EXPERIMENTAÇÃO NA CONCEPÇÃO DE PROFESSORES MESTRANDOS EM ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v8i1.9251

Palavras-chave:

Experimentação, concepções de professores, Ensino de Ciências

Resumo

Com esta pesquisa, objetivou-se compreender as concepções e práticas didático-pedagógicas relacionadas à experimentação desenvolvidas por professores da área de Ciências Naturais (Biologia, Física e Química) que são mestrandos do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais da Universidade Federal de Mato Grosso. Seguiu-se uma abordagem qualitativa, cujo percurso metodológico consistiu em quatro etapas: exploratória (revisão bibliográfica), elaboração dos instrumentos de pesquisa, aplicação de questionários e entrevistas e análises e conclusões. Como resultado, identificou-se três categorias de experimentação (investigativa, demonstrativa e de verificação) presentes nas práticas pedagógicas dos professores participantes, bem como duas abordagens teóricas de aprendizagem (comportamentalista e construtivista). Desta forma, foi possível perceber que houve uma possível ressignificação, sobretudo após ingresso no curso de mestrado profissional, de muitas das concepções sobre atividades experimentais e teorias de aprendizagem que as subjazem, principalmente sobre a ideia do papel do professor e dos estudantes no processo de construção do conhecimento científico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Douglas Freitas de Oliveira, Universidade Federal de Mato Grosso

É professor efetivo da Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso (SEDUC-MT, desde 2018) e mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais (Área de Concentração: Ensino de Química) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), graduado em Licenciatura Plena em Química pela UFMT (2017) e formado em Técnico em Química Integrado ao Ensino Médio pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT) - Campus Fronteira Oeste / Pontes e Lacerda (2013). Foi bolsista do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID/QUÍMICA/UFMT), de 2014 a 2016, estando vinculado ao Laboratório de Pesquisa e Ensino de Química (LabPEQ/UFMT). Já desenvolveu pesquisa de iniciação científica nas áreas de Psicologia Social e Física Ambiental como bolsista do Programa Institucional de Iniciação Científica do IFMT (PROIC-Técnico do IFMT), de 2011 a 2013. Foi bolsista do Programa de Monitoria da UFMT (2015 a 2017) e Coordenador e Monitor de Ensino do Núcleo de Apoio ao Desenvolvimento Educacional e Monitoria Voluntária do IFMT (NADEM) de 2012 a 2013. Além disso, foi bolsista também do Programa Institucional de Iniciação Científica da UFMT/Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (PIBIC/UFMT/FAPEMAT), do qual desenvolveu pesquisa em Química Analítica e Ambiental, estando vinculado ao Laboratório de Pesquisa em Resíduos de Biocidas (LARB/UFMT). Atualmente, desenvolve pesquisas e materiais didáticos com temáticas relacionadas à ludicidade, à experimentação e à Química Forense para o Ensino de Química.

Alzira Silva Moreira, Universidade Federal de Mato Grosso

Possui graduação em Matemática pela Universidade do Estado de Mato Grosso - UFMT (2006) e graduação em Ciências Naturais e Matemática com habilitação em Física pela UFMT (2007). Atualmente é professora da Secretaria de Estado de Educação do Estado do Mato Grosso e mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais da UFMT.

Elane Chaveiro Soares, Universidade Federal de Mato Grosso

Professora do Departamento de Química da Universidade Federal de Mato Grosso. Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS/2012). Mestre em Educação/Ensino de Química pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT/1997). Graduada em Licenciatura Plena em Química pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT/1992). Áreas de Interesse: História e Filosofia da Química, Ciência e Religião, Formação de Professores de Química. Na UFMT, é docente da graduação nas disciplinas da Área de Ensino de Química. Docente, orientadora e Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências Naturais Mestrado Profissional (PPGECN/2017-2018). Coordenadora do Programa de Residência Pedagógica em Química da UFMT/Cuiabá (2018-2020). Coordenadora Pedagógica da Licenciatura Plena em Química (DQ 2015-2016 e 2019-2021), Pesquisadora do Laboratório de Pesquisa e Ensino de Química (LabPEQ/atual). Coordenadora do programa PIBID/QUÍMICA/CUIABÁ (2013/2016) e ainda subcoordenadora do Programa Novos Talentos no Tema Águas de Mato Grosso (2014-2016).

Carlos Rinaldi, Universidade Federal de Mato Grosso

Possui graduação em Licenciatura Em Ciências com Habilitação em Física pela Universidade Federal de Mato Grosso (1979), mestrado em Física pela Universidade Federal Fluminense (1989) e doutorado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (2002). Professor Titular da Universidade Federal de Mato Grosso, Coordenador Geral do Comfor e Parfor da UFMT. Atualmente é membro do fórum estadual de educação - Secretaria de Estado de Administração de Mato Grosso. Tem experiência na área de Física, com ênfase em Educação em Ciências, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, ensino de ciências, ensino de física, formação de professores de ciências e educação em ciências e ensino a distância.

Referências

ARAÚJO, M. S. T.; ABIB, M. L. V. S. Atividades Experimentais no Ensino de Física: diferentes enfoques, diferentes finalidades. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 25, n. 2, junho, 2003, p. 176-194. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbef/v25n2/a07v25n2.pdf>. Acesso em: 12 out. 2018.

BASSOLI, F. Atividades práticas e o ensino-aprendizagem de ciência(s): mitos, tendências e distorções. 2014. Ciência e Educação, v. 20, n. 3, 2014, p. 579-593. Disponível em: . Acesso em: 08 jan. 2020.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto (Portugal): Porto Editora, 1994.

CACHAPUZ, A. Superação das visões deformadas da Ciência e da Tecnologia: um requisito essencial para a renovação da educação científica. In: CACHAPUZ, A; GIL-PÉREZ, D.; CARVALHO, A. M. P.; PRAIA, J.; VILCHES, A. (Orgs.). A necessária renovação do ensino de Ciências. São Paulo-SP: Editora Cortez, 2005.

CERQUEIRA, T. C. S., et al. O autoconceito e a motivação na construção da subjetividade: conceitos e relações. Intermeios: Revista do Mestrado em Educação, Campo Grande - MS, v.10, n 20, p. 30-41, 2004. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2018.

GIL-PÉREZ, D., et al. Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Revista Ciência & Educação, v. 7, n. 2, 2001, p. 125-153. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v7n2/01.pdf>. Acesso em: 10 out. 2018.

GIORDAN, M. O papel da experimentação no Ensino de Ciências. Revista Química Nova na Escola, n. 10, p. 43-49, 1999. Disponível em: <http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc10/pesquisa.pdf>. Acesso em: 11 out. 2018.

GONSALVES, E. P. Iniciação à Pesquisa Científica. 4ª ed. Campinas - SP: Alínea, 2007.

HODSON, D. Experimentos na Ciência e no Ensino de Ciências. Tradução de Paulo A. Porto. Originalmente publicado em: Educational Philosophy and Theory, 20, 1988, p. 53-66. Disponível em: . Acesso em: 08 jan. 2020.

LOPES, A. R. C. Livros didáticos: obstáculos ao aprendizado da Ciência Química. Revista Química Nova, v. 15, n. 3, 1992, p. 254-261. Disponível em: <http://quimicanova.sbq.org.br/imagebank/pdf/Vol15No3_254_v15_n3_%2816%29.pdf>. Acesso em: 05 out. 2018.

LOPES, A. R. C. Obstáculos epistemológicos nos livros didáticos de Química. In: LOPES, A. R. C. Currículo e epistemologia. Ijuí-RS: Ed. Unijuí: 2007.

LEITE, F. T. Metodologia Científica: métodos e técnicas de pesquisa (monografias, dissertações, teses e livros). Aparecida - SP: Ideias e Letras, 2008.

MOREIRA, M. A.; ATX, Rolando. Tópicos em Ensino de Ciências. Porto Alegre - RS: Sagra, 1991.

MOREIRA, M. A. Teorias de Aprendizagem. São Paulo - SP: EPU, 2011.

OLIVEIRA, J. R. S. Contribuições e abordagens das atividades experimentais no Ensino de Ciências: reunindo elementos para a prática docente. Acta Scientiae, v. 12, n. 1, jan./jun., 2010. Disponível em: <http://w3.ufsm.br/laequi/wp-content/uploads/2015/03/contribuições-e-abordagens-de-atividades-experimentais.pdf>. Acesso em: 05 out. 2018.

OLIVEIRA, N.; SOARES, M. H. F. B. As atividades de experimentação investigativa em Ciência na sala de aula de escolas de ensino médio e suas interações com o lúdico. In Anais do XV Encontro Nacional de Ensino de Química, Brasília, 2010. Disponível em: . Acesso em: 08 out. 2018.

SILVA, R. R.; MACHADO, P. F. L.; TUNES, E. Experimentar sem medo de errar. In: SANTOS, W. L. P.; MALDANER, O. A. (Orgs.). Ensino de Química em Foco. Ijuí-RS: Ed. Unijuí, 2011. p. 231-261.

SOARES, M. H. F. B. O Lúdico em Química: Jogos e Atividade Aplicados aos Ensino de Química. 2004. 203 f. Tese (Doutorado em Química) - Programa de Pós-Graduação em Química, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos-SP, 2004.

VALENTIM, J. A. Extração de óleos essenciais por arraste a vapor. 2017. 108 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências Naturais) - Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá-MT, 2017.

Publicado

2020-01-25

Como Citar

OLIVEIRA, D. F. de; MOREIRA, A. S.; SOARES, E. C.; RINALDI, C. EXPERIMENTAÇÃO NA CONCEPÇÃO DE PROFESSORES MESTRANDOS EM ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 8, n. 1, p. 10–28, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i1.9251. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/9251. Acesso em: 23 fev. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)