UMA PROPOSTA DE ATIVIDADE MATEMÁTICA SOBRE O TEMPO DE EXPOSIÇÃO AO SOL

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v8i2.10210

Palavras-chave:

Modelagem Matemática. Fator de Proteção Solar. Ensino de Matemática.

Resumo

A necessidade de pensar novas metodologias para o ensino da matemática, especialmente a partir de temas relacionados ao cotidiano dos alunos, motivou a realização desta pesquisa, que tem como objetivo aliar teoria e prática no contexto da educação básica, para verificar o tempo que uma pessoa, fazendo uso adequado do fator de proteção solar (FPS) 30, pode ficar exposta à radiação ultravioleta (UV) do sol, sem sofrer queimaduras. Por meio da modelagem matemática, apresenta-se uma proposta para o ensino de matemática, que tende a permitir ao professor do ensino médio tratar conceitos de função exponencial de maneira crítica e reflexiva, para a construção de um conhecimento mais significativo e também fornecer aos alunos condições de perceber a integração da matemática com outras áreas. Ao considerar os níveis de radiação, o FPS 30 em relação ao tipo de pele, os dados remetem a uma função exponencial, que, ao se aplicar a metodologia do método dos mínimos quadrados, viabilizou elaborar um modelo matemático para cada um dos quatro tipos de pele. Os resultados mostram que, se as pessoas fizerem o uso correto do FPS 30, a depender do tipo de pele, é possível permanecer em exposição ao sol por um tempo mínimo de 1h e 45 minutos, sem sofrer queimaduras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Kattia Ferreira da Silva, Universidade de Gurupi

Mestre em Matemática, pela Universidade Federal do Tocantins - UFT. Pós - Graduação Lato Sensu em Metodologia de Ensino e Pesquisa na Educação Matemática e Física, pela Faculdade Católica de Anápolis. Possui Licenciatura Plena em Matemática, pela Universidade Estadual de Goiás (UEG);. Atualmente é Professora Efetiva da Universidade de Gurupi - UNIRG e Professora da Rede Municipal de Gurupi. Tem experiência nas áreas de Educação Matemática, Estatística e Matemática. 

Raylson Dos Santos Carneiro, Universidade Federal do Tocantins

Mestre em Matemática pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). Licenciatura Plena em Matemática, pela Universidade Estadual de Goiás (UEG); Pós-Graduação Lato Sensu em Metodologia de Ensino e Pesquisa na Educação Matemática e Física, pela Faculdade Católica de Anápolis. Integrante do Grupo de Pesquisa em Sustentabilidade de Solos e Recursos Hídricos. Professor Efetivo da Universidade Federal do Tocantins - UFT, curso de Engenharia Florestal e Matemática EaD. Atua nas áreas: Matemática; Física; Educação Matemática; Educação e Estatística.

Rogerio dos Santos Carneiro, Universidade Federal do Tocantins

Doutorando em Educação em Ciências e Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECEM) da Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (REAMEC), Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT); Mestre em Educação Matemática, pela Universidade Severino Sombra (USS); Graduado em Licenciatura Plena em Matemática, pela Universidade Estadual de Goiás (UEG); possui Pós-Graduação Lato Sensu em Metodologia de Ensino e Pesquisa na Educação Matemática e Física, pela Faculdade Católica de Anápolis; Pós-Graduação Lato Sensu em Educação em Direitos Humanos, pela Universidade Federal do Tocantins (UFT), e Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia de Produção, pela Universidade Cândido Mendes (UCAM). Integrante do Grupo de Pesquisa de História da Educação Matemática no Brasil (GHEMAT-Brasil). Professor Efetivo da Universidade Federal do Tocantins - UFT, curso de Licenciatura em Matemática do Câmpus de Araguaína. Atua nas áreas: Educação Matemática; História da Educação Matemática; Matemática; Educação; Física; Estatística.

Referências

BARBOSA, V. C.; BREITSCHAFT, A. M. S. Um aparato experimental para o estudo do princípio de Arquimedes. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 28, n.1, p.115–122, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbef/v28n1/a14v28n1.pdf. Acesso em: 13 jan. 2019.

BASSANEZI, R. C. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática. São Paulo: Contexto, 2004.

BASSANEZI, R. C. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática: uma nova estratégia. 3. ed., São Paulo: Contexto, 2011.

BIEMBENGUT, M. S.; HEIN, N. Modelagem matemática no ensino. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2009.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, seção 1, ano CXXXIV, n. 248, Brasília, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 20 fev. 2019.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Base Nacional Comum Curricular: Educação é a base, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 15 fev. 2019.

D’AMBROSIO, U. Da realidade à ação: reflexões sobre educação matemática. Campinas: Sammus, 1986.

FITZPATRICK, T. B.; MOSHER, D. B. Pigmentação cutânea e distúrbios do metabolismo da melanina. In: ISSELBACHER, K. J. et al. Medicina interna, 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p.276-284, 1983.

GOMES, R. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: DESLANDES, S. F; GOMES, R.; MINAYO, M. C. S.(org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 26. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 79-108, 2007.

INPE. Radiação solar, camada de ozônio e saúde humana. Ministério da Ciência, Tecnologia e Informação, 2012. Disponível em: http://satelite.cptec.inpe.br/uv/. Acesso em: 10 fev. 2019.

KIRCHHOFF, V. W. J. H. Ozônio e Radiação UV–B. São José dos Campos, São Paulo: Transtec Editorial, 1995.

MATOS, S. P. Cosmetologia aplicada. 1. ed. São Paulo: Érica, 2014.

MENEZES, R. O.; BRAGA, R. M.; SANTO, A. O. E. Cooperação no desenvolvimento de atividades de modelagem na educação básica. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S.l.], v. 7, n. 1, p. 147-170, jan./jul. 2019. ISSN 2318-6674. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/7966. Acesso em: 08 jan. 2020. Doi: https://doi.org/10.26571/REAMEC.a2019.v7.n1.p147-170.i7966

MEYER, J. F. C. A.; CALDEIRA, A. D.; MALHEIROS, A. P. S. Modelagem em Educação Matemática. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

MILESE, S. S.; GUTERRES, S. S. Fatores determinantes na eficácia de fotoprotetores. Caderno de Farmácia, v. 18, n. 2, p. 81-87, 2002. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/19680/000378373.pdf?sequence=1. Acesso em: 10 jan. 2019.

ROUESSAC, F.; ROUESSAC, A. Chemical analysis, modern instrumentation methods and techniques. New Jersey, USA: John Wiley & Sons, p. 189, 2000.

RUGGIERO, M. A. G.; LOPES, V. L. da R. Cálculo numérico: aspectos teóricos e computacionais. 2. ed. São Paulo: Pearson Makron Books, 1996.

SCHALKA, S. Influência da quantidade aplicada de protetores solares no fator de proteção solar (FPS): avaliação de dois protetores solares com os mesmos ingredientes em diferentes concentrações. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de medicina e dermatologia, Departamento de Dermatologia, Programa de Pós-Graduação em Ciências, São Paulo, 2009. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5133/tde-29092009-164750/publico/SergioSchalka.pdf. Acesso em: 03 jan. 2019.

SILVA, W. P. et al. “LAB Fit Ajustes de Curvas”: um software em português para tratamento de dados experimentais. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 26, n. 4, p. 419-427, 2004. ISSN 1806-9126. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbef/v26n4/a18v26n4.pdf. Acesso em: 12 jan. 2020.

Downloads

Publicado

2020-06-21

Como Citar

SILVA, K. F. da; CARNEIRO, R. D. S.; CARNEIRO, R. dos S. UMA PROPOSTA DE ATIVIDADE MATEMÁTICA SOBRE O TEMPO DE EXPOSIÇÃO AO SOL. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 8, n. 2, p. 562–583, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i2.10210. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/10210. Acesso em: 15 abr. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>