A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO RELATIVA AO ULTIMATE FRISBEE NO DECÊNIO (2009-2019)

O QUE EVIDENCIAM OS ARTIGOS?

Autores

  • Kleber Tuxen Carneiro Universidade Federal de Lavras/MG - UFLA
  • Angélica de Souza Silva Universidade Federal de Lavras/MG - UFLA

DOI:

10.51283/rc.v25i1.11171

Palavras-chave:

Ultimate Frisbee; Balanço de Produção; Educação Física.

Resumo

O artigo trata de apresentar uma revisão literária sistemática, cujo objetivo central consistiu em mapear artigos publicados em periódicos nacionais, dedicados ao entendimento do Frisbee, no interstício temporal de 2009 a 2019. A pesquisa se assentou numa perspectiva qualiquantitativa. Para formular as categorias de análises, empregamos os pressupostos da homogeneidade interna, heterogeneidade externa, inclusividade e plausividade, somado ao princípio de análise inferencial, de maneira a possibilitar tanto à elaboração das categorias de análise quanto subsidiar ilações relativas às produções mapeadas. Após o emprego de todo o delineamento metodológico, constatou-se o total de 52 revistas, considerando todas as estratificações na subárea da Educação Física, com efeito, constatou-se três artigos atinentes ao Ultimate Frisbee. Os mesmos foram analisados no interior de três categorias analíticas, quais sejam: Participação; Sistematização Pedagógica e Gênero. Em linhas gerais, o que fica patente a luz de nossa investigação é a tendência de aumento no somatório das produções, a julgar o decênio cotejado, muito embora tenha havido uma quantidade equitativa nos últimos três anos.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 5. ed. Lisboa: Edições 70, 2009.

BRASIL. Resolução n. 2, de 19 de fevereiro de 2002. Carga Horária dos Cursos de Formação de Professores. Diário Oficial da União, Brasília, 4 mar., Seção 1, p. 9. Oficial da União de 18/1/2002, Seção 1, p. 31, 2002.

BRASIL. Resolução n. 7, de 31 de março de 2004. Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Educação Física. Diário Oficial da União, Brasília, 5 abr., Seção 1, p. 18, 2004.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNC C_20dez_site.pdf. Acesso em: 22 de dezembro de 2019.

BORGES, Robson Machado e colaboradores. Ultimate frisbee. In: GONZÁLEZ, Fernando Jaime; DARIDO, Suraya Cristina; OLIVEIRA, Amauri Aparecido Bássoli de. (Orgs.). Esportes de invasão: basquetebol, futebol, handebol, ultimate frisbe. Maringá, PR: Eduem, 2017.

CARNEIRO, Kleber Tuxen. Por uma memória do jogo: a presença do jogo na infância das décadas de 20 e 30. Curitiba, PR: Appris, 2017.

CASTELLANI FILHO, Lino. Política educacional e educação física. Campinas, SP: Autores Associados, 1998.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR – CAPES. Classificação da produção intelectual, 2009. Disponível em: http://www.capes.gov.br /avaliacao/instrumentos-de-apoio/classificacao-da-producao-intelectual. Acesso em: 03 de jun. 2020.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR – CAPES. Documento de área e comissão, 2013. Disponível em: https://docs.google.com/viewer ?a=v&pid=sites&srcid=Y2FwZXMuZ292LmJyfHRyaWVuYWwtMjAxM3xneDoyODNmNjljODc1OTRjZTU. Acesso em: 03 de jun. 2020.

COSTA, Felipe Rodrigues da e colaboradores. Perfil e motivações de praticantes de ultimate frisbee na Universidade de Brasília. Cadernos de formação RBCE, v. 8, n. 2, p. 84-94, set. 2017.

COSTA, Felipe Rodrigues da e colaboradores. Leitura pedagógica das regras de ultimate: uma versão em português para uso na iniciação. Brasília, DF: Universidade de Brasília, 2018. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/33152. Acesso em: 21 set. 2020.

CRESWELL, John W.; CLARK, Vicki L. Plano. Pesquisa de métodos mistos: série métodos de pesquisa. 2. ed. Porto Alegre, RS: Penso, 2013.

FATTA, Giovanni Laporte e colaboradores. Gestão e estrutura organizacional no futebol: uma revisão sistemática. Revista intercontinental de gestão desportiva, 6, jun., 2016. Disponível em: http://www.revista.universo.edu.br/index.php?journal=gestaoesportiva&page=article&op=view&path%5B%5D=2333&path%5B%5D=2438. Acesso em: 10 Dez. 2020.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. Campinas, SP: Papirus, 1994.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2009.

FORTES, Bruno Silveira; CONRADO, Júlia Martimbianco. Os traços de personalidade dos jogadores de futebol: uma revisão sistemática. Revista da graduação, v. 5, n. 1, 31 mai., 2012.

IMPOLCELTTO, Fernanda Moreto; DARIDO, Suraya Cristina. O “estado da arte” do voleibol e do voleibol na escola. Revista brasileira de ciência e movimento, v. 24, n. 4, p. 175-186, 2016.

KOFINAS, Alexander; SAUR-AMARAL, Irina. 25 years of knowledge creation processes in Pharmaceutical Contemporary Trends. Comportamento organizacional e gestão, v. 14, n. 2, p. 257-280, 2008.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 3. ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2008.

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, SP: EPU, 1986.

OLIVEIRA, Erica dos Santos e colaboradores. Sistematização do ultimate frisbee para educação física. Cadernos de formação RBCE, v. 9, p. 20-32, mar., 2018.

PAES, Roberto Rodrigues. Educação física escolar: o esporte como conteúdo pedagógico do ensino fundamental. 1996. 198f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1996.

REVERDITO, Riller Silva; SCAGLIA, Alcides José; MONTAGNER, Paulo César. Pedagogia do esporte: aspectos conceituais da competição e estudos aplicados. São Paulo: Phorte, 2013.

PIRES, Veruska e colaboradores. Identidade docente e educação física: um estudo de revisão sistemática. Revista portuguesa de educação, v. 30, n. 1, p. 35-60, jun., 2017.

PUCCINELLI, Fernanda Mauro. A construção de consensos dentro de jogos competitivos – um estudo de caso: ultimate frisbee. 2006. 59f. Monografia (Licenciatura em Educação Física). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2006.

RIBEIRO, Yuri; MEZQUITA Luis; VECCHIO, Fabrício Del. Revisão sistemática dos efeitos do futebol recreacional em adultos não atletas. Revista brasileira de atividade física e saúde, v. 18, n. 6, p. 655-668, nov., 2013.

SAMPAIO, Rosana Ferreira; MANCINI, Marisa Cotta. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Revista brasileira de fisioterapia, v. 11, n. 1, p. 83-89, fev., 2007.

SAMPIERI, Roberto Hernández; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO, Maria del Pilar Baptista. Metodologia de pesquisa. Porto Alegre, RS: Penso, 2013.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & realidade, v. 20, n. 2, p. 71-79, jul./ dez., 1995.

SILVEIRA, Ana Aparecida Tavares da; DIAS, Maria Aparecida. Repensando as relações de gênero nas vivências do ultimate frisbee na escola. Motrivivência, v. 31, n. 58, p. 1-15, abr./ jul., 2019.

TEIXEIRA, Fábio Luís Santos; CAMINHA, Iraquitan de Oliveira. Preconceito no futebol feminino brasileiro: uma revisão sistemática. Movimento, v. 19, n. 1, p. 265-287, jan./ mar., 2013.

TOMITA, Andréa Setsuko Fortuna; CANAN, Felipe. A utilização de modalidades esportivas não tradicionais em aulas de educação física escolar. Corpoconsciência, v. 23, n. 2, p. 13-25, mai./ ago., 2019.

Downloads

Publicado

2021-03-29

Como Citar

Carneiro, K. T., & Silva, A. de S. (2021). A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO RELATIVA AO ULTIMATE FRISBEE NO DECÊNIO (2009-2019): O QUE EVIDENCIAM OS ARTIGOS? . Corpoconsciência, 25(1), 1-22. https://doi.org/10.51283/rc.v25i1.11171

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)