DISSEMINAÇÃO DO ENSINO DE FÍSICA NO TWITTER: UMA ANÁLISE ALTMÉTRICA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v10i2.13541

Palavras-chave:

Altmetria, Ensino de Física, Formação de Professores, Redes Sociais, Divulgação Científica

Resumo

A divulgação do conhecimento científico, além de contribuir para o desenvolvimento da própria Ciência, permite que as pessoas tenham acesso a ela. Neste sentido, temos a presença constante das redes sociais na internet, exercendo esse papel de disseminação do conhecimento científico. Em vista disso, o presente artigo buscou investigar a divulgação científica feita por uma parcela dos usuários dessas redes socais na internet, através da propagação de artigos e textos das principais revistas brasileiras, que abrangiam o tema da educação e do ensino curricular de Física. Como procedimentos metodológicos, a pesquisa exploratória analisou indicadores altmétricos, comparando os resultados obtidos a partir da ferramenta Altmetric Explorer. Entre os principais resultados, destaca-se a preponderância de menções aos artigos com o tema Física Teórica ou Aplicada, em detrimento dos artigos sobre Ensino de Física. Posto isso, podemos considerar que o estudo altmétrico permite analisar as contribuições para o desenvolvimento e aperfeiçoamento do Ensino de Física, bem como a sua divulgação científica em redes sociais na internet.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gilson Yuri Silva Moura, Universidade Federal de Rio Grande (FURG), Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil.

Possui graduação em Licenciatura em Física pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (2015) e Mestrado pela mesma instituição, na área de Ensino de Física (2019), faz Doutorado em Educação em Ciências pela Universidade do Rio Grande, trabalhando com a utilização de novos recursos didáticos, como cenas cinematográficas, literatura, música e experimentalmente com a plataforma Arduino, no intuito de obter uma aprendizagem significativa. Atualmente investiga a Teoria da Complexidade no uso das Artes como perspectiva no Ensino da Física Moderna. Iniciou os estudos no doutorado em Ciências Exatas e Tecnológicas (UFCAT) investigando a inserção da Ciência dos Materiais nas aulas de Física e Química na perspectiva do Acetileno e utilizando Simulação Computacionais no intuito de verificar as potencialidades de aprendizagem. Já foi aprovado em concursos de Secretaria de Estado de Minas Gerais, Alagoas e Roraima, além de prefeitura de Sumaré e da Fundação Educacional Guaçuana.

Kelly Pinheiro da Conceição Senabio, Universidade Federal de Rio Grande (FURG), Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil.

Possui graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Rio Grande (2018). Tem experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em Biblioteconomia, atuando principalmente nos seguintes temas: Política de desenvolvimento de acervos, análise de citação, profissional bibliotecário nas redes sociais, artigos acadêmicos e tipologia.

Angélica Conceição Dias Miranda, Universidade Federal de Rio Grande (FURG), Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil.

Angélica Conceição Dias Miranda concluiu o Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento em 2010, mestrado em Engenharia de Produção em 2003, ambos pela Universidade Federal de Santa Catarina. Pós-doutorado em Educação em Ciências : química da vida e da Saúde, pela FURG. É professora associada, Dedicação Exclusiva - DE, na Universidade Federal do Rio Grande - FURG. Professora permanente no Programa de Pós-Graduação em Administração (orientação de mestrado) e no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde (orientação de mestrado e doutorado), ambos na FURG. Lider e Pesquisadora do Grupo de Pesquisa CITEG - Ciência, Informação e Tecnologia e Gestão - FURG. Coordena o Portal de Periódicos eletrônicos da FURG (http://www.seer.furg.br) e o Repositório Institucional (repositorio.furg.br).

Luiz Fernando Mackedanz, Universidade Federal de Rio Grande (FURG), Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil.

Possui graduação em Licenciatura Em Física pela Universidade Federal de Pelotas (2000), mestrado em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2003) e doutorado em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008). Atualmente trabalha como professor associado no Instituto de Matemática, Estatística e Física (IMEF) da Universidade Federal do Rio Grande, atuando junto aos programas de Pós Graduação em Educação em Ciências (PPGEC) e Mestrado Profissional em Ensino de Física (MNPEF). Atualmente, ocupa a coordenação do curso de Física Licenciatura. Trabalhou como professor assistente da Universidade Federal de Pelotas, lotado na Universidade Federal do Pampa, campus Caçapava do Sul, atuando junto ao curso de Geofísica. Tem experiência na área de Física, com ênfase em Fenomenologia de Partículas Em Altas Energias e atua, desde 2010, na área de Educação em Ciências e Ensino de Física, atuando com os temas: formação de professores, inovações pedagógicas no ensino de ciências, temas controversos da física, contextualização e historicidade das ciências, interdisciplinaridade na atuação e formação de professores, formação continuada de professores de ciências naturais, relações de poder no currículo de ciências naturais. Coordena o Grupo de Pesquisa em Inovações no Ensino de Ciências (INOVAFIS), onde o foco de estudo são as inovações metodológicas e teóricas no processo ensino e aprendizagem, mantendo a historicidade das relações, bem como entendendo o caráter epistemológico destas inovações.

Referências

ABRANTES, A. A.; MARTINS, L. M. A produção do conhecimento científico: relação sujeito-objeto e desenvolvimento do pensamento. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, [s. l.], v. 11, p. 313–325, 2007.

ALTMETRIC EXPLORER. Altmetric.com, 2021. Disponível em: <https://www.altmetric.com/>. Acesso em: 24 ago 2021.

ARAÚJO, E. N. N. de; CALUZI, J. J.; CALDEIRA, A. M. de A. (orgs.). Divulgação científica e ensino de Ciências: estudos e experiências. São Paulo: Escrituras Editora, 2006.

BUENO, W. C. Comunicação cientifica e divulgação científica: aproximações e rupturas conceituaiss. Informação & Informação, [s. l.], v. 15, n. 1esp, p. 1–12, 2010.

BRÜGGEMANN, O. M.; PARPINELLI, M. Â. Utilizando as abordagens quantitativa e qualitativa na produção do conhecimento. Revista da Escola de Enfermagem da USP, [s. l.], v. 42, p. 563–568, 2008.

CASTIBLANCO ABRIL, O. L.; NARDI, R. Didática da física. 1. ed. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014. (Coleção PROPG Digital- UNESP). ISBN 9788579835728. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/126216>.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 22, p. 89-100, jan./abr. 2003.

DE MELO MARICATO, J.; VILAN FILHO, J. O potencial da altmetria para medir outros tipos de impacto da produção científica: dinâmicas de impacto social e acadêmico nas redes e mídias sociais. InformationResearch, v. 23, 20 dez. 2019.

DEMO, P. “A criança é um grande pesquisador”. [Entrevista concedida a] João Vitor Casimiro. Portal Educacional, 2011. In: < http://www.educacional.net/entrevistas/entrevista0035.asp >. Acesso em 01 setembro de 2021.

FREIRE, P. Pedagogia o oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

GARCIA, V. C. V. Fundamentação teórica para as perguntas primárias: O que é matemática? Por que ensinar? Como se ensina e como se aprende?. Educação, [s. l.], v. 32, n. 2, 2009. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/5516. Acesso em: 13 mar. 2022.

GARFIELD, E. Journal impact factor: a brief review. Canadian Medical Association Journal, v. 161, n.8, p. 979-980, 1999. Disponível em: <http://www.garfield.library.upenn.edu/papers/JournalimpactCMAJ1999.pdf>. Acesso em: 13 mar. 2022.

GUEDES, M. de C.; AZEVEDO, N.; FERREIRA, L. O. A produtividade científica tem sexo? Um estudo sobre bolsistas de produtividade do CNPq. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 45, p. 367–399, 2016. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645232>. Acesso em: 13 mar. 2022.

HERNANDES, J. S.; MARTINS, M. I. Categorização de questões de Física do novo ENEM. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, [s. l.], v. 30, n. 1, p. 58–83, 2013.

LOPES, Alice Casimiro. Conhecimento escolar: ciência e cotidiano. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1999.

MIRANDA, M. G. O professor pesquisador e sua pretensão de resolver a relação entre a teoria e a prática na formação de professores. In: André, M. E. (Org.). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores 4. ed. Campinas: Papirus, 2005. p. 129-143.

MOURA, M. A. Construção social da cidadania científica: desafios. In: MOURA, M. A. (Org.). Educação científica e cidadania: abordagens teóricas e metodológicas para a formação de pesquisadores juvenis. Belo Horizonte: UFMG/Proex, 2012. p. 19-30.

NASCIMENTO, S. S. DO. O Mestrado Nacional Profissional de Ensino em Física: a experiência da Sociedade Brasileira de Física. Revista Polyphonía, v. 24, n. 2, p. 29–42, 2013.

OLIVEIRA, F. F. DE; VIANNA, D. M.; GERBASSI, R. S. Física moderna no ensino médio: o que dizem os professores. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 29, p. 447–454, 2007.

PANTALEO JUNIOR, M. A fundação do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas e o início da pós-graduação em física no Rio de Janeiro. [s. l.], 2011. Disponível em: <https://tede2.pucsp.br/handle/handle/repositorio.pucsp.br/handle/handle/13243>. Acesso em: 15 maio 2022.

PRIEM, J.; GROTH, P.; TARABORELLI, D. The altmetrics collection. PLoS One, [s. l.], v. 7, n. 11, p.1-2, 2012. Disponível em: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3486795/>. Acesso em: 29 jan. 2022.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo, 2013. Disponível em: <https://www.feevale.br/institucional/editora-feevale/metodologia-do-trabalho-cientifico---2-edicao> Acesso em: 25 jun de 2021.

REBEQUE, P. V.; OSTERMANN, F.; VISEU, S. O Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física: Investigando os Modos de Regulação em um Polo Regional do Programa. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, p. 399–428, 31 ago. 2018.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. DE. ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. Investigações em Ensino de Ciências, v. 16, n. 1, p. 59–77, 2011. Disponível em : https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/246/172 Acesso em: 25 jun de 2021

VOGT, C. Ciência e bem-estar cultural. ComCiência, n. 119, p. 0–0, 2010.

Publicado

2022-06-05

Como Citar

MOURA, G. Y. S.; SENABIO, K. P. da C.; MIRANDA, A. C. D. .; MACKEDANZ, L. F. . DISSEMINAÇÃO DO ENSINO DE FÍSICA NO TWITTER: UMA ANÁLISE ALTMÉTRICA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 10, n. 2, p. e22032, 2022. DOI: 10.26571/reamec.v10i2.13541. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/13541. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

Educação em Ciências