ETNOCONHECIMENTO E ENSINO DE CIÊNCIAS: PESQUISAS NA AMAZÔNIA LEGAL ENTRE 2014 E 2021

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v12.15386

Palavras-chave:

Saberes tradicionais, Educação, Ciência, Cultura, Aprendizagem

Resumo

A Região Amazônica brasileira é rica em biodiversidade e cultura dos seus povos. O objetivo deste estudo foi verificar a ocorrência, incidência e tendências metodológicas em teses e dissertações sobre Etnoconhecimento no ensino de Ciências, produzidas entre 2014 e 2021 na Amazônia Legal. É um estudo bibliográfico, do tipo estado do conhecimento, onde a busca dos dados se deu nos repositórios das instituições públicas de pós-graduação dos nove estados que compõem a região investigada. Os resultados mostraram 18 pesquisas realizadas, com somente cinco estados responsáveis pela produção, sendo o Amazonas e o Mato Grosso os com mais publicações. Os professores foram os participantes mais investigados e o Ensino Fundamental II foi o nível mais apresentado. Sobre o tipo de procedimento, a pesquisa de campo se destacou. Diferentes métodos didáticos foram identificados, sendo a aula de campo, os experimentos e o uso de vídeos os mais empregados. Conclui-se que há pesquisas com metodologias diversas envolvendo Etnoconhecimento no ensino de Ciências dentro da Amazônia Legal, mas é necessário que todos os estados dessa região se preocupem com realizar e incentivar mais pesquisas, por cada pós-graduação, aplicadas também a escolas do espaço urbano e com professores em formação inicial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Janaína Costa e Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO), Araguatins, Tocantins, Brasil.

Possui graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Piauí. É docente efetiva com dedicação exclusiva, na área de biologia, no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Tocantins(IFTO) - Campus Araguatins. Atualmente ministra disciplinas na Pós Graduação/Especialização no Ensino de Ciências e Matemática, na graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas e no Ensino médio. Atuou como professora orientadora do Programa Residência Pedagógica. Já esteve como coordenadora do PIBID, também coordenadora do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, além de supervisora e orientadora de estágio. Mestre em Agroenergia pela Universidade Federal do Tocantins- Campus Palmas. Doutoranda em Educação em Ciências e Matemática pela Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (REAMEC) - Pólo UFMT/Cuiabá.

Quitéria Costa de Alcântara Oliveira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO), Araguatins, Tocantins, Brasil.

Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins - IFTO, Campus Araguatins. Graduada em Pedagogia pela Universidade do Tocantins - UNITINS (2002). Especialista nas áreas de Psicopedagogia/Orientação Educacional e em Gestão Educacional e Metodologias de Ensino em Linguagem. Mestre em Educação pela Universidade de Brasília -UnB (2016), na área de Políticas Públicas e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica (https://repositorio.unb.br/handle/10482/19842). Tem experiências na área da Educação, com ênfase em Formação de Professores, Prática Pedagógica, Estágio Supervisionado, Distúrbios de Aprendizagem e Habilidades Socioemocionais. Professora efetiva nos Cursos de Licenciatura em Ciências Biológicas e em Computação, lecionando as disciplinas: História da Educação, Estrutura e Funcionamento da Educação Básica, Psicologia da Educação e Didática. Professora do curso de Pós-graduação Lato Sensu: Especialização em Ensino de Ciências da Natureza e Matemática na disciplina de Didática e Metodologias. Membro atuante do Colegiado dos Cursos de Licenciatura em Ciências Biológicas e Licenciatura em Computação e do Núcleo Docente Estruturante - NDE de ambos os Cursos de Licenciatura. Membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas Afrobrasileiros e Indígenas-NEABI/UFPB. Fomenta prática pedagógica de forma inovadora, atuando com propostas interventivas em parceria com escolas de educação básica e comunidades rurais, tornando-as um laboratório vivo na troca de experiências entre professores em exercício e em formação.

Maria Adriana Santos Carvalho, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO), Formoso do Araguaia, Tocantins, Brasil.

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Goiás (2006), mestrado em Ecologia e Evolução pelo Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Evolução da Universidade Federal de Goiás (2009). É doutoranda do Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática da Rede Amazônica em Educação em Ciências (REAMEC). É professora no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO) desde 2016.

Ilsamar Mendes Soares, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO), Araguatins, Tocantins, Brasil.

Licenciado e Bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT (2006); mestre em Agroenergia pela Universidade Federal do Tocantins - UFT (2013) e doutor em Biodiversidade e Biotecnologia pela UFT. É revisor de periódico da African Journal of Biotechnology; revisor de periódico da African Journal of Biochemistry Research, revisor de periódico da African Journal of Microbiology Research; revisor de periódico da Journal of Medicinal Plant Research. Tem experiência na área Fitoquímica e aproveitamento de resíduos agroenergéticos, atuando principalmente nos seguintes temas: bioenergia, fenóis de plantas, flavonoides, antioxidantes naturais e estudos cromatográficos por cromatografia líquida de alta eficiência - HPLC.

Referências

ALLAIN, L. R.; FRAILE, O. O.; SCHETINO, L. P. L.; RAMOS, P. L.; OLIVEIRA, J. B. Sistemas de conhecimentos científicos e tradicionais de formandos em ciências da natureza na educação do campo: diálogos a partir da teoria ator-rede. Revista Insignare Scientia, v. 3, n. 4, p. 61-80, 2020. INSS: 2595-4520. http://dx.doi.org/10.36661/2595-4520.2020v3i4.11810.

ARAÚJO, L. P. de; MARIANO, W. dos S.; COSTA, D. E.; MELO, E. A. P. de. Relações e reflexões sobre Etnociência e Etnomatemática em sala de aula. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23037, 2023. https://doi.org/10.26571/reamec.v11i1.15323

BASTOS, S. N. D. Etnociências na sala de aula: uma possibilidade para aprendizagem significativa. In: XI Congresso Nacional de Educação. Anais do EDUCERE - Congresso Nacional de Educação, 2013. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/CD2013/pdf/10014_5318.pdf. Acesso em: 05 fev. 2022.

CASTILHO, W. S.; DA SILVA, H. A.; JUNIOR, A. P. O uso de vídeos como recurso pedagógico para o ensino de física: concepções dos estudantes e motivação em um contexto histórico a partir do acidente radiológico com o césio-137 em Goiânia. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological, v. 6, n. 2, p. 02–20, 2021. ISSN: 2446-4821. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/SAJEBTT/article/view/2427. Acesso em: 05 fev. 2022.

DAVID, M. de; PASA, M. C. Articulações entre a etnobotânica e os conhecimentos da disciplina ciências da natureza. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 5, n. 2, p. 249–264, 2017. https://doi.org/10.26571/2318-6674.a2017.v5.n2.p249-264.i5625

DIAS-DA-SILVA, C. D.; SILVA, A. P. Os mapas conceituais como recurso didático potencialmente significativo no percurso da aprendizagem da botânica. Revista de Educação, Ciências e Matemática, v. 9, n. 1, p. 143-165, jan./abr. 2019. ISSN: 2238-2380. Disponível em: http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/recm/article/view/4788#:~:text=Nesse%20sentido%2C%20considerando%20que%20os,de%20ensino%20envolvendo%20o%20uso. Acesso em: 31 jan. 2022.

DURÉ, R. C.; ANDRADE, M. J. D.; ABÍLIO, F. J. P. Ensino de biologia e contextualização do conteúdo: quais temas o aluno de ensino médio relacionam com o seu cotidiano. Revista Experiências em Ensino de Ciências, João Pessoa, v. 13, n. 1, p. 259-271, 2018. ISSN: 1982.2413. Disponível em: https://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID471/v13_n1_a2018.pdf. Acesso em: 14 fev. 2022.

FERREIRA, G.; CAMPOS, M. G. P. A.; PEREIRA, B. L.; SANTOS, G. B. A etnobotânica e o ensino de botânica do ensino fundamental: possibilidades metodológicas para uma prática contextualizada. Flovet, v. 1, n. 9, p. 86-101, 2017. ISSN 1806-8863. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/flovet/article/view/5488. Acesso em: 31 jan. 2022.

FELCHER, C. D. O.; FERREIRA, A. L. A. Da pesquisa-ação à pesquisa participante: discussões a partir de uma investigação desenvolvida no Facebook. Revista Experiências no Ensino de Ciências, Cuiabá, v. 12, n. 07, p. 1-18, 2017. Disponível em: https://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID419/v12_n7_a2017.pdf. Acesso em: 06 fev. 2022.

FESTAS, M. I. F. A aprendizagem contextualizada: análise dos seus fundamentos e práticas pedagógicas. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 3, p. 713-728, jul./set. 2015. ISSN: 1678-4634. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-9702201507128518.

FONSECA, G.; CALDEIRA, A. M. A. Uma reflexão sobre o ensino aprendizagem de ecologia em aulas práticas e a construção de sociedades sustentáveis. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, Ponta Grossa, v. 1, n. 3, p.70-92, set./dez. 2008. ISSN: 1982-873X. http://dx.doi.org/10.3895/S1982-873X2008000300006

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GONÇALVES, E. P. Iniciação à pesquisa científica. Campinas: Alínea, 2001.

KOVALSKI, M. L.; OBARA, A. T. O estudo da etnobotânica das plantas medicinais na escola. Ciência & Educação, Bauru, v. 19, n. 4, p. 911-927, 2013. ISSN: 1980-850X. https://doi.org/10.1590/S1516-73132013000400009.

LOPES, B. E. R.; GOMES, B. M. Defesa de seminários: a argumentação na aprendizagem sobre modelos atômicos no ensino eundamental. Revista Educação Pública, v. 20, n. 13, abr. 2020. ISSN: 1984-6290. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/20/13/defesa-de-seminarios-a-argumentacao-na-aprendizagem-sobre-modelos-atomicos-no-ensino-fundamental. Acesso em: 07 fev. 2022.

MILACH, E. M.; LOUSADA, M. C.; ABRÃO, R. K.; DORNELES, J. E. F. A ilustração científica como uma ferramenta didática no ensino de botânica. Acta Scientiae, Canoas, v. 17, n. 3, p. 672-68, set./dez. 2015. ISSN: 2178-7727. Disponível em: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/acta/article/view/1115. Acesso em: 07 fev. 2022.

MONTEIRO, A. G. M.; YAMAGUCHI, K. K. de L. O enfoque de CTS utilizando o açaí como ferramenta para o ensino de química. Revista on-line Scientia Amazonia, v. 8, n. 3, 2019, p. 41-49. ISSN: 2238.1910. Disponível em: http://scientia-amazonia.org/wp-content/uploads/2019/08/v.-8-n.-3-E41-E49-2019.pdf. Acesso em: 08 fev. 2022.

NASCIMENTO, G. C. C. Mestre dos mares: o saber do território, o território do saber na pesca artesanal. In: CANANÉA, F. A. (Org.). Sentidos de leitura: sociedade e educação. João Pessoa: Imprell, 2013, p. 57-68.

NASCIMENTO, A. S.; CARDOSO, J. V. M.; SILVA, I. S.; MACÊDO, J. R. A. Ensino de biologia: resgate cultural do etnoconhecimento associado ao uso de plantas medicinais. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 5, p. 31084-31096, 2020. https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-533.

PERINI, M.; ROSSINI, J. Aplicação de modelos didáticos no ensino de biologia floral. Inter Science Place, Campos dos Goytacazes, v. 13, n. 3, p. 58-71, jul./set. 2018. ISSN: 1679.9844. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/343485770. Acesso em: 05 fev. 2022.

QUEIROZ, I. N. L. F.; SILVEIRA, I. M. M.; REGO, A. H. G.; MOREIRA, S. A. Educação e etnociência: caminhos da agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, v. 8, n. 2, p. 250-262, 2017. ISSN: 2179-6858. https://doi.org/10.6008/SPC2179-6858.2017.002.0020.

RODRIGUES, C. N.; COLATRELI, O. P.; YAMAGUCHI, K. K. de L. A valorização dos saberes tradicionais utilizando o tucupi amazônico como ferramenta para o ensino de ciências. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 519-539, 2020. ISSN 2318-6674. https://doi.org/10.26571/reamec.v8i2.9968.

RODRIGUES, M. de A.; PASSADOR, R. J. Etnoconhecimento: uma possibilidade de diálogo para o ensino. In: IV Fórum de Educação e Diversidade, 2010, Tangará da Serra. Anais Eletrônicos do IV Fórum de Educação e Diversidade, 2010. Disponível em: http://need.unemat.br/4_forum/artigos/mariana.pdf. Acesso em: 05 fev. 2022.

SARTORI, J.; LONGO, M. Práticas investigativas no ensino de ciências na educação básica. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 9, n. 3, p. e21075, 2021. https://doi.org/10.26571/reamec.v9i3.11976

SEGURA, E.; KALHIL, J. B. A metodologia ativa como proposta para o ensino de ciências. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 87-98, jan./dez. 2015. ISSN 2318-6674. https://doi.org/10.26571/2318-6674.a2015.v3.n1.p87-98.i5308.

SILVEIRA, D. T.; CÓRDOVA, F. P. A pesquisa científica. In: GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (Orgs.). Métodos de pesquisa. 1. ed. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2009, p. 31-42.

SIQUEIRA, A. B.; PEREIRA, S. M. Abordagem etnobotânica no ensino de biologia. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 31, n. 2, p. 247-260, 2014. ISSN: 1517.1256. https://doi.org/10.14295/remea.v31i2.4711.

VOSGERAU, D. S. R.; ROMANOWSKI, J. P. Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Diálogo Educacional, Curitiba, v. 14, n. 41, p. 165-189, jan./abr. 2014. ISSN: 1518-3483. https://doi.org/10.7213/dialogo.educ.14.041.DS08.

Downloads

Publicado

2024-01-31

Como Citar

SILVA, J. C. e .; OLIVEIRA, Q. C. de A.; CARVALHO, M. A. S.; SOARES, I. M. ETNOCONHECIMENTO E ENSINO DE CIÊNCIAS: PESQUISAS NA AMAZÔNIA LEGAL ENTRE 2014 E 2021. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 12, p. e24001, 2024. DOI: 10.26571/reamec.v12.15386. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/15386. Acesso em: 17 abr. 2024.