. de. et al. Estudantes de licenciatura: trajetórias escolares e escolha da profissão. Linhas Críticas, [S. l.], v. 26, 2020. 10.26512/lc.v26.2020.31790.

CARVALHO, W. L.; COSTA, M. C. P.; NUNES, S. F. O uso de recursos da internet no ensino da Química: um estudo com Professores e Alunos do ensino médio. In: TICs & EaD em Foco. [S. l.], v.3 n.1, jan./jun. 2017. Disponível em: https://www.uemanet.uema.br/revista/index.php/ticseadfoco/article/view/84/227. Acesso em: 05 mai. 2022.

CORRÊA, A. K. et al. Perfil de estudantes ingressantes em licenciatura: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 45, n. 4, p. 933 - 938, 2011. https://doi.org/10.1590/S0080-62342011000400020.

DINIZ, B. P.; da SILVA, L. A.; ALVES, V. A. Experimentação no Ensino de Células Galvânicas Utilizando o Método Jigsaw. Revista Virtual de Quimica, v. 12, n. 6, p. 1559-1574, 2020. ISSN 1984-6835. Disponível em http://static.sites.sbq.org.br/rvq.sbq.org.br/pdf/v12n6a15.pdf. Acesso em: 20 nov. 2020.

GAIA, A. M. et al. Atividades Experimentais de Química no Ensino Médio reflexões e propostas. Secretaria de Estado da Educação; Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógica. [S.l: s.n.], 2009. Disponível em: http://media.wix.com/ugd/4eb63d_e80a97ccab0e484b9582e3e7dfe129f5.pdf. Acesso em: 18 jun. 2020.

GIORDIAN, M.; O papel da Experimentação no ensino de ciências. Química Nova na Escola, n. 10, p. 43-49, 1999. Disponível em: http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc10/pesquisa.pdf. Acesso em: 18 jun. 2020.

GOMES, L. F.; EAD no Brasil: perspectivas e desafios. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, [S. l.], v. 18, n. 1, 2013. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/avaliacao/article/view/1470. Acesso em: 19 jun. 2020. Doi: https://doi.org/10.1590/S1414-40772013000100002.

GROVE, N. P.; BRETZ, S. L. A continuum of learning: from rote memorization to meaningful learning in organic chemistry. Chemistry Education Research and Practice, v. 13, p. 201-208, 2012. Disponível em: https://pubs.rsc.org/en/content/articlehtml/2012/rp/c1rp90069b. Acesso em: 25 abr. 2022.

KATZ, M. Teaching Organic Chemistry via Student-directed learning. Journal of Chemical Education, v. 73, n. 5, p. 440-445, 1996. 10.1021/ed073p440

LIMA, J. O. G. de. Perspectivas de novas metodologias no Ensino de Química. Revista Espaço Acadêmico, v. 12, n. 136, p. 95-101, 25 jun. 2012. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/15092/9741. Acesso em: 18 jun. 2020.

LIMA, V. A. de. Atividades experimentais no ensino médio - Reflexão de um grupo de professores a partir do tema eletroquímica. 2004. 171 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ensino de Ciências) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81132/tde-04122014-161134/publico/Viviani_Alves_de_Lima.pdf. Acesso em: 18 jun. 2020.

MAIA, J. O.; SILVA, A. F. A.; WARTHA, E. J. Um retrato do ensino de química nas escolas de ensino médio de Itabuna e Ilhéus, BA, 2008, Curitiba. XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (XIV ENEQ). Disponível em: http://www.quimica.ufpr.br/eduquim/eneq2008/resumos/R0400-2.pdf. Acesso em: 05 mai. 2022.

MEDEIROS, M. V .A. et al. O ensino de química no contexto da pandemia de covid-19: desafios e percepções de estudantes universitários. Campina Grande: E-book VII CONED,v.3, 2021. Realize Editora. Disponível em: https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/82239. Acesso em: 28 abr. 2022.

MORAIS, J. de S. As implicações da Educação a Distância na formação docente: outros modos de aprender e ensinar. Revista Linhas, v. 21, n. 45, p. 322-340, jan./abr. 2020. 10.5965/1984723821452020322

MORTIMER, E. F.; MACHADO, A. H.; ROMANELLI, L. I. A proposta curricular de química do Estado de Minas Gerais: fundamentos e pressupostos. Química Nova, v. 23, n. 2, p. 273–283, 2000. Disponível em: http://static.sites.sbq.org.br/quimicanova.sbq.org.br/pdf/Vol23No2_273_V23_n2_%2821%29.pdf. Acesso em: 06 mai. 2022.

MORAN, J. M. O que é educação a distância. Rio de Janeiro, 2002. Disponível em: http://ueadsl.textolivre.pro.br/2012.1/papers/upload/51.pdf. Acesso em: 19 jun. 2020.

NASCIMENTO, L. F.; CZYKIEL, R.; FIGUEIRÓ, P. S. Presencial ou a distância: a modalidade de ensino influencia na aprendizagem?. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 14, n. 2, p. 311-341, 2013. doi.org/10.13058/raep.2013.v14n2.67

O' DWYER, A, CHILDS, P.E. Who says Organic Chemistry is Difficult? Exploring Perspectives and Perceptions. EURASIA Journal of Mathematics Science and Technology Education. ISSN: 1305-8223, v. 13, n. 7, p. 1305-8215, 2017.10.12973/eurasia.2017.00748a.

OLIVEIRA, J. R. S. de. A perspectiva sócio-histórica de Vygotsky e suas relações com a prática da experimentação no ensino de Química. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 3, n. 3, p. 25-45, nov. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/38134/29083. Acesso em: 25 ago. 2020.

OLIVEIRA, L. dos. S.; Passado, presente e futuro do ensino de química no Brasil: um ensaio acadêmico. 2017. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura - Química) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências, Bauru, 2017. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/155500. Acesso em: 18 jun. 2020.

OLIVEIRA, N. L.; BARBOSA, A. C. R. Ensino de química: afinidade, importância e dificuldades dos estudantes no ensino médio. In: CONGRESSO NACIONAL DE PESQUISA E ENSINO DE CIÊNCIAS. IV, 2019. Anais [...]. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2019. p. 1-6. Disponível em: https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/56792. Acesso em: 06 mai. 2022.

PAIVA, M. M. P. C.; FONSECA, A. M. da; COLARES, R. P. Estratégias didáticas potencializadoras no ensino e aprendizagem de química. Revista de Estudos em Educação e Diversidade, v. 3, n. 7, p. 1-25, jan./mar. 2022. doi.org/10.22481/reed.v3i7.10379

PASTORIZA, B. S. et al. Um objeto de aprendizagem para o ensino de Química Geral. Novas Tecnologias na Educação, v. 5, n. 2, 2007. 10.22456/1679-1916.14269.

PHANKINGTHONGKUM, S.; LIMPANUPARB, T. A virtual alternative to molecular model sets: a beginners’ guide to constructing and visualizing molecules in open-source molecular graphics software. BMC Res Notes, v. 14, n. 66, 2021. 10.1186/s13104-021-05461-7.

QUADROS, A. L. et al. Ensinar e aprender Química: a percepção dos professores do Ensino Médio. Educar em Revista, Curitiba, n. 40, p. 159-176, abr./jun. 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-40602011000200011. Acesso em: 05 mai. 2022.

RAUPP, D. T.; PINO, J. C. Del; O desafio do ensino de estereoquímica no Ensino Médio e o papel da visualização. In: IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – IX ENPEC, 2013. Disponível em: http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/ixenpec/atas/resumos/R1727-1.pdf. Acesso em: 10 set. 2020.

RUIZ-CHICA, A. J. et al. One century after Fischer: better tools for teaching the stereochemistry of carbohydrates. Biochemical Educacional, v. 27, p. 7-8, 1999. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1016/S0307-4412%2898%2900223-4. Acesso em: 27 abr. 2022.

SAMPAIO, B.; GUIMARÃES, J. Diferenças de eficiência entre ensino público e privado no Brasil. Economia aplicada, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 45-68, 2009. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-80502009000100003. Acesso em 15 mai. 2022.

SANTOS, W. L. P; SCHNETZLER, R. P. Educação em Química: compromisso com a cidadania. Ijuí: Ed.Unijuí, 1997.

SILVA, E. D. da. A importância das atividades experimentais na educação. 2017. Monografia (Pós-graduação em Docência do Ensino Superior) - Universidade Candido Mendes, Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: https://www.avm.edu.br/docpdf/monografias_publicadas/posdistancia/54358.pdf. Acesso em: 05 mai. 2022.

SILVA, K. K. da; FILHO, T. F. F.; ALVES, L. A. Ensino de Química: O que pensam os estudantes da escola pública?. Revista Valore, [S.l.], v. 5, p. e-5033, 2020. ISSN 2526-043X. https://doi.org/10.22408/reva502020541e-5033.

SILVA, L. O. da; GOMES, K. R. M. A escassez de professores de Química: Possíveis fatores. In: 53° Congresso Brasileiro De Química, 2013, Rio de Janeiro. Resumos. Rio de Janeiro: CBQ, 2013. Disponível em: http://www.abq.org.br/cbq/2013/trabalhos/6/2705-11487.html#:~:text=Outros%20fatores%20que%20vem%20causando,sofrem%20com%20uma%20grande%20evas%C3%A3o.&text=RESULTADOS%20E%20DISCUSS%C3%83O%3A%20O%20tema,da%20realidade%20que%20muitos%20viviam. Acesso em: 15 mai. 2022.

SILVA, T. S; SOUZA, N. J. J; FILHO, J. R. C. Construção de modelos moleculares com material alternativo e sua aplicação em aulas de química. Revista Experiências em Ensino de Ciências, v. 12, n. 2, 2017. Disponível em: http://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID351/v12_n2_a2017.pdf. Acesso em: 20 set. 2020.

STULL, A. T. et al. Representational translation with concrete models in organic chemistry. Cognition and Instruction, v. 30, n. 4, p. 404-434, 2012. 10.1080/07370008.2012.719956.

VAZ, D. et al. Redes sociais: a interação para além da sala de aula. Momento - Diálogos em Educação, [S. l.], v. 27, n. 1, p. 266–281, 2018. https://doi.org/10.14295/momento.v27i1.6162.

WU, H-K.; SHAH, P.; Exploring visuospatial thinking in chemistry learning. Science Education, v. 88, n. 3, p. 465-492, 2004. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1002/sce.10126. Acesso em: 10 set. 2020. doi: https://doi.org/10.1002/sce.10126.

Publicado

2022-06-26

Como Citar

DOURADO, C. P.; SANNOMIYA, M. PERCEPÇÃO DOS ESTUDANTES EM AULAS DE QUÍMICA DO ENSINO SUPERIOR EM MODO REMOTO EMERGENCIAL. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 10, n. 2, p. e22033, 2022. DOI: 10.26571/reamec.v10i2.13582. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/13582. Acesso em: 19 jun. 2024.

Edição

Seção

Educação em Ciências