SABERES ARTICULADOS PARA ENSINAR MATEMÁTICA: PCN EM AÇÃO E TENDÊNCIAS DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v12.16755

Palavras-chave:

Formação do professor, PCN em Ação, Educação matemática, Ensino fundamental]

Resumo

A constituição do saber profissional docente acontece na articulação entre elementos do objeto de ensino e das ferramentas para ensinar, que são mobilizados pelo professor ao longo da trajetória de formação, seja ela inicial ou continuada, nas mais diversas áreas do conhecimento. Este trabalho baseou-se nas discussões da disciplina “Fundamentos histórico-epistemológicos da Educação Matemática”, cursada no doutorado do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da REAMEC. O estudo examina a proposta do PCN em Ação – Matemática em diálogo com as tendências da Educação Matemática, em vista às demandas de profissionalização do professor nas últimas décadas. Trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa, descritiva e exploratória, de cunho bibliográfico e documental, tendo por objetivo analisar as contribuições do PCN em Ação na profissionalização do professor para os anos iniciais. As sequências de atividades propostas pelo PCN em Ação contemplam encaminhamentos metodológicos e orientação didática aos professores, efetivamente sobre o saber-fazer docente. As discussões indicam que a profissionalização do professor deve acontecer permanentemente durante o processo de formação e de ensino. A respeito do saber profissional para ensinar matemática nos anos iniciais, os resultados apontam que o programa priorizou um ensino-aprendizagem contextualizado em situações-problema, visando tornar o aluno protagonista do processo e desmistificar a Matemática como verdade única e estática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Quitéria Costa de Alcântara Oliveira, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO), Araguatins, Tocantins, Brasil.

Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins - IFTO, Campus Araguatins. Graduada em Pedagogia pela Universidade do Tocantins - UNITINS (2002). Especialista nas áreas de Psicopedagogia/Orientação Educacional e em Gestão Educacional e Metodologias de Ensino em Linguagem. Mestre em Educação pela Universidade de Brasília -UnB (2016), na área de Políticas Públicas e Gestão da Educação Profissional e Tecnológica (https://repositorio.unb.br/handle/10482/19842). Tem experiências na área da Educação, com ênfase em Formação de Professores, Prática Pedagógica, Estágio Supervisionado, Distúrbios de Aprendizagem e Habilidades Socioemocionais. Professora efetiva nos Cursos de Licenciatura em Ciências Biológicas e em Computação, lecionando as disciplinas: História da Educação, Estrutura e Funcionamento da Educação Básica, Psicologia da Educação e Didática. Professora do curso de Pós-graduação Lato Sensu: Especialização em Ensino de Ciências da Natureza e Matemática na disciplina de Didática e Metodologias. Membro atuante do Colegiado dos Cursos de Licenciatura em Ciências Biológicas e Licenciatura em Computação e do Núcleo Docente Estruturante - NDE de ambos os Cursos de Licenciatura. Membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas Afrobrasileiros e Indígenas-NEABI/UFPB. Fomenta prática pedagógica de forma inovadora, atuando com propostas interventivas em parceria com escolas de educação básica e comunidades rurais, tornando-as um laboratório vivo na troca de experiências entre professores em exercício e em formação.

Janaína Costa e Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO), Araguatins, Tocantins, Brasil.

Possui graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Piauí. É docente efetiva com dedicação exclusiva, na área de biologia, no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Tocantins(IFTO) - Campus Araguatins. Atualmente ministra disciplinas na Pós Graduação/Especialização no Ensino de Ciências e Matemática, na graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas e no Ensino médio. Atuou como professora orientadora do Programa Residência Pedagógica. Já esteve como coordenadora do PIBID, também coordenadora do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, além de supervisora e orientadora de estágio. Mestre em Agroenergia pela Universidade Federal do Tocantins- Campus Palmas. Doutoranda em Educação em Ciências e Matemática pela Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (REAMEC) - Pólo UFMT/Cuiabá.

Maria Adriana Santos Carvalho, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO), Formoso do Araguaia, Tocantins, Brasil.

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Goiás (2006), mestrado em Ecologia e Evolução pelo Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Evolução da Universidade Federal de Goiás (2009). É doutoranda do Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Matemática da Rede Amazônica em Educação em Ciências (REAMEC). É professora no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO) desde 2016.

Kênya Maria Vieira Lopes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO), Araguatins, Tocantins, Brasil.

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Tocantins (2006), especialização em Planejamento e Docência para o Ensino Superior pela Faculdade Integrada de Araguatins (2007), mestrado em Educação Agrícola pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2011) e doutorado em Educação em Ciências e Matemática pela Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, da Universidade Federal de Mato Grosso, Polo Cuiabá (2022). É Professora (por opção) do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Campus Porto Nacional, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins, atuando principalmente nos seguintes temas: avaliação, formação de professores e profissionalização docente. Recebeu, em 2013, o título de Mãe da Késia, em 2015, o prêmio Mãe do Samuel e, em 2021, a menção honrosa de Mãe da Ester. Menções que têm lhe proporcionado novas aprendizagens no campo teórico e prático da educação infantil.

Referências

AMARAL, Gislene Alves do. Políticas de formação dos profissionais da educação no Brasil no período de 1996-2015: contornos e desenvolvimento.199 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal, Uberlândia, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufu.br. Acesso em: 11 dez. 2022. Acesso em: 02 fev. 2023.

ARAÚJO, Jussara de L. Uma abordagem sócio-crítica da modelagem matemática: a perspectiva da educação matemática crítica. Alexandria, Florianópolis, v. 2, n. 2, p. 55-68, jul. 2009.

BARTON, B. Ethnomathematics and indigenous people’s education. In: CD ROM do II CIEM, 2002.

BASSANEZI, R. C. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

BIEMBENGUT, Maria S. Modelagem matemática e implicações no ensino aprendizagem de matemática. Blumenau: FURB, 1999.

BIEMBENGUT, Maria S.; HEIN, N. Modelagem matemática no ensino. São Paulo: Contexto, 2009.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 20 jun. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais (1ª a 4ª séries). 10 vol. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997. 142 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: matemática (1º e 2º ciclos do ensino fundamental). Brasília: MEC/SEF, 1997. 142 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. Programa de desenvolvimento profissional continuado. Parâmetros em Ação, v. I. Brasília: MEC/SEF, 1999.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa de desenvolvimento profissional continuado. Brasília: MEC/SEF, 2000 (Parâmetros em Ação, v. I).

BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. Ensino de matemática e educação matemática: algumas considerações sobre seus significados. Bolema, Rio Claro, n. 13, p. 1-11, 1999.

BURAK, D.; KLUBER, T. E. Educação matemática: contribuições para a compreensão de sua natureza. Acta Scientiae ULBRA, Canoas, v. 10, p. 93-106, jul./dez. 2008.

CARVALHO, Odair França de. Pedagogia de Projetos: reflexos de uma ação de formação. 2006. 131 p. Dissertação. Mestrado em Educação – Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS. Disponível em: https://repositorio.ufms.br/bitstream/123456789/808/1/Odair%20Fran%C3%A7a%20de%20Carvalho.pdf. Acesso em: 24 jan. 2023.

CARVALHO, M. A. S. .; NICOLLI, A. A.; SILVA, J. C. e .; OLIVEIRA, Q. C. de A. Temas transversais na educação básica: o que dizem as pesquisas desenvolvidas de 2017 a 2021?. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23058, 2023. https://doi.org/10.26571/reamec.v11i1.15302

CLEMENT, L.; TERRAZZAN, E. A. Atividades didáticas de resolução de problemas e o ensino de conteúdos procedimentais. Revista Electrónica de Investigación en Educación en Ciencias, Buenos Aires, v. 6, n. 1, p. 87-101, jul. 2011.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. São Paulo: Ática, 1990.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: um programa da educação matemática. Revista da Sociedade Brasileira de Educação Matemática, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 5- 11, 1993.

D'AMBROSIO, U. Educação Matemática: da teoria à prática. 23ª ed. Campinas: Papirus, 2012.

HIGGINSON, W. On the foundation of mathematics education. Documento mimeografado, 1980.

HOFSTETTER, R.; SCHNEUWLY, B. Profissionalização e formação de professores: uma tipologia dos saberes de referência para a docência. In: VALENTE, W. R. (Org.). Ciências da educação, campos disciplinares e profissionalização: saberes em debate para a formação de professores. São Paulo: LF Editorial, 2020.

GARCIA, Carlos Marcelo. Formação de professores: para uma mudança educativa. 2. ed. Portugal: Porto,1999.

OPES, L. S.; ALVES, A. M. M. A história da matemática em sala de aula: propostas de atividades para a educação básica. In: XX Encontro Regional de Estudantes de Matemática da Região Sul. Anais eletrônicos do XX EREMAT – Encontro Regional de Estudantes de Matemática da Região Sul, 2014. Disponível em: http://anaisjem.upf.br/download/de-24-lopes.pdf. Acesso em: 20 ago. 2023.

MENDES, Iran Abreu. Investigação histórica no ensino da matemática. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna LTDA, 2009.

MEYER, João F. da C. de; CALDEIRA, Ademir D.; MALHEIROS, Ana P. dos S. Modelagem em educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. (Coleção Tendências em Educação Matemática).

MONTERO, Lourdes. A construção do conhecimento profissional docente. Lisboa: Instituto Piaget, 2001.

MONTEIRO, Alexandrina; POMPEU JR., Geraldo. A matemática e os temas transversais. São Paulo: Moderna, 2001.

NEGRÃO, F. da C.; GONZAGA, A. M.; AZEVEDO, R. O. M. .; ANIC, C. C. Aprendizagem da docência e formação de professores que ensinam matemática: uma revisão de literatura. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 11, n. 1, p. e23038, 2023. https://doi.org/10.26571/reamec.v11i1.14854

OLIVEIRA, G. S., GUELLI, K. G. M., CARDOSO, M. R. G. Reflexões sobre o Ensino e Aprendizagem da Matemática e o Papel do Professor. In: OLIVEIRA, G. S. (org). Metodologia do Ensino de Matemática na Educação Infantil. Uberlândia: FUCAMP, 2019. p. 15 – 38.

ONUCHIC, L. R.; ALLEVATO, N. G. Pesquisa em resolução de problemas: caminhos, avanços e novas perspectivas. Bolema, Rio Claro, v. 25, n. 41, p. 73-98, dez. 2011.

RIBEIRO, F. D. Jogos e modelagem na educação matemática. São Paulo: Saraiva, 2009.

SILVA, Adelmo C. da. Paradigmas educacionais: contribuições para o ensino de matemática. In: SILVA, Adelmo C. da (Org.). Ensinar matemática: formação, investigação e práticas docentes. Cuiabá: EDUFMT, 2012.

SMOLE, K. S.; DINIZ, M. I.; MILANI, E. Cadernos do Mathema: jogos de matemática de 6° a 9° ano. Porto Alegre: Artmed, 2007.

VALENTE, W. R. Os saberes para ensinar matemática e a profissionalização do educador matemático. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 17, n. 51, p. 207-222, 2017. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/1891/189150155011.pdf. Acesso em: 20 mar. 2022.

VALENTE, W. R.; BERTINI, L. de F.; MORAIS, R. dos S. Saber profissional do professor que ensina matemática: discussões teórico-metodológicas de uma pesquisa coletiva em perspectiva histórica. Revista Brasileira de História da Educação, v. 21, 2021, vol.21, e161. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/scielo.php?pid=S2238-00942021000100124&script=sci_abstract. Acesso em: 5 mar. 2024.

ZANLORENSE, M. J.; LIMA, M. F. Os princípios teóricos e metodológicos dos Parâmetros em Ação: um olhar sobre a formação docente. Revista online de Política e Gestão Educacional, Araraquara, n. 7, p. 33–56, 2009. https://doi.org/10.22633/rpge.v0i7.9253

Downloads

Publicado

2024-04-24

Como Citar

OLIVEIRA, Q. C. de A.; SILVA, J. C. e .; CARVALHO, M. A. S. .; LOPES, K. M. . V. . SABERES ARTICULADOS PARA ENSINAR MATEMÁTICA: PCN EM AÇÃO E TENDÊNCIAS DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 12, p. e24024, 2024. DOI: 10.26571/reamec.v12.16755. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/16755. Acesso em: 19 jun. 2024.