CONTRIBUIÇÕES DA MATEMÁTICA PARA A GESTÃO DOS EMPREENDIMENTOS ECONÔMICOS SOLIDÁRIOS

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v8i1.9593

Palavras-chave:

Matemática Escolar. Empreendimentos. Autogestão.

Resumo

Os Empreendimentos Econômicos Solidários (EES) mostram-se como alternativa para a inclusão da população marginalizada, pois se aproximam das pessoas com experiências práticas e sugerem soluções coletivas através de iniciativas próprias. Esse artigo objetiva refletir sobre ações pedagógicas voltadas ao Ensino de Matemática no contexto dos EES, desenvolvendo, com gestores de EES, conceitos matemáticos buscando contribuir com a efetivação da autogestão dos EES do município de Parauapebas/PA. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, cunho exploratório e descritivo, através de grupo focal e oficinas de estudo de conceitos matemáticos. A análise dos dados ocorreu com a Análise de Conteúdos. Identificou-se as categorias de análise: falta de formação básica dos gestores; autogestão dos EES de forma intuitiva. Com a realização das oficinas, pôde-se desenvolver conceitos matemáticos valorizando os conhecimentos culturais dos gestores e inserindo práticas assertivas para a autogestão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rafael Pires Pinheiro, Universidade do Vale do Taquari

Mestre em Ensino de Ciências Exatas, Doutorando em Ensino de Ciências Exatas.

Professor Titular do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará, Brasil.

Andreia Aparecida Guimarães Strohschoen, Universidade Vale do Taquari

Professora dos Programas de Pós graduação: Doutorado e Mestrado em Ensino e  Doutorado e Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Exatas.  Pesquisadora em Ensino de Ciências e Biologia, Iniciação à Pesquisa, Metodologias Ativas de Ensino e de Aprendizagem.
Universidade Vale do Taquari - Univates Av. Avelino Talini, 171 - Setor A - Prédio 2 - Sala 325 - Bairro Universitário - CEP 95914-014  Lajeado-RS-Brasil.     www.univates.br (51) 3714-7000 ramal 5042.

Referências

ASSEBURG, H. B.; GAIGER, L. I. A economia solidária diante das desigualdades. Revista de Ciências Sociais, v. 50, n. 3, p. 499-533, 2007.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2016.

BARROS, M. F. Um estudo comparado sobre gestão emancipadora em organizações comunitárias: a comparação Bahia (Brasil) e Québec (Canadá). Gestão & Planejamento-G&P, v. 1, n. 6, p. 57-69, 2008.

BRANDÃO, C. R. Saber e ensinar. Três estudos de educação popular. Campinas: Papirus, 1986.

D’AMBROSIO, U. Educação Matemática: da teoria à prática. Campinas, SP: Papirus Editora, 1996.

D’AMBROSIO, U. Sociedade, cultura, matemática e seu ensino. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 99-120, jan/abr. 2005.

D’AMBROSIO, U. O Programa Etnomatemática: uma síntese. Acta Scientiae, Canoas, v.10, n. 1, p. 7-16, jan. /jun. 2008.

DUARTE, C. G.. Etnomatemática, currículo e práticas sociais do “mundo da construção civil”. Educação Unisinos, v. 8, n. 15, p. 195-215, 2004.

GADOTTI, M. A questão da educação formal/não-formal. Sion: Institut Internacional des Droits de 1º Enfant, p. 1-11, 2005.

GARCIA, R. M. Os requisitos de um programa de treinamento de cooperativas. Revista de Administração de Empresas, v. 21, n. 1, p. 39-45, 1981.

MACHADO, S. M. C. F. Gestão de Cooperativa: um estudo de caso. 2006. Dissertação de Mestrado. Fundação Visconde de Cairu.

MENEGHETTI, R. C. G.. Educação matemática e economia solidária: Uma aproximação por meio da etnomatemática. Revista Latinoamericana de Etnomatemática: Perspectivas Socioculturales de la Educación Matemática, v. 6, n. 1, p. 40-66, 2013.

MENEGHETTI, R. C. G.; DALTOSO JR, S. L. Etnomatemática no Contexto de Empreendimentos em Economia Solidária: o caso de uma marcenaria coletiva feminina. Zetetike, v. 21, n. 1, p. 53-76, 2013.

MOREIRA, I. de C. A inclusão social e a popularização da ciência e tecnologia no Brasil, Revista Inclusão Social (IBICT – Instituto brasileiro de informação em Ciência e Tecnologia), v. 1, n. 2, 2006.

MORGAN, D. L. Focus groups as qualitative research. Thousand Oaks. Sage publications, 1996.

MOTCHANE, J. Economia social e economia solidária: álibi ou alternativa ao neoliberalismo. Textos Sobre Economia Solidária, v. 2, p. 111-116, 2007.

NAKAYASU, G. N.; SOUSA, A. F. de. Planejamento e controle financeiro: Economic value added (EVA) como instrumento de controle interno. Seminário de Administração, v. 7, 2004.

PEREIRA, R. M. Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno. Revista toque solidário. Texto digital. Abril de 2014. Disponível em: http://www.ecosolbasebrasilia.com.br/wpcontent/uploads/2014/05/revista_ts_dia_29.pdf acessado em: 30/11/2017.

PINHEIRO, R. P.; STROHSCHOEN, A. A. G. O ensino de matemática na gestão dos empreendimentos econômicos solidários (EES): uma aproximação por meio da etnomatemática. Revista Dynamis, v. 25, n. 1, p. 78-93, 2019.

SCHNEIDER, J. O. A doutrina do cooperativismo nos tempos atuais. Cadernos Cedope. São Leopoldo, v. 6, n. 12, p. 7-23, 1994.

VERGARA, S. C. Gestão de Pessoas. São Paulo: Atlas, 2009.

Publicado

2020-01-31

Como Citar

PINHEIRO, R. P.; STROHSCHOEN, A. A. G. CONTRIBUIÇÕES DA MATEMÁTICA PARA A GESTÃO DOS EMPREENDIMENTOS ECONÔMICOS SOLIDÁRIOS. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 8, n. 1, p. 55–76, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i1.9593. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/9593. Acesso em: 23 fev. 2024.