A AUTONOMIA NO ENSINO DO FUTEBOL SOB A PERSPECTIVA DE TREINADORES E TREINADORAS

Autores

  • Gabriel Orenga Sandoval Universidade Estadual de Campinas
  • Luis Felipe Nogueira Silva Universidade Estadual de Campinas
  • Alcides José Scaglia Universidade Estadual de Campinas

DOI:

10.51283/rc.v26i2.13127

Palavras-chave:

Autonomia, Pedagogia do Esporte, Esporte, Jogo, Epistemologia da prática

Resumo

O jogo, enquanto fenômeno imprevisível, caótico, complexo, sistêmico e predominantemente subjetivo, deve contemplar o estímulo à autonomia aos e às que jogam, de modo que suas decisões não sejam, em demasia, contaminadas pelas intempéries do meio e dependentes totais dos intentos de treinadores e treinadoras no meio esportivo – em específico no futebol. A partir de duas entrevistas - uma semiestruturada e outra recorrente – e a aplicação de dois questionários (epistêmico-pedagógico e psicológico), verificamos que treinadores e treinadoras detêm forte tendência à utilização didática e metodológica de abordagens pedagógicas de cunho epistemológico interacionista, que, no entanto, são contrapostas por ações e intervenções empiristas, no que tange, à criação de comportamentos em sessões de treinamentos para serem reproduzidos no jogo formal. Concluímos, então, que, apesar da boa intenção dos profissionais, a distorção prática de conceitos inerentes ao fenômeno jogo, aliada à prática pedagógica imbuída de valores heterônomos, não promovem o desenvolvimento em potencial da autonomia de jogadores e jogadoras de futebol, tanto na iniciação esportiva, quanto no alto rendimento.

Referências

BARDIN, Laurence; Análise de conteúdo. Edições 70. Lisboa, 2008.

BARTHOLOMEW, Kim; HENDERSON, Antonia; MÁRCIA, James. Coding semistructured interviews in social psychology research. In: REIS, Harry T; JUDD, Charles M. (Orgs.). Handbook of research methods in social and personality psychology. Cambridge, United Kindom: Cambridge University Press, 2000.

BECKER, Fernando. Epistemologia do professor: o cotidiano na escola. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

BETTEGA, Otavio Baggiotto e colaboradores. Pedagogia do esporte: bases epistemológicas e articulações para o ensino esportivo. Inclusiones, v. 8, p. 185-213, 2021.

BRESOLIN, Keberson. Autonomia versus heteronomia: o princípio da moral em Kant e Levinas. Conjectura: filosofia e educação, v. 18, n. 3, p. 166-183, 2013.

COTINI, Maria de Lourdes Jeffery. Psicólogo e a promoção de saúde na educação. 1998. 327f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1998.

DÁRIDO, Suraya Cristina. Educação física na escola: questões e reflexões. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

DECI, Edward e colaboradores. An instrument to assess adults’ orientations toward control versus autonomy with children: reflections on intrinsic motivation and perceived competence. Journal of educational psychology, v. 73, n. 5, p. 642-650, 1981.

FONTANA, Felipe. Técnicas de pesquisa. In: MAZUCATO, Thiago. Metodologia da pesquisa e do trabalho científico. Penápolis, SP: FUNEPE, 2018.

FREIRE, João Batista. Jogo: entre o riso e o choro. Campinas, SP: Autores Associados, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 62. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2019.

GALATTI, Larissa Rafaela e colaboradores. Pedagogia do esporte: tensão na ciência e o ensino dos jogos esportivos coletivos. Revista da educação física, v. 25, n. 1, p. 153-162, 2014.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

LA TAILLE, Yves de. Moral e ética: dimensões intelectuais e afetivas. Porto Alegre, RS: Artmed. 2006.

LEÃES, Cyro Garcia Soares; XAVIER, Bruno de Castro. Relevância do treinamento em espaço reduzido para o desenvolvimento das habilidades de tomada de decisão e autonomia no jogador de futebol. Revista brasileira de futebol, v. 4, n. 1, p. 21-29, 2011.

LEITÃO, Marcelo Crepaldi e colaboradores. Implicações sociais e autonomia em educação física escolar: uma abordagem construtivista do movimento. Revista brasileira de ciência e movimento, v. 19, n. 3, p. 76-85, 2011.

MACHADO, Gisele Viola e colaboradores. Pedagogia do esporte e autonomia: um estudo em projeto social de educação não formal. Pensar a prática, v. 14, n. 3, p. 1­21, 2011.

MARCELO, Carlos. Desenvolvimento profissional docente: passado e futuro. Sísifo, n. 8, p. 7-22, 2009.

PEREIRA, Meira Chaves; LIMA, Paulo Gomes. Sobre o racionalismo e o empirismo no campo pedagógico. Ensaios pedagógicos, v. 1, n. 1, p. 67-76, 2017.

PIAGET, Jean. O juízo moral na criança. São Paulo: Summus, 1994.

SAVIANI, Demerval. Tendências pedagógicas contemporâneas. São Paulo: Martins Fontes, 1981.

SCAGLIA, Alcides. José. Jogo: um sistema complexo. In: FREIRE, João Batista da Silva; VENÂNCIO, Samuel. O jogo dentro e fora da escola. Campinas, SP: Autores Associados, 2005.

SCAGLIA, Alcides. José. O futebol e as brincadeiras de bola com os pés. São Paulo: Phorte, 2011.

SCAGLIA, Alcides. José e colaboradores. O ensino dos jogos esportivos coletivos: as competências essenciais e a lógica do jogo em meio ao processo organizacional sistêmico. Movimento. v. 19, n. 4, p. 227-249, 2013.

SCAGLIA, Alcides José e colaboradores. O processo organizacional sistêmico, a pedagogia do jogo e a complexidade estrutural dos jogos esportivos coletivos: uma revisão conceitual. In: LEMOS, Kátia Lúcia Moreira; GRECO, Pablo Juan; MORALES, Juan Carlos Pérez. (Orgs.). 5º Congresso Internacional de Jogos Desportivos. Belo Horizonte, MG: Casa da Educação Física, 2015.

SCAGLIA Alcides José; REVERDITO Riller. Silva. Perspectivas pedagógicas do esporte no século XXI. In: MOREIRA, Wagner Wey; NISTA-PICCOLO, Vilma Lení. Educação física e esporte no século XXI. Campinas, SP: Papirus, 2016.

SCAGLIA, Alcides José. Pedagogia do jogo: o processo organizacional dos jogos esportivos coletivos enquanto modelo metodológico para o ensino. Revista portuguesa de ciências do desporto. S1A, p. 27–38, 2017.

SOARES, Carmen Lucia. Educação física: raízes europeias e Brasil. 5. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

SCHÖN, Donald Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre, RS: Artes Médicas Sul, 2000.

SILVA, Luís Felipe Nogueira.; SCAGLIA, Alcides José; LEONARDO, Lucas. Epistemologia da prática pedagógica na educação física e esporte: mapeamento a partir de um instrumento metodológico. Educacíon física y deportes, v. 25, p. 145-163, 2021.

SILVA, Luís Felipe Nogueira; THIENGO, Carlos Rogério; SCAGLIA, Alcides José. Epistemes, pedagogias, didáticas e métodos no ensino e treinamento do futebol. In: SANTOS, Júlio Wilson dos (Org.). Seminários: ciência & futebol. Curitiba, PR: CRV, 2022.

VON ZUBEN, Marcos de Camargo; MEDEIROS, Rodolfo Rodrigues. Nietzsche e a educação: autonomia, cultura e transformação. Trilhas filosóficas, v. 6, n. 1, p. 71-93, 2013.

YIN, Robert. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre, PR: Penso, 2016.

Downloads

Publicado

2022-08-03

Como Citar

Sandoval, G. O. ., Silva, L. F. N., & Scaglia, A. J. (2022). A AUTONOMIA NO ENSINO DO FUTEBOL SOB A PERSPECTIVA DE TREINADORES E TREINADORAS. Corpoconsciência, 26(2), 134-148. https://doi.org/10.51283/rc.v26i2.13127

Edição

Seção

Seção Temática - PEDAGOGIA DO ESPORTE: DESAFIOS E TEMAS EMERGENTES

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)