UM OLHAR EM RELAÇÃO AO ENSINO DE FRAÇÃO PARA ESTUDANTES SURDOS NA PERSPECTIVA DOS JOGOS DE LINGUAGEM DE WITTGENSTEIN

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v10i2.13602

Palavras-chave:

Educação, Surdos, Ensino de Fração, Jogos de linguagem

Resumo

O presente estudo é parte de uma pesquisa de Pós-Doutorado em Educação na Universidade Federal do Tocantins (UFT). O texto tem como objetivo conhecer o panorama das pesquisas que tematizam o ensino de Fração para estudantes surdos na perspectiva dos jogos de linguagem de Wittgenstein. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, de abordagem qualitativa, no escopo do estado do conhecimento, cujas produções constam no repositório de Teses e Dissertações da Capes. O refinamento se deu a partir dos termos "Fração" + "Surdos" + "Jogos de linguagem", realizado no mês de setembro de 2021. Encontrou-se 17.907 produções, sendo 5654 Teses e 11693 Dissertações, defendidas no período de 2016 e 2020. Na continuidade do refinamento procedeu-se à leitura dos títulos, resumos e palavras-chave, em que se selecionou 05 Teses e 12 Dissertações. Os resultados indicam que os estudos têm predominância em temas como ensino de Fração, estudantes surdos, filosofia de Wittgenstein e ensino de matemática. Isso evidencia a relevância deste estudo para o ensino de Fração para estudantes surdos na perspectiva dos jogos de linguagem de Wittgenstein.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Walber Christiano Lima da Costa, Professor do Magistério Superior da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA), lotado na Faculdade de Ciências da Educação (FACED) do Instituto de Ciências Humanas (ICH), Campus Marabá, Pará, Brasil.

Professor Adjunto C 602 da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA).Doutor e Mestre em Educação em Ciências e Matemáticas (PPGECM/IEMCI/UFPA). Pesquisador nos seguintes grupos cadastrados no CNPq: Grupo de Estudos e Pesquisas em Surdez e Ensino de Matemática - GEPSEM - UNESPAR; Grupo de Estudos de Linguagem Matemática - (GELIM/UFPA); Grupo de Pesquisa em Educação de Surdos: Políticas de Inclusão, Educação Bilíngue, Práticas Pedagógicas, Contextos de Ensino e Formação de Professores (GPES/UNIFESSPA); Grupo de Pesquisas e Estudos em Formação de Professores e Práticas Educativas (UNIFESSPA). Especialista em: Língua Brasileira de Sinais - Libras, Metodologia do Ensino de Matemática, Educação Especial e Educação Inclusiva e em Técnicas de Tradução e Interpretação em Língua Brasileira de Sinais - Libras/Língua Portuguesa. Graduado em Licenciatura Plena em Pedagogia (UEPA). Graduado em Licenciatura em Matemática. Bacharel em Letras/Libras (UFSC). Possui Certificação em Proficiência em Tradução e Interpretação da Libras/Língua Portuguesa/Libras pelo PROLIBRAS (MEC/INEP - UFSC). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Especial, Educação Matemática e Formação de Professores, atuando principalmente nos seguintes temas: Linguagem Matemática, Educação Inclusiva, Educação Especial, Educação de Surdos, Ensino de Matemática, Ensino de Matemática para surdos, Tradução da Linguagem Matemática para alunos surdos, Língua Brasileira de Sinais- Libras, Tradução e Interpretação da Libras e processos psicológicos no ensino e na aprendizagem, Educação Matemática Inclusiva.

Idemar Vizolli, Universidade Federal do Tocantins - UFT

Possui graduação em Ciências Naturais pela UNIJUÍ - Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (1985), graduação em Matemática pela UnC - Universidade do Contestado (1997); Mestrado em Educação pela UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina (2001), Doutorado em Educação pela UFPR Universidade Federal do Paraná (2006) e Pós-doutoramento em Educação pela Universidade Estadual do Pará (2020). Atualmente é professor Associado da Universidade Federal do Tocantins; professor e orientador nos Programas de Mestrados Acadêmico e Profissional em Educação na UFT; no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECEM) na Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (REAMEC); no Programa de Pós-Graduação em Educação na Amazônia (EDUCANORTE) - Associação Plena em Rede; Coordenador estadual da REAMEC. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: Etnomatemática, saberes e fazeres em contextos socioculturais, Proporção-porcentagem, ideias matemáticas, fração, registro de representação semiótica; Educação do Campo; Educação de Jovens e Adultos; e Educação Escolar Indígena.

Referências

ANGELOTTI, Vanessa Cristina. Ensino informatizado de frações a crianças surdas e ouvintes por meio do paradigma de equivalência de estímulos. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos: UFSCar, 2016.

ASSIS, Claudio de. Relevância dos gestos do discurso matemático do sujeito surdo. Tese (Programa de Pós-graduação em Educação Matemática) Coordenadoria de Pós-graduação - Universidade Anhanguera de São Paulo, 2018.

ATAIDE, Clarissa Raimundo de; COSTA, Walber Christiano Lima da. Formação de Professores: O estado do conhecimento no ensino de Fração para estudantes surdos. Revista Baiana de Educação Matemática, 2(01), 2021. DOI: https://doi.org/10.47207/rbem.v2i01.10667

BARROS, Marcos José Pereira. A solução de situações que envolvem o conceito de Fração por professores que ensinam Matemática nos anos iniciais. (Mestrado em Educação) –Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Tocantins -UFT, Palmas, TO, 2018.

BRASIL. Decreto n°. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n°. 10.436, de 24 de abril de 2002 que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o Art. 18 da Lei n°. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, 2005.

CARDOSO, Letícia Silva. O desenvolvimento de uma sequência didática para trabalhar o conceito de Fração com professores de 4º e 5º anos do ensino fundamental. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Tocantins, Programa de Pós-Graduação em Educação, Palmas, 2020.

CARNEIRO, Fernando Henrique Fogaça. O ensino da matemática para alunos surdos bilíngues: uma análise a partir das teorizações de Michel Foucault e Ludwig Wittgenstein. Dissertação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Educação. Porto Alegre, BR-RS, 2017.

CARVALHO, Dione Lucchesi de. Metodologia do ensino de matemática. 4.ed. – São Paulo: Cortez, 2011.

CASTRO, Maria Cristina Polito de. Um olhar para o discurso do aluno surdo interagindo em tarefa sobre medidas no sistema métrico decimal. Tese de Doutorado -Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Anhanguera de São Paulo, 2016.

CASTRO, Raimundo Santos de. Jogos de linguagem matemáticos da comunidade remanescente de quilombos da Agrovila de Espera, Município de Alcântara, Maranhão. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de São Carlos - São Carlos : UFSCar, 2016.

COSTA, Walber Christiano Lima da. O modelo referencial da linguagem na Tradução-Interpretação da linguagem Matemática pelos surdos usuários da LIBRAS. 2019. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação Em Educação em Ciências e Matemáticas. Universidade Federal do Pará, Belém – PA, 2019.

DONADO, Cristiano Campos. Vozes das Mãos e Sons dos Olhos: Discursos Algébricos de Surdos Usuários da Língua Brasileira de Sinais – Libras. Dissertação (Educação Matemática). Universidade Anhanguera de São Paulo, 2016.

FECCHIO, Daniele Maria Bordini. O ensino de Fração no ensino fundamental I: uma intervenção pedagógica. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, 2020.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

GONZÁLEZ, Eugenio. Necessidades Educacionais Especificas: Interveção psicoeducacional. Trad. Daisy Vaz de Moraes. Porto Alegre: Artmed, 2007.

LIMA, Severino Roberto de. Uma análise de questões de Fração das provas do sistema de avaliação do estado do Tocantins-SAETO. Dissertação (Mestrado Acadêmico) - Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Tocantins, 2020.

MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia cientifica. 5ª ed. São Paulo: Atlas 2003.

MARON, Cristienne do Rocio de Mello. Modelagem matemática como jogo de linguagem. Dissertação. Universidade Federal do Paraná. Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática, 2017.

MARTINS, Mayara Laura Rocha Rossi. O ensino de Matemática para alunos Surdos: em foco a prática pedagógica de um professor ouvinte e de um professor Surdo em Uberaba/MG. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Triângulo Mineiro, 2020.

MAZZOTTA, Marcos J.S. Educação Especial no Brasil: História e políticas públicas. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

MONK, Ray. Wittgenstein. O dever do gênio. Trad. Carlos Afonso Malferrari. São Paulo: Cia. das Letras. 1995.

OSTRONOFF, Henrique. Dossiê: Uma equação sem resultado. Disponível em: http://revistaeducacao.uol.com.br/formacao-docente/130/artigo234326-1.asp. Acessado em: 10 de junho de 2022.

ROMEIRO, Iraji de Oliveira. O movimento do pensamento teórico de professores sobre o conceito de frações e o sentido atribuído aos materiais didáticos na atividade de ensino. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2017.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, Aline Simas da. Atividades multimodais em uma abordagem partitiva para frações. Tese (Programa de Pós-graduação em Educação Matemática) - Universidade Anhanguera de São Paulo, 2017.

SILVA, Angélica Fontoura Garcia; CANOVA, Raquel Factori; CAMPOS, Tania Maria Mendonça. A Fração em livros didáticos de Matemática para os anos iniciais. Acta Scientiae. v.18 n.1 p.41-54 jan./abr. 2016.

SILVA, Viviane Pereira. Formação dos conceitos relativos aos números racionais no 6º ano do ensino fundamental: uma proposta experimental. Dissertação - Programa de Mestrado em Educação. Universidade de Uberaba, Minas Gerais – MG, 2016.

SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da. Tradução de textos matemáticos para a linguagem natural em situações de ensino e aprendizagem. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, v.16, n.1, p.47-73, 2014.

VIZOLLI, Idemar; SÁ, Pedro Franco de. Um estado do conhecimento em relação a formação continuada para professores que ensinam matemática nos anos iniciais do ensino fundamental na amazônia legal brasileira. Revista REAMEC, Cuiabá (MT), v. 8, n. 3, p. 650- 69, setembro a dezembro, 2020. ISSN: 2318-6674. DOI: https://doi.org/10.26571/reamec.v8i3.11022

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações Filosóficas. Trad. José Carlos Bruni. 2.ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

ZEFERINO, Lidiane Chaves. Aprender A Ensinar Frações A Partir Do Conceito De Atividade Orientadora De Ensino: Um estudo com professores de quartos e quintos anos do ensino fundamental. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2016.

Publicado

2022-07-13

Como Citar

COSTA, W. C. L. da; VIZOLLI, I. UM OLHAR EM RELAÇÃO AO ENSINO DE FRAÇÃO PARA ESTUDANTES SURDOS NA PERSPECTIVA DOS JOGOS DE LINGUAGEM DE WITTGENSTEIN. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 10, n. 2, p. e22036, 2022. DOI: 10.26571/reamec.v10i2.13602. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/13602. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

Educação Matemática