UM MODELO DIDÁTICO MISTO PARA A ARGUMENTAÇÃO NO ENSINO DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA: PARA ALÉM DAS TENDENCIOSIDADES

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v8i3.10800

Palavras-chave:

Argumentação. Ensino de Ciências e Biologia. Modelo Didático Misto. Toulmin. Bonini

Resumo

Este artigo se refere aos resultados de uma pesquisa sobre a argumentação no ensino de Ciências e de Biologia. Sua singularidade está na construção de um Modelo Didático Misto (MDM), tendo como objetivo identificar se o MDM criado possibilita em alunos do nono ano do Ensino Fundamental e na terceira série do Ensino Médio a construção da argumentação de qualidade. Deve também verificar qual é o lugar e a relação entre explicação e narração com argumentação. Quanto à metodologia, a pesquisa é do tipo intervenção por intermédio de sequências didáticas, além da obtenção do diagnóstico inicial de concepção e habilidade argumentativa pela aplicação de questionário e obtenção de novas concepções, por meio da realização de um grupo focal pós-intervenção do MDM. Quanto aos resultados obtidos, esses foram relevantes tanto para a qualidade dos argumentos como das argumentações, pois houve um avanço de qualidade à medida que o MDM foi desenvolvido em suas fases e, quando analisadas as construções dos discentes, se constatou que houve avanço de qualidade estrutural e de conteúdo dos argumentos e das argumentações, uma vez que o nível de qualidade (NQA) nos alunos do nono ano do Ensino Fundamental avançou do nível 1 para o nível 5 com a intervenção do MDM. Na terceira série do Ensino Médio, o NQA avançou de 2 para 5. A partir do MDM, também foi possível posicionar o lugar e identificar qual é a relação entre explicação e narração com argumentação. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Agnaldo Ronie Pezarini, Secretaria do Estado da Educação do Estado de São Paulo -SEE

Doutor em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Cruzeiro do Sul - UNICSUL - (Conceito CAPES 6). Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Possui Pós-graduação Lato sensu em Ensino de Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) e Pós-graduação Lato sensu em Ética, Valores e Cidadania na Escola pela Universidade de São Paulo (USP); Possui Especialização em Atendimento a portadores de deficiência visual pela UFSCar; Graduação em Licenciatura Plena e Bacharelado em Ciências
Biológicas Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2001). Atualmente é Professor Efetivo - PEB II -Secretaria de Estado da Educação de São Paulo e Parecerista das revistas científicas REnCiMa, Dynamis e PEA. Tutor no Curso de Especialização em Ensino de Ciências Anos Finais do Ensino Fundamental, Ciência é 10! Pela UAB / Universidade Federal do ABC - UFABC. 

Maria Delourdes Maciel, Universidade Cruzeiro do Sul

Maria Delourdes Maciel Graduação em História Natural/Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1976); Mestrado em Educação (Supervisão e Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1995); Doutorado em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2001); Pós-doutorado em Educação: formação de professores pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2006). Professora Titular I - Quadro Permanente da Universidade Cruzeiro do Sul, onde atua como docente e pesquisadora na graduação e pós-graduação. Experiência profissional na área de Educação, com ênfase em Ensino de Ciências e Biologia, com os seguintes temas: Currículo, Ensino e Formação de Professores; Ensino de Ciências e Biologia; Didática e Metodologia de Ensino; Recursos Didáticos; Natureza da Ciência e da Tecnologia (NdC&T)/Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS) no Currículo, no Ensino e na Formação de Professores. É representante brasileira na Diretoria da AIA-CTS (Associação Ibero-Americana Ciência-Tecnologia-Sociedade na Educação em Ciência); Coordenadora do NIEPCTS (Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em CTS); Avaliadora ad hoc das Revistas IENCI (Investigações em Ensino de Ciências), Informática na Educação: teoria & prática; Ciência & Educação; Avaliadora ad hoc SINAES/MEC; Membro do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) e do Comitê de Ética em Uso de Animais (CEUA) da Universidade Cruzeiro do Sul; Coordenadora do NAPED-CBS da Universidade Cruzeiro do Sul.

Referências

JÍMENEZ-ALEIXANDRE, M. P. Argumentación y uso de las pruebas: Construcción, evaluación y comunicación de explicaciones en Biología y Geología. In: Didáctica de la biologia y la geologia (p. 129-150). Secretaría General Técnica. 2011. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=3659233. Acesso em 20 jul. 2020.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2006, 225p.

BONINI, A. A noção de sequência textual na análise pragmático-textual de Jean-Michel Adam. Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola Editorial, 2007, p. 208-236.

DRIVER, R.; NEWTON, P.; OSBORNE, J. Establishing the norms of scientific argumentation in classrooms. Science education, 84 (3), 2000, p. 287-312. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/(SICI)1098-37X(200005)84:3%3C287::AID-SCE1%3E3.0.CO;2-A. Acesso em 20 jul. 2020. DOI: https://doi.org/10.1002/(SICI)1098-237X(200005)84:3<287::AID-SCE1>3.0.CO;2-A.

FERRAZ, A. T.; SASSERON, L. H. Propósitos Epistêmicos para a Promoção da Argumentação em Aulas Investigativas. Investigações em ensino de ciências, 22 (1). 2017. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/b622/c0380dda3856b314fc70349b1232ad35fa11.pdf. Acesso em 21 jul. 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2017v22n1p4.2.

FLICK, U. Introdução à metodologia de pesquisa. Porto Alegre: Penso, 2009.

JIMÉNEZ-ALEIXANDRE, M. P.; BROCOS, P. Desafíos metodológicos en la investigación de la argumentación en la enseñanza de las ciencias. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte, MG), 17 (spe), 2015, p. 139-159. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/epec/v17nspe/1983-2117-epec-17-0s-00139.pdf. Acesso em 20 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-2117201517s08.

KUHN, D. Ciência como argumento: implicações para o ensino e aprendizagem do pensamento científico. Science Education, 1993, v. 77 (3), 319-337. Disponível em: https://psycnet.apa.org/record/1993-43207-001 . Acesso em 19 set. 2020. Doi: https://DOI.org/10.1002/sce.3730770306

MOTOKANE, T. M.; GUELERO, M. Análise da argumentação presente em textos escritos de genética. Enseñanza de las ciencias: Revista de Investigación y Experiencias Didácticas, [em línea], 2009, n.º Extra, p. 547-50. Disponível em: https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/293593. Acesso em 18 Jun. 2020.

MOTOKANE, M. T. Secuencias Didácticas Investigativas y Argumentación en la Enseñanza de la Ecología. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte, MG), 17 (spe), 2015, p. 115-138.

MOTTA, M. B.; LIRA, M. R. A tessitura do discurso argumentativo numa sala de aula de ciências. Enseñanza de las ciencias: Revista de Investigación y Experiencias Didácticas, (Extra), 2013, p. 276-279. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-21172015000400115&script=sci_abstract&tlng=es. Acesso em 18 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-2117201517s07.

NASCIMENTO, S. S.; VIEIRA, R. D. Contribuições e limites do padrão de Argumento de Toulmin aplicado em situações argumentativas de sala de aula de ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 8 (2). 2011. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4018/2582. Acesso em 17 jun. 2020.

PENHA, S. P. D. Atividades Sociocientíficas em sala de aula de Física: As argumentações dos estudantes (Tese Doutorado), Universidade de São Paulo, 2012.

PENHA, S. P.; CARVALHO, A. M. P. Proposição de uma Ferramenta Analítica para avaliar a Qualidade da Argumentação em Questões Sociocientíficas. Anais. ENPEC, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2015.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L.; COELHO, F. O. Tratado da argumentação: A nova retórica. São Paulo: Martins Fontes. 2005.

PEZARINI, A. R.; MACIEL, M. D. As dimensões da argumentação no ensino de ciências em pesquisas de 2007 a 2017: Um olhar para a caracterização e para as ferramentas metodológicas para estudar esta temática. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, 14 (32), 2018, p. 61-77. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/revistaamazonia/article/view/6177/5267. Acesso em 15 jun. 2020.

SOUZA, T. T. de; HENCKES, S. B. R.; GEWEHR, D.; SCARTEZZINI, B.; STROHSCHOEN, A. A. G. Letramento científico na docência de professores de biologia: concepção e prática. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S.l.], v. 6, n. 2, p. 310-323, 2018.DOI: 10.26571/REAMEC.a2018.v6.n2.p310-323.i6560. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/6560. Acesso em: 21 set. 2020.

TOULMIN, S. E. Os usos do argumento. 2ª edição. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

VENVILLE, G. J.; DAWSON, V. M. The impact of a classroom intervention on grade 10 students' argumentation skills, informal reasoning, and conceptual understanding of science. Journal of Research in Science Teaching, 47 (8), 2010, p. 952-977. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/tea.20358. Acesso em 18 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.1002/tea.20358.

VIEIRA, R. D.; NASCIMENTO, S. D. Avaliações de argumentação de licenciandos em Física sobre um episódio de estágio curricular: Em que critérios eles se baseiam. Anais EPEF, XI, 2008, p. 01-12.

VIEIRA, R. D.; NASCIMENTO, S. S.; MELO, V. F.; DA ROCHA BERNARDO, J. R. Argumentação e orientações discursivas na educação em ciências. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 17 (3), 2015, p. 707-725. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/epec/v17n3/1983-2117-epec-17-03-00707.pdf. Acesso em 16 jun. 2020. Doi: https://doi.org/10.1590/1983-21172015170308

ZABALA, A. A prática educativa: Como ensinar. Porto Alegre: Penso Editora, 2015.

Downloads

Publicado

2020-09-23

Como Citar

PEZARINI, A. R.; MACIEL, M. D. UM MODELO DIDÁTICO MISTO PARA A ARGUMENTAÇÃO NO ENSINO DE CIÊNCIAS E BIOLOGIA: PARA ALÉM DAS TENDENCIOSIDADES. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 342-361, 2020. DOI: 10.26571/reamec.v8i3.10800. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/10800. Acesso em: 27 out. 2020.