OFICINA MAKER “DO LIXO AO LUXO” COMO MEIO PARA FAVORECER A APRENDIZAGEM DE ESTUDANTES

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v11i1.14963

Palavras-chave:

Abordagem STEAM, Oficina maker, Lixo e reciclagem, Materiais recicláveis, Sucatas

Resumo

Diante da época em que vivemos é preciso oferecer aos estudantes uma educação diferenciada e não baseada apenas na transmissão de conteúdos. Pensando nisso, as oficinas maker se constituem como ricos instrumentos de aprendizado, capaz de desenvolver nos estudantes a criatividade tão necessária atualmente, bem como oferecer um ensino dinâmico em que os estudantes coloquem a mão na massa. Nessa perspectiva, o estudo aqui descrito teve por objetivo analisar as contribuições de uma oficina maker a partir de materiais recicláveis a estudantes do 4º ano do Ensino Fundamental. Metodologicamente a referida dissertação se ancora na pesquisa participante, com abordagem qualitativa e de natureza aplicada. Os sujeitos envolvidos na pesquisa foram 13 estudantes do 4º ano do Ensino Fundamental de uma escola pública de Juína-MT. Os instrumentos de coleta de dados utilizados durante o estudo são: diário de bordo, gravação em áudio/imagem e fotografias. A análise dos dados coletados foi realizada com base na Análise de Conteúdo. Os resultados da oficina maker mostram que é possível transformar materiais de sucatas que iriam para o lixo em jogos e brinquedos ou diferentes e lindos artefatos úteis para o dia a dia. A partir das oficinas os estudantes desenvolveram o pensamento criativo e habilidades artísticas, bem como aprenderam a trabalhar em equipe, de forma cooperada e respeitosa a partir do compartilhamento dos materiais. Acentua-se que as crianças gostaram de participar dos encontros, se mostraram interessadas e motivadas para criar e produzir, havendo assim participação ativa e efetiva por parte das mesmas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mayara Rossi, Doutoranda em Educação para Ciências e Matemática (IFG). Professora da Educação Básica (SEDUC/MT), Juína, Mato Grosso, Brasil.

Doutoranda em Educação em Ciências e Matemática pelo Instituto Federal de Goiás (IFG) - início em 2023. Mestra em Ensino pelo Instituto Federal do Mato Grosso (IFMT) - conclusão em 2022. Especialista em Ensino de Ciências da Natureza e Matemática pelo Instituto Federal do Mato Grasso (IFMT) - conclusão em 2021. Especialista em Psicopedagogia Escolar (conclusão em 2020) e em Gestão Escolar (conclusão em 2018), ambas pela Faculdade Venda Nova do Imigrante (FAVENI). Graduada em Pedagogia pela Faculdade Educacional da Lapa (FAEL) - conclusão em 2017. Atualmente trabalha como professora da educação básica em cargo efetivo pelo governo do Estado de Mato Grosso - SEDUC/MT (desde 2018). Atua como revisora de vários periódicos. Desenvolve pesquisas principalmente nas temáticas: Ensino Tradicional; Metodologias Ativas; Abordagem STEAM (Ciências, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática); Ensino de Ciências nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental; Aprendizagem Significativa e Criativa; Tecnologias Educacionais. Participa dos grupos de pesquisa STEAM (IFMT) e GEPEC (IFG).

Geison Jader Mello, Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Possui Licenciatura Plena em Ciências Naturais e Matemática - Habilitação em Física (2008), Mestrado (2010) e Doutorado (2013) ambos pelo Programa de Pós-Graduação Física Ambiental (PGFA), Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), na área de Concentração Análise e Modelagem da Interação Biosfera - Atmosfera. Atualmente é professor de Física no Campus Cuiabá "Octayde" do Instituto Federal de Mato Grosso (CBA IFMT). Atua nos níveis do Ensino Médio Integrado, Técnico Subsequente, Ensino Superior e Pós-Graduação. Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ensino - Mestrado Acadêmico (PPGEn IFMT) e Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica - Mestrado Profissional (ProfEPT IFMT), desenvolve pesquisas nas temáticas do Ensino de Ciências e Matemática, Metodologias Ativas, Abordagem STEAM (Ciências, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática) e Educação Profissional e Tecnológica.

Referências

BACICH, Lilian; HOLANDA, Leandro (org.). STEAM em sala de aula: a aprendizagem baseada em projetos integrando conhecimentos na educação básica. Porto Alegre: Penso, 2020.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2017.

DECCACHE-MAIA, Eline; MESSEDER, Jorge Cardoso. O uso da arte como narrativa na abordagem CTS no ensino de Ciências. Indagatio Didactica, v. 8, n. 1, p. 572-583, 2016. https://doi.org/10.34624/id.v8i1.3370

DEWEY, John. Experiência e educação. 3. ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1979.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25. ed. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2019.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GRIPPI, Sidney. Lixo, reciclagem e sua história. 2. ed. Editora Interciência, 2006.

MATTOS, K. R. C. de; WALCZAK, A. T.; GÜLLICH, R. I. da C. Pensamento crítico em ciências: estudo comparativo temporal dos conceitos nas produções. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 6, n. 2, p. 273-290, 2018. https://doi.org/10.26571/REAMEC.a2018.v6.n2.p273-290.i7043

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria método e criatividade. 34. Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

NASCIMENTO, Sirlei Rodrigues do; LANGUI, Celi. O uso da cultura maker no desenvolvimento de projetos alinhados aos objetivos da agenda 2030 da ONU. Revista Ibero-Americana de Humanidades, Ciências e Educação, v. 8, n. 6, p. 1917-1924, 2022. https://doi.org/10.51891/rease.v8i6.6154

PARENTE, A. G. L.; ALVES, J. M.; BEZERRA, S. H. O. Densidade e força de empuxo: imaginação e produção de um recurso didático. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, v. 8, n. 2, p. 793-816, 2020. https://doi.org/10.26571/reamec.v8i2.10235

PERRENOUD, Philippe. 10 Novas competências para ensinar - Convite à viagem. Tradução de Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Artmed, 2000.

RESNICK, Mitchel. Jardim de infância para a vida toda: por uma aprendizagem criativa, mão na massa e relevante para todos. Porto Alegre: Penso, 2020.

ROBINSON, Ken. Somos todos criativos: os desafios para desenvolver uma das principais habilidade do futuro. São Paulo: Benvirá, 2019.

ROBINSON, Ken; ARONICA, Lou. Escolas criativas: a revolução que está transformando a educação. Porto Alegre: Penso, 2019.

RÔÇAS, Giselle. Por onde tem andado a sala de aula? Revista Ciências & Ideias, v. 7, n. 3, 2016. Disponível em: https://oa.mg/work/10.22407/2176-1477/2016.v7i3.668 . Acesso em: 25 maio 2023.

RODRIGUES, Francisco Luiz; CAVINATTO, Vilma Maria. Lixo, de onde vem? Para onde vai? 2. ed. São Paulo: Editora moderna, 2003.

SAMPIERI, Roberto Hernández; COLLADO, Carlos Fernándes; LUCIO, María del Pilar Baptista. Metodologia de pesquisa. 5. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SILVEIRA, Denise Tolfo; CÓRDOVA, Fernanda Peixoto. Métodos de Pesquisa. Unidade 2 – A pesquisa científica. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

SOUZA, Rafaelle da Silva; TELES, Joelson Novaes Sá; RODRIGUES, Laura de Araújo. Atividades STEM Maker: investigando contribuições de práticas extracurriculares no IFBA campus Seabra. Revista de Estudos em Educação e Diversidade, v. 3, n. 7, p. 1-23, 2022. https://doi.org/10.22481/reed.v3i7.10184

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. 18. ed. São Paulo: Cortez. 2018.

Downloads

Publicado

2023-06-23

Como Citar

ROSSI, M.; MELLO, G. J. OFICINA MAKER “DO LIXO AO LUXO” COMO MEIO PARA FAVORECER A APRENDIZAGEM DE ESTUDANTES. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23034, 2023. DOI: 10.26571/reamec.v11i1.14963. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/14963. Acesso em: 21 jun. 2024.