A COPRODUÇÃO DE ATIVIDADES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORAS INDÍGENAS

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.14402

Palavras-chave:

Formação inicial de professores indígenas, Tecnologias Digitais no Ensino de Matemática, Trabalho conjunto

Resumo

A coprodução nas comunidades indígenas contribui para manutenção da vida e para a produção do conhecimento dos povos ancestrais. O objetivo deste artigo é analisar o processo de coprodução de atividades para o ensino do sistema de numeração da língua Apalai. O processo de coprodução reivindica o engajamento das professoras indígenas e da professora-pesquisadora na atualização do saber matemático sociocultural. Esse processo é conceituado como trabalho conjunto. Para responder à questão: “Quais as contribuições da coprodução de atividades para o ensino do sistema de numeração na formação inicial de professoras indígenas da etnia Apalai Waiana?” foi realizado um estudo sobre o conceito de trabalho conjunto na Teoria da Objetivação, com o intuito de estabelecer o diálogo entre esse conceito e a formação inicial de professores indígenas. A análise é centrada na pesquisa de campo desenvolvida com professoras indígenas de um curso de Licenciatura Intercultural Indígena. Os resultados indicaram que a interação entre as coprodutoras contribuiu para o encontro com o saber matemático sociocultural do povo Apalai Waiana e que na coprodução foram mobilizados signos e artefatos relacionados à linguagem e à cultura. Encerra-se com o argumento de que o trabalho conjunto contribuiu com a formação inicial das professoras indígenas coprodutoras da atividade, na medida em que elas tomaram consciência de diferentes formas de saberes desenvolvidos histórica e culturalmente e passaram a tencioná-los para produção do conhecimento relacionado ao sistema numérico da língua Apalai.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Cristiane do Socorro dos Santos Nery, Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), Oiapoque, Amapá, Brasil.

Professora Assistente da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP - Campus Binacional do Oiapoque), do Curso de Licenciatura Intercultural Indígena. Doutoranda em Educação em Ciências e Matemáticas pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Mestre em Educação pela Universidade do Estado do Pará (UEPA), na linha de pesquisa Formação de Professores e Práticas Pedagógicas. Aperfeiçoamento em Materiais Virtuais Interativos pela Universidade do Noroeste do Rio Grande Do Sul (UNIJUÍ). Graduada em Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade do Estado do Pará (UEPA). Líder do Grupo de Estudos, Pesquisas e Práticas em Educação Intercultural em Ciências da Natureza e Matemática (GECIM/UNIFAP). Linhas de Pesquisa: Formação de Professores, Educação Matemática e Saberes Indígenas. Atua principalmente nas seguintes temáticas: Formação de Professores Indígenas e Interculturalidade; Educação Escolar Indígena; Produção de Materiais Didáticos; Etnomatemática e Educação Matemática.

Iran Abreu Mendes, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, Pará, Brasil.

Bolsista Produtividade em Pesquisa Nível 1C do CNPq, Possui graduação em Licenciatura em Matemática e em Licenciatura em Ciências, ambas pela Universidade Federal do Pará (1983), Especialização em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Federal do Pará (1995), Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1997), Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2001) e Pós-doutorado em Educação Matemática pela UNESP/Rio Claro (2008). Atualmente é professor Titular do Instituto de Educação Matemática e Científica da Universidade Federal do Pará (IEMCI), onde atua como pesquisador do Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemáticas. Tem experiência no ensino de Cálculo, Geometria Analítica e Euclidiana, História da Matemática, História da Educação Matemática, Didática da Matemática e Fundamentos Epistemológicos da Matemática. Desenvolve pesquisas sobre: Epistemologia da Matemática, História da Matemática, História da Educação Matemática, História para o Ensino de Matemática, Práticas Socioculturais e Educação Matemática, Diversidade Cultural e Educação Matemática. Líder do Grupo de Pesquisa Práticas Socioculturais e Educação Matemática (GPSEM/UFPA).

Referências

ALMEIDA, M. C. A. Complexidade, saberes científicos, saberes da tradição. 1. ed. São Paulo: Livraria da Física, 2010. (Coleção Contextos da Ciência).

ASSOCIAÇÃO DOS POVOS INDÍGENAS DO OIAPOQUE. Plano de vida dos índios e organizações indígenas do Oiapoque. Oiapoque: APIO, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução n. 1, de 07 de janeiro de 2015. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores Indígenas em cursos de Educação Superior e de Ensino Médio e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 8 jan. 2015, seção1, p. 11-12. Disponivel em: http://portal.mec.gov.br/docman/janeiro-2015-pdf/16870-res-cne-cp-001-07012015. Acesso em: 17 abr. 2019.

BRITO, R. P. S. Apropriação de práticas de numeramento em um contexto de formação de educadores indígenas. 2012. 268 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Conhecimento e Inclusão Social, Belo Horizonte, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/BUOS-966KB5. Acesso em: 20 maio 2019.

D'AMBROSIO, U. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 2. ed. 2. reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. (Coleção Tendências em Educação Matemática).

EÇA, J. L. M. de; PEIXOTO, J. L. B.; MADRUGA, Z. E. de F. Formação continuada à luz da etnomodelagem: construção de uma proposta de ensino com professores que ensinam matemática no ensino fundamental. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 9, n. 1, e21005, 2021. https://doi.org/10.26571/reamec.v9i1.11384

FERREIRA, M. K. L. A matemática Palikur no Uaçá, norte do Amapá: a geometria está por toda parte. In: FERREIRA, M. K. L. Madikauku - os dez dedos das mãos: matemática e povos indígenas no Brasil. Brasília: MEC, 1998.

GALLOIS, D. T.; GRUPIONI, D. F. Povos indígenas no Amapá e norte do Pará: quem são, onde estão, quantos são, como vivem e o que pensam? São Paulo: Iepé, 2003. Disponível em: https://institutoiepe.org.br/wp-content/uploads/2020/07/livro_povos_indigenas_no_AP_e_N_do_PA.pdf. Acesso em: 20 abr. 2018.

GREEN, D. O sistema numérico da língua palikur. In: FERREIRA, M. K. L. (Org). Ideias Matemáticas de Povos Culturalmente Distintos. São Paulo: Global, 2002. p. 119-165. (Série antropologia e educação)

HENRIQUES, R. et al. Educação Escolar Indígena: diversidade sociocultural indígena ressignificando a escola. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Brasília, DF: MEC, 2007. (Cadernos SECAD 3).

LIRA, M. J. O. Materiais didáticos e mediação do ensino-aprendizagem em escolas Sateré-Mawé. 2015. 84 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Amazonas, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Manaus, 2015. Disponível em: https://tede.ufam.edu.br/bitstream/tede/4802/2/Materiais%20did%c3%a1ticos%20e%20media%c3%a7%c3%a3o%20do%20ensino-aprendizagem%20em%20escolas%20Sater%c3%a9-Maw%c3%a9.pdf. Acesso em: 20 maio 2019.

MAHER, T. M. Formação de Professores Indígenas: uma discussão introdutória. In: GRUPIONI, L. D. B. (Org.). Formação de professores indígenas: repensando trajetórias. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. MEC/SECAD, 2006. Disponível em: https://www.gov.br/mec/pt-br/media/publicacoes/semesp/vol8profind.pdf. Acesso em: 20 abr. 2019.

MANDULÃO, F. S. Educação na visão do professor indígena. In: GRUPIONI, L. D. B. (Org.). Formação de professores indígenas: repensando trajetórias. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. MEC/SECAD, 2006. Disponível em: https://www.gov.br/mec/pt-br/media/publicacoes/semesp/vol8profind.pdf. Acesso em: 20 abr. 2019.

MENDES, I. A. Matemática e investigação em sala de aula: tecendo redes cognitivas na aprendizagem. Natal: Flecha do Tempo, 2006.

MENDES, I. A.; FARIAS, C. A. (Org.). Práticas socioculturais e Educação Matemática. São Paulo: Livraria da Física, 2014. (Coleção Contextos da Ciência).

NERY, C.S.S; MENDES, I. A. Mapeamento de pesquisas sobre a formação de professores indígenas para o ensino de matemática. In: II Encontro Tocantinense de Educação Matemática e I Fórum Tocantinense de Formação Inicial de Professores que Ensinam Matemática. Evento online, 2021.

NERY, V. S. C.; NERY, C. S. S.; FREITAS, L. A. Decolonialidade e Educação Indígena: saberes e práticas Wajãpi em Educação Matemática. In: Revista Humanidades e Inovação, v.4, n. 4, p. 57-72, 2017.

OLIVEIRA, M. A. M. Nhande reko mbo'e: busca de diálogos entre diferentes sistemas de conhecimentos no contexto das práticas de professores de matemática Guarani e Kaiowá. 2020. 241 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, São Paulo, 2020. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-02102020-143153/publico/9261721_MARIA_APARECIDA_MENDES_DE_OLIVEIRA_rev.pdf. Acesso em: 15 set. 2020.

OLIVEIRA, M. A. M. Práticas vivenciadas na constituição de um curso de Licenciatura Indígena em Matemática para as comunidades indígenas Guarani e Kaiowá de Mato Grosso do Sul. 2009. 133 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Centro de Ciencias Exatas e Tecnologia, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Campo Grande, 2009.

RADFORD, L. Le concept de travail conjoint dans la théorie de l’objectivation. In: M. Flores González, A. Kuzniak, A. Nechache, & L. Vivier. (ed.). Cahiers du laboratoire de didactique André Revuz, n.21, p. 19-41. Paris: IREM de Paris, 2020. Disponível em: http://www.luisradford.ca/pub/2020%20-%20Radford%20-%20Le%20concept%20de%20travail%20conjoint%20IREM%20Paris.pdf. Acesso em: 10 ago. 2020.

RADFORD, L. Saber, aprendizaje y subjetivación en la Teoría de la Objetivación. In: 5º Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática, Belém, Pará, 2018. Disponível em: http://www.luisradford.ca/pub/Anais%20-%20Conferencia%20-%20Abertura.pdf. Acesso em: 04 abr. 2019.

RADFORD, L. Teoria da Objetivação: uma perspectiva vygotskiana sobre conhecer e vir a ser no ensino e aprendizagem da matemática. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2021. Tradução de Bernadete B. Morey e Shirley T. Gobara.

SANTOS, J. D. D. Saberes etnomatemáticos na formação de professores indígenas do curso de licenciatura intercultural na Amazônia. 2015. 122 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande Do Sul, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática, Porto Alegre, 2015. Disponível em: https://repositorio.pucrs.br/dspace/handle/10923/7535. Acesso em: 20 maio 2019.

SILVA, E. dos A.; MATTOS, J. R. L. de; MATTOS, S. M. N. de. Unir para resistir: dimensões política e pedagógica da etnomatemática em uma associação de pequenos agricultores. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 8, n. 2, p. 415-437, 2020. https://doi.org/10.26571/reamec.v8i2.9851

SILVA, J. E. da; GONÇALVES, P. G. F. Práticas etnomatemáticas na medição de terras: um estudo sobre o cálculo de áreas. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 8, n. 1, p. 391-402, 2020. https://doi.org/10.26571/reamec.v8i1.9692

SILVA, V. N. Projetos extraescolares do curso de Educação Intercultural e a educação escolar indígena: um olhar etnomatemático sobre os saberes e fazeres Javaé. 2018. 162 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) - Universidade Federal de Goiás, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática, Goiânia, 2018. Disponível em: https://repositorio.bc.ufg.br/tede/bitstream/tede/8578/5/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20-%20Vanessa%20Nascimento%20Silva%20-%202018.pdf. Acesso em: 20 maio 2019.

VELTHEM, L. H.; LINKE, I. L. V. (Org.). Livro da Arte Gráfica Wayana e Aparai: Waiana anon imelikut pampila – Aparai zonony imenuru papeh. Rio de Janeiro: Museu do Índio – FUNAI/IEPÉ, 2010.

VIEIRA, V. da L.; ROSA, M. Conhecimento geométrico nas perspectivas da pedagogia da alternância e etnomatemática numa escola família agrícola. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 9, n. 1, e21018, 2021. https://doi.org/10.26571/reamec.v9i1.11406

WAIÃPI. Cartilha de Matemática: sem números. Centro de Trabalho Indigenista, São Paulo, 1994.

Downloads

Publicado

2023-05-31

Como Citar

NERY, C. do S. dos S.; MENDES, I. A. . A COPRODUÇÃO DE ATIVIDADES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORAS INDÍGENAS . REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23014, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.14402. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/14402. Acesso em: 19 maio. 2024.