O JOGO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA ANÁLISE BIOECOLÓGICA

Autores

  • Aline Gomes Jacobino Universidade do Estado de Mato Grosso, Cáceres, Mato Grosso, Brasil
  • Roberto Carlos Vieira Junior Universidade do Estado de Mato Grosso, Cáceres, Mato Grosso, Brasil
  • João Carlos Martins Bressan Universidade do Estado de Mato Grosso, Cáceres, Mato Grosso, Brasil

Palavras-chave:

Criança, Jogo, Inserção Bioecológica

Resumo

Para a criança, os processos de aprendizagem e desenvolvimento transcorrem de acordo com as experiências vividas, os incentivos dos familiares, o ambiente escolar, o ciclo de amizade, e a relação do “eu” com o mundo. Nesse estudo, buscamos investigar o jogo educativo (livre e funcional) enquanto estrutura para a ação no processo formativo das crianças. Optamos por uma pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória, pautada nos pressupostos da Inserção Bioecológica do Desenvolvimento Humano. Participaram da pesquisa 16 crianças, matriculadas em uma instituição de educação infantil com idade entre 4 e 5 anos. Utilizamos diários de campo para registro das observações. As análises evidenciaram que o engajamento das crianças no jogo educativo desenvolve potencial formativo e, à medida em que estão imersos em um ambiente de aprendizagem, o mesmo proporciona o desenvolvimento da função simbólica, a qual remete a aspectos miméticos de reproduzir/criar protagonismos, para assim resolver e ampliar questões emocionais intragáveis ao enfrentamento realístico.

Referências

ARIÈS, Phillipe. História social da criança e da família. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

BRONFENBRENNER, Urie. Bioecologia do desenvolvimento humano: tornando os seres humanos mais humano. Porto Alegre, RS: Artmed, 2011.

BROUGÈRE, Gilles. Jogo e educação. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1998.

CARNEIRO, Kleber Tuxen; ASSIS, Eliasaf Rodrigues; BRONZATTO, Maurício. O jogo na educação Infantil: desafios e benefícios a partir do olhar docente. Cáceres, MT: UNEMAT, 2015.

DELGADO, Ana Cristina C; MULLER, Fernanda. Tempos e espaços das Infâncias. Currículo sem fronteiras, v. 6, n. 1, p. 5-14, jan./ jun., 2006.

FREIRE, João Batista, SCAGLIA, Alcides José. Educação como prática corporal. São Paulo: Scipione, 2003.

FREIRE, João Batista. O jogo: entre o riso e o choro. Campinas, SP: Autores Associados, 2002.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 8. ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

KISHIMOTO, TizukoMorchida. O jogo e a educação infantil. In: KISHIMOTO, Tizuko, Morchida. (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 2011.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Ludicidade e atividades lúdicas: uma abordagem a partir da experiência interna. Disponível em: . Acesso em: 06 out., 2016.

NARVAZ, Martha Giudice; KOLLER, Silvia Helena. O modelo bioecológico do desenvolvimento humano. In: KOLLER, Silvia Helena. Ecologia do desenvolvimento humano, pesquisa e intervenção no Brasil. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

REVERDITO, Riller Silva. Jogos e desenvolvimento: estudo com crianças de 05 e 06 anos em uma escola privada da cidade de Hortolândia/SP. 2011. 215f. Dissertação (Mestrado em Educação Física). Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP, 2011.

______. Pedagogia do esporte e modelo bioecológico do desenvolvimento humano: indicadores para avaliação de impacto em programa socioesportivo. 2015. 209f. Tese (Doutorado em Educação Física). Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP, 2015.

SCAGLIA, Alcides José; REVERDITO, Riller Silva; GALATTI, Larissa Rafaela. Ambiente de jogo e ambiente de aprendizagem no processo de ensino dos jogos esportivos coletivos: desafios no ensino e aprendizagem dos jogos esportivos coletivos: In: NASCIMENTO, Juarez Vieira do; RAMOS, Valmor; TAVARES, Fernando (Orgs.). Jogos desportivos: formação e investigação. Florianópolis, SC: UDESC, 2013.

SCAGLIA, Alcides José. Jogo e educação física: por quê? Para quê? In: MOREIRA, Wagner Wey; SIMÕES, Regina (Orgs.). Educação física: intervenção e conhecimento científico. Piracicaba, SP: UNIMEP, 2004.

______. O futebol e os jogos/brincadeiras de bola com os pés: todos semelhantes, todos diferentes. 2003. 164f. Tese (Doutorado em Educação Física). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2003.

SIA, Tatiane Gibertoni. A construção de brinquedos na educação infantil: uma experiência com a teoria bioecológica do desenvolvimento humano. 2008. 154f. Dissertação (Mestrado em Educação Física). Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP, 2008.

VIGOTSKY, Lev Semyonovich. A formação social da mente. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

VIGOTSKY, Lev Semyonovich; LURIA, Alexander Romanovich; LEONTIEV, Alexis Nikolaevich. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 5 ed. São Paulo: Ícone, 1994.

Downloads

Publicado

2020-07-23

Como Citar

Jacobino, A. G., Vieira Junior, R. C., & Bressan, J. C. M. (2020). O JOGO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA ANÁLISE BIOECOLÓGICA. Corpoconsciência, 24(2), 133-143. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/10733

Edição

Seção

Seção Temática - IMPLICAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS DO JOGO (BRINQUEDO E BRINCADEIRA) NAS PRÁTICAS CORPORAIS