A UTILIZAÇÃO DOS MAPAS CONCEITUAIS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS

Autores

DOI:

10.26571/REAMEC.a2018.v6.n1.p43-64.i5922

Palavras-chave:

Educação em ciências, mapa conceitual, educação básica.

Resumo

O presente trabalho analisou as características e contribuições dos Mapas Conceituais para a Educação em Ciências, apresentados nas Atas do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – ENPEC, no período de 1997 a 2015. A metodologia utilizada foi a pesquisa documental, que localizou quarenta e três trabalhos no total, sendo vinte e dois envolvendo a Educação Básica. A análise de cada artigo considerou o problema, os objetivos, o tipo de Mapa, a metodologia, as propostas de promoção e as contribuições para a Educação em Ciências. Os resultados indicam que o uso dos Mapas Conceituais na Educação Básica, principalmente no Ensino Fundamental, é uma atividade ainda pouco explorada, porém, os trabalhos que tratam do tema trazem contribuições e mostram o potencial do seu uso como proposta de trabalho para uma aprendizagem mais significativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Virginia Roters da Silva, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Paraná (1998), Pós-graduação em Educação Infantil pelo IBPEX (2000), é mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e em Matemática da UFPR. É professora titular da Prefeitura Municipal de Curitiba, atuando principalmente nos seguintes temas: alfabetização, ciências naturais, desenvolvimento cognitivo e dificuldades de aprendizagem.

Leonir Lorenzetti, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em Ciências Habilitação Em Biologia pela Universidade do Contestado (1989), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (2000) e doutorado em Educação Cientifica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina (2008). Atualmente é professor da Universidade Federal do Paraná, atuando no Departamento de Química e no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática, atuando na Linha Educação em Ciências. Atua também no Programa de Pós-Graduação em Formação Científica, Educacional e Tecnológica da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Lider do Grupo de Pesquisa Alfabetização Científica e Tecnológica na Educação em Ciência. Atuou no Pibid como Coordenador de Área de Gestão de Processos Educacionais no período de 2014 a 2018. Atuou no Programa Licenciar da UFPR. Atuou como Coordenador do Pibid de Área do Curso de Ciências Biológicas (2018 a 2020). Coordenador do Curso de Química (Janeiro a março de 2020). Coordenador da Coordenadoria de Atividades Formativas e Estágios (Abril 2020 - atual) Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de Ciências, Ensino de Biologia e Ensino de Química, atuando principalmente nos seguintes temas:Alfabetização Científica e Tecnológica, CTS, Educação Ambiental, Formação de Professores, Epistemologia de Fleck, Pesquisa do Estado da Arte.

Referências

AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Piscología educativa: un punto de vista cognoscitivo. Trillas: Mexico, 1980.

FARIA, W. de. Mapas conceituais: aplicações ao ensino, currículo e avaliação. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária Ltda., 1995.

HERNANDEZ, F.; SANCHO, J. M.; CARBONELL, A. T.; SANCHEZ, M.S. Aprendendo com as inovações nas escolas. Porto Alegre: Artmed, 2000.

LORENZETTI, L.; SILVA, T. F.; BUENO, T. N. N. A pesquisa em Ensino de Química nos ENPECS (1997 a 2013): mapeando tendências. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, X, 2015, Águas de Lindóia. Anais... Águas de Lindóia: ABRAPEC, 2015.

MOREIRA, M. A. A Teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: UNB, 2006.

MOREIRA, M. A. e BUCHWEITZ, B. Mapas Conceituais: Instrumentos didáticos de avaliação e análise de currículo. São Paulo: Moraes, 1987.

MOREIRA, M. A. Organizadores prévios e aprendizagem significativa. Revista Chilena de Educación Científica, RS, v. 7, n. 2, p. 1 - 11, 2008. Revisado em 2012. Disponível em: <http://www.if.ufrgs.br/~moreira/organizadoresport.pdf>. Acesso em: 5 mai de 2016.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa em mapas conceituais. Porto Alegre: UFRGS, Instituto de Física, 2013.

MOREIRA, M. A.; MASINI, E. A. S. Aprendizagem significativa: a teoria de aprendizagem de David Ausubel. 2 ed. São Paulo: Editora Centauro, 2006.

NOVAK, J. D.; GOWIN, D. B. Aprendiendo a aprender. Barcelona: Martínez Roca, 1988.

NOVAK, J. D.; GOWIN, D. B. Aprender a aprender. Lisboa: Plátano Edições Técnicas. Tradução ao português, de Carla Valadares, do original Learning how to learn, 1996.

POZO, J. I.; CRESPO, G. M. A. Aprender y enseñar ciencia: del conocimiento cotidiano al conocimiento científico. Madrid: Morata, 1998.

TAVARES, R. Construindo mapas conceituais. Revista Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v. 12, p. 72-85, 2007.

Downloads

Publicado

2018-05-10

Como Citar

SILVA, V. R. da; LORENZETTI, L. A UTILIZAÇÃO DOS MAPAS CONCEITUAIS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 6, n. 1, p. 43–64, 2018. DOI: 10.26571/REAMEC.a2018.v6.n1.p43-64.i5922. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/5922. Acesso em: 25 jul. 2024.

Edição

Seção

Educação em Ciências

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)