O DEBATE CIENTÍFICO NA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESDOBRAMENTOS EXPRESSOS NOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO EM UMA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS

Autores

  • Kleber Tuxen Carneiro Universidade Federal de Lavras/MG – DEF – Departamento de Educação Física. http://orcid.org/0000-0003-0826-6172
  • Bruno Adriano Rodrigues Silva Universidade Federal de Lavras/MG – DEF – Departamento de Educação Física.
  • Bianca Stefany da Costa Santos Universidade Federal de Lavras/MG – DEF – Departamento de Educação Física.

Palavras-chave:

Epistemologia, Trabalho de Conclusão de Curso, Licenciatura em Educação Física.

Resumo

O artigo analisou os Trabalhos de Conclusão de Curso desenvolvidos no curso de Licenciatura em Educação Física de uma universidade no estado de Minas Gerais, produzidos entre os anos de 2010 e 2016. Conjeturou-se que o debate mais amplo no campo científico da Educação Física reverberou nas escolhas que fundamentaram e subsidiaram tais produções. Quanto aos aspectos metodológicos, trata-se de uma pesquisa sob pressupostos qualiquantitativos. Os resultados evidenciaram um número expressivo de TCC que analisaram a temática da Educação Física escolar, porém, perfaz um percentil tímido, visto que não equivale nem a metade do total de trabalhos. O cenário se complexifica à medida que a soma do número de TCC que analisaram outras temáticas quase se equipara aos das pesquisas que observaram o espaço escolar, visto se tratar de um curso de licenciatura. Diante do cenário cotejado, entende-se que uma saída auspiciosa seria pensar perspectivas científicas interdisciplinares, por intermédio de uma epistemologia da prática.

Biografia do Autor

Kleber Tuxen Carneiro, Universidade Federal de Lavras/MG – DEF – Departamento de Educação Física.

Graduado em Educação Física e Pedagogia, com especialização em Pedagogia do Movimento, Mestrado e Doutorado em Educação Escolar. Desenvolve Estágio de Pós-Doutoramento junto a FCA/Unicamp. Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Lavras/MG – DEF – Departamento de Educação Física, tal como no programa de Mestrado em Educação da mesma instituição.

Bruno Adriano Rodrigues Silva, Universidade Federal de Lavras/MG – DEF – Departamento de Educação Física.

Licenciado em Educação Física; Mestre e Doutor em Educação, com Estágio de Pós-Doutoramento pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) sob o escrutínio das políticas para Educação em tempo integral. Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Lavras/MG – DEF – Departamento de Educação Física.

Bianca Stefany da Costa Santos, Universidade Federal de Lavras/MG – DEF – Departamento de Educação Física.

Licenciada em Educação Física. Com especialização em dança e atividades rítmicas.

Referências

AMBROSETTI, Neusa e colaboradores. Contribuições do PIBID para a formação inicial de professores: o olhar dos estudantes. Educação em Perspectiva, v. 4, n. 1, p. 151-174, 2013.

ANDRÉ, Marly e colaboradores. O trabalho docente do professor formador no contexto atual das reformas e das mudanças no mundo contemporâneo. Revista brasileira de estudos pedagógicos, v. 91, n. 227, p. 122-143, 2010.

ARROYO, Miguel. Condição docente, trabalho e formação. In: SOUZA, João Valdir A. (Org.). Formação de professores para a educação básica: dez anos da LDB. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2007.

SANTOS BAGGI, Cristiane; LOPES, Doraci. Evasão e avaliação institucional no ensino superior: uma discussão bibliográfica. Avaliação, v. 16, n. 2, p. 355-374, 2011.

BETTI, Mauro. Educação física escolar: ensino e pesquisa-ação. 2. ed. Ijuí, RS: Unijuí, 2013.

BETTI, Mauro. Por uma teoria da prática. Motus corporis, v. 3, n. 2. p. 51-72, 1996.

BETTI, Mauro. Educação física e sociedade. São Paulo: Movimento, 1991.

BIM, Ricardo. Temática dos trabalhos de conclusão de curso (TCC) produzidos por acadêmicos de educação física. Diálogos & Saberes, v. 8, n. 1, p. 233-246, 2012.

BRACHT, Valter. Educação física & ciência: cenas de um casamento (in) feliz. Revista brasileira de ciências do esporte, v. 22, p. 53-63, 2000.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 24 maio 2016.

BRASIL. Lei 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 23 dezembro 1996.

BUENO, Diego. O problema da evasão no curso de licenciatura em educação física da Universidade Federal de Lavras. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação Física). Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG, 2018.

CARNEIRO, Kleber. O jogo na educação física: as concepções dos professores. São Paulo: Phorte, 2012.

CHALMERS, Alan. A fabricação da ciência. São Paulo: UNESP, 1994.

CHAVES-GAMBOA, Marcia; SANCHEZ-GAMBOA, Silvio. Pesquisa na educação física: epistemologias, escola e formação profissional. Maceió, AL: EdUFAL, 2009.

CRESWELL, Jonh; PLANO-CLARK, Vicki; LOPES, Magda. Pesquisa de métodos mistos. 2. ed. Porto Alegre, RS: Penso, 2013.

DARIDO, Suraya Cristina. Diferentes concepções sobre o papel da educação física na escola. In: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. PROGRAD. Caderno de formação: formação de professores didática geral. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012.

FARIA JUNIOR, Alfredo Gomes de. A contribuição da pós-graduação para o desenvolvimento do corpo de conhecimentos da educação física (1975-1984). Rio de Janeiro: [s.n], 1987.

FLICK, Uwe. An introduction to qualitative research. 4. ed. Thousand Oaks: Sage, 2009.

FOUREZ, Gérard. A construção das ciências: introdução à filosofia e à ética das ciências. São Paulo: Unesp, 1995.

GATTI, Bernadete; NUNES, Marina (Orgs.). Formação de professores para o ensino fundamental: estudo de currículo das licenciaturas em pedagogia, língua portuguesa, matemática e ciências biológicas. São Paulo: FCC, 2009.

HAGEMEYER, Regina. Dilemas e desafios da função docente na sociedade atual: os sentidos da mudança. Educar, n. 24, p. 67-85, 2004.

HAAG, Herbert. Theoretical foundation of sport science as a scientific discipline: contribution to a philosophy of sport science. Schorndorf: Verlag Karl Hofmann, 1994.

HALLAL, Pedro Cury; MELO, Victor Andrade de. Crescendo e enfraquecendo: um olhar sobre os rumos da educação física no Brasil. Revista brasileira de ciências do esporte, v. 39, n. 3, p. 322-327, 2016.

HENRY, Franklin. Physical education: an academic discipline. JOHPER, n. 35, p. 32-38, 1964.

HENRY, Franklin. The academic discipline of physical education. Quest, n. 29, p. 13-29, 1978.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. 9. ed. São Paulo: Perspectiva, 2006.

LOVISOLO, Hugo. Pós-graduações e educação física: paradoxos, tensões e diálogos. Revista brasileira de ciências do esporte, v. 20, n. 1, p. 11-21, 1998.

MARCELLINO, Nelson Carvalho. Lazer e educação. Campinas, SP: Papirus, 2009.

MELO, Anairtes e colaboradores. Análise dos trabalhos de conclusão de curso da graduação em Fisioterapia. CIENTEfico, v. 17, N. 35, p. 1-23, 2017.

HUBERMAN, Michael; MILES, Mathew. Qualitative data analysis: a methods sourcebook. 3. ed. Thousand Oaks: Sage, 2014.

PERPÉTUO, Lays. Experiências formativas no Programa Institucional de Bolsa de Iniciação á Docência: PIBIDeducação física na UFLA. 71f. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação Física). Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG, 2014.

PIMENTA, Selma. Formação de professores: saberes e identidade da docência. In: PIMENTA, Selma Garrido (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999.

PIMENTA, Selma; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e docência: diferentes concepções. Revista Poíesis, v. 3, n. 3 e 4, p. 5-24, 2005/2006.

REZER, Ricardo e colaboradores. Um diálogo com diferentes “formas-de-ser” da educação física contemporânea – duas teses (não) conclusivas... Pensar a prática, Goiânia, v. 14, n. 2, p. 1-14, 2011.

SACRISTÁN, J. Gimeno. Poderes instáveis em educação. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1999.

SAMPIERI, Roberto; COLLADO, Carlos; LUCIO, Maria. Metodologia de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Penso, 2013.

SILVA, Valdete e colaboradores. Análise dos trabalhos de conclusão de curso da graduação em enfermagem da UNIMONTES. Revista eletrônica de enfermagem, v. 11, n. 1, p. 133-143, 2009.

SÉRGIO, Manuel. Para uma epistemologia da ciência da motricidade humana. 2. ed. Lisboa, Portugal: Compendium, 1987.

SILVA, Bruno; CARNEIRO, Kleber; BARRETO, Thamires. O PIBID na ótica dos coordenadores de área no curso de licenciatura em educação física da UFLA: impressões sobre a formação inicial. Corpoconsciência, v. 21, n. 03, p. 66-81, set./dez, 2017.

TANI, Go. Cinesiologia, Educação física e esporte: ordem imanente do caos na estrutura acadêmica. Motus corporis, v. 3, n. 2, p. 9-50, 1996.

TANI, Go. Leituras em educação física: retratos de uma jornada. São Paulo: Phorte, 2011.

Downloads

Publicado

2019-04-03

Como Citar

Carneiro, K. T., Silva, B. A. R., & Santos, B. S. da C. (2019). O DEBATE CIENTÍFICO NA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESDOBRAMENTOS EXPRESSOS NOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO EM UMA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Corpoconsciência, 23(1), 25-36. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/7656

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)