O QUE É CIÊNCIA AFINAL? DIÁLOGOS NO CONTEXTO ESCOLAR

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v9i1.11176

Palavras-chave:

Educação Científica, Iniciação Científica, Ensino Médio, . Educação Básica, Análise Textual Discursiva

Resumo

Este estudo buscou investigar, por meio de uma pesquisa qualitativa de caráter exploratório, qual a visão de alunos, da primeira série do Ensino Médio de duas escolas do município de Araguaína (TO), sobre o conceito de Ciência. Para tanto, buscou-se através dos preceitos da Análise Textual Discursiva, proposta por Moraes e Galiazzi, analisar os dados obtidos através da aplicação de um questionário, que direcionou a criação de quatro categorias de análise, auxiliando na discussão desses dados. Desse modo, foi possível inferir que ainda há entre os estudantes, a presença de concepções incoerentes a respeito da natureza da ciência, demonstrando a importância de estudos como este, que pautam o contexto escolar, além da necessidade de formação dos professores que atuam nessa área. Assim, os resultados deste estudo nos levam à ideia de que para que a educação científica ocorra sem entraves, esta deve buscar por meio das discussões em sala de aula, a respeito da ciência, uma abordagem de todos os aspectos referentes a ela, pautando-se não só nos resultados finais de atividades bem-sucedidas dentro do contexto científico, mas na sua construção histórica, que perpassa as dúvidas e teorias, característica esta que contribui para uma visão mais adequada do tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Camila Pereira dos Santos, Universidade Federal do Tocantins

Professora de Biologia e Ciências da rede pública de ensino do estado do Tocantins.Supervisora do Programa de Iniciação a Docência- PIBID do subprojeto PIBID Biologia. Possui graduação em Licenciatura em Biologia pela Universidade Federal do Tocantins - UFT (2016). Cursando mestrado em Ensino de Ciências e Matemática ( PPGecim) - UFT.

Wagner dos Santos Mariano, Universidade Federal do Tocantins

Possui graduação em Biologia Licenciatura e Bacharelado pela Universidade Católica Dom Bosco (2000), mestrado em Ciências Fisiológicas pela Universidade Federal de São Carlos (2006) e doutorado em Biodiversidade e Biotecnologia pela Universidade Federal do Amapá (2017). Professor Adjunto II do Curso de Licenciatura em Biologia da Universidade Federal do Tocantins. Chefe do Setor de Gestão de Ensino do Hospital de Doenças Tropicais da Universidade Federal do Tocantins (HDT-UFT). Professor Efetivo dos Mestrados: Programa de Pós-Graduação em Sanidade Animal e Saúde Pública nos Trópicos e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática. Tem se dedicado a pesquisas em: Doenças Emergentes e Reemergentes; Saúde Pública; Ensino de Ciências e Saúde. 

Referências

AULER, D.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científico-tecnológica para quê? Ensaio - Pesquisas em Educação em Ciências: v. 3, n. 1, p. 1-13, 2001.

AVANZI, M. R. et al. Concepções sobre a Ciência e os Cientistas entre Estudantes do Ensino Médio do Distrito Federal. In: VIII ENPEC, 2011. Resumos eletrônicos. Disponível em: http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/viiienpec/resumos/R1113-2.pdf. Acesso em: 20 fev. 2020.

BORGES, A. P. A. et al. Visões de Ciência e Cientista utilizando representações artísticas, entrevistas e questionários para sondar as concepções entre alunos da primeira série do Ensino Médio. In: Anais do XV Encontro Nacional de Ensino de Química, Brasília: Universidade de Brasília, 2010. p. 1-10. Disponível em: http://www.sbq.org.br/eneq/xv/resumos/R1219-1.pdf. acesso em 20 de fev. 2020.

BRASIL. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Volume 2. Brasília: MEC, 2006. p. 1-140. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_02_internet.pdf. acesso em 8 de fev. de 2020.

CARDOSO, N. A.; TREVISAN, E. P.; ULIANA, M. R. O QUE É CIÊNCIA NA CONCEPÇÃO DE LICENCIANDOS DE DOIS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA UFMT. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 127-143, 2015. DOI: 10.26571/2318-6674.a2015.v3.n1.p127-143.i5311. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/5311. Acesso em: 8 nov. 2020.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, ANPEd, v.26, p.89-100. 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n22/n22a09.pdf. acesso em 20 de fev. de 2020.

CRESWELL, J. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2010. p. 1-296. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/les/article/view/11610/10220. acesso em 12 de fev. de 2020.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2007.

DEMO, P. Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, 2000.

FILHO. P. S. de C.; ZOMPERO, A. S.; LABURÚ, C. E. Alfabetização Científica e propostas curriculares para o ensino de Ciências. In: I Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – XI ENPEC, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2017. Disponível em: http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R1758-1.pdf. Acesso em: 24 fev. 2020.

FRACALANZA, H; AMARAL, I.A.; GOUVEIA, M. S. O ensino de ciências no primeiro grau. São Paulo: Atual, 1987. 124 p.

FREIRE-MAIA, N. A ciência por dentro. 5. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v33n3/a04v33n3.pdf. Acesso em: 1 mai. 2019.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. , 41 p.

GIL-PÉREZ, D. et al., Para uma imagem não deformada do trabalho científico, Ciência e Educação 7, 125-153 (2001).

HABERMAS, J. A ideia de universidade: processos de aprendizagem. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 74, n. 176, p. 111-113, jan./abr. 1993. DOI: https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.74i176.1217.

HABERMAS, J. Verdade e justificação: ensaios filosóficos. Tradução Milton Camargo Mota. São Paulo: Loyola, 2004.

HABERMAS, J. Conhecimento e interesse. Técnica e ciências como “ideologia”. Lisboa: Edições 70, 2006. p. 129-147.

KOSMINSKY, L.; GIORDAN, M. Visões de ciências e sobre o cientista entre estudantes do Ensino Médio. Química Nova na Escola. São Paulo, n. 15, p. 11-18, 2002.

LONARDONI, C. M.; CARVALHO, de M. Alfabetização Científica e a formação do cidadão. 2007. 32 f. Trabalho de conclusão do Plano de Desenvolvimento da Educação- PDE. Rolândia, Paraná, 2007. Disponível em: http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/producoes_pde/artigo_maria_cristina_lonardoni.pdf. acesso em 20 de fev. de 2020.

MASLOW, A. As necessidades de conhecimento e o seu condicionamento pela mente e pela coragem. In: DEUS, J. D. (org.). A crítica da ciência: sociologia e ideologia da ciência. Rio de Janeiro, 1979.

MORAES, R. Uma Tempestade de Luz: a Compreensão Possibilitada pela Análise Textual Discursiva. Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 191-211, out. 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ciedu/v9n2/04.pdf. acesso em 20 de fev. de 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-73132003000200004

MORAES, R.; GALIAZZI, M. do C. Análise Textual Discursiva. Ed. Unijuí, 3º edição, 2016. p. 191-211.

MORAIS, R. de. Filosofia da ciência e da tecnologia. 5. ed. São Paulo : Papirus, 1988.

PORTO, A.; RAMOS, L.; GOULART, S. Um olhar comprometido com o ensino de ciências. ---1.ed. cap. 1, p. 12. Belo Horizonte, editora FAPI. 2009.

RAMOS, F. P.; NEVES, M. C. D.; CORAZZA, M. J. A ciência moderna e as concepções contemporâneas em discursos de professores-pesquisadores: entre rupturas e a continuidade. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias- Vol 10, Nº 1, p. 84-108. 2011. Disponível em: http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen10/ART5_Vol10_N1.pdf. Acesso em: 1 mai. 2019.

REIS, P.; RODRIGUES, S.; SANTOS, F. Concepções sobre os cientistas em alunos do 1º ciclo do Ensino Básico: “Poções, máquinas, monstros, invenções e outras coisas malucas”. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, Vol. 5 Nº 1, p. 51-17. 2006.

SANTOS, W. L. P. dos.; MORTIMER, E. F. Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência - Tecnologia - Sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 2, n. 2, p. 1–24. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/epec/v2n2/1983-2117-epec-2-02-00110.pdf. acesso em 13 de maio de 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-21172000020202.

SILVA, A. F. da FERREIRA, J. H. VIERA. O ensino de ciências no ensino fundamental e médio: reflexões e perspectivas sobre a educação transformadora. Revista Exitus, Santarém/PA, Vol. 7, N° 2, p. 283-304, Maio/Ago. 2017. Disponível em: http://www.ufopa.edu.br/portaldeperiodicos/index.php/revistaexitus/article/view/314/262. acesso e 13 de maio de 2020. DOI: https://doi.org/10.24065/2237-9460.2017v7n2ID314.

SOUSA, R. S. de.; GALIAZZI, M. do C. Categoria na análise textual discursiva: sobre método e sistema em direção à abertura interpretativa. Revista Pesquisa Qualitativa. São Paulo (SP), v.5, n.9, p. 514-538, dez. 2017.Disponível em: https://editora.sepq.org.br/rpq/article/view/130/97. acesso em 20 de maio de 2020.

VOLPATO, G. L. Autoria Científica: Por que tanta polêmica? Revista de Gestão e Secretariado - GeSec, São Paulo, v. 7, n. 2, p 195-210,mai./ago. 2016. Disponível em: https://www.revistagesec.org.br/secretariado/article/view/597. acesso em 14 de maio de 2020.

Downloads

Publicado

2021-03-30

Como Citar

SANTOS, C. P. dos; MARIANO, W. dos S. . O QUE É CIÊNCIA AFINAL? DIÁLOGOS NO CONTEXTO ESCOLAR. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 1, p. e21024, 2021. DOI: 10.26571/reamec.v9i1.11176. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/11176. Acesso em: 21 abr. 2021.

Edição

Seção

Educação em Ciências