ENSINO DE CIÊNCIAS EM ESPAÇOS NÃO FORMAIS À LUZ DA EPISTEMOLOGIA BACHELARDIANA

Autores

DOI:

10.26571/2318-6674.a2017.v5.n2.p235-248.i5458

Palavras-chave:

Ensino de Ciências, Obstáculos Epistemológicos, Concepções.

Resumo

As experiências sensitivas presentes nos espaços não formais fornecem variadas possibilidades que contribuem para a aprendizagem em ciências, suscitando interesse pela compreensão do fenômeno estudado. Desse modo, a abordagem aponta possibilidades de aproximação entre os temas científicos e os espaços não formais, com a finalidade de facilitar a compreensão da ciência a estudantes da Educação Básica e tem o objetivo de relacionar o ensino de ciências, em espaço formal e não formal com os obstáculos epistemológicos, propostos por Bachelard, considerando as concepções dos aprendizes como modelos explicativos postos em ruptura, mediante a problematização do objeto científico. A pesquisa de cunho fenomenológico, com uma abordagem qualitativa, é complementada com observações de campo in lócus, como parte das atividades que estamos realizando junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia, da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Conclui-se que, a visita a espaços não formais, ampliam as possiblidades de aprendizagem, conectando ciência e tecnologia, oportunizando a apropriação do conhecimento científico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Huanderson Barroso Lobo, Universidade do Estado do Amazonas

Doutorando em Educação na Amazônia - Universidade Federal do Amazonas. Possui graduação em Gestão Ambiental (2012) e Pedagogia Intercultural Indígena (2014) ambas pela Universidade do Estado do Amazonas, mestrado em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia (2017) pela mesma universidade. Especialista em Gestão Escolar e Coordenação Pedagógica - Faculdade Intervale (2020). Acumula experiências na área de educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Fenomenologia, Corporeidade, Facticidade, Dimensões Filosóficas do Corpo e Epistemologia Merleau-Pontyana. Participa do grupo de estudos e pesquisas: Fundamentos da Educação e Ensino de Ciências (UEA). A partir do campo teórico fenomenológico busca compreender as dimensões do corpo e dos significados das experiências vividas, realizando deslocamentos conceituais para área de ensino. Atualmente, faz parte do quadro de docentes da Secretaria Municipal de Educação, acumula premiações na Feira de Ciências, Sarau da Floresta e Prêmio Professor Nota 10, além das aprovações nos concursos públicos: SEDUC-2014, SEMED-2018 e SEDUC-2018. "Tudo aquilo que sei do mundo, mesmo por ciência, eu o sei a partir de uma visão minha ou de uma experiência do mundo sem a qual os símbolos da ciência não poderiam dizer nada" - Merleau-Ponty

Daniela Sulamita Almeida da Trindade, Universidade do Estado do Amazonas

 

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade do Estado do Amazonas (2015), Mestrado em Educação e Ensino de Ciências pela mesma Universidade (2017). Encontra-se cursando doutorado em Sociedade e Cultura na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM) (2018). Atua principalmente nas seguintes temáticas: corpo, ensino de ciências, divulgação científica e espaços não formais. Desenvolve estudos sobre o corpo na contemporaneidade, museus não convencionais como Museu do Seringal Vila Paraíso e Museus indígenas Kokama.

Ronara Viana Cordovil, Universidade do Estado do Amazonas

Pedagoga concursada pela SEDUC (2018), Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia - PPGECA (2016 à 2018). Possui graduação em Pedagogia pelo Centro de Estudos Superiores de Parintins (2014). Durante a graduação foi voluntaria de iniciação científica da Universidade do Estado do Amazonas (PAIC), Programa de Monitoria da Universidade do Estado do Amazonas (UEA/2012) e Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID/2014). Atuou como professora de Reforço Escolar programa desenvolvido pela Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino / SEDUC (2012 à 2014). Foi professora SESC ler - Serviço Social do Comercio / Parintins/AM (2015 á 2016). Foi Professora Assistente pelo curso de pós-graduação em Letramento Digital, ofertado pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA/2018 á 2020) em parceria com a Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (SEDUC), Professora Substituta pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM/2019) e Professora Formadora do PARFOR (2019 e 2020). Pode-se dizer que tem experiência na área de Educação, formação de professores com ênfase em nos seguintes temas: Metodologias de Ensino aprendizagem em Ensino de Ciências, Ensino de geografia, Ensino de História. Língua Portuguesa. Ludicidade. Educação psicomotora. Alfabetização. Qualidade de vida. Professores. Pedagogos. Prática pedagógica. Educação do Campo.

Referências

ASTOLFI, J. P. El “error”, un medio para enseñar. Díada/SEP Biblioteca para la actualización del Magisterio México, 2004, pp. 7 -25. Disponível em:< https://prezi.com/.../elerror-un-medio-para-ensenar>. Acesso em: 22 de mai.de 2016.

ASTOLFI, J.P.; PETERFALVI, B.; VÉRIN.A. Como as crianças aprendem as ciências. Tradução Maria Jóse Figueiredo. Coleção Horizontes Pedagógicos. Instituto Piaget: 1998.

BACHELARD, G. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BECKER, H. S. Falando da Sociedade. Ensaios sobre as Diferentes Maneiras de Representar o Social, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2009.

BLOCK, M. A apologia da História ou o ofício do historiador. RJ: Jorge Zahar, 2001.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais /Secretaria de Educação Fundamental. (Terceiro e Quarto Ciclo), Brasília: MEC /SEF, 1998.

CORRÊA, J.M.; GERHARD, P.; FIGUEIREDO, R. O. Ictiofauna de igarapés de pequenas bacias de drenagem em área agrícola do Nordeste Paraense, Amazônia Oriental. Revista Ambiente & Água. An Interdisciplinary Journal of Applied Science: v. 7, n.2, 2012. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/ambiagua/v7n2/v7n2a17.pdf>. Acesso em: 31 de mai. 2016. p. 214-229.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A. Metodologia do ensino de Ciências. São Paulo: Cortez, 1992.

GIORDAN, A; VECCHI, G. de. As origens do saber: das concepções dos aprendentes aos conceitos científicos. 2.ed. Porto Alegre: Artes médicas, 1996.

KRASILCHIK, M. O professor e o currículo das ciências. São Paulo: EPU, 1987.

MACIEL, H. M.; FACHÍN TERÁN, A. O potencial pedagógico dos Espaços não formais da Cidade de Manaus. Curitiba, PR: CRV, 2014. 12p.

MASSARANI, L.; MOREIRA, I.C.; BRITO, F. (Org.). CIÊNCIA e PÚBLICO: caminhos para a divulgação científica no Brasil. Rio de Janeiro: Casa da Ciência, 2002. Disponível em: <http://www.museudavida.fiocruz.br/index.php/publicacoes/livros/747-tcc-54>.Acesso em 22 de abr. de 2017.

MELO, M. do R. de. Ensino de Ciências: uma participação ativa e cotidiana, 2000. Disponível em: <http://www.rosamelo.hpg.com.br/>. Acesso em: 16 de Agosto de 2016.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. Trad. Carlos Alberto R. de Moura. São Paulo: Martins Fontes. Livraria Martins Fontes Editora Ltda. 1999.

REIS, A. C. F. O seringal e o seringueiro. Manaus: Editora da Universidade do Amazonas. Governo do Estado do Amazonas, 1953.

TRINDADE, D.S.A.; AGUIAR, J.V.S.; VIEIRA, E.I.T. O Museu do Seringal Vila Paraíso: um recorte da história da ciência na passagem do século XIX para o século XX. Realize-Eventos e Editora. Anais III CONEDU. Disponível em:<http://www.editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO EV056 MD1 SA18 ID3423 03062016115330.pdf.>. Acesso: 22 de Abr.de 2017.

Publicado

2017-12-01

Como Citar

LOBO, H. B.; TRINDADE, D. S. A. da; CORDOVIL, R. V. ENSINO DE CIÊNCIAS EM ESPAÇOS NÃO FORMAIS À LUZ DA EPISTEMOLOGIA BACHELARDIANA. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Cuiabá, Brasil, v. 5, n. 2, p. 235–248, 2017. DOI: 10.26571/2318-6674.a2017.v5.n2.p235-248.i5458. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/5458. Acesso em: 18 maio. 2024.