PERCEPÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA EM FORMAÇÃO INICIAL ACERCA DO USO DO APLICATIVO PLICKERS COMO FERRAMENTA AVALIATIVA DE APRENDIZAGEM

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v7i3.9359

Palavras-chave:

Educação Matemática, Tecnologias Digitais, Plickers.

Resumo

O presente estudo investigou a percepção de licenciandos em Matemática sobre do uso do aplicativo Plickers como ferramenta avaliativa de aprendizagem a partir de uma pesquisa qualitativa configurada como participante, fazendo o uso de questionários e observação participante. Os 11 sujeitos da pesquisa realizaram uma avaliação formativa utilizando o aplicativo e, logo após, o avaliaram técnica e pedagogicamente. Os resultados evidenciaram o interesse dos acadêmicos em utilizar o Plickers, na qual indicaram poucas dificuldades de operacionalização e, na medida em que a tarefa era desenvolvida, adotaram uma postura crítica-reflexiva. Verificamos que o Plickers pode se constituir em uma ferramenta tecnológica relevante para as aulas de Matemática e percebemos que pesquisas como estas vão além da avaliação do recurso, contribuindo na formação inicial de professores, dado que possibilitam um olhar crítico diante da tarefa realizada, que neste estudo, estava voltada para os aspectos acerca de novas possibilidades avaliativas da aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Karem Keyth de Oliveira Marinho, Universidade do Estado do Amazonas

Mestra em Educação em Ciências e Matemáticas (UFPA) na área de Educação Matemática. Especialista em Educação Matemática (UEA). Licenciada em Matemática (UEA). Atualmente cursa doutorado em Educação em Ciências e Matemática no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (REAMEC). Professora Assistente do Curso de Matemática do CSTB/UEA. Membro (Pesquisadora) no Grupo de Pesquisa em Contextualização do Ensino da Matemática e Física e membro (estudante) do Grupo de Pesquisa em Educação em Ciências, Matemáticas e Inclusão Ruaké. Coordenadora do Laboratório de Educação Matemática e Inclusão - LEMIn. Coordenadora de área do sub projeto de Matemática do Pibid do CSTB/UEA. Atua na área de Educação Matemática, na Formação de Professores e Ensino Básico, desenvolvendo projetos voltados para a Educação Inclusiva, Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva, Ludicidade e Metodologias ativas.

Yuri Expósito Nicot, Universidade Federal do Amazonas

Possui pós doutoramento na área de Ensino de Física pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, Portugal, no Departamento de Física e Astronomia, ano 2017. Doutorado em Educação (Ciências Pedagógicas) pela Universidade de Oriente, de Santiago de Cuba, Cuba (ano 2001), revalidado no Brasil pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), ano 2011. Mestrado em Ciências da Educação Superior pela Universidade de Oriente, Cuba (ano 1995) e Graduação de Licenciatura, especialidade Física e Astronomia pela Universidade de Oriente, Faculdade de Estudos Pedagógicos Frank País Garcia, Santiago de Cuba, Cuba (ano 1984), com atuação no Ensino Superior a través dos seguintes temas: Componentes didáticos e curriculares do Processo de Ensino e Aprendizagem da Educação Superior, Didática Geral e Especial do Processo de Ensino e Aprendizagem da Física, Aplicações da Física na resolução de problemas e experimentos. Estudo do desenvolvimento das habilidades do pensamento lógico dos estudantes através dos conhecimentos teóricos e práticos da disciplina Física, Metodologia da Pesquisa Científica, Práticas de Ensino de Física Geral para a formação de professores. Física Aplicada para a formação de engenheiros: Mecânica Clássica, Mecânica Teórica e Resistência de materiais, Física Molecular, Termodinâmica e Calor, Eletromagnetismo e Ondas, Óptica, Física Quântica, Física do Estado Sólido e Física Matemática. Tópicos de Ensino de Ciências. Na atualidade é Professor de Física do Departamento de Física, Instituto de Ciências Exatas (ICE), Universidade Federal do Amazonas (UFAM), onde é presidente do núcleo de Ensino de Física. Professor credenciado no programa de Pós - Graduação, Mestrado Acadêmico em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECIM) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Professor do Programa Pós - Graduação Rede Amazônica de Ensino de Ciências (REAMEC) para a formação de Doutores em Ciências e Matemática na Amazônia (Polo Manaus/UEA), UFAM, UFMG, UFPA. Professor e pesquisador colaborador no programa de Pós - Graduação, Mestrado em Educação e Ensino de Ciências da Amazônia, Universidade do Estado do Amazonas (UEA). 

Elielson Ribeiro de Sales, Universidade Federal do Pará

Possui graduação em Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade do Estado do Pará (1996), mestrado em Educação em Ciências e Matemáticas pela Universidade Federal do Pará (2008) e doutorado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho (2013). Atualmente é professor Adjunto II da Universidade Federal do Pará no Curso Licenciatura Integrada em Ciências, Matemática e Linguagens, professor do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas (PPGECM), vice-coordenador do Programa de Doutorado em Educação em Ciências e Matemática (PPGECEM), oferecido pela Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (REAMEC) polo UFPA, coordenador do Grupo Ruaké (Grupo de Pesquisa em Educação em Ciências, Matemáticas e Inclusão), membro fundador do GT13 - Diferença, Inclusão e Educação Matemática da Sociedade Brasileira de Educação Matemática e Consultor ad hoc da CAPES. Atua na área de Ensino, com ênfase em Educação em Ciências e Matemática nos seguintes temas: Ensino e aprendizagem de ciências e matemática para pessoas com Necessidades Educacionais Especiais.

Referências

CARNEIRO, R. F. PASSOS, C. L. B. A utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas aulas de Matemática: Limites e possibilidades. Revista Eletrônica de Educação, v. 8, n. 2, p. 101-119, 2014.

COSTA, M. J. M.; DUAILIBE, R. O.; BOTTENTUIT JUNIOR, J. B. Metodologias ativas em sala de aula: o uso do Plickers no ensino de Geografia em uma escola da rede pública em São Luís, MA. Revista Tecnologias na Educação, UFMA, ano 10, n./vol. 27, p. 1-16, nov. 2018, Edição Temática IX– III Simpósio Nacional de Tecnologias Digitais na Educação.

D’AMBROSIO, U. Educação Matemática: da teoria à prática. 13. ed. Campinas, SP: Papirus, 1996. Coleção perspectivas em educação matemática.

DUARTE, R. Pesquisa Qualitativa: reflexões sobre o trabalho de campo. Cadernos de Pesquisa, [online]. n. 115, p. 139-154, março 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/n115/a05n115.pdf. Acesso em: 1 jul. 2015

FLICK, U. Introdução à metodologia de pesquisa: um guia para iniciantes. Tradução de Magda Lopes. Revisão técnica de Dirceu da Silva. Porto Alegre: Penso, 2013.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. 25. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

JAVARONI, S. L.; ZAMPIERI, M. T. O Uso das TIC nas Práticas dos Professores de Matemática da Rede Básica de Ensino: o projeto Mapeamento e seus desdobramentos. Bolema, Rio Claro (SP), v. 29, n. 53, p. 998-1022, dez. 2015.

LEAL, T. C. S.; OLIVEIRA, A. A. Utilização de plataformas interativas e novas tecnologias no ensino de física das radiações para cursos da área de saúde. Revista Brasileira de Ensino de Física, vol. 41, nº 4, e20180354, p. 1-7, 2019.

MARTINI, C. M.; BUENO, J. L. P. O desafio das tecnologias de informação e comunicação na formação inicial dos professores de matemática. Educação Matemática em Pesquisa, São Paulo, v.16, n.2, p. 385-406, 2014.

MATOS, D. A. S.; JARDILINO, J. R. L. Os conceitos de concepção, percepção, representação e crença no campo educacional: similaridades, diferenças e implicações para a pesquisa. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 3, p. 20-31, set./dez. 2016.

MATOS, V. C. Sala de aula invertida: uma proposta de ensino e aprendizagem em matemática, 2018, Dissertação (Mestrado Profissional de Matemática em rede nacional) – Instituto de Ciências Exatas, Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

MORAN, J. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: BACICH, L.; MORAN, J. (orgs.) Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórica-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. p. 1-25.

MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas, SP: Papirus, 2000.

PONTE, J. P. Gestão curricular em Matemática. In: GTI (Ed.) O professor e o desenvolvimento curricular. Lisboa: APM, 2005. p.11-34.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. P. B. Metodologia da Pesquisa. Tradução de Daisy Vaz de Moraes. 5. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SARASOLA, M.; SANDEN, C. Una visión integral de la formación del profesorado. Revista Iberoamericana de Educación. v.55, n.4, p.1-10, 2011.

SILVA JUNIOR, G. S.; SHAW, G. S. L. Percepções de Licenciandos e Professores e o uso das Tecnologias da Informação e Comunicação no Ensino de Matemática: caso da Universidade do Estado da Bahia, Campus VII. Educação Matemática em Revista, Brasília, v. 23, n. 59, p. 24-38, jul./set. 2018.

SILVA, D. O.; SALES, G. L.; CASTRO, J. B. A utilização do aplicativo Plickers como ferramenta na implementação da metodologia Peer Instruction. Revista Eletrônica Científica Ensino Interdisciplinar. Mossoró, v. 4, n. 12, p. 502 – 526, novembro/2018.

SCHÖN, D. A. Educando o Profissional Reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Traduzido por: Roberta Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2007. Dados eletrônicos.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 17 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

VANINI, L. et al. Cyberformação de Professores de Matemática: olhares para a dimensão tecnológica. Acta Scientiae, v. 15, n.1, p. 153-171, 2013.

WOOD, T. A., BROWN, K. GRAYSON, J. M. Faculty and Student Perceptions of Plickers. II Conference American Society for Engineering Education, 2017.

Publicado

2020-07-21

Como Citar

MARINHO, K. K. de O.; NICOT, Y. E.; SALES, E. R. de. PERCEPÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA EM FORMAÇÃO INICIAL ACERCA DO USO DO APLICATIVO PLICKERS COMO FERRAMENTA AVALIATIVA DE APRENDIZAGEM. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 7, n. 3, p. 362–381, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v7i3.9359. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/9359. Acesso em: 23 jun. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)