DOS JOGOS TRADICIONAIS ÀS TÉCNICAS CORPORAIS: UM ESTUDO A PARTIR DAS RELAÇÕES ENTRE JOGO E CULTURA LÚDICA

Autores

Palavras-chave:

Cultura Lúdica, Jogo Tradicional, Sociedade Contemporânea, Técnicas Corporais

Resumo

A contemporaneidade influencia o uso dos corpos, afetando as relações sociais, a dinâmica cultural e o jogo. Nesse sentido, é necessário problematizar as inter-relações entre sociedade contemporânea, cultura lúdica e suas técnicas corporais, desenvolvidas pelos jogos tradicionais. Assim, esse estudo exploratório objetiva compreender o papel do jogo na dinâmica cultural, enfatizando os processos criativos e o impacto dos períodos históricos e seus contextos socioculturais nas técnicas corporais, evidenciado a partir dos jogos tradicionais. Constatou-se as estreitas relações entre sociedade, técnicas corporais, jogo e brinquedo, em meio aos processos criativos de co-construção e ressignificação da cultura lúdica pelas crianças. Portanto, é evidente que as mudanças advindas da contemporaneidade configuram-se impactantes, pois ao alterar tempos e espaços, transformam os jogos tradicionais, provocando uma complexa reação em cadeia ao longo dos anos e significativas alterações na expressão e uso do corpo no jogo e, consequentemente, nas técnicas corporais.

Biografia do Autor

Alcides José Scaglia, UNICAMP

Livre Docente em Pedagogia do Esporte e Pedagogia do Jogo pela Universidade Estadual de Campinas (2019), doutor em Pedagogia do Movimento pela Universidade Estadual de Campinas (2003), mestre em Pedagogia do Esporte pela Universidade Estadual de Campinas (1999), Licenciado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (1995) e bacharel em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (1995). Tem experiência na área de Educação Física e Esportes, desenvolvendo estudos, projetos e pesquisas nas áreas da: Educação Física escolar, Jogo e Pedagogia do Esporte, com ênfase em metodologia de ensino-aprendizagem-treinamento dos jogos coletivos de invasão, futebol da iniciação ao treinamento e pedagogia do jogo. Atualmente é docente na Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA-UNICAMP) no curso de Ciências do Esporte da UNICAMP, corresponsável pelas pesquisas do LEPE (Laboratório de Estudos em Pedagogia do Esporte), líder do grupo de pesquisa LEPE-FUT. Docente pleno no programa de pós-graduação, mestrado e doutorado da Faculdade de Educação Física (FEF) da UNICAMP.

Débora Jaqueline Farias Fabiani, UNICAMP

Licenciada, Bacharela e Mestra em Educação Física e Especialista em Educação de Crianças e Pedagogia da Infância pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Licenciada em Pedagogia pelo Centro Universitário Internacional (UNINTER). Doutoranda no Laboratório de Estudos em Pedagogia do Esporte (LEPE) da FCA/UNICAMP. Tem como campo de pesquisa o jogo, numa perspectiva sociocultural, e suas manifestações e implicações na sociedade contemporânea. Atualmente é docente no sistema educativo da UNICAMP, nos âmbitos da educação infantil e educação não formal, e no curso de Educação Física do Centro Universitário de Paulínia (UNIFACP).

Luís Bruno de Godoy, UNICAMP

Ator e palhaço habilitado pelo Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversão (SATED/SP); Bacharel em Ciências do Esporte (Bolsista CNPq - 2013/2014) com período de mobilidade internacional na Universidad Politecnica de Madrid - UPM (Santander Mobilidade 2012/2013) e Universidad de Santiago de Chile (AUGM 2015); Mestre em Ciências Humanas e Sociais pelo programa Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas (Bolsista CAPES - 2017/2019), ambos pela Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp (FCA/Unicamp); Doutorando em Educação Física e Sociedade pela Faculdade de Educação Física da Unicamp (FEF/Unicamp); Membro do Laboratório de Estudos em Pedagogia do Esporte - LEPE e Grupo de Estudos e Pesquisa em Cultura Lúdica, Circo e Educação Física - CLUCIEF; Co-idealizador do Grupo Interdisciplinar de Estudo e Pesquisas Aplicadas ao Jogo (GIEPAJ) e Núcleo de Estudo e Pesquisa na Arte do Palhaço (NEPAP); Artista formador e tutor de treinamento de palhaços; Diretor e idealizador da Inhouse - Clowns and Circus e da ONG Medicina do Riso

Referências

ADORNO, Theodor W. O ensaio como forma. In: ADORNO, Theodor W.; COHN, Gabriel. Theodor W. Adorno: sociologia. 2. ed. São Paulo: Ática, 1994.

ALBUQUERQUE, Leila Marrach Basto de. As invenções do corpo: modernidade e contramodernidade. Motriz, v. 7, n. 1, p. 33-39, 2001.

ALVES, Rubem. Cenas da vida. Campinas, SP: Papirus, 2013.

ARAÚJO, Alceu Maynard. Folclore Nacional I: festas, balaiados, mitos & lendas. São Paulo: Martins Fontes, 2004a.

______. Folclore Nacional II: danças, recreação e música. São Paulo: Martins Fontes, 2004b.

ARIÉS, Philippe. História social da família e da criança. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: LTC, 1981.

BARTHES, Roland. Mitologias. 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de janeiro: Zahar, 1998.

BENJAMIN, Walter. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

BROUGÈRE, Gilles. Brinquedo e cultura. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

______. A criança e a cultura lúdica. In: KISHIMOTO, Tizuko Morchida (Org.). O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira, 1998.

______. Lazer e aprendizagem. In: BROUGÈRE, Gilles. ULMANN, Anne-Lise. (Orgs.). Aprender pela vida cotidiana. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

CÂMARA CASCUDO, Luís. Antologia do folclore brasileiro. São Paulo: Global, 2001.

______. História dos nossos gestos. São Paulo: Global, 2003.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. O espaço urbano: novos escritos sobre a cidade. São Paulo: FFLCH, 2007.

DAOLIO, Jocimar. Da cultura do corpo. Campinas, SP: Papirus, 1995.

DENZIN, Norman K. Play, games and interaction: the contexts of childhood socialization. The sociological quarterly, v. 16, n. 4, p. 458-478, 1975.

ERTHAL, Ana Amélia. O telefone celular como produto de novas sensorialidades e técnicas corporais. Contemporânea, v. 1, n. 8, 2007.

FABIANI, Débora Jaqueline Farias; SCAGLIA, Alcides José. O inventário da cultura lúdica: os espaços, os materiais e os jogos desenvolvidos pelas crianças no horário livre, Lúdicamente, v. 7, n. 14, p. 1-22, jun./ out., 2018.

FANTIN, Monica. As crianças e o repertório lúdico contemporâneo: entre as brincadeiras tradicionais e os jogos eletrônicos. Revista espaço pedagógico, v. 13, n. 2, p. 9-24, jul./ dez., 2006.

FERNANDES, Florestan. O folclore em questão. São Paulo, SP: Martins Fontes, 2003.

______. Folclore e mudança social na cidade de São Paulo. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

FERNANDES, Benecta Patrícia Fernandes e colaboradores. Entre o tradicional e o eletrônico: significados do brincar para crianças de uma escola pública de Piracicaba-SP. Revista brasileira de estudos do lazer, v. 3, n. 2, p. 74-96, mai./ ago., 2016.

FRIEDMANN, Adriana. Jogos tradicionais na cidade de São Paulo: recuperação e análise de sua função educacional. 1990. 189f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1990.

______. Brincar: crescer e aprender: o resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, 1996.

FREIRE, João. Batista; SCAGLIA, Alcides José. Educação como prática corporal. São Paulo: Scipione, 2003.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC Editora, 2013.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: Unesp, 1991.

______. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

______. Conceitos essenciais da sociologia. São Paulo: Unesp, 2017

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

______. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GODOY, Luís Bruno. Tensionando o sentido do agir: o clown e seu potencial criativo. 2019. Xxf. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas). Universidade Estadual de Campinas. Limeira, SP, 2019.

HARA, Tony. Saber noturno: Uma antologia de vidas errantes. Campinas, SP: Unicamp, 2017.

HERTEL, Ilona. Silêncio! Crianças brincando. In: PARK, Margareth Brandini; FERNANDES, Renata Sieiro. Programa curumim: memórias, cotidiano e representações. São Paulo: SESC, 2015.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens. 9. ed. rev. e atual. São Paulo: Perspectiva, 2019.

INGOLD, Tim. Estar vivo: ensaio sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

KIRK, David. Towards a socio-pedagogy of sports coaching. In: LYLE, John; CUSHION, Chris (Eds.). Sport coaching: professionalisation and practice. Edinburgh, England: Elsevier, p. 165-176, 2010.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Jogos tradicionais infantis: o jogo, a criança e a educação. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

______. O jogo e a educação infantil. 7. reimpr. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

KOFES, Maria Suely. E sobre o corpo, não é o próprio que fala? Ou, o discurso desse corpo sobre o qual se fala. In: BRUNHS Heloisa Turini. Conversando sobre o corpo. 5. ed. Campinas, SP: Papirus, 1994.

LARROSA, Jorge. Bondía. Tremores: escritos sobre a experiência. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2017.

LAVEGA BURGUÉS, Pere e colaboradores. Los juegos y deportes tradicionales en Europa: Juega con tu corazón, comparte tu cultura. In: LAVEGA BURGUÉS, Pere (Org.). Juegos tradicionales y sociedad en Europa. Barcelona, Espanha: Associação Européia de Jogos e Esportes Tradicionais, 2006.

LAVEGA BURGUÉS, Pere e colaboradores. Os jogos tradicionais no mundo: associações e Possibilidades. Licere, v. 14, n. 2, jun., 2011.

LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. São Paulo: Manole, 2005.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Festa no pedaço: cultura popular e lazer na cidade. São Paulo: UNESP, 2003.

MARIN, Elizara Carolina. Jogo tradicional: patrimônio material e imaterial. Congresso Argentino e Latinoamericano de Educación Física y Ciencias, 12. 7. Anais..., Ensenada, Buenos Aires, Argentina. Disponível em: <http://congresoeducacionfisica.fahce.unlp.edu.ar/13o-congreso/actas-2017/Mesa%2013_Marin.pdf>. Acesso em 02 jul. 2020.

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

NOGUEIRA, Maria Ephigênia de Andrade Cáceres. O lúdico na época de Anchieta. In: KISHIMOTO, Tizuko Morchida; SANTOS, Maria Walburga dos (Orgs.). Jogos e brincadeiras: tempos, espaços e diversidade (Pesquisas em Educação). São Paulo: Cortez, 2016.

OLIVEIRA, Paulo de Salles. O que é brinquedo. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1989.

POMBO, Olga. Interdisciplinaridade e integração dos saberes. Liinc em Revista, Lisboa, v. 1, n. 1, p. 3-15, 2005.

ROCHA, Maria de Lourdes Gonçalves Machado. Brincar: oportunidade lúdica nos tempos livres da criança? In: KISHIMOTO, Tizuko Morchida; SANTOS, Maria Walburga dos (Orgs.). Jogos e brincadeiras: tempos, espaços e diversidade (Pesquisas em Educação). São Paulo: Cortez, 2016.

ROSSETTI, Cláudia Broetto; SMARSSARO, Taísa Rodrigues; PESSOTTI, Tatiana Lecco. Inventário das brincadeiras e jogos de crianças em diferentes municípios do estado do Espírito Santo. Revista psicopedagia, v. 26, n. 81, p. 388-395, 2009.

RODRIGUES, Divania Luiza; MARRONI, Paula. Carolina T. Pieter Bruegel e os jogos infantis: imagens medievais como origem das práticas corporais contemporâneas. Jornada de Estudos Antigos e Medievais, XI. Anais..., Maringá, PR, 2013. Disponível em: <http://www.ppe.uem.br/jeam/anais/2012/pdf/r-z/39.pdf>. Acesso em 04 de jul. 2020.

RODRIGUES, Rogério. Sociedade, Corpo e Interdições: contribuições do estudo de Marcel Mauss sobre as técnicas do corpo. Conexões, v. 0, n. 4, p. 129-140, 2000.

SALGADO, Karen Regina; SCAGLIA, Alcides José. Os exergames como recurso didático no ensino do atletismo na educação física escolar. Journal Physical Education, v. 31, e3146, 2020.

SARMENTO, Manuel. Imaginário e culturas da infância. Cadernos de Educação. Braga, Portugal: Universidade do Minho, Instituto de Estudos da Criança, 2003.

SCAGLIA, Alcides José. Jogo: um sistema complexo. In: FREIRE, João Batista; VENÂNCIO, Silvana. O jogo dentro e fora da escola. Campinas, SP: Autores Associados, 2005.

______. O futebol e as brincadeiras de bola: a família dos jogos de bola com os pés. São Paulo: Phorte, 2011.

SILVA, Lúcia Isabel da Conceição e colaboradores. Diferenças de gêneros nos grupos de brincadeira na rua: a hipótese de aproximação unilateral. Psicologia: reflexão & crítica, v. 19, n. 1, p. 114-121, 2004.

TSCHOKE, Aline e colaboradores. Espaço, lugar e brincadeiras: o que pensam os professores e o que vivem os alunos. Pensar a prática, v. 15, n. 2, p. 272-284, abr./ jun., 2012.

TUAN, Yiu-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Londrina, PR. Eduel, 2013.

TURINO, Célio. Educação não formal, jogo e brincadeira. Cadernos Cenpec, v. 1, n. 2, p. 107-114, 2006.

VIGOTSKI, Lev Semenovich. A formação social da mente. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

______. Imaginação e criação na infância. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

VOLPATO, Gildo. Jogo, brincadeira e brinquedo: usos e significados no contexto escolar e familiar. 2. ed. Criciúma, SC: UNESC/ São Paulo, SP: Annablume, 2017.

WIKIPEDIA. Pieter Bruegel the Elder - Children’s Games. Disponível em: <https://fr.wikipedia.org/wiki/Les_Jeux_d%27enfants_(Brueghel)#/media/Fichier:Pieter_Bruegel_the_Elder_-_Children%E2%80%99s_Games_-_Google_Art_Project.jpg>. Acesso em: 24 de jul. de 2019.

ZIMMERMANN, Ana Cristina. O jogo: sobre encontro e tradições. In: ZIMMERMANN, Ana Cristina; SAURA, Soraia Chung (Orgs.). Jogos tradicionais. São Paulo: Pirata, 2014.

Downloads

Publicado

2020-07-23

Como Citar

Scaglia, A. J., Fabiani, D. J. F., & Godoy, L. B. de. (2020). DOS JOGOS TRADICIONAIS ÀS TÉCNICAS CORPORAIS: UM ESTUDO A PARTIR DAS RELAÇÕES ENTRE JOGO E CULTURA LÚDICA. Corpoconsciência, 24(2), 187-207. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/10780

Edição

Seção

Seção Temática - IMPLICAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS DO JOGO (BRINQUEDO E BRINCADEIRA) NAS PRÁTICAS CORPORAIS