PERSPECTIVA DOS GESTORES DE ENSINO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA BNCC NO MUNICÍPIO DE XINGUARA ESTADO DO PARÁ

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v12.16428

Palavras-chave:

Currículo de Matemática, Educação Matemática, Ensino Fundamental

Resumo

Apresenta-se neste artigo um estudo realizado com os Gestores das Unidades Escolares que possuem os anos finais do Ensino Fundamental e com a Diretora de Ensino dos anos finais do Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação e Cultura que estão atuando na implantação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), nas escolas municipais de Xinguara, Pará.  A pesquisa é um recorte da tese de doutorado no Programa de Ensino de Ciências e Matemática (PPGECIM), da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), com o objetivo de identificar como vem sendo implantada, pelos professores de Matemática, a BNCC nas escolas públicas de Xinguara, Pará, sob um olhar da Gestão escolar. Foi aplicado um questionário, aos 9 Gestores, das escolas públicas de Xinguara, e uma entrevista com a Diretora de Ensino responsável pelos anos finais do Ensino Fundamental da Secretaria Municipal de Educação. Os resultados apontam que os Gestores participantes da pesquisa apontam as dificuldades enfrentadas pelos professores e gestores na implantação dos objetos de aprendizagem prescritos na BNCC e a dificuldade de construir um Currículo para o desenvolvimento de competências de acordo com o indicado na BNCC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luciano Teles Bueno, Secretaria de Educação do Município de Xinguara (SEMEC), Xinguara, Pará, Brasil.

Possui graduação em Licenciatura Plena em Física pela Universidade Federal do Pará (2002), graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade do Estado do Pará (2013), graduação em Sistema de Informação pela Universidade Federal do Pará (2012), Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Luterana do Brasil (2015) e Doutorando em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Luterana do Brasil (em andamento com início em 2020). Atualmente é professor efetivo da Secretaria de Estado de Educação do Pará, professor efetivo da Secretária Municipal de Educação de Xinguara/PA e horista do Instituto de Treinamento e Educação Continuada do Carajás. Tem experiência na área de Física,Ciências e Matemática.

Claudia Lisete Oliveira Groenwald, Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), Canoas, Rio Grande do Sul, Brasil.

Possui graduação em Matemática pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, especialização em Matemática pela Universidade do Vale do Rio do Sinos (UNISINOS), doutorado em Ciências da Educação pela Universidade Pontifícia de Salamanca, Espanha, título reconhecido pela Universidade de São Paulo (USP). Pós-doutorado pela Universidade de La Laguna na Espanha. Atualmente é professora titular da Universidade Luterana do Brasil. Atua no curso de Matemática Licenciatura e como coordenadora do Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências e Matemática da ULBRA. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase na formação de professores, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Matemática, Currículo de Matemática, Tecnologias da Informação e Comunicação, Formação Continuada e Ensino e Aprendizagem. É cofundadora da Rede de Educação Matemática da América Central e do Caribe (REDUMATE).Foi secretária do Comitê Interamericano de Educação Matemática (CIAEM), gestão 2019-2023. É Diretora Nacional da Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM), gestão 2022-2025. Pesquisadora Bolsa Produtividade do CNPq, nível 2.

Referências

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=79611-anexo-texto-bncc-aprovado-em-15-12-17-pdf&category_slug=dezembro-2017-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 04 dez. 2022.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular é aprovada no CNE e segue para homologação pelo ministro da Educação. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/211-218175739/58541-base-nacional-comum-curricular-e-aprovada-no-cne-e-segue-para-homologacao-do-ministro-da-educacao. Acesso em: 04 dez. 2022.

BRASIL. Parecer nº 15 de 21 de dezembro de 2017. Base Nacional Comum Curricular: BNCC. Conselho Nacional de Educação /Conselho Pleno. Brasília, DF, 2017.

BRASIL, Senado Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n. 5692, Brasília, 1971.

BRASIL, Senado Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n. 9394, Brasília, 1996.

BUENO, L. T.; GROENWALD, C. L. O. A implantação da BNCC no Município de Xinguara estado do Pará na visão dos professores de Matemática. REMATEC, Belém (PA), v. 18, n. 43, Jan-Dez, 2023.

COLL. C. Psicologia e currículo: uma aproximação psicopedagógica à elaboração do currículo escolar. São Paulo: Ática, 1996.

COLL. C. Psicologia e currículo: uma aproximação psicopedagógica à elaboração do currículo escolar. 2. ed. São Paulo: Ática, 1997.

COMISSÃO EUROPEIA. Competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida. Quadro de referência europeu. 2007. Disponível em: https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/Curriculo/competenciasessenciaisalv2006.pdf. Acesso em: 04 dez. 2022.

CANDAU, V. M. Ênfase e omissões no currículo. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.23, n.78, p.296-298, 2002.

FERREIRA, M. E. C. O enigma da inclusão: das intenções às práticas pedagógicas. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.33, n.3, p.543-560, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/jr7mSxjkYs5Gcd6s4DyCjwH/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 02 dez. 2022.

FORQUIN, J. C. O currículo entre o relativismo e o universalismo. Educação & Sociedade, Campinas, ano XXI, n. 73, p. 47-70, dez., 2000. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/njxtpj9s6CdQHVd4wyyRKYS/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 02 dez. 2022.

FORQUIN, J. C. Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Teoria e Educação, Porto Alegre, n. 5, p. 28-49, 1992. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1844359/mod_resource/content/1/T2%20%20Forquin_saberes_escolares.pdf. Acesso em: 02 dez 2022.

GALIAN, Cláudia Valentina Assunção; SAMPAIO, Maria das Mercês Ferreira. DUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: implicações para o currículo da escola básica. Currículo Sem Fronteiras, São Paulo, p.403-422, maio 2012. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/. Acesso em: 03 dez. 2022.

GROENWALD, C.L. O.; SILVA, C.K.da; MORA, C.D. Perspectivas em Educação Matemática. Acta Scientiae, v.1.Canoas, 2004.

GRUNDY, S. Curriculum: Product or Práxis. The Falmer Press. (Trad. Cast:Producto o Praxis Del Curriculum. Madrid: Morata, 1991), 1987.

JULIA, D. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, São Paulo, n. 1, p. 9-43, jan./jun., 2001. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/37742506.pdf. Acesso em: 02 dez. 2022.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

LOPES, A. C. Políticas curriculares: continuidade ou mudança de rumos? Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 26, maio/ago., 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n26/n26a08.pdf. Acesso em: 03 de dez. 2022.

PERRENOUD, Philippe. Construir as competências desde a escola. Trad. Charles Magne. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1991.

PERRENOUD, Philippe. Currículo real e trabalho escolar. In: Ofício de aluno e sentido do trabalho escolar. Porto: Porto Editora, p. 39- 71,1995.

PERRENOUD, Philippe. Pedagogia na escola das diferenças: fragmentos de uma sociologia do fracasso. RS: Artmed, 1995.

PERRENOUD, P. Construir competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2013.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3.ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SACRISTÁN, J. G.; GOMEZ, A. I. P. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: Artmed, 1998. p. 119-148.

SANTOS, L. L. Currículo em tempos difíceis. Educação em Revista, Belo Horizonte, n.45, p.291-306, 2007

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

ZABALA, A; ARNAU, L. Como aprender e ensinar competências. Porto Alegre: Artmed, 2010.

ZABALZA, M. Planificação e desenvolvimento curricular na escola. Porto: Edições ASA, 1992.

Downloads

Publicado

2024-04-24

Como Citar

BUENO, L. T.; GROENWALD, C. L. O. . PERSPECTIVA DOS GESTORES DE ENSINO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA BNCC NO MUNICÍPIO DE XINGUARA ESTADO DO PARÁ. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 12, p. e24020, 2024. DOI: 10.26571/reamec.v12.16428. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/16428. Acesso em: 19 jun. 2024.