FORMAÇÃO INTERDISCIPLINAR DE PROFESSORES: PERCEPÇÕES DE EGRESSOS DE UM CURSO DE CIÊNCIAS NATURAIS E MATEMÁTICA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v8i2.9967

Palavras-chave:

Formação de Professores. Licenciatura Interdisciplinar. Curso de Licenciatura em Ciências Naturais e Matemática. Interdisciplinaridade.

Resumo

No presente artigo nos propomos a discutir sobre a formação inicial de professores de Ciências e Matemática, com o intuito de indicar potencialidades e fragilidades de uma proposta de formação interdisciplinar posta em ação. Apresentamos um estudo, fruto de uma tese defendida em 2018, realizado com 64 egressos do curso de Licenciatura em Ciências Naturais e Matemática (LCNM) da Universidade Federal de Mato Grosso, Câmpus Universitário de Sinop. A pesquisa apresenta uma abordagem quali-quantitativa, que analisa os dados produzidos por meio de um questionário aplicado a egressos do curso. A diversidade de percepções apresentadas em relação ao percurso formativo vivenciado no curso de LCNM demonstra que não há consenso entre seus egressos. Identificamos que a proposta de curso de LCNM apresenta características inovadoras, bem como potencialidades, a exemplo da aproximação de professores de diferentes áreas e o favorecimento de articulação do conhecimento no currículo. No entanto, possui elementos que necessitam ser problematizados, como a carga horária, o tempo do curso e sua ampla habilitação, que é apontada tanto como o potencial e a fragilidade do curso. Enfatizamos que a formação inicial de professores é um desafio a ser superado e torna-se necessário analisar o conhecimento sistematizado, oriundo de propostas já implementadas, com o intuito de identificar potencialidades e fragilidades do processo formativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Andreia Cristina Rodrigues Trevisan, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Instituto de Ciências Naturais, Humanas e Sociais (ICNHS)

Referências

ARAÚJO, R. S.; VIANNA, D. M. A história da legislação dos cursos de licenciatura em física no Brasil: do colonial presencial ao digital a distância. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 32, n. 4, 2010.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbef/v32n4/10.pdf.Acesso em: 10 mar. 2019.

ARAÚJO, R. S.; VIANNA, D. M. A carência de professores de Ciências e Matemática na Educação Básica e a ampliação das vagas no ensino superior. Ciência & Educação, v. 17, n. 4, p. 807-822, 2011.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v17n4/a03v17n4.pdf.Acesso em: 18 mar. 2019.

BARBOSA, E. P. Leituras sobre o processo de implantação de uma licenciatura em ciências naturais e matemática por área do conhecimento. (Tese de Doutorado). Universidade Estadual Paulista. Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro, 2012.311f. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/102116/barbosa_ep_dr_rcla.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 10 fev. 2015.

BORGES, L. F. F. Um currículo para a formação de professores. In: VEIGA, I. P. A.; SILVA, E. F. (Orgs). A escola mudou. Que mude a formação de professores! 3 ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 18 de fevereiro de 2002. Conselho Nacional de Educação Pleno. 2002.

BRASIL. Diretrizes Gerais do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais. 2007.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução nº 2, de 30 de janeiro de 2012. Ministério da Educação. 2012.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP nº 2, de 25 de junho de 2015. Ministério da Educação. 2015.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 2, de 01 de julho de 2015. Ministério da Educação. 2015.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME. 2017a. Disponível em:http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 03 jul. 2017.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base – Ensino Médio. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME. 2017b. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site_110518.pdf.Acesso em: 03 jul. 2017.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2004.

IMBERNON, R. A. L.; GUIMARÃES, E. M.; GALVÃO, R. M. S.; LIMA, A. C.; SANTIAGO, L. F.; JANNUZZI, C. M. L. Um panorama dos cursos de Licenciatura em Ciências Naturais (LCN) no Brasil a partir do 2º Seminário Brasileiro de Integração de Cursos de LCN/2010. Experiências em Ensino de Ciências. v. 6, pp. 85-93. 2011.

LIMA, J. O. G.; LEITE, L. R. Historicidade dos cursos de Licenciatura no Brasil e sua repercussão na formação do professor de Química. REnCiMa, v. 9, n. 3, p. 143-162, 2018.Disponível em: http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1483/1006. Acesso em: 05 out. 2018.

MAGALHÃES JÚNIOR, C. A. O. & OLIVEIRA, M. P. P. Políticas educacionais e história da formação e atuação de professores para a disciplina de ciências. Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências Atas do V ENPEC, n. 5, 2005.

MASOLA, W. J.; ALLEVATO, N. S. G. Educação Superior no Brasil: traços da história. REnCiMa, v. 8, n. 1, p. 98-108. 2017. Disponível em: http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/1180/872. Acesso em: 05 out. 2018.

MONTEIRO, A. C. R.; PASSOS, L. F. Contexto histórico dos cursos superiores de matemática no Brasil: formação do professor e diversidade cultural. Anais do XI Encontro Nacional de Educação Matemática. Curitiba, PR, 2013.

NACARATO, A. M. & PAIVA, M. A. V. ( Orgs). A formação do professor que ensina matemática: perspectivas e pesquisas. São Paulo: Autêntica, 2008.

SHULMAN, L. Those who understand: the knowledge growths in teaching. Educational Researcher, v. 15, n. 2, 1986.

SILVA, C. M. S. Formação de professores e pesquisadores de matemática na Faculdade Nacional de Filosofia. Cadernos de Pesquisa. n. 117, p. 103-126, 2002. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/545/547. Acesso em: 18 fev. 2018.

SOARES, F. Ensino de matemática e docência nos oitocentos. In: FERREIRA, A. C.; BRITO, A. J.; MIORIM, M. A. (Orgs). Histórias de formação de professores que ensinaram matemática no Brasil. Campinas: Ílion, 2012.

PEREIRA, J. E. D. As licenciaturas e as novas políticas educacionais para a formação docente. Educação & Sociedade. Ano XX, n. 68, 1999.

TANURI, L. M. História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação. n. 14, 2000.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n14/n14a05.pdf. Acesso em: 15 fev. 2018.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 16 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

TREVISAN, A. C. R.; DALCIN, A.O Professor que ensina Matemática e Ciências: A formação por área de conhecimento em questão. Anais do VII Congresso Internacional de Ensino da Matemática, ULBRA, Canoas, RS. 2017. Disponível em: http://www.conferencias.ulbra.br/index.php/ciem/vii/paper/viewFile/6712/3051. Acesso em: 15 jan. 2019.

TREVISAN. A. C. R. Formação Inicial Interdisciplinar de Professores de Ciências e Matemática; Ressonâncias na Educação Básica. 2018. 174 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Mato Grosso, Universidade Federal do Pará, Universidade do Estado do Amazonas, Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, 2018. Disponível em: https://www1.ufmt.br/ufmt/unidade/userfiles/publicacoes/3bedee061c4e93b8dfaaeb9c55c9e921.pdf. Acesso em: 10 jan. 2019.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO, UFMT. Projeto Pedagógico de Curso (PPC). Curso de Licenciatura em Ciências Naturais e Matemática da Universidade Federal de Mato Grosso, 2009.

VEIGA, I. P. A.; VIANA, C. M. Q. Q. Formação de professores: um campo de possibilidades inovadoras. In: VEIGA, I. P. A.; SILVA, E. F. (Orgs). A escola mudou. Que mude a formação de professores! 3 ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

Downloads

Publicado

2020-04-30

Como Citar

TREVISAN, A. C. R.; DALCIN, A. FORMAÇÃO INTERDISCIPLINAR DE PROFESSORES: PERCEPÇÕES DE EGRESSOS DE UM CURSO DE CIÊNCIAS NATURAIS E MATEMÁTICA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 206-231, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i2.9967. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/9967. Acesso em: 25 set. 2020.