A ALIANÇA DA EDUCAÇÃO STEAM E A PESQUISA-AÇÃO EM DISSERTAÇÕES DEFENDIDAS NO BRASIL

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v12.15952

Palavras-chave:

Educação STEAM/STEM, Pesquisa-ação, habilidades

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar um estado do conhecimento das pesquisas a nível strictu sensu que tematizam sobre a Educação STEAM/STEM e utilizam, de alguma forma, o método da Pesquisa-ação. Para tanto, nos orientamos no seguinte problema de pesquisa: O que revelam os estudos brasileiros, a nível de mestrado e doutorado, que contemplam o tema Educação STEAM/STEM e utilizam o método da Pesquisa-ação? Trata-se de um estudo qualitativo do tipo bibliográfico. Realizamos as buscas no Catálogo de Teses e Dissertações da CAPES e na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações, obtendo como retorno 26 produções, das quais apenas 04 dissertações foram selecionadas para análise, sendo mapeadas e analisadas na perspectiva da análise de conteúdo a partir de duas categorias: enquadramento da Pesquisa-ação na estrutura metodológica da pesquisa e ressignificação do ensino de ciências utilizando a Educação STEAM/STEM. O estudo revela que as pesquisas strictu sensu tematizando sobre Educação STEAM/STEM ainda são em pequeno número no Brasil; concentram-se no âmbito do Ensino Fundamental e Ensino Médio; contemplam apenas elementos característicos da Pesquisa-ação, mas não assumem o método como sendo a espinha dorsal da pesquisa. As pesquisas retratam a Educação STEAM/STEM como um movimento educacional que suporta as diversas metodologias ativas de ensino além de demonstrar potencial para ressignificar o processo de ensino-aprendizagem, criando condições para transcender as limitações identificáveis no ensino tradicional e proporcionar um ensino integral, baseado no desenvolvimento de habilidades, configurando a intencionalidade de mudança da prática em sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Salvino Coimbra Filho, Instituto Federal do Maranhão (IFMA), Bacabal, Maranhão, Brasil.

Doutorando em Educação em Ciências e Matemática - REAMEC (UFPA, UFMT, UEA), possui mestrado em matemática pela Universidade Federal do Piauí - UFPI (2013), graduação em Licenciatura Plena em Matemática pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, IFPI (2005). Atualmente é professor dedicação exclusiva - Matemática pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, IFMA Campus Bacabal. Exerceu a função de coordenador local do programa PRONATEC (2017 a 2022). Exerceu, também, as funções de Coordenador do Curso de Licenciatura em Matemática do IFMA Campus Buriticupu (25/11/2014 a 25/05/2016), Coordenador do PRONATEC IFMA Campus Buriticupu (2016), professor de matemática SEDUC-PI (2006 a 2012), professor da SEEDUC-MA (2006 a 2013), onde exerceu a função de diretor adjunto na Unidade Integrada Domingos Rêgo - CAIC, no município de Timon-MA no período de abril de 2007 a junho de 2009.

Evandro Ghedin, Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, Amazonas, Brasil

Professor Titular-Livre da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Possui Pós-doutorado em Didática pela Faculdade de Educação da USP (2010). É Doutor em Filosofia da Educação pela USP (2004). Mestre em Educação pela UFAM (2000). Especialista em Antropologia da Amazônia pela UFAM. Especialista em Filosofia e Existência pela Universidade Católica de Brasília (UCB). Graduado em Filosofia pela UCB (1995). Professor Permanente no PPGECEM - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (REAMEC). Professor Permanente no PPGE-UFAM. Professor Permanente no PGEDA - Doutorado em Educação na Amazônia - EDUCANORTE. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação em Ciências, atuando principalmente nos seguintes temas: Didática e Formação de Professores;Metodologia da Pesquisa em Educação; Epistemologia; Educação em ciências; Filosofia da Educação. Atuou na Educação Básica da Rede Pública e Privada por 5 anos. É professor Universitário desde 1997. É autor de diversos livros e artigos científicos na área da Educação.

Cleusa Suzana O. de Araújo, Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Manaus, Amazonas, Brasil.

Possui graduação em Licenciatura Em Ciências do Primeiro Grau pela Universidade Federal do Amazonas (1992), Bacharelado em Ciências Teológicas (2013), Bacharelado em Comunicação Social - Jornalismo (2016) pela Faculdade Boas Novas e Psicologia pela Faculdade Martha Falcão Wyden (2022); mestrado (1996) e doutorado (2002) em Biologia de Água Doce e Pesca Interior pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. É professora da Universidade do Estado do Amazonas, contribuindo com a formação de recursos humanos nos níveis de Graduação e Pós-Graduação no Curso de Doutorado em Rede - REAMEC. Pós-doutorado em Educação e Ciências pela Universidade Estadual de Maringá (CAPES) e pela Universidade do UMINHO - PT (2020). Foi pesquisadora da Universidade Nilton Lins atuando nos Programas de Pós-Graduação de Biologia Urbana e Aquicultura, níveis de mestrado e doutorado. Foi coordenadora de Pesquisa (2010); Coordenadora do Curso de Especialização em Metodologia do Ensino de Ciências (2015-2016) e coordenadora do Curso de Ciências Biológicas (2018) na UEA. Tem experiência na área de Zoologia, com ênfase em parasita de peixes. Recentemente iniciou pesquisa na área multidisciplinar em Ensino de Ciências, Formação de Professores, Alfabetização Científica, CTS e Educação e Saúde.

Josefina D. Barrera Kalhil, Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Manaus, Amazonas, Brasil.

Doutora em Ciências Pedagógicas ( Educação) pela Universidade da Matanzas, Cuba (2003). Mestra em Ciências da Educação Superior - Universidade de Matanzas, Cuba (1998). Homologado pela Universidade Federal da Bahia, com o número 341, no Livro de Registro 37-B com o número 2278. Possui graduação em Licenciatura em Física (1979), em Matanzas, Cuba . Mais de 15 especializações em diferentes áreas de Ensino de Física e Pedagogia. Trabalha como Professora na Universidade do Estado do Amazonas - UEA, Manaus, Brasil. É professora do Curso de Mestrado acadêmico l em Ensino de Ciências na Amazônia e coordenadora do polo Amazonas do doutorado em Rede de Educação em Ciências e Matemática ( REAMEC) . Pos doc Em didadtica da Fisica em Mexico. Tem experiência na área de Física, com ênfase em Física Geral e Aplicada nos Cursos de Licenciatura e Engenharia . Atuando também nos seguintes áreas: Didática, Formação de Professores, Metodologia da Pesquisa Científica, entre outras. Orientou mais de 18 teses de Mestrado e 8 de Doutorado. Ministrou cursos de pós-graduação em diferentes países, entre eles Brasil , México e Bolívia . Publicou mais de 5 livros no Brasil e 2 em Cuba . Participou em mais de 37 Congressos Internacionais e em 12 deles como Convidada Especial. É especialista em Formação de Habilidades de Pesquisa no Ensino Superior.. É membro do Comitê Editorial da Revista Eletrônica Latin American Journal of Physics Education de México e revisora das revistas Ciência e Educação, ensino de física de Brasil e de RBEP Pertence ao colegiado do doutorado a distância do Instituto politecnico nacional de México, IPN. Membro do comitê organizador do XIX Simpósio nacional de ensino de Física , da conferencia Lasera. Professora associada da Universidade do Estado de Amazonas -UEA Coordenadora e Docente do Doutorado em redes de Ensino de Ciências da Amazônia do polo Manaus. Membro Sociedade Brasileira de Física na categoria de sócio(a) Efetivo, matrícula n 23703. Tem artigos publicados em revistas nacionais e internacionais .ê vice organizadora de LASERA internacional e presidenta de LASRA Manaus .Participa do projeto Academis STEM da UEA;SAnsung e do projeto interamericano RIED:OEA STEM /STEAM.

Referências

BACICH, L.; HOLANDA, L. STEAM em Sala de Aula: a aprendizagem baseada em projetos integrando conhecimentos na educação básica. 1. ed. Porto Alegre: Penso, 2020. v. 1

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. 5ed. ed. Lisboa: Edições70, 2021. v. 1

COELHO FILHO, M. DE S.; KALHIL, J. B. Reflexões sobre o aspecto metodológico de teses e dissertações em Educação e Ensino de Ciências e Matemática. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, v. 6, n. 3, p. 75–91, 21 dez. 2018. https://doi.org/10.26571/REAMEC.a2019.v6.n3.p75-91.i7720.

DIAS, T. M. DA S. Abordagem STEAM na interface com a BNCC e com o DRC-MT: contribuições para o ensino de Ciências da Natureza. Dissertação de Mestrado—Cuiabá: Instituto Federal de Educação do Mato Grosso - IFMT, 2021. Disponível em: https://ppgen.cba.ifmt.edu.br/media/filer_public/41/1d/411ddacb-55a0-4c27-8b06-d7f60dc154de/dissertacao_-_tatiane_maria_da_silva_dias.pdf. Acesso em setembro de 2022.

FRANCO, M. A. S. Pedagogia da Pesquisa-Ação. Revista Educação e Pesquisa, v. 31, n. 3, p. 483–502, 2005.

GAMBOA, M. V. L.; GONZÁLEZ, C. ML. C.; SOTO, J. F. S. Educación STEM/STEAM: modelos de implementación, estrategias didácticas y ambientes de aprendizaje que potencian las habilidades para el siglo XXI. Latin America Journal of Science Education, v. 7, p. 1–15, 2020. Disponível em: http://www.lajse.org/may20/2020_12002.pdf . Acesso em novembro de 2022.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4 Ed. ed. São Paulo: Atlas, 2002. v. 1

KOHLS-SANTOS, P.; MOROSINI, M. C. O revisitar da metodologia do estado do conhecimento para além de uma revisão bibliográfica. Revista Panorâmica, v. 33, p. 123–145, 2021. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/revistapanoramica/index.php/revistapanoramica/article/view/1318. Acesso em dezembro de 2022.

LORENZIN, M. Formação de professores: vencendo os desafios de implementação do STEAM. Em: BACICH, L.; HOLANDA, L. (Eds.). STEAM em sala de aula: a aprendizagem baseada em projetos integrando conhecimentos na educação básica. 1. ed. Porto Alegre: Penso, 2020. v. 1p. 1–229.

MAIA, D. L.; CARVALHO, R. A. DE; APPELT, V. K. Abordagem STEAM na educação básica brasileira: uma revisão de literatura. Revista Tecnologia e Sociedade, v. 17, n. 49, p. 68, 1 out. 2021. https://doi.org/10.3895/rts.v17n49.13536

MIRANDA, M. G. DE; RESENDE, A. C. A. Sobre a pesquisa-ação na educação e as armadilhas do praticismo. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 33, p. 511–565, 2006. https://doi.org/10.1590/S1413-24782006000300011

MOROSINI, M. C. Estado de conhecimento e questões do campo científico. Educação, v. 40, n. 1, p. 101–116, 24 dez. 2015. https://doi.org/10.5902/1984644415822.

MOROSINI, M. C.; FERNANDES, C. M. B. Estado do Conhecimento: conceitos, finalidades e interlocuções. Educação Por Escrito, v. 5, n. 2, p. 154–164, 13 out. 2014. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2014.2.18875

MOROSINI, M. C.; NASCIMENTO, L. M. DO; NEZ, E. DE. Estado de conhecimento: a metodologia na prática. Humanidades & Inovação, v. 8, n. 55, p. 69–81, 16 dez. 2021. Disponível em: https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/4946. Acesso em novembro de 2022.

PRADANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do Trabalho Científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2 Ed. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

PUGLIESE, G. O. Um panorama do STEAM education como tendência global. Em: BACICH, L.; HOLANDA, L. (Eds.). STEAM em sala de aula: a aprendizagem baseada em projetos integrando conhecimentos na educação básica. 1. ed. Porto Alegre: Penso, 2020a. v. 1p. 1–229.

PUGLIESE, G. O. STEM education – um panorama e sua relação com a educação brasileira. Currículo sem Fronteiras, v. 20, n. 1, p. 209–232, 1 abr. 2020b. https://doi.org/10.35786/1645-1384.v20.n1.12.

RIBEIRO, A.; GRAÇA, T.; MELLO, G. J. Transformação curricular do novo ensino médio sob a ótica da abordagem STEAM. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, v. 10, n. 3, p. e22069, 7 nov. 2022. https://doi.org/10.26571/reamec.v10i3.14268.

SANTOS, I. C. DOS. “Aplicação da Astronomia ao Ensino de Física e Biologia”. Dissertação de mestrado—Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS, 2017. Disponível em: http://tede2.uefs.br:8080/handle/tede/667. Acesso em setembro de 2022.

SANTOS, J. S. DOS. Protozoários “vilões ou mocinhos”? a sua importância ecológica nos ecossistemas. Uma proposta inclusiva para aulas de Ciências. Dissertação de Mestrado—Cuiabá: Universidade Federal do Mato Grosso - UFMT, 2020. Disponível em: https://fisica.ufmt.br/pgecn/index.php/dissertacoes-e-produtos-educacionais/banco-de-dissertacoes/doc_download/356-josefa-silva-dos-santos. Acesso em setembro de 2022.

SEGURA, E.; KALHIL, J. B. A metodologia ativa como proposta para o ensino de ciências. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, v. 3, n. 1, p. 87–98, 30 dez. 2015. https://doi.org/10.26571/2318-6674.a2015.v3.n1.p87-98.i5308

SILVA, D. G. DA; SOUZA, M. R. DE; KALHIL, J. B. Habilidades esenciales para el siglo XXI através de la educación STEM. Latin American Journal Physics Education, v. 15, n. 1, p. 1–5, 2021. Disponível em: http://www.lajpe.org/mar21/15_1_03.pdf. Acesso em janeiro de 2023.

SOUZA, M. R.; SOUZA, J. G. DE P. E. A Educação STEAM: mudando paradigmas. Em: Gestão no ensino superior. [s.l.] Dialética e Realidade, 2021. v. 1p. 82–94. DOI: https://doi.org/10.29327/543811.1-4.

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-Ação. 18. ed. São Paulo: Cortez, 2011. v. 1

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, n. 3, p. 443–466, 2005.

VUERZLER, H. L. Modelo de educação integrativa: a abordagem STEAM em uma proposta de ensino investigativo experienciado em uma Escola Estadual, Cuiabá, MT. Dissertação de Mestrado – Cuiabá: Universidade Federal do Mato Grosso - UFMT, 2020. Disponível em: https://www.profbio.ufmg.br/wp-content/uploads/2021/09/Dissertacao-HUGO-LORIANO-VUERZLER.pdf. Acesso em setembro de 2022.

Downloads

Publicado

2024-01-31

Como Citar

COIMBRA FILHO, S.; GHEDIN, E. .; ARAÚJO, C. S. O. de .; KALHIL, J. D. B. A ALIANÇA DA EDUCAÇÃO STEAM E A PESQUISA-AÇÃO EM DISSERTAÇÕES DEFENDIDAS NO BRASIL. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 12, p. e24004, 2024. DOI: 10.26571/reamec.v12.15952. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/15952. Acesso em: 17 abr. 2024.