ARGUMENTAÇÃO CIENTÍFICA E EDUCAÇÃO PELA PESQUISA: O CONCEITO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES(AS) DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Autores

DOI:

10.26571/reamec.v9i3.12718

Palavras-chave:

Educação pela pesquisa, Formação Docente., argumentação científica, Modelo didático misto

Resumo

O presente artigo constitui um recorte de uma pesquisa que tem a Argumentação Científica (AC) e a Educação Pela Pesquisa (EPP) como escopo central. A Educação pela pesquisa possui em sua constituição a argumentação e é adotada como possibilidade frutífera de desenvolvimento do conhecimento científico a interface entre a argumentação e a educação pela pesquisa. Para tanto e, por acreditar que a ação docente é essencial na condução da construção do conhecimento, surge a questão problema: Qual é o conceito e a formação que os docentes da educação básica possuem sobre argumentação científica e a educação pela pesquisa? Esta é uma pesquisa caracterizada como do tipo qualitativa e, no que se refere a questões metodológicas, adotamos como instrumento de coleta de dados o uso do questionário, via plataforma Survio, encaminhado a frequentadores de um curso de especialização em Ensino de Ciências, que atuam como docentes da educação básica. As respostas obtidas foram analisadas à luz da Análise de conteúdo. Dos resultados obtidos, emergiram duas categorias de análise: Formação/Formação continuada docente e Teoria e prática docente antagônicas, que ratificam a necessidade de formação continuada e aquisição de conhecimento pedagógico especializado, ambas estreitamente ligadas à ação do docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Agnaldo Ronie Pezarini, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC), Campinas, São Paulo, Brasil.

Pós-doutorando pela PUC de Campinas (2021), na Linha de Pesquisa Políticas Públicas em Educação com o tema de pesquisa: Argumentação científica e educação pela pesquisa: o conceito e o parecer de uma prática pedagógica, de docentes em atuação na educação básica. Doutor em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Cruzeiro do Sul - UNICSUL - (Conceito CAPES 6). Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Possui Pós-graduação Lato sensu em Ensino de Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) e Pós-graduação Lato sensu em Ética, Valores e Cidadania na Escola pela Universidade de São Paulo (USP); Possui Especialização em Atendimento a portadores de deficiência visual pela UFSCar; Graduação em Licenciatura Plena e Bacharelado em Ciências Biológicas Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2001). Atualmente é Professor Efetivo - PEB II -Secretaria de Estado da Educação de São Paulo e Parecerista das revistas científicas REnCiMa, Dynamis e PEA. Tutor no Curso de Especialização em Ensino de Ciências Anos Finais do Ensino Fundamental, Ciência é 10! Pela UAB / Universidade Federal do ABC - UFABC.

Samuel Mendonça, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC), Campinas, São Paulo, Brasil.

Professor Titular vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação, Mestrado e Doutorado, linha de pesquisa Políticas Públicas em Educação, líder do grupo de pesquisa Política e Fundamentos da Educação (CNPq/PUC Campinas), da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Membro Titular do Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa do Ministério da Saúde (2019-2022). Bolsista Produtividade em pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Realizou estágio pós-doutoral pelo Departamento de Administração Escolar e Economia da Educação da FE-USP, sob a supervisão do Prof. Dr. Romualdo Luiz Portela de Oliveira. Atuou como Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Direito da PUC Campinas no ano de 2019. É o Presidente da Sociedade Brasileira de Filosofia da Educação (2018-2022), membro da Comissão de Avaliação da área de Educação da CAPES (2019/2020). Avaliador do PNLD - Objeto 1 2020. Editor Assistente da Revista Jurídica Trabalho e Desenvolvimento Humano Revista da Procuradoria Regional do Trabalho da 15ª Região, Editor Assistente da Revista Educação da PUC Campinas. Participante de diversas sociedades internacionais: North American Nietzsche Society, PES - Philosophy of Education Society, INPE - International Network of Philosophers of Education, ALFE - Asociación Latinoamericana de Filosofía de la Educación. Atuou como Visiting Scholar na Shanghai Jiao Ton University, China, em 2014, com financiamento do Santander Universidades, Programa Top China. Desenvolveu atividades como Professor Visitante na PUC Peru, em 2013 e em 2018, com financiamento da PUC Peru. Desenvolveu atividades como Professor Visitante Universidade da República, Udelar, Uruguai, em 2012 com financiamento da CAPES. Foi professor de Filosofia na Educação Básica, Ensino Fundamental 2 e Ensino Médio, nas redes pública e privada, por 5 anos. Doutor em Filosofia da Educação pela Unicamp, Mestre (área de Ética), Licenciado e Bacharel em Filosofia pela PUC Campinas. Foi Presidente da Associação Latino-americana de Filosofia da Educação (ALFE - 2011-2013 e 2013-2015). Foi Secretário da Sociedade Brasileira de Filosofia da Educação (2016-2018). Foi Vice-Coordenador do Forpred Nacional (ANPEd - 2014-2015). Foi Coordenador do Forpred Sudeste (ANPEd - 2013-2014). Foi Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação da PUC Campinas em 2 mandatos, de 2010 a 2018. Foi Coordenador do Núcleo de Pesquisa e Extensão do Cento de Ciências Humanas e do Centro de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, de 2006 a 2010. Foi membro do Grupo de Apoio Pedagógico, Gape, da Pró-Reitoria de Graduação da PUC Campinas, de 2005 a 2010. Participou de eventos acadêmicos com apresentação de trabalhos ou proferiu conferências em diferentes países, como Estados Unidos da América, China, Etiópia, República Tcheca, Argentina, Uruguai, Colômbia, Peru e México. É autor de Aristocratic Education in Nietzsche: individual achievement (Maryland: GlobalSouth, 2018).

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2006.

BECKER, F. O que é construtivismo. São Paulo: FDE, n. 20, p. 87-93, 1993.

BEDIN, E.; DEL PINO, J. C. Dicumba – O aprender pela pesquisa em sala de aula: Os saberes científicos de Química no contexto sociocultural do aluno. Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias, v. 13, n. 2, p. 338-352, 2018. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6750774. Acesso em 07 out. de 2021.

BONINI, A. A noção de sequência textual na análise pragmático-textual de Jean-Michel Adam. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. (Orgs.) Gêneros: Teorias, métodos, debates. 2ª. ed. São Paulo: Parábola, 2007.

CARVALHO, A. M. P. de; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de Ciências: Tendências e inovações. Coleção Questões da nossa época, v. 28. 1ª ed. São Paulo: Cortez, 1993.

CHARAUDEAU, P. Linguagem e Discurso: Modos de organização. São Paulo: Contexto, 2008.

DE CHIARO, S.; AQUINO, K. A. Argumentação na sala de aula e seu potencial metacognitivo como caminho para um enfoque CTS no ensino de química: Uma proposta analítica. Educação e Pesquisa, v. 43, n. 2, p. 411-426, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/Tj5CF3DQrpbQHyrm76XBWFc/?lang=pt. Acesso em 07 out. de 2021.

DEMO, P. Pesquisa e construção de conhecimento: Metodologia científica no caminho de Habermas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

DRIVER, R.; NEWTON, P.; OSBORNE, J. Establishing the norms of scientific argumentation in classrooms. Science Education, v. 84, n. 3, p. 287–312, 2000. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/(SICI)1098-237X(200005)84:3%3C287::AID-SCE1%3E3.0.CO;2-A. Acesso em 07 out. de 2021.

FREITAS, H. M. R.; CUNHA, M. V. M. JR.; MOSCAROLA, J. Aplicação de sistemas de software para auxílio na análise de conteúdo. Revista de Administração da USP, 32 (3), p. 97-109, 1997. Disponível em: http://www.ufrgs.br/gianti/files/artigos/1997/1997_052_RAUSP_Freitas_Cunha_Moscarola.pdf. Acesso em 05 out. de 2021.

GALIAZZI, M. C.; MORAES, R. Educação pela pesquisa como modo, tempo e espaço de qualificação da formação de professores de ciências. Ciência & Educação (Bauru), v. 8, n. 2, p. 237-252, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ciedu/a/rpxWhrW3yfVZHTY9kSVyrxS/?lang=pt. Acesso em 05 out. de 2021.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: Um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: Formar-se para mudança e a incerteza. Trad. de Silvana Cobucci Leite. 9ª. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

JIMÉNEZ-ALEIXANDRE, M. P.; DÍAZ DE BUSTAMANTE, J. Discurso de aula y argumentación en la clase de Ciências: Cuestiones teóricas y metodológicas. Enseñanza de las Ciencias, Barcelona, v. 21, n. 3, p. 359-370, 2003. Disponível em: https://ddd.uab.cat/record/1613. Acesso em 05 out. de 2021.

JIMÉNEZ-ALEIXANDRE, M. P.; BUGALLO RODRÍGUEZ, A.; DUSCHL, R. A. "Doing the lesson" or "doing science": Argument in high school genetics. Science Education, Hoboken, v. 84, p. 757-792, 2000. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/1098-237X(200011)84:6%3C757::AID-SCE5%3E3.0.CO;2-F

JIMÉNEZ-ALEIXANDRE, M. P. A argumentação sobre questões sociocientíficas: Processos de construção e justificação do conhecimento em sala de aula. In: V ENPEC Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. ATAS do V ENPEC - Nº 5. 2005 - ISSN 1809-5100. Disponível em: http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/venpec/conteudo/conferencias/c4.pdf. Acesso em 07 out. de 2021.

JORBA, J.; GÓMEZ, I.; PRAT, A. Hablar y escribir para aprender: Uso de la lengua em situación de enseñanza-aprendizaje desde las áreas curriculares. Madrid: Editora Sínteses, 2000.

KUHN, D. Science as argument: Implications for teaching and learning scientific thinking. Science Education. 77, p. 319–337, 1993. Disponível em: https://psycnet.apa.org/record/1993-43207-001

KRASILCHIK, M.; MARANDINO, M. Ensino de Ciências e cidadania. 2ª. ed. São Paulo: Moderna. 2007.

LOCATELLI, R. J. Uma análise do raciocínio utilizado pelos alunos ao resolverem os problemas propostos nas atividades de conhecimento físico. Dissertação de Mestrado apresentada ao IF/FE-USP, São Paulo, 2006. Disponível em: https://www.periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4031. Acesso em 07 out. de 2021.

MALDANER, O. A. A Formação inicial e continuada de professores de Química. 3ª ed. Ijuí: Editora Unijuí, 2006.

MENDONÇA, P. C. C.; JUSTI, R. S. Ensino-Aprendizagem de Ciências e Argumentação: Discussões e questões atuais. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. v. 13, n. 2, p. 187-216, 2013. Disponível em: https://www.periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4257

MORAES, R.; RAMOS, M.; GALIAZZI, M. C. A pesquisa em sala de aula. Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novos tempos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

NASCIMENTO, S. S.; VIEIRA, R. D. Contribuições e limites do padrão de argumento de Toulmin aplicado em situações argumentativas de sala de aula de Ciências. Revista brasileira de pesquisa em Educação em Ciências, v. 8, n. 2, 2008. Disponível em: https://www.periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4018. Acesso em 05 out. de 2021.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação: A nova retórica. [prefácio Fábio Ulhôa Coelho; trad. Maria Ermantina G. G. Pereira]. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PEZARINI, A. R.; MACIEL, M. D. As dimensões da argumentação no ensino de Ciências em pesquisas de 2007 a 2017: Um olhar para a caracterização e para as ferramentas metodológicas para estudar esta temática. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, [S.l.], v. 14, n. 32, p. 61-77, dez. 2018. ISSN 2317-5125. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/revistaamazonia/article/view/6177

RAMOS, M. G.; LIMA, V. M. R. L.; ROCHA-FILHO, J. B. A Pesquisa como Prática na Sala de Aula de Ciências e Matemática: Um olhar sobre dissertações. Alexandria Revista de Educação em Ciências e Tecnologia, v. 2, n. 3, p. 53-81, nov. 2009. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/37994

ROSA, L. F. M.; PEREIRA, A. P. Argumentação no ensino de Ciências: Uma análise baseada em uma adaptação do padrão de Toulmin. XII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – XII ENPEC Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN. 2019. Disponível em: http://abrapecnet.org.br/enpec/xii-enpec/anais/resumos/1/R0083-1.pdf

SÁ, L. P.; QUEIROZ, S. L. Tipos de próteses como tema sócio-científico para a promoção da argumentação no ensino de Química. In: CONRADO, D. M.; NUNES-NETO, N. Questões Sociocientíficas: Fundamentos, propostas de ensino e perspectivas para ações sociopolíticas. Salvador: EDUFBA, 2018. Disponível em: http://books.scielo.org/id/n7g56/pdf/conrado-9788523220174.pdf#page=223

SANTOS ABIB, M. L. V.; MURILLO, F. J.; LOURENÇO, A. B. Aprendendo a ensinar e a argumentar: Saberes de Argumentação Docente na formação de futuros professores de química. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 16, n. 2, p. 295-316, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4376

SILVA, A. H. et al. Análise de conteúdo: Fazemos o que dizemos? Um levantamento de estudos que dizem adotar a técnica. Conhecimento Interativo, v. 11, n. 1, p. 168-184, 2017. Disponível em: http://app.fiepr.org.br/revistacientifica/index.php/conhecimentointerativo/article/view/223

SILVA, V. F.; BASTOS, F. Formação de professores de Ciências: Reflexões sobre a formação continuada. Alexandria, v. 5, n. 2, p. 150-188, 2012. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/134894

TOULMIN, S. E. Os usos do argumento. São Paulo: Martins Fontes, 2ª. ed., 2006.

Downloads

Publicado

2021-10-07

Como Citar

PEZARINI, A. R.; MENDONÇA, S. ARGUMENTAÇÃO CIENTÍFICA E EDUCAÇÃO PELA PESQUISA: O CONCEITO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES(AS) DA EDUCAÇÃO BÁSICA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, [S. l.], v. 9, n. 3, p. e21081, 2021. DOI: 10.26571/reamec.v9i3.12718. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/12718. Acesso em: 25 out. 2021.