ABORDAGENS DO CONCEITO DE “SEQUÊNCIA DIDÁTICA” EM TESES NA ÁREA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v8i3.10725

Palavras-chave:

Educação Matemática, Formação, Professor, Sequência Didática, Atividades.

Resumo

Esta investigação objetiva entender as diferentes abordagens do conceito de Sequência Didática presentes em teses de doutorado, na área de Educação Matemática, defendidas no Brasil no período de 2001 a 2018. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica de natureza qualitativa. Selecionamos 31 teses de doutorado disponíveis no portal de teses e dissertações da Capes. As teses foram analisadas com base nos seguintes critérios: (a) objetivos, (b) síntese da metodologia, (c) principais resultados e (d) principais referências sobre “Sequência Didática”. Os critérios mencionados nos levaram a organizar e sistematizar 5 (cinco) focos relacionados às teses quanto à abordagem do conceito de Sequência Didática (SD). São eles: i) foco da SD no ensino e aprendizagem dos estudantes da Educação Básica; ii) foco da SD nos estudantes da Educação Básica e na formação do professor; iii) foco da SD no ensino e aprendizagem dos estudantes do Ensino Superior (Licenciatura/Engenharia); iv) foco da SD na Educação Especial; e v) foco da SD no levantamento bibliográfico. Os resultados apontam doze características das abordagens sobre Sequência Didática, entre as quais destacamos: diversidade de teorias que dão fundamentação à utilização da SD; abordagem da SD como metodologia de ensino; SD contribui para promover situações nas quais os estudantes possam agir sobre as atividades construídas e pensadas pelo professor; SD é utilizada, construída e desenvolvida, na maioria das pesquisas, pelo pesquisador e não é, geralmente, construída pelo professor que a utilizará nas suas práticas de sala de aula (tanto os professores em formação inicial como em formação continuada).

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Dailson Evangelista Costa, dailson_costa@uft.edu.br, Universidade Federal do Tocantins (UFT), Arraias, Tocantins

Professor do Curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Federal do Tocantins (UFT) - Câmpus de Arraias. Doutorando em Educação em Ciências e Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECEM) da Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (REAMEC). Mestre em Educação Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas (PPGECM), do Instituto de Educação Matemática e Científica (IEMCI), da Universidade Federal do Pará (UFPA), com bolsa de estudo da CAPES (2012/2013). Graduado em Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal do Tocantins (UFT-2012). Linha de pesquisa: Formação de professores que ensinam Matemática. Áreas de interesse: Educação Matemática, Didática da Matemática, formação de professores, Laboratório de Educação Matemática. Professor do Ensino Superior desde 2013.

Tadeu Oliver Gonçalves, Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, Pará

Licenciado em Matemática pela Universidade Federal do Pará (1976), Mestre em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Estadual de Campinas (1981) e Doutor em Educação Matemática pela Universidade Estadual de Campinas (2000). É professor da UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ desde agosto de 1976, situando-se atualmente na categoria de PROFESSOR TITULAR. É docente/pesquisador do Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECM/IEMCI/UFPA) - Mestrado e Doutorado, desde o seu início, em 2002 (NPADC). Também é docente do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemáticas (REAMEC). Tem experiência na área de Educação Matemática e seu campo de pesquisa tem ênfase na Formação de Formadores e de Professores de Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: educação matemática, formação de professores, ensino-aprendizagem, , ensino da matemática e neuro ciência e educação matemática

Referências

ALMOULOUD, S. A. Fundamentos da didática da matemática. Curitiba: Ed. UFPR, 2007.

ARTIGUE, M. Ingeniería didáctica. In: Artigue, M, Douady, R, Moreno, L e Gómez, P (1995). Ingeniería didáctica en educación Matemática: Un esquema para la investigación y la innovación en la enseñanza y el aprendizaje de las matemáticas. Grupo Editorial Iberoamérica, S.A. de C.V, México. 33-59, 1995.

ARTIGUE, M. Ingénierie didactique. Recherches em didactiques dês mathématiques. Genoble: La Pensée Sauvage-Éditions, v. 9.3, p. 281-308, 1988.

ARTIGUE, M. Engenharia Didática. In: BRUN, J (Org.). Didáctica das Matemáticas. Lisboa: Instituto Piaget, 193-217, 1996.

AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia educacional. Tradução de Eva Nick. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Interamericana Ltda, 1980.

BALACHEFF, N.; Gaudin, N. Students conceptions: a introduction to a formal characterization. Les Cahiers du Laboratoire Leibniz, Grenoble, n. 65, p. 1-21, 2002.

BODGAN, R. C; BIKLEN, S. K. Investigação Qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Tradução M. J. Alvarez, S. B. Santos e T. M. Baptista. Porto: Porto Editora, 1994.

BORGES NETO, H; et al. A Sequência de Fedathi como proposta metodológica no ensino-aprendizagem de Matemática e sua aplicação no ensino de retas paralelas. In: Encontro de Pesquisa Educacional do Nordeste. Educação – EPENN, 15, Anais... São Luís, 2001.

BORGES NETO, H.; DIAS, A. M. I. Desenvolvimento do raciocínio lógico-matemático no 1º Grau e Pré-Escola. Cadernos da Pós-Graduação em Educação: inteligência–enfoques construtivistas para o ensino da leitura e da Matemática. Fortaleza, UFC, v. 2, 1999.

BROUSSEAU, G. Fundamentos e métodos da didática da matemática. In: BRUN, Jean (Org.). Didáctica das matemáticas. Lisboa: Instituto Piaget, 35-113, 1996.

CABRAL, N. F. Sequências Didáticas: estrutura e elaboração. Belém: SBEM-PA, 2017. Disponível em: http://www.sbembrasil.org.br/files/sequencias_didaticas.pdf. Acesso em: 21 nov. 2019.

CAMPOS, F. R. Currículo, Tecnologias e Robótica na Educação Básica. 243 f. Tese (Doutorado em Educação: Currículo) – Pontifícia Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, B e DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. 3 ed. Campinas, SP: Mercado das Letras, 81-108, 2011.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados, 2012.

FLEMMING, D. M.; MELLO, A. C de. Criatividade e Jogos Didáticos. São José: Ed. Saint Germain, 2003.

LÜDKE, Menga e ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: a teoria e textos complementares. São Paulo: Livraria da Física, 2011.

OLIVEIRA, M. M. de. Sequência Didática Interativa no processo de formação de professores. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

PAIS, L. C. Didática da Matemática: uma análise da influência francesa. 2. ed. 2. reimp. – Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

SANTOS FILHO, J. C. dos; GAMBOA, S. S. Pesquisa educacional: quantidade-qualidade. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

VERGNAUD, G. Multiplicative structures. In. HIEBERT, H. and BEHR, M. (Ed.). Research Agenda in Mathematics Education. Number Concepts and Operations in the Middle Grades. Hillsdale, N.J.: Lawrence Erlbaum, 141-161, 1988.

ZABALA, A. A Prática Educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

Downloads

Publicado

2020-09-23

Como Citar

COSTA, D. E.; GONÇALVES, T. O. ABORDAGENS DO CONCEITO DE “SEQUÊNCIA DIDÁTICA” EM TESES NA ÁREA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 313-341, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i3.10725. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/10725. Acesso em: 27 out. 2020.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)